Abrir menu principal
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde maio de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Leopoldo López
Leopoldo López, em 2012.
Prefeito de Chacao
Período 30 de Julho de 2000
a 9 de Dezembro de 2008
Antecessor Cornelio Popesco
Sucessor Emilio Graterón
Coordenador Oficial Fundador do Partido da Vontade Popular
Período 5 de Dezembro de 2009
até a atualidade
Dados pessoais
Nome completo Eduardo Leopoldo López Mendoza
Nascimento 29 de abril de 1971 (48 anos)
Venezuela Caracas, Venezuela
Nacionalidade venezuelano(a)
Alma mater Kenyon College
Escola de Governo John F. Kennedy
esposa Lilian Tintori
Partido Primeiro a Justiça (2000-2007)
Um Novo Tempo (2007-2009)
Vontade Popular (2009-atual)
Religião Católico Romano
Profissão Político
Economista
Website http://www.leopoldolopez.com/

Eduardo Leopoldo López Mendoza (Caracas29 de abril de 1971) é um político e economista venezuelano. Ele foi prefeito do município de Chacao de Caracas, de 2000 a 2008, depois de ser eleito para o cargo por dois períodos consecutivos: 2000-2004 com 51% dos votos; e 2004-2008 para 79,5%. Ele é o coordenador nacional do partido Vontade do Povo e Rede do Povo, e é reconhecido como um líder da oposição anti-Chavez e depois de Nicolás Maduro.

Entre 2000 e 2008, Lopez foi prefeito de Chacao município de Caracas, período em que ele recebeu diversos prêmios devido à sua administração. De acordo com o jornal do governo, Correo del Orinoco, Lopez foi desativado pelo controlador durante esse período, corrupção. O Los Angeles Times informou que Lopez chamou a atenção do então presidente Hugo Chávez em 2000 e durante os acontecimentos que envolveram a tentativa de golpe de Estado na Venezuela em 2002 , indicando que "orquestrada protestos públicos contra Chávez e desempenhou um papel central na detenção ilegal de cidadãos ministro do Interior Chávez ", Ramon Rodriguez Chacin.

Em 2006, Lopez foi o líder da oposição ao presidente Chávez e trabalhou como ativista social para as reformas no sistema judicial. Em 2008, Lopez tinha planejado para ser executado para prefeito de Caracas, mas por causa das denúncias de supostas irregularidades encontradas na sua gestão, a Controladoria Geral da República emitiu uma medida de sanção contra desabilitá-lo para se qualificar para qualquer cargo público até 2014. Seu caso desqualificação foi revisto pelo Tribunal Interamericano de Direitos Humanos, que ele emitiu uma decisão por unanimidade em seu favor. No entanto, o governo venezuelano esclareceu que não podia aceitar o veredicto do tribunal, porque, segundo eles, estava cheio de "contradições e erros factuais" ratificada pela Câmara Constitucional dos aspectos Supremo Tribunal para declarar inaplicável a sentença e confirmou a desclassificação da Controladoria-Geral

Embora o artigo 68 da Constituição da Venezuela diz que "os cidadãos têm o direito de se manifestar, pacificamente e sem armas, sem outros requisitos que os estabelecidos por lei ..." uma manifestação liderada por Lopez não foi autorizada pelo município de Libertador, onde a acusação é, parte dos protestos de fevereiro 2014 em Caracas, que terminou com 43 mortos e quase 100 feridos e um incêndio, Gabinete do Procurador-Geral emitiu um mandado de prisão contra ele, acusando-o de "incitação pública, danos à propriedade em determinador grau, grau determinador fogo e formação de quadrilha" A Suprema Corte disse que é necessário solicitar a autorização da entidade local para realizar manifestações públicas com base nas disposições da Seção 68 da Constituição sobre "requisitos estabelecidos por lei." Depois de abordar uma multidão de seus partidários em 18 de fevereiro, Lopez deu a Guarda Nacional. A Anistia Internacional e outras organizações internacionais de direitos humanos condenaram a prisão ter sido motivada politicamente.

Primeiros anos de vida e educaçãoEditar

López nasceu em Caracas em 29 de Abril de 1974. [1] Ele tem 2 irmãs, Diana e Adriana López.

López é um “político de sangue-azul”, nas palavras do Guardian, ele vem de” uma das famílias mais poderosas na Venezuela.”[2] O seu pai, Leopoldo López Gil, foi diretor do El Nacional, um dos jornais mais lidos do país[3]. A mãe de López, Antonieta Mendonza é filha de Eduardo Mendonza Goiticoa, que foi Secretário da Agricultura por dois anos durante os anos de Rómolo Bertancourt que duraram de 1945 a 1948. Através dela, López é bis-bis-bis-neto do primeiro presidente do país, Cristóbal Mendoza. López é também bis-bis-sobrinho-neto de Simón Bolivar. A irmã de Bolivar, Juana Bolivar é também a bis-bis-bis-bis-bisavó, fazendo dele um dos poucos parentes vivos. O seu primo em primeiro grau é Thor Halvorssen Mendoza. [4] O seu tio-avô Rafael Ernesto López Ortega foi Ministro da Educação durante a presidência de López Contreras. O seu avô Leopoldo Ortega e tio-avô Rafael Ernesto López Ortega foram ambos médicos, fundadores do Centro Médico de São Bernardino em Caracas[5]. Ele estudou no Colégio Santiago de Leão de Caracas e formou-se na Hun School de Princeton.[6] Ele formou-se no Colégio Kenyon em Gambier, Ohio em 1993,[7] onde ele recebeu um doutoramento em Sociologia. De seguida estudou na Universidade Harvard Kennedy Scholl of Government onde obteve um Mestrado em Politica Pública em 1996.[8] Em 2007, ele recebeu um doutoramento honorário de Graus de Leis em Kenyon.[9] Em Maio de 2007 casou-se com Lilian Tintiro, [8][10] da qual obteve uma filha em 2009 seguido por um filho em 2013.[19] De acordo com o The Guardian, López vem “de uma das familias mais poderosas na Venezuela”.[2] Uma amiga do ensino médio de López, HLN Anchor Susan Hendricks, descreveu-o como tendo uma personalidade vencedora durante os seus anos de estudante. “Ele era um sucesso com as raparigas, embora ele não o soubesse” disse ela. “ Ele era muito modesto.”[11]Um amigo no colégio, Rob Gluck, disse em 2014 que durante os seus dias de estudante López fundou um grupo de estudantes chamado Estudantes Activos ajudando à Sobrevivência da Terra. Respondendo ao inquérito do governo sobre López, Gluck disse: “Dizer que Leo é da Direita é como dizer que Maya Angelou é racista. É bizarro. É o máximo exercício orwelliano em dupla linguagem.”

