Leonardo Sandri

Leonardo Sandri (Buenos Aires, 18 de novembro de 1943) é um cardeal argentino, prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais no Vaticano, e eleito pelos Cardeais-Bispos como Vice-Decano do Colégio de Cardeais, tendo o Papa confirmado a eleição em 24 de janeiro de 2020.[1]

Leonardo Sandri
Cardeal da Igreja Católica
Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais e Grão Chanceler do Pontifício Instituto Oriental
Vice-Decano do Colégio de Cardeais
O cardeal Leonardo Sandri, em 11 de outubro de 2014, à Cátedra de São Pedro
Hierarquia
Papa Francisco
Atividade eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Serviço pastoral Congregação para as Igrejas Orientais
Nomeação 9 de junho de 2007
Predecessor Dom Ignace Moussa I Cardeal Daoud
Mandato 2007 -
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 2 de dezembro de 1967
Buenos Aires
por Dom Juan Carlos Aramburu
Nomeação episcopal 22 de julho de 1997
Ordenação episcopal 11 de outubro de 1997
Basílica de São Pedro
por Dom Angelo Cardeal Sodano
Nomeado arcebispo 22 de julho de 1997
Cardinalato
Criação 24 de novembro de 2007
por Papa Bento XVI
Ordem Cardeal-diácono (2007-2018)
Cardeal-presbítero (2018)
Cardeal-bispo (2018-)
Título Santos Biagio e Carlo ai Catinari
Brasão
Coat of arms of Leonardo Sandri.svg
Lema ILLE FIDELIS
Dados pessoais
Nascimento Buenos Aires
18 de novembro de 1943 (78 anos)
Nacionalidade argentino
Progenitores Mãe: Nella Righi
Pai: Antonio Enrico Sandri
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

BiografiaEditar

Filho de Antonio Enrico e Nella Righi, imigrantes italianos da região de Trento. Obteve o doutorado em Direito Canônico na Pontifícia Universidade Gregoriana. Foi ordenado sacerdote no dia 2 de dezembro de 1967, incardinado na Arquidiocese de Buenos Aires, foi vigário paroquial e secretário do Cardeal Juan Carlos Aramburu. Em 1970 foi enviado a Roma para continuar os seus estudos. Em 1974 ingressou no serviço diplomático da Santa Sé; serviu nas nunciaturas de Madagascar e nas Ilhas Maurício, e na Secretaria de Estado do Vaticano de 1977 a 1989. De 1989 a 1991 foi observador permanente da Santa Sé na Organização dos Estados Americanos. No dia 26 de agosto de 1991 foi nomeado regente da Prefeitura da Casa Pontifícia.[2]

Aos 2 de abril de 1992 iniciou seu trabalho como assessor para os Assuntos Gerais da Secretaria de Estado da Santa Sé. O Papa João Paulo II elevou-o à dignidade de arcebispo ao nomeá-lo Núncio Apostólico na Venezuela em 22 de julho de 1997. Foi ordenado bispo pelo Cardeal Angelo Sodano, no dia 11 de outubro do mesmo ano.[2]

No dia 1 de março de 2000 foi nomeado Núncio Apostólico no México. Já no dia 16 de setembro do ano 2000 retornou à Roma como substituto para os Assuntos Gerais da Secretaria de Estado do Vaticano.[2]

Durante o período final do pontificado de João Paulo II, foi ele que lia os discursos do Papa enfermo, quando este não podia falar, sendo que em 2 de abril de 2005, anunciou ao mundo oficialmente a morte do Papa João Paulo II.[2]

Em 9 de junho de 2007 foi nomeado pelo Papa Bento XVI prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, bem como Grão-Chanceler do Pontifício Instituto Oriental pertencente à Congregação.[2]

Ele foi criado cardeal no consistório de 24 de novembro de 2007, pelo Papa Bento XVI recebeu o título cardinalício da diaconia de São Biagio e Carlo ai Catinari.[2]

Atualmente, é membro da Congregação para a Doutrina da Fé, da Congregação para os Bispos, da Congregação para a Evangelização dos Povos, da Congregação para a Educação Católica, do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-Religioso, do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos, do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica, e da Pontifícia Comissão para o Estado da Cidade do Vaticano.[2]

Em 19 de maio de 2018, ele passou para a ordem dos cardeais-presbíteros e sua diaconia foi elevada, pro hac vice, ao título. Em 26 de junho de 2018, com o Rescriptum ex Audentia Ss.mi, o Papa Francisco decidiu elevá-lo na Ordem dos Cardeais-Bispos, equiparando-o, em todos os aspectos, aos Cardeais que receberam o título de Sé suburbicária. Em 24 de janeiro de 2020, o papa aprovou sua eleição como vice-decano do Colégio de Cardeais.[3]

Galería fotogróficaEditar

Referências

Ligações externasEditar


Precedido por
Maximino Romero de Lema
 
Arcebispo-titular de Novigrad

19972007
Sucedido por
Beniamino Pizziol
Precedido por
Oriano Quilici
 
Núncio apostólico na Venezuela

19972000
Sucedido por
André Dupuy
Precedido por
Justo Mullor García
 
Núncio apostólico no México

2000
Sucedido por
Giuseppe Bertello
Precedido por
Giovanni Battista Re
 
Substituto para os Assuntos Gerais da
Secretaria de Estado da Santa Sé

20002007
Sucedido por
Fernando Filoni
Precedido por
Ignace Moussa I Daoud
 
Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais

2007
Sucedido por
Incumbente
Precedido por:
Angelo Felici
 
Cardeal-bispo ad personam de
Santos Biagio e Carlo ai Catinari

2018
Seguido por:
incumbente
Cardeal-presbítero pro hac vice
2018
Cardeal-diácono
20072018
Precedido por
Dom Giovanni Battista Cardeal Re
 
Vice-Decano do Colégio dos Cardeais

2020 — atual
Sucedido por