Abrir menu principal
Leo de Brito
Deputado federal Leo de Brito
Deputado federal pelo Acre
Período 1 de fevereiro de 2015
até 31 de janeiro de 2019
Secretário Extraordinário da Juventude do Acre
Período 2003 - 2006
Dados pessoais
Nascimento 13 de abril de 1979 (40 anos)
Rio Branco, AC
Alma mater Universidade Federal do Acre
Cônjuge Jucyane Pontes
Partido PT

Leonardo Cunha de Brito (Rio Branco, 13 de abril de 1979), conhecido como Leo de Brito, é um professor universitário e político brasileiro, foi deputado federal pelo estado do Acre, filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT).

BiografiaEditar

Casado com a advogada e professora da Universidade Federal do Acre (UFAC) Jucyane Pontes, Leo de Brito é advogado formado pela Universidade Federal do Acre (UFAC) e professor universitário, pós-graduado em administração pela Fundação Getúlio Vargas e mestre em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Militante do PT desde a adolescência e filiado desde 1997, participou como estudante secundarista do Movimento dos Caras-Pintadas, que lutou pela cassação do mandato do presidente Fernando Collor de Mello.

Na universidade foi fundador do Centro Acadêmico de Direito da UFAC, em 1999, e coordenador geral por duas gestões. Também foi membro da direção do Diretório Central dos Estudantes da Universidade. Léo também teve atuação no movimento ambientalista, sendo sócio-fundador da Ong Associação Vertente, que trabalha a temática dos recursos hídricos.[carece de fontes?]

Em 2003, no segundo mandato do governador Jorge Viana, assumiu, aos 23 anos, a Secretaria Extraordinária da Juventude (SEJA).[1] Nesse período, fundou e foi eleito presidente do Conselho Estadual da Juventude e vice-presidente do Fórum Nacional de Secretários e Gestores Estaduais de Políticas Públicas de Juventude. Foi presidente do diretório estadual do PT no Acre entre 2008 e 2013.

Em 2014 foi eleito deputado federal com 20.876 votos.[2]

Em 2015 foi um deputados do PT que, como membros do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, seguiram a orientação do partido de evitar confronto com o presidente do Legislativo, Eduardo Cunha, para evitar que este aceitasse um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.[3] O deputado, assim como outros colegas, faltou à sessão do Conselho de Ética que analisaria a admissibilidade do processo contra o presidente da Câmara, acusado de irregularidades no exercício do mandato.[4]

Nas eleições de 2018, foi novamente candidato a deputado federal pelo PT, mas não conseguiu ser reeleito com menos de 15 mil votos.[5]

Atividades parlamentares (legislatura 2015/19)Editar

Obs: Estão listadas apenas as atividades onde o parlamentar foi titular (atualizado em 26/06/16):

  • Comissão de Fiscalização Financeira e Controle: 3/3/2015 a 2/2/2016; 3/5/2016 - atualmente (presidente, a partir de 3/5/2016)
  • Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia: 3/3/2015 a 2/2/2016
  • PEC 039/07 - Água Como Direito Social: 23/3/2015 - atualmente
  • PL 3381/04 - Vigilância Sanitária Produto Natural: 2/7/2015 - atualmente
  • PL 2516/15 - Institui a Lei de Imigração: 8/9/2015 - atualmente (1º vice-presidente)
  • CPI - Crimes Cibernéticos: 6/8/2015 a 4/5/2016 (1º vice-presidente)
  • Conselho de Ética e Decoro Parlamentar: 12/3/2015 - atualmente

Obras publicadasEditar

BRITO, LEONARDO CUNHA DE , Diagnóstico acerca da atual presença de elementos da cidadania participativa e ambiental nas associações civis de pequenos produtores rurais e extrativistas vinculadas à CAPEB., Anais - X Seminário de Iniciação Científica da UFAC, UFAC, 1999.[6]

Referências

Ligações externasEditar