Em 1989, López disse ao jornal da escola em Hun School, The Mall, que “estar longe de casa cria uma consciência de responsabilidade para com as pessoas do meu país. Eu faço parte do um por cento de pessoas privilegiadas, que receberam uma boa educação o que me motiva a fazer algo para ajudar o meu país.” Um estudante amigo descreveu-o como “ muito bom a empolgar as pessoas” na equipa de natação , e acrescentou: “Tenho a certeza que estas qualidades vão ajudá-lo a liderar a Venezuela e a tirá-la do terceiro mundo algum dia.” O artigo mencionou que López, depois de se formar em Kenyon, esperava frequentar uma escola de doutoramento, e depois voltar para o seu país “onde ele espera entrar na politica e melhorar a Venezuela.” [6]

Negócios e vida académicaEditar

López trabalhou como conselheiro económico no planeamento Vice-Presidente nos Petróleos da Venezuela S.A. (PDVSA) entre 1996 e 1999, e exerceu como professor do Instituto Económico no Departamento de Economia na Universidade Católica Andrés Bello. [8]

Vida políticaEditar

“Eu decidi entre um emprego estável e a politica” López disse a um repórter em 2007. “ E eu escolhi a política. Foi uma ideia irracional guiada pela fé.” [8] López co-fundou o partido politico Primeiro a Justiça em 1992. [12][13] Ele liderou manifestações contra Hugo Chávez nos dias anteriores À tentativa de golpe de estado em 2002. Isto foi considerado por alguns como protestos legítimos e por outros como tendo “trespassado a linha que leva à insurreição ao tentar derrubar o presidente democraticamente eleito.” [8] Durante o golpe, ele tomou parte, junto com Henrique Capriles Radonski, na prisão de cidadãos do ministro do interior de Chávez - Ramón Rodríguez Chacín. Poucos meses depois do golpe, López permitiu que o seu distrito Plaza Francia fose usado como base para o golpe geral Venezuelando em 2002-03. [14] López foi eleito presidente da câmara de Chacao em 2000 com 51% dos votos, e reeleito em 2004 com 81%; o Los Angeles Times descreveu-o em 2006 como “imensamente popular no seu distrito.” [8] Ele foi louvado pelos eleitores “por reformular o sistema público de Saúde e construir novos espaços públicos” Durante a sua presidência, ele introduziu a TransChacao, um sistema de transportes públicos que contribui para melhorar grandemente os transporte em Chacao. [14] [15] No seu mandato também viu a abertura da escola Juan de Dios Guanche, considerada “a escola pública mais moderna construída no país nos últimos 20 anos,” [16] e o Centro Desportivo Eugenio Mendoza, [17] um centro desportivo. Debaixo de López, começaram grandes projectos de construção, incluindo a praça Palos Grandes, a nova sede do Mercado Libre, um novo quartel geral para a Unidade de Educação Andrés Bello, e muitas facilidades de estacionamento subterrâneo. O novo mercado de Chacao foi descrito como o mais moderno da América Latina. [18] López foi galardoado com o terceiro lugar em 2008 nos prémios de Projectos Mundiais de Presidentes de Câmara. A fundação dos Presidentes de Câmara, que promove bom governo urbano, escreveu que “seria mais fácil caracterizá-lo como descendente da elite saudável do país, em vez da cruzada de justiça social de Chávez. Mas o histórico de López no activismo mostrou-lhe a obrigação de promover igualdade social e os seus eleitores falam dele apaixonadamente, sobre um presidente de câmara que promoveu serviços públicos e fundou novas infraestruturas.” [13] Durante o seu mandato, López também ganhou primeiros prémios de Transparência Internacional tanto em 2007 e 2008 pela corrida da administração municipal mais eficiente e honesta. Mercedes De Freitas, director executivo da Transparency’s Venezuelan chapter, disse que pelo segundo ano consecutivo López foi um modelo nacional por uma administração pública eficiente e participatória.” [19] As tentativas de reforma de López e activismo anti-chavista levaram-nos a vários raptos e tentativas de assassinato. Em 2006, “homens armados pró-governo mantiveram-no como refém por seis horas.” [19][13] ”O meu melhor amigo morreu-me nos braços numa das tentativas de assassinato,” disse ele a um repórter em 2007- “O governo basicamente me disse, ‘Se te opões haverá consequências.’ Um governo autoritário ataca-te em três formas: legalmente, usando processos sem justiça; fisicamente, usando assassinato e rapto; e moralmente, ao controlar toda a televisão, jornais e estações de rádio. Eles usaram todas as três para tentar parar os meus esforços… Mas política é sobre esperança, não sobre exercer cargos eleitos.” Ele mencionou que “quarenta por cento dos homens de Chacao entre as idades de 14 e 30 habitualmente morrem ao lutar nas ruas. Setenta mil são assassinados todos os anos… Nós precisamos de desenvolver programas para estes homens, fornecendo desportos e cultura para eliminar a violência.” [14] “Com o aparecimento do governador do estado de Zulia, Manuel Rosales como principal desafiante de Hugo Chávez às eleições presidenciais de 2006,” de acordo com uma fonte, “López e muitos outros da Justiça Primeiro trocaram as suas alianças com o partido de Rosales, a social democracia Uma Nova Era.[12]

Manifestações de 2002Editar

As manifestações lideradas por López contra Hugo Chávez nos dias anteriores à tentativa de golpe de estado na Venezuela em 2002. Isto foi considerado por alguns como protestos legítimos, mas por outros como tendo “trespassado a linha que leva à insurreição ao tentar deitar abaixo o presidente democraticamente eleito.” [14] Durante o golpe, ele tomou parte da prisão de cidadãos do ministro do interior Ramón Rodrígues Chacín. Uns poucos meses antes do golpe, López permitiu que o seu distrito Plaza Francia fosse usada como base para o Golpe Geral Venezuelando de 2002-03. Desde então distanciou-se te organizadores de golpes de estado.[14]

