Abrir menu principal
Léo Vaz
Nome completo Leonel Vaz de Barros
Nascimento 6 de junho de 1890
Capivari, Brasil
Morte 5 de março de 1973
São Paulo, Brasil
Nacionalidade  Brasil
Ocupação Escritor, professor e jornalista

Leonel Vaz de Barros, conhecido como Léo Vaz (Capivari, 6 de junho de 1890São Paulo, 5 de março de 1973), foi um escritor, professor e jornalista brasileiro. Foi autor de romances e contos com toques satíricos. Defendeu em sua obra a brasilidade de nosso povo e pode ser enquadrado na linha dos escritores da chamada literatura nacionalista.[1]

BiografiaEditar

Leonel Vaz de Barros foi um adolescente precoce. Aos 13 anos sabia praticamente de cor Os Lusíadas de Luís de Camões.[2] Diplomou-se professor pela Escola Normal de Piracicaba, em 1911 e ensinou em cidades do interior paulista e na Escola de Aprendizes Marinheiros do Recife até 1918.[3]

Como jornalista, começou escrevendo para a Gazeta de Piracicaba.[4]

(…) O cheiro da tinta de impressão e o tique-taquedo componedor logo me levaram à frequência da Gazeta de Piracicaba (…), cita o autor em Páginas Vadias.[5]

Em 1918, mudou-se para São Paulo. Nessa época de sua vida, lecionou francês, foi revisor de textos do Instituto Biológico, bibliotecário da Assembleia Legislativa de São Paulo, chefe técnico da Biblioteca da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco e autor do primeiro Almanaque para o Laboratório Fontoura.

Abandonando o magistério – que considerava como sendo uma profissão nobre e cacetíssimo sacerdócio[5] - com o apoio de Monteiro Lobato – de quem era amigo e até virou personagem do Sítio do Pica-pau Amarelo - e Oswald de Andrade, abraçou de vez a carreira jornalística escrevendo para periódicos como Revista do Brasil, Jornal do Comércio, A Gazeta, vespertino comprado em 1918 por Cásper Líbero, até chegar, em 1918, ao jornal O Estado de S. Paulo, onde foi redator, secretário e diretor, durante o exílio de Julio de Mesquita Filho, até aposentar-se, em 1951.[6]

Como jornalista teve carreira brilhante e é comparado a outros conterrâneos como Sud Menucci, Guilherme de Almeida, Afonso Schmidt, Galeão Coutinho, Paulo Gonçalves e Nestor Pestana.[7]

Em 1929, ele tomou posse na Academia Paulista de Letras, da cadeira 14.[8] Uma de suas experiências mais interessantes como jornalista ocorreu em 1935, quando foi à Europa pela primeira vez e a bordo do dirigível Graf Zeppelin, a fim de escrever série de reportagens para O Estado de S. Paulo.[9]

Sobre essa viagem, deixou suas impressões:

Ninguém deve considerar-se pessoa viajada de verdade enquanto não viajar de Zeppelin. Navios, estradas de ferro, automóveis, andam mui grudados à superfície; e como a árvore não deixa ver a floresta, assim o viajante marítimo ou terrestre só vê as coisas aos pedaços e nunca tem uma visão de conjunto. O avião, por seu lado, voa mui rápido e mui alto, perdendo assim de uma parte o que lograra da outra. Para ver devagar e do alto as coisas, só de Zeppelin… Uma viagem de Zeppelin é uma série de revelações, de paisagens, de pontos de vista, de concepções novas, que a gente nunca julgara possíveis. Julio Verne, se ressuscitasse e viesse viajar no Zeppelin, teria um mundo de coisas que aprender, e outro tanto que retificar.[10]

Em 1969, mesmo aposentado, retornou às redações, como diretor do Estadão, onde ficou até sua morte, em março 1973.[2]

Principais obrasEditar

Referências

  1. Barreto, Lima (1961). Correspondência 2ª ed. São Paulo: Editora Brasiliense. 205 páginas 
  2. a b Mattos, Virginia Bastos de (2009). Léo Vaz. O cético e sorridente caipira de Capivari. Ribeirão Preto: Editora Migalhas. ISBN 9788561707026 
  3. Peixoto,Silveira - Falam os escritores, Volume 1 - Comissão Estadual de Literatura. Coleção textos e documentos ; 16-30 - Edição 2 - Editora Conselho Estadual de Cultura, 1971
  4. «Caipira de Capivari». Movimento Capivari Solidário. Consultado em 6 de junho de 2010. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  5. a b Vaz, Leo (1957). Páginas Vadias. Rio de Janeiro: Editora José Olympio 
  6. «Léo Vaz». Movimento Capivari Solidário. Consultado em 6 de junho de 2010. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  7. Martins, Ana Luiza (2001). Revistas em revista. Imprensa e práticas culturais em tempos de República, São Paulo (1890-1922). São Paulo: Editora EdUSP. ISBN 8531405696 
  8. Behar,Eli - Vultos do Brasil - Editora Livraria Exposição do Livro, 1967
  9. «Livro resgata a personalidade e a obra do acadêmico Léo Vaz». Piracicaba: A Provícia. A Provícia. 9 de maio de 2009. Consultado em 6 de junho de 2010 
  10. «Lançamento em destaque». Movimento Capivari Solidário. Consultado em 6 de junho de 2010. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 

BibliografiaEditar

  • KOSHIYAMA, Alice Mitika (2006). Monteiro Lobato. Intelectual, empresário, editor. São Paulo: Editora EdUSP. ISBN 853140780X 
  • JORGE, Fernando (2003). Vida, obra e época de Paulo Setúbal. Um homem de alma ardente. 2. São Paulo: Editora Geração Editorial. ISBN 8575091018 

Ligações externasEditar