Abrir menu principal
Leonardo Antonelli
Cardeal da Igreja Católica
Decano do Colégio dos Cardeais
Penitenciário-mor
Prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica
Arcipreste da Basílica de São João de Latrão

Título

Cardeal-bispo de Óstia-Velletri
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 1764(?)
Ordenação episcopal 19 de março de 1794 [1][2]
por Dom Gian Francesco Cardeal Albani
Cardinalato
Criação 24 de abril de 1775
por Papa Pio VI
Ordem Cardeal-presbítero (1775-1794)
Cardeal-bispo (1794-1811)
Título Santa Sabina (1775-1794)
Palestrina (1794-1800)
Porto-Santa Rufina (1800-1807)
Óstia (1807-1811)
Brasão
CardinalCoA PioM.svg
Dados pessoais
Nascimento Estados Papais Senigália
6 de novembro de 1730
Morte Estados Papais Senigália
23 de janeiro de 1811 (80 anos)
Progenitores Mãe: Cattarina Castracani
Pai: Filippo Antonelli
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Leonardo Antonelli (6 de novembro de 1730 - 23 de janeiro de 1811[1]) foi um cardeal italiano, Penitenciário-mor, Prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica, Arcipreste da Basílica de São João de Latrão e decano do Colégio dos Cardeais.

Índice

BiografiaEditar

Mais novo dos três filhos do Conde Filippo Antonelli e sua segunda esposa, Cattarina Castracani.[1] Ele foi enviado para Roma em 1734, onde completou seus estudos, demonstrando mais inclinação para o direito civil e canônico..[1]

Vida religiosaEditar

Foi ordenado padre provavelmente em 1764. Foi Sommista da Chancelaria Apostólica, em abril de 1756. Secretário da Sagrada Congregação Consistorial e do Colégio dos Cardeais, em março de 1757 e nessa qualidade, no conclave de 1758, que elegeu o Papa Clemente XIII, escreveu o diário dos votos. Foi nomeado Cânon da Basílica Patriarcal Vaticana, em julho de 1763. Assessor da Sagrada Congregação da Romana e Universal Inquisição, em setembro de 1766. Sua carta na forma de um breve, datado de 30 de janeiro de 1768, com a qual ele defendeu o Papa Clemente XIII contra o tribunal de Parma, valeu-lhe uma violenta hostilidade que culminou em uma tentativa de assassinato, em que o monsenhor Saverio Antonelli foi morto por engano.[1]

Criado cardeal no 24 de abril de 1775, pelo Papa Pio VI, recebendo o barrete cardinalício em 27 de abril e o título de Santa Sabina em 24 de maio.[1] Entre 2 de maio de 1780 e 27 de fevereiro de 1795, foi Prefeito da Sagrada Congregação da Propagação da Fé. Ele teve dificuldades com as negociações com a Rússia para a reorganização da hierarquia católica e da criação da arquidiocese de Minsk. Também interveio na questão irlandesa, e antes do cisma constitucional da França, pelo menos inicialmente, ele teve uma opinião moderada. Após a Revolução eclodir na França, ele foi convidado a participar, juntamente com os cardeais Gian Francesco Albani, Vitaliano Borromeo, Filippo Campanelli, Guglielmo Pallotta e Gregorio Salviati, criou-se a Congregação para os Assuntos da França, que foi examinar a situação que se seguiu à promulgação da Constituição Civil do Clero, e orientada para as decisões difíceis do papa. Apoiou a Constituição civil do Clero na França em 12 de julho de 1790, para evitar a suspensão dos serviços religiosos.

Passa para a ordem de cardeais-bispos e assume a sé suburbicária de Palestrina em 21 de fevereiro de 1794.[1] Fo consagrado em 19 de março, na capela do Collegio Urbano de Propaganda Fide, em Roma, pelo Cardeal Gian Francesco Albani, assistido por Ottavio Boni, arcebispo-titular de Nazianzo, e por Simone de Magistris, bispo-titular de Cirene. Nomeado prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica, em 27 de fevereiro de 1795. Depois da invasão dos Estados Pontifícios pelo franceses, na congregação extraordinária de 4 de fevereiro de 1797, às vésperas das negociações de Tolentino, o cardeal falou contra a paz e para a continuação das hostilidades. Quando o Papa Pio VI foi banido de Roma, em fevereiro de 1798, o papa o colocou a frente de duas comissões de cardeais, responsável pelos assuntos civis e eclesiásticas, mas em 9 de março, ele também foi preso e encarcerado no Convento delle Convertite e pressionado a renunciar ao cardinalato, que ele recusou veementemente, após vinte dias de prisão, ele foi liberado a ir para Livorno com vários outros cardeais, e, em seguida, ele foi para o convento dominicano de Civitavecchia. Mais tarde, ele encontrou refúgio com os Passionistas em Monte Argentario, de onde ele foi a Veneza para o conclave.[1]

Retornou a Roma com o novo papa e se tornou parte da Congregação para a reorganização dos Estados Pontifícios. Passa para a sé suburbicária de Porto e Santa Rufina, em 2 de abril de 1800. Ele foi proeminentemente envolvido na análise da Concordata de 1801 entre a Santa Sé e a França, uma vez que foi assinado e antes da sua ratificação, em agosto de 1801, e foi um dos adversários mais rígidos das exigências do Primeiro-Cônsul Napoleão Bonaparte, especialmente relativo ao primeiro artigo da Concordata, considerando intolerável as restrições ao culto público. Nomeado Penitenciário-mor em 22 de dezembro de 1801, ele estava agindo como pró-penitenciário há algum tempo por causa da doença do titular, o cardeal Francesco Saverio de Zelada. Torna-se arcipreste da Basílica de São João de Latrão em dezembro de 1801, sucedendo ao cardeal Zelada. Acompanha o Papa Pio VII a Paris em 1804 para a coroação do Imperador Napoleão I. Atuou como pró-secretário de Estado, porque o Cardeal Ercole Consalvi, o secretário de Estado, permaneceu em Roma, com plenos poderes. Em 3 de agosto de 1807, assume a suburbicária de Óstia–Velletri, sé do decano do Sacro Colégio dos Cardeais.[1]

Pro-secretário de Breves Apostólicos. Quando os franceses o baniram de Roma, em 6 de setembro de 1808, ele foi para a Espoleto, depois para Macerata, e mais tarde para Senigália, onde morreu. Ele foi um dos primeiros cardeais a apoiar o restabelecimento da Companhia de Jesus. Ele era um protetor das letras e literatura, e estava muito interessado em arqueologia, ele coletou uma rica biblioteca, de que era bibliotecário Francesco Cancellieri.[1]

Morreu em 23 de janeiro de 1811. Foi velado na catedral de Senigália, e enterrado na capela de sua família na catedral. Em seu testamento, ele deixou fundos para apoiar doze estudantes armênios no Collegio Urbano de Propaganda Fide..[1]

ConclavesEditar

Referências

  1. a b c d e f g h i j k «The Cardinals of the Holy Roman Church» (em inglês) 
  2. a b «Leonardo Cardinal Antonelli» (em inglês). Catholic-Hierarchy. Consultado em 18 de junho de 2012 

Ligações externasEditar

BibliografiaEditar