Líder da Oposição: alvo de violênciaEditar

O Departamento de Estado dos Estados Unidos mencionou acções contra López pelo governo Venezuelano em 2005 no Relatório Anual das Cidades de Prácticas de Direitos Humanos. Em Novembro de 2005 López foi suspenso de actividade politica no futuro depois do seu mandato ter expirado em 2008 depois de acusações de mau uso de fundos. De acordo com o Departamento de Estado dos Estados Unidos, as acusações fizeram parte ”de uma estratégia do governo de Chávez para eliminar oposição politica”.[20] López disse “a sua ofensa real é que ele parece uma ameaça eleitoral visto estar a construir uma alternativa social democrata ao socialismo, antiamericano “Revolução Bolivariana”.[14] De acordo com o Los Angeles Times, os críticos de Chávez, todos os dissidentes do governo são alvos, mas “López para ser objecto de uma campanha total” [14] A sua tia foi também vitima de violência na Venezuela, atingida a tiro durante um comício pacifico.[21] Como líder da Oposição, López disse que sofreu vários ataques violentos: O Los Angeles Times escreveu que foi atingido a tiro e levado como refém em Fevereiro de 2006 por homens armados na Universidade onde ele estava a falar e que o seu guarda-costas foi atingido enquanto estava sentado no lugar do passageiro do carro onde López normalmente se sentava. O Times continua que “a matança do seu guarda-costas significava enviar uma mensagem”. [14] De acordo com Jackson Diehl, escritor para o Washington Post, em Junho de 2008, depois de López voltar de uma visita de Washington D.C., ele foi detido e assaltado por serviços de inteligência do estado.[22]Um membro da Guarda Nacional Venezuelana, uma corporação militar debaixo do comando de Hugo Chávez, denunciou que López foi responsável pela agressão e apresentou um vídeo como prova.[23]

Acusações de Corrupção e Banimento da Vida PoliticaEditar

Em Abril de 2008 despacho anunciado pela Provedoria Geral e mais tarde confirmada por decisão judicial, [24] López e várias centenas de Venuzuelanos foram impedidos de concorrer às eleições de Novembro de 2008, supostamente por razões de corrupção; 80% daqueles que foram impedidos pertenciam à oposição. [25] Como o mais conhecido dos banidos da politica, López contestou a sanção, argumentando que o direito de se candidatar a eleições só podia ser anulado na sequência de um julgamento civil ou criminal.[26] Ele argumentou que o banimento por parte do governo aos candidatos da oposição nas eleições de Novembro de 2008 se devia ao facto que ele sabia que ele ia ganhar. [26] Um tribunal legislou que eu não podia exercer cargos políticos até 2014,” disse ele, “garantindo que não podia estar presente nestas eleições, ma assembleia nacional em 2010, e para a presidência em 2012.” Ele foi acusado, “A fachada da democracia está desabando” [26] Em Junho de 2008, López apresentou o seu caso diante da Comissão dos Direitos Humanos Interamericana (IACHR) em Washington, D.C., e encontrou-se com o candidato presidencial Barack Obama. “Nós estamos a ser obstruídos,” disse ele em Washington, “porque nós podemos ganhar. Nós temos os votos e o governo sabe isso. Se nos for permitido estar na corrida o mito que Chávez representa por si para as pobres massas da Venezuela vai ser destruído. Então eles estão a forçar-me a desistir.” [22] em Julho, a Comissão concordou em ouvir o seu caso [27] e mencionou que os dois anos que se passaram desde que López apresentou uma moção pedindo a anulação da proibição constituía uma "demora injustificada.” [28] Em Abril de 2008 uma sondagem registou que 52% dos adultos na Venezuela se opunham ao banimento, e que 51% pensavam que era politicamente motivado. [29] O Departamento de Estado dos Estados Unidos disse que a tentativa de governar por decreto era "preocupante”; Chávez respondeu ao dizer que essas preocupações eram “exageradas” [30] No entanto, López e os outros oponentes que foram acusados de corrupção nunca foram julgados nem condenados [25] a Câmara Constitucional do Tribunal Supremo legislou em Agosto de 2008 que a sanção contra López e os outros era constitucional [31] De acordo com o Wall Street Journal, seis dos setes juízes do Tribunal Supremo “eram simpatizantes do presidente.”[25] A BBC News chamou a lista dos indivíduos impedidos de exercerem cargos públicos como “blacklist,” notando que pouco ou nada se podia fazer em relação ao Sr. López e aos outros para participarem nas eleições de Novembro.” [32] The Economist observou que López era “o alvo principal aparente” da decisão do auditor geral ao banir centenas de candidatos de ficarem nas eleições municipais e estatais por alegada corrupção, mesmo que não tenha sido condenado pelos tribunais.” [33] O Wall Street Journal mencionou que o banimento”tinha comparações suspeitas aos movimentos do governo do Irão ao prevenir os políticos opositores de concorrerem nas eleições do país” e que López “opositor político popular cujas sondagens diziam que ele iria ter uma boa oportunidade de se tornar o presidente da câmara de Caracas, um dos postos mais importantes no país.” [25] No dia seguinte, López e os outros protestaram a lei numa manifestação, [29] até serem bloqueados em frente do edifício governamental. [34] López liderou os protestos numa marcha não autorizada por Caracas; [35] a polícia de choque atirou bombas de gás lacrimogéneo contra a multidão de cerca de 1.000 manifestantes.[36] López apresentou queixa na comissão dos Direitos Humanos do Parlamento Internacional Mercosur, no qual a Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai estão representados, e no qual a Venezuela tem estatuto de observador[37] Dois membros da comissão viajaram até Caracas para investigar, [38] mas foram incapazes de chegar a qualquer conclusão porque as autoridades venezuelanas se recusaram a encontrar com eles. José Miguel Vivanco da Human Rights Watch “descreveram discriminação politica como a característica principal da presidência do Sr. Chávez, “ destacando que López e a “medida que desqualifica os candidatos de concorrerem a cargos públicos por causa de queixas legais contra eles.”[39] A administração Chávez, acusa López de corrupção, baseada no facto que em 1998, enquanto López trabalhava para os Petróleos de Venezuela S.A. (PDVSA) e a sua mãe era a gestora da empresa para relações públicas, ele atribuí um subsídio à Primeiro a Justiça Associação Civil, uma organização da qual López era membro. (O partido politico Movimento Primeiro a Justiça apareceu em 2000 como uma associação ramificada.) Por causa de PDVSA proibir donativos aos empregados ou parentes dos empregados, tanto a mãe e filho foram impedidos de concorrer a cargos públicos. Diehl escreveu que “as acusações contra López, nunca foram provados em tribunal, são um engenho descaradamente falso.”[40] A Associated Press informou que o uso de acusações para desqualificar López “é uma táctica, críticos dizem que Chávez usa para colocar as ambições políticas de seus oponentes em espera por tempo indeterminado.” [41] A Organização dos Estados Americanos citou que o caso contra López foi um dos “factores que contribuíram para o enfraquecimento da lei e democracia na Venezuela.” [42] López desafiou aqueles que o acusavam pelo facto de nenhuma das acusações ter sido provada e encontrada culpa no processo, numa directa violação dos tratados assinados pelo governo Venezuelano [43] e constituição Venezuelana.[44] O governo da Venezuela mantém que essas sanções são legais [45][46][47][48] OTribunal interamericano dos Direitos Humanos publicou em 16 de Setembro de 2011 uma decisão unânime, decretando que a López “deveria ser permitido estar num cargo público”, apesar dos prévios banimentos impostos pela administração Chávez.[8] O Centro Carter equiparou a decisão do Tribunal Supremo da Venezuela ao desrespeito dos tribunais militares de Alberto Fujimor: “Nós observamos com preocupação que o nosso conhecimento, com a excepção de tribunais militares durante o regime de Fujimori, este era o único país no hemisfério onde as regras de mérito do Tribunal Interamericano de Direitos Humanos tinham sido rejeitadas pelo Tribunal Supremo numa declaração expressa não vinculativa e inexequível.” [49] O governo da Venezuela recusa-se a cumprir o acórdão do tribunal, e López permanece banido dos cargos.[50]

Vontade PopularEditar

Em 5 de Dezembro de 2009, no fórum Valencia em Carabobo, López lançou a Vontade Popular. Ao informar o lançamento, a AP declarou que “o mero facto de os esforços de López ainda ressoam nos venezuelanos comuns mostra que o espírito democrático ainda queima na nação de 28 milhões.” López disse acerca do movimento, “ O que nós queremos é construir uma nova maioria de baixo para cima – não só através de negociações e acordos entre elites. É um caminho longo, mas para nós, é o único caminho que nos dá possibilidades de vencer.” [51] A Associated Press chamou López de “o homem que desafia a permanência no poder do Presidente Hugo Chávez.” [51] Numa entrevista online com leitores, López descreveu Vontade Popular como “movimento social e político, pluralista e democrático” que luta pelos “direitos de todos os Venezuelanos.” [51] Em 2010 num artigo para o Huffington Post, López descreveu o seu país com eleições recém realizadas, no qual 52% dos votantes apoiaram “candidatos alternativos” e 48% apoiaram Chávez PSUV, como marca “o primeiro passo para construir um futuro democrático, inclusivo e esperançoso.” Ainda mencionou que enquanto o PSUV só ganhou com 48% dos votos, ele retém 60% dos assentos no parlamento-um reflexo, disse ele, do “dano que foi feito ao nosso sistema democrático pelas regras do governo.”Venezuela, ele argumentou, tem “agora um ponto maior de inflexão oscilando entre duas possibilidades: estilo-Cubano autoritário misturado com deterioração social e económica, ou um novo caminho de democracia e de vitalidade económica.” Citando a deterioração das infraestruturas do país., ele escreveu que “Quando uma economia global do petróleo gasta dezenas de bilhões no exterior e não consegue manter as luzes em casas acesas, as pessoas vão tirar as suas próprias conclusões.”

Protestos de 2014 na VenezuelaEditar

O The Economist mencionou que em Fevereiro de 2014 que enquanto Henrique Caplies encabeçava a ala moderadora da Democracia Unida (MUD), a aliança dos partidos de oposição, López encabeçava “as alas mais conflituosas.” Enquanto ambas as alas pregavam não violência, López ao contrário de Caprlies, “acreditava que as manifestações podem causar mudança de governo.” [52] O The Guardian escreveu no mesmo mês que López e Capriles tinham “uma longa rivalidade mas também uma longa amizade,” mas que López tinha “provado agora a si mesmo que era o mais dinâmico do duo,” com Capriles apertando a mão a Maduro depois de perder as eleições de Dezembro de 2013 enquanto López começou “A Saída, um movimento “que pretende destituir o presidente pelos protestos.”

Em 13 de Fevereiro desse ano, os promotores Venezuelanos emitiram um mandato de captura para López com acusações incluindo instigação da delinquência, intimidação pública, fogos postos em edifícios públicos, danos em propriedade pública, lesões graves, “incitamento ao motim”, homicídio e terrorismo.[53][54] O dia seguinte à emissão do mandato López dirigiu-se a Maduro pelo Twitter, dizendo,” não tens tomates para me prenderes? Ou estás à espera de ordens de Havana? Eu digo-te, a verdade está do nosso lado.”[55]

Ao fim da noite a televisão nacional difundiu em 16 de Fevereiro, de acordo com Reuters, ”Maduro disse a López para se entregar ‘sem show’ e ele disse que rejeitou pressão de Washington para deixar cair o caso contra ele.” Maduro “disse que tinha ordenado a três cônsules dos Estados Unidos para deixarem o país por conspirarem contra o seu governo,” e declarou: “Venezuela não aceita ordens de ninguém!”[56]

Em 18 de Fevereiro, López entregou-se à Guarda Nacional[56] na presença de milhares de apoiantes ruidosos, que como ele estavam vestidos de branco como símbolo da não violência. Ele fez um pequeno discurso no qual ele disse que esperava que a sua prisão iria acordar a Venezuela da corrupção e desastre económico causada pela governação socialista. A única alternativa era aceitar a prisão, disse ele, ao pé da estátua de Jose Marti, era “deixar o país, e eu nunca iria deixar a Venezuela!” [11][11] Horas depois da sua prisão, Maduro dirigiu-se a uma multidão ruidosa de apoiantes em vermelho, dizendo que não iria tolerar “guerra psicológica” pelos seus oponentes e que López deveria ser detido pelos seus “actos de traição”. [57] A mulher de López disse à CNN naquela noite “que López estava de bom humor por detrás das grades” e acrescentou:” A última coisa que ele me disse era para não me esquecer o porquê de isto estar a acontecer, não esquecer porquê ele estava a ir para a prisão. Ele pedia a libertação dos presos políticos e estudantes e o terminar da repressão e violência.”[11][58][57]

Em 20 de Fevereiro, o juiz supervisor Ralenis Tovar Guillén, emitiu uma ordem de detenção prévia ao julgamento contra López em resposta às acusações formais de “fogo posto em edifícios públicos,” “danos em propriedades públicas”, “instigação para cometer crime”, e “associação para crime organizado,” nivelada por Franklin Nieves.[59] A audiência de acusação na qual López foi formalmente acusado, e na qual foi decidido mantê-lo encarcerado enquanto aguardava julgamento, ocorreu dentro de um parque de autocarros militares fora da prisão, um processo descrito por Gutierrez como “muito pouco ortodoxo.” [60] CNN informou que López, se for declarado culpado, “poderia enfrentar até 10 anos na prisão.”[61]

PrisãoEditar

 
Lilian Tintori, esposa de Leopoldo López, em 7 de maio de 2015, diante da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional do Senado Federal do Brasil.[62] Acompanhada por Rosa Orozco (mãe de Geraldine Moreno, manifestante assassinada por um integrante da Guarda Nacional Bolivariana) [63] e Mitzy Capriles (esposa do dissidente preso Antonio Ledezma), denunciou as violações aos direitos humanos e a existência de presos políticos na Venezuela.[64]
 
Lilian Tintori durante uma conferência sobre direitos humanos na Real Casa de Correos em Madri, 15 de Março de 2016, durante a apresentação do livro de seu marido Preso pero libre: Notas desde la cárcel del líder venezolano.[65]

A López foi negada fiança e foi mantido detido numa prisão militar fora de Caracas[66][61].

Durante uma visita da sua esposa, López deu-lhe um manuscrito que rapidamente se tornou viral nas redes sociais. “ Eu estou bem”, ele escreveu aos seus apoiantes, a quem os encorajava “a não desistirem” e “estarem firmes contra a violência, e permanecerem organizados e disciplinados. Esta é a luta de todos nós.” Enquanto na prisão, a sua família visitava-o todas as semanas, sendo permitido ficar algumas horas e entregar o almoço. Eles tiham que passar por pesquisas rigorosas por guardas. López deixou a barba crescer e começou a aprender a tocar o cuatro. López um católico devoto não foi autorizado a assistir à missa ou a ter uma visita do sacerdote, mas foi autorizado a ter uma hora de exercício fora cada dia. [67]

“As acusações trazidas contra o líder da oposição Venezuelana Leopoldo López,” levaram a Amnistia Internacional em 19 de Fevereiro a afirmar,”um murro na tentativa de motivação política para silenciar a dissidência no país.” Guadalupe Marengo, vice-director do Programa de Amnistia Internacional, disse às autoridades Venezuelanas “para apresentarem provas sólidas para fundamentar as acusações contra López ou libertá-lo imediatamente e incondicionalmente… Actualmente, a Amnistia Internacional ainda não viu provas para substanciar essas acusações. Isto é uma afronta à justiça e à assembleia livre.” [68] Human Rights Watch disse:” O governo venezuelano abraça abertamente as tácticas clássicas de um regime autoritário, prende os seus oponentes, amordaça a média, e intimida a sociedade civil.” HRW ainda acusa o governo de Maduro de culpar os líderes da oposição, incluindo López, por violência. [60]

A Fundação de Direitos Humanos de Nova York, encabeçada pelo primo de López Thor Halvorssen, declarou López prisioneiro de consciência em 20 de Fevereiro e juntou-se a muitas outras organizações internacionais em apelar à sua imediata libertação.” Com a prisão de López e as tácticas brutalmente repressivas que a polícia, forças armadas e grupos paramilitares estão a usar contra seus apoiantes, o Estado venezuelano perdeu qualquer fachada democrática que possa ter tido,”disse o presidente da HRF Garry Kasparov numa declaração.

“Maduro deve entender que ele não pode simplesmente apagar tudo da oposição na Assembleia Nacional com o golpe de uma caneta e não esperar ter queixas. E uma vez que eles reclamam, ele não pode simplesmente chamá-los de fascistas e derrubá-los. Ou Maduro liberta López e apela a um diálogo honesto com todos da oposição, ou ele deve demitir-se por causa de todos os venezuelanos: tanto os que apoiam o chavismo e aqueles que não o fazem. A Venezuela não precisa de um carrasco disposto a matar metade do país. A Venezuela precisa de um presidente.” [60]

CondenaçãoEditar

Leopoldo López estava detido na prisão militar de Ramo Verde desde fevereiro de 2014, acusado pelas autoridades venezuelanas de "incitamento à desordem pública, associação criminosa, atentados à propriedade e incêndio", na sequência das manifestações de contestação à política da presidência de Nicolás Maduro, que terminaram em violência.

Em setembro de 2015, foi condenado a 13 anos, nove meses e sete dias de prisão, a pena máxima para os crimes de que estava acusado.[69]

Plataforma PoliticaEditar

A Associated Press chamou López de “o homem que está a desafiar a permanência no poder do Presidente Hugo Chávez.” [41] Em 5 de Dezembro de 2009 no fórum Valencia em Caraboboo, López lançou a Vonta Popular. A Associated Press informou acerca do lançamento, “o simples facto que os esforços de López ressoam em Venezuelanos comuns mostra que o espirito democrático ainda arde na nação de 28 milhões.” López disse acerca do movimento, “O que nós queremos é construir uma nova maioria de baixo para cima-não só através de negociações e acordos entre elites. É um longo caminho, mas para nós, é o único caminho que nos dá a possibilidade de vencer.”[41]

EducaçãoEditar

López repetiu afirmações semelhantes a, “Nós aqui não falamos sobre infraestrutura, treinamento com qualidade, pessoal nas escolas, nós Venuzelanos queremos enviar as nossas crianças para escolas de qualidade, onde possam não só aprender Espanhol ou matemática, mas também adquirir valores e serem formados como seres completos”.[70] Ele fez um apelo para criar grupos de base, semelhantes a PTA, ou uma rede popular, em cada escola para garantir a qualidade das escolas e da educação recebida por crianças e jovens.” Uma rede de”pessoas” em cada escola.” [71]

Desenvolvimento da ComunidadeEditar

López disse, “… parte da solução é ter uma comunidade organizada e nós podemos solucionar a situação da Venezuela só por promover a cultura, desporto e emprego.”[72]

New York Times op-edEditar

Em 26 de Março de 2014, o The New York Times publicou um op-ed de López com o título “Estado Decadente da Venezuela.” Escrito, como ele explicou, “ da prisão militar Ramo Verde fora de Caracas, “ López lamentou que nos últimos quinze anos, “a definição de ‘intolerável’ no seu país diminuiu gradualmente até que, para nosso desânimo, nos encontramos com uma das taxas mais altas de homicídio do Hemisfério Ocidental, taxa de inflação de 57 por cento, escassez improcedente de bens básicos fora de tempo de guerra.” A devastação económica, ele acrescentou, “é acompanhada por um clima igual de opressão politica. Desde que os protestos dos estudantes começaram a 4 de Fevereiro, mais de 1,500 protestantes foram detidos, mais de 30 foram mortos, e mais de 50 pessoas informaram que foram torturadas enquanto debaixo de custódia policial,” expondo assim "a profunda criminalização deste governo de dissidentes".

Falando da sua prisão, López relembrou que em 12 de Fevereiro, ele tinha “exortado os venezuelanos a exercerem os seus direitos legais de protesto e de liberdade de expressão- mas para o fazerem de uma forma pacífica e sem violência. Três pessoas foram atingidas e mortas naquele dia. Numa análise ao vídeo da organização noticiosa Últimas Noticias determinou que tiros foram disparados a partir da direção das tropas militares à paisana.” Após o protesto ", o presidente Nicolás Maduro ordenou pessoalmente a minha prisão sob a acusação de assassinato, incêndio criminoso e terrorismo… Até hoje, nenhuma evidência de qualquer tipo foi apresentada. "López explicou que não estava sozinho as ser preso por razões politicas. Na semana anterior, o governo prendeu ambos os presidentes de câmara de San Cristóbal e San Diego. Enquanto alguns observadores” Acreditamos que falar apenas antagoniza o partido no poder - convidando o Sr. Maduro a se mover mais rapidamente para tirar direitos- e fornece uma distração conveniente da ruína econômica e social que está a acontecer,”López argumentou que "este caminho é semelhante a uma vítima de abuso permanecendo em silêncio por medo de mais punição.” Além disso, "milhões de venezuelanos não têm o luxo de jogar o" jogo longo, 'de esperar pela a mudança que nunca mais vem'.

Portanto, é importante "falar, agir e protestar", e não "ficar acomodado ao abuso constante de direitos que está a acontecer.” López pediu justiça para as vítimas de Maduro, para o desarmamento dos grupos paramilitares, para "uma investigação sobre fraudes cometidas através da nossa comissão para a troca de moeda,” e de "uma verdadeira participação da comunidade internacional, particularmente da América Latina.” Ele denunciou que enquanto organizações internacionais de direitos humanos tinham sido sinceras na condenação Maduro, muitos dos vizinhos da Venezuela tinha respondido às suas ações com "silêncio vergonhoso", como tinha a Organização dos Estados Americanos., que representa as nações do Hemisfério Ocidental. [73]

Prisão e condenaçãoEditar

Em fevereiro e março de 2014, a Venezuela foi abalada por protestos em massa a favor e contra o governo em várias partes do país. Violentos confrontos entre forças de segurança e manifestantes levaram a 43 mortos e centenas de feridos, incluindo desde funcionários responsáveis ​​pela aplicação da a lei até pedestres.

Leopoldo López se entregou a Guarda Nacional durante uma manifestação anti-governamental organizada por seu partido em uma praça no leste de Caracas , em 18 de Fevereiro de 2014, está preso desde então.

Em 19 de fevereiro, ele apareceu diante de um tribunal que concluiu que não havia provas para acusá-lo de crimes graves mencionados no mandado, incluindo terrorismo, assassinato e lesões graves, mas que havia indícios de outros crimes, tais como incêndio e danos ao patrimônio, incitação ao crime e formação de quadrilha.

Estas infracções implicam uma pena máxima de 10 anos de prisão. O juiz ordenou a detenção de Lopez até o final do inquérito pelo Ministério Público.

Quatro meses depois, em 04 de julho de 2014 o juiz decidiu admitir os resultados do inquérito pelo Ministério Público e que tinha provas suficientes para colocá-lo em julgamento. Além disso, decidiu negar fiança enquanto aguardava julgamento.

Leopoldo López ficou mais de 5 meses em prisão preventiva no Centro Nacional de réus militares CENAPROMIL, uma prisão militar em Los Teques, nos arredores da capital, Caracas. Hoje se encontra no presídio de Ramo Verde que fica no sul da área metropolitana de Caracas.

Em 30 de Abril de 2019, mediante a informação de que alguns militares conspiravam contra o governo venezuelano de Nicolás Maduro, López quebrou sua prisão domiciliar ao ir a uma Base Militar em Caracas, ao lado do presidente interino Juan Guaidó num episódio marcado por protestos.

PrémiosEditar

  • Doutor Honoris Causa em Leis, Colégio Kenyon 2007
  • Terceiro lugar, Projectos Mundiais de Presidentes de Câmara 2008
  • Premio Transparência 2008,para o presidente de câmara mais transparente da Venezuela, atribuído pela marca Venezuelana de Transparência Internacional [19]

Vida PessoalEditar

Em Maio de 2007 López casou com Lilian Tintori, da qual têm uma filha, Manuela Rafaela, e em 2009 um filho, Leopoldo Santiago, em 2013. Tintori, uma campeã de Kite Surfer e ex-apresentadora de TV de um programa de desportes exremos, é uma figura popular dos média que trabalhou activamente por causas humanitárias como os direitos humanos, serviços para os cegos e surdos, combatendo a violência contra as mulheres, e a proibição de conduzir bebâdo. “O casal é às vezes ridicularizados como Barbie e Ken por causa da sua aparência perfeita,”informou o The Guardian em 2014, “mas a sua despedida chorosa diante do público antes de López se entregar à guarda nacional ", em Fevereiro do mesmo ano" provou ser uma imagem poderosa nas redes sociais.”O fotógrafo de acordo com NPR, “cimentou o seu lugar como o rosto da oposição ao governo de Nicolás Maduro ", indicando que López havia tomado o lugar de Capriles" como chefe simbólico da oposição.”[2][1][5] López é conhecido por ter uma tatuagem da Venezuela no seu tornozelo. Em 1 de Agosto de 2017, após um curto período em prisão domiciliar, foi reconduzido para a prisão.[74] No mesmo dia, anunciou que Lilian está grávida e que "o bebê é mais um motivo para lutar pela Venezuela."[75]

ReferênciasEditar

  1. a b Peralta, Eyder (20 de fevereiro de 2013). «5 Things To Know About Venezuela's Protest Leader». NPR. Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  2. a b c Jonathan Watts. 21 February 2014. Venezuelan opposition leader, Leopoldo López, tells his allies to keep fighting. The Guardian. Retrieved: 15 March 2014.
  3. Quem são os opositores de Nicolás Maduro. Poderá algum deles derrubá-lo?, por João de Almeida Dias, Observador, 1 Agosto 2017125
  4. Halvorssen, Thor (14 de março de 2012). «Hugo Chavez channels the dead». Pittsburgh Post Gazette. Consultado em 10 de maio de 2012 
  5. a b [http://www.citymayors.com/mayors/chacao-mayor.html
  6. a b «Hun Alumnus Leopoldo López '89 Stands Up for Venezuela; Hun Community Wears White». The Hun School of Princeton. Consultado em 19 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2014 
  7. Curran, Hannah. «Leo Lopez: Kenyon grad, Venezuelan politician». Kenyon Collegian. Consultado em 18 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2014 
  8. a b c d e f (em castelhano) «Leopoldo López Mendoza». Oficina del Alcalde, Chacao. Consultado em 9 de setembro de 2008. Arquivado do original em 31 de dezembro de 2007 
  9. «Honors day». Kenyon College, Office of the Provost. Consultado em 30 de agosto de 2007. Arquivado do original em 21 de maio de 2008 
  10. «Leopoldo Lopez' Wife Lilian Tintori». Fevereiro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2014 
  11. a b c d «Leopoldo Lopez». CNN 
  12. a b (em castelhano) Muñoz, Ingrid Núñez and Nury Pineda Morán (janeiro–junho de 2003). «Nuevos Partidos, Nuevos Liderazgos: Primero Justicia». IEPDP-Facultad de Ciencias Jurídicas y Políticas - LUZ. Cuestiones Políticas (30): 45–74. ISSN 0798-1406. Consultado em 19 de outubro de 2010. Arquivado do original (PDF) em 25 de julho de 2011 
  13. a b c (em castelhano) «Un Nuevo Tiempo juramentó nueva comisión política». Venevisión. 3 de março de 2007. Consultado em 4 de março de 2007. Arquivado do original em 28 de setembro de 2007 
  14. a b c d e f g h Kraul, Chris (19 de julho de 2006). «A lightning rod for Venezuela's political strife». Los Angeles Times  Also online here.
  15. http://www.eluniversal.com/2010/07/25/ccs_art_transchacao-reordeno_1979144
  16. «Cópia arquivada». Consultado em 14 de maio de 2014. Arquivado do original em 7 de abril de 2014 
  17. «Cópia arquivada». Consultado em 14 de maio de 2014. Arquivado do original em 7 de abril de 2014 
  18. «Cópia arquivada». Consultado em 14 de maio de 2014. Arquivado do original em 7 de abril de 2014 
  19. a b c (em castelhano) «Premio Transparencia 2008 para Leopoldo López». noticias24. 6 de outubro de 2008. Consultado em 19 de outubro de 2010. Arquivado do original em 1 de março de 2011 
  20. «Country Reports on Human Rights Practices: Venezuela, 2005». U.S. State Department. 8 de março de 2006. Consultado em 9 de setembro de 2008 
  21. Glabe, Scott L (22 de novembro de 2005). «New Organization Opens Fire on Chavez». The Dartmouth Review. Consultado em 30 de setembro de 2011 
  22. a b Diehl, Jackson (30 de junho de 2008). «The Rival Chavez Won't Permit». The Washington Post. p. A11. Consultado em 21 de julho de 2008 
  23. (em castelhano) «La Fiscalía investiga a un alcalde opositor por presuntas agresiones contra agentes del aeropuerto». 28 June 2  Verifique data em: |data= (ajuda)
  24. Cancel, Daniel and Steven Bodzin (7 de agosto de 2008). «Venezuela Opposition Pleads Decree Case to Trade Bloc (Update3)». Bloomberg.com. Consultado em 9 de setembro de 2008 
  25. a b c d de Córdoba, José and Darcy Crowe (6 de agosto de 2008). «In Enacting Decrees, Chávez Makes New Power Grab». Wall Street Journal. Consultado em 8 de agosto de 2008 
  26. a b c Ingham, James (27 de junho de 2008). «Testing Times Ahead for Chavez». BBC News. Consultado em 22 de julho de 2008 
  27. Gunson, Phil (7 de agosto de 2008). «More anger, protests over Venezuelan decrees». Miami Herald. Consultado em 7 de agosto de 2008 
  28. Alonso, Juan Francisco (31 de julho de 2008). «IACHR finds unjustified procedural delay in case of Venezuelan Mayor». El Universal. Consultado em 13 de agosto de 2008 
  29. a b Cancel, Daniel and Steven Bodzin (6 de agosto de 2008). «Venezuela Opposition Condemns Decrees, Court Decision (Update1)». Bloomberg.com. Consultado em 9 de setembro de 2008 
  30. Gollust, David (7 de agosto de 2008). «US Calls Chavez' Rule by Decree Effort Worrisome». VOA News. Consultado em 19 de outubro de 2010. Arquivado do original em 14 de setembro de 2008 
  31. (em castelhano) «Declaran constitucionalidad del artículo 105 de la Ley de Contraloría». El Universal. 5 de agosto de 2008. Consultado em 9 de setembro de 2008 
  32. «Venezuelans protest against ban». BBC News. 7 de agosto de 2008. Consultado em 8 de agosto de 2008 
  33. «The autocrat of Caracas». The Economist. 7 de agosto de 2008. Consultado em 8 de agosto de 2008 
  34. James, Ian (6 de agosto de 2008). «Venezuelans protest Chavez's new socialist push». Associated Press. Consultado em 9 de setembro de 2008 [ligação inativa]  Also available at Foxnews.com. Arquivado em 21 de outubro de 2012, no Wayback Machine.
  35. (em castelhano) «Chocan con la Policía en Caracas». Siglo XXI. 6 de agosto de 2008. Consultado em 9 de setembro de 2008. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  36. «Tear gas used to break up Caracas protests». CNN. 7 de agosto de 2008. Consultado em 9 de setembro de 2008 [ligação inativa] 
  37. «Mercosur human rights commission arrives in Venezuela». El Universal. 6 de agosto de 2008. Consultado em 7 de agosto de 2008 
  38. «Venezuelan politics contaminate Mercosur parliament session». MercoPress. 19 de agosto de 2008. Consultado em 9 de setembro de 2008 
  39. Romero, Simon (18 de setembro de 2008). «Report Accuses Chávez of Abusing Rights». The New York Times. Consultado em 2 de fevereiro de 2010 
  40. Diehl, Jackson (30 de junho de 2008). «The Rival Chávez Won't Permit». The Washington Post. Consultado em 7 de maio de 2010 
  41. a b c Toothaker, Christopher (26 de dezembro de 2009). «Venezuelan seeks to revive anti-Chavez movement». Deseret News. Consultado em 19 de outubro de 2010 
  42. «Democracy and human rights in Venezuela». Inter-American Court of Human Rights. 30 de dezembro de 2009. Consultado em 19 de outubro de 2010 
  43. «Leading Venezuelan Activist, Leopoldo Lopez, to Testify Before Inter-American Commission on Human Rights». Business Wire. 23 de março de 2009. Consultado em 31 de maio de 2009 
  44. «Interview: Leopoldo López on Venezuela's Political Alternative». Americas Society. 6 de outubro de 2008. Consultado em 31 de maio de 2009 
  45. «Venezuelan GAO denounces former Mayor Leopoldo López's subterfuge». Embassy of the Bolivarian Republic of Venezuela Press Office. Consultado em 31 de maio de 2009. Arquivado do original em 13 de abril de 2014 
  46. (em castelhano) «Contraloría inhabilitó al alcalde Leopoldo López». El Tiempo. 13 de junho de 2006. Consultado em 13 de novembro de 2006. Arquivado do original em 18 de junho de 2006 
  47. (em castelhano) «Contraloría inhabilita por tres años a Leopoldo López para las funciones públicas». El Universal. 12 de junho de 2006. Consultado em 14 de novembro de 2006 
  48. (em castelhano) «Caso de Leopoldo López llegó a Comisión de Contraloría». Cadena Global. 7 de agosto de 2008. Consultado em 10 de setembro de 2008. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2015  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  49. «Declaration of the Friends of the Inter-American Democratic Charter on the Venezuelan Decision Regarding the Ruling of the Inter-American Court of Human Rights». The Carter Center. Consultado em 22 de outubro de 2011 
  50. «Protests in Venezuela: A tale of two prisoners». The Economist. Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  51. a b c (em castelhano) «Leopoldo López lanza movimiento Voluntad Popular en Carabobo». El informador. 5 de dezembro de 2009. Consultado em 19 de outubro de 2010. Arquivado do original em 16 de julho de 2011 
  52. «A tale of two prisoners». The Economist 
  53. Girish Gupta and Peter Wilson (13 de fevereiro de 2014). «Venezuelans in shock over protest deaths». USA Today 
  54. «Opositor Leopoldo López con orden de captura por 'terrorismo'». El Universo. 14 de fevereiro de 2014. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  55. Andrew Cawthorne and Diego Ore (14 de fevereiro de 2014). «Anti-Maduro protests persist in Venezuela, dozens jailed». Thomson Reuters 
  56. a b Wallis, Daniel; Chinea, Eyanir (16 de fevereiro de 2014). «Venezuela's Lopez says ready for arrest at Tuesday march». reuters.com. Thomson Reuters. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  57. a b Goodman, Joshua (18 de fevereiro de 2014). «Venezuela opposition leader jailed over protests». Associated Press. San Francisco Chronicle. Consultado em 22 de fevereiro de 2014 
  58. «Descartan cargos de terrorismo y homicidio contra Leopoldo López». La Jornada. Mexico City. 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  59. «Venezuela HRF Declares Leopoldo Lopez a Prisoner of Conscience and Calls for his Immediate Release». Human Rights Foundation [ligação inativa]
  60. a b c «Venezuela: Violence Against Protesters, Journalists». Human Rights Watch. 21 de fevereiro de 2014. Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  61. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome MurderCharges
  62. Câmara - CÂMARA DOS DEPUTADOS, sessão: 098.1.55.O, Orador: LUIZ CARLOS HAULY. Página visitada em 9 de dezembro de 2015.
  63. Los familiares de Geraldine Moreno no olvidan... Exigen justicia, Visionglobal (em castelhano) Página visitada em 9 de dezembro de 2015.
  64. World News - Mulheres de presos políticos da Venezuela pedem socorro ao Brasil pelo fim das execuções e tortura. (em castelhano) e (em português). Página visitada em 9 de dezembro de 2015.
  65. Preso pero libre: Notas desde la cárcel del líder venezolano. Autor: Leoplodo López. Grupo Planeta, 2016, ISBN 9788499424903, (em castelhano). Adicionado em 23/02/2017.
  66. «Venezuelan opposition leader Leopoldo Lopez denied bail». BBC News. 28 de março de 2014. Consultado em 22 Apriil 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  67. Gray, Rosie (1 de abril de 2014). «Venezuelan Opposition Leader Languishes In Jail As Protests Continue». Buzzfeed. Consultado em 3 de abril de 2014 
  68. «Venezuela: Trial of opposition leader an affront to justice and free assembly». Amnesty International. 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  69. «Opositor venezuelano Leopoldo López condenado mais de 13 anos de prisão» 
  70. (em castelhano) «Leopoldo López afirma que deben trabajar duro en las comunidades». informe21.com. 20 de agosto de 2009. Consultado em 19 de outubro de 2010 
  71. (em castelhano) "Leopoldo López llamó a crear una red popular por cada escuela" Arquivado em 28 de setembro de 2011, no Wayback Machine.
  72. (em castelhano) «Voluntad Popular cree que problema de inseguridad se puede solucionar». Secretaria General Iberoamerica. 20 de agosto de 2010. Consultado em 19 de outubro de 2010 
  73. Lopez, Leopoldo. «Venezuela's Failing State». New York Times 
  74. El Nacional - Así anunció Leopoldo López el embarazo de Lilian Tintori. 1 de Agosto de 2017. (em castelhano) Acessado em 01/08/2017.
  75. O Globo - Em vídeo, Leopoldo López confirma gravidez de sua mulher, Lilian Tintori. Líder opositor foi novamente levado para a prisão nesta madrugada. 1 de Agosto de 2017. Acessado em 01/08/2017.