Lepidopterologista

(Redirecionado de Lepidopterologia)

Lepidopterologista[1] (do grego antigo: λεπίδος, lepídos, 'escama'; πτερόν, pterón, 'asa'; e -λογία, -logia, 'estudo'),[2] lepidopterista, ou ainda lepidopterólogo,[3] é o profissional especializado em lepidopterologia, ramo da entomologia especializado no estudo científico das mariposas e borboletas, os chamados lepidópteros.[4] Arcaicamente, um lepidopterista é chamado de aureliano.[5]

Coleção de exemplares de borboletas no Museu Transcona, Winnipeg, Canadá
Coleção de exemplares de borboletas de grande porte no Museu Naturalis, Leiden, Países Baixos

OrigemEditar

No Pós-Renascimento, o aumento de 'lepidopteristas' é atribuída à expansão do interesse pela ciência, natureza e pelo ambiente. Em 1758, à época que Lineu escreveu a décima edição do Systema Naturae, já existia "um corpo substancial de obras publicadas sobre história natural de Lepidoptera", dentre os quais podem ser citados:[6]

  • Mouffet, Thomas (1634). Insectorum sive Minimorum Animalium Theatrum;
  • Goedart, Jan (1662–67). Metamorphosis Naturalis;
  • Merian, Maria S (1705). Metamorphosis insectorum Surinamensium, cuja obra incluiu ilustrações de lepidópteros europeus;
  • Ray, John (1710). Historia Insectorum;
  • Petiver, James (1717). Papilionum Brittaniae icones.

HistóriaEditar

EstudiososEditar

Durante a segunda metade do século XVIII até o início do século XX, ocorreu a era dos cientistas independentes.[7] Seguido às descrições de Lineu no Systema Naturae, e com a publicação do Centuria Insectorum de Boas Johansson,[8] o austríaco Nikolaus Poda von Neuhaus escreveu o Insecta Musei Graecensis (1761)[9] e Johann Christian Fabricius descreveu diversas espécies em uma série de obras notáveis.

Durante este período, Ignaz Schiffermüller escreveu um catálogo sistemático das borboletas dos distritos ao redor de Viena, Systematische Verzeichnis der Schmetterlinge der Wienergegend herausgegeben von einigen Lehrern am k. k. Theresianum (1775). Na Alemanha, Eugenius Johann Christoph Esper em colaboração com Toussaint de Charpentier publicou Die europäischen Schmetterlinge e Die ausländischen Schmetterlinge.[10][11]

Entre 1806 e 1834, Jacob Hübner escreveu Sammlung exotischer Schmetterlinge, com Carl Geyer e Gottlieb August Wilhelm Herrich-Schäffer. Durante os anos de 1806 a 1824, Hübner acrescentou Geschichte europäischer Schmetterlinge.[12] Herrich-Schäffer expandiu isso como Systematische Bearbeitung der Schmetterlinge von Europa, Zugleich als Text, Revision und Supplement zu Sammlung europäischer Schmetterlinge de Jacob Hubner (1843–1856).[13]

Na França, Jean-Baptiste Boisduval, Jules Pierre Rambur e Adolphe Hercule de Graslin escreveram Collection iconographique et historique des chenilles; ou, Description et Figures des chenilles (larvae) d'Europe, avec l'histoire de leurs métamorphoses, et des applications à l'agriculture, Paris, Librairie encyclopédique de Roret, 1832 e com John Eatton Le Conte, 1829–1837 Histoire général et iconographie des lepidoptérès et des chenilles de l'Amerique septentrionale, publicado em Paris. Boisduval descreveu também os lepidópteros do navio da expedição Astrolabe de Jean-François de Galaup, conde de La Pérouse e o Coquille, de Louis Isidore Duperrey.

Na Itália, Giovanni Antonio Scopoli escreveu a Entomologia Carniolica publicada em Viena. Em meados do século, o conhecimento especializado de negociantes de lepidópteros como Otto Staudinger, Emile Deyrolle, Orazio Querci e Peter Godeffroy contribuiu para o campo.

Na Rússia, Andrey Avinoff,[14] membro do corpo diplomático do czar Nicolau II, patrocinou mais de quarenta expedições de coleta à Ásia Central em busca de lepidópteros raros. Ele empreendeu pessoalmente árduas expedições ao Turquestão Russo e ao Pamir em 1908 e pela Índia e Caxemira em 1914, bem como a Ladakh e ao Turquestão Chinês antes que essas regiões estivessem abertas aos exploradores. Antes da turbulência política de 1917, ele recebeu a prestigiosa medalha de ouro da Imperial Russian Geographical Society. O governo soviético se apropriou de sua coleção e a colocou no Museu Zoológico de São Petersburgo. Depois que Avinoff emigrou para a América, ele conseguiu coletar uma quase duplicata de sua coleção original de borboletas asiáticas, doando-a ao Museu Carnegie de História Natural.

ExploradoresEditar

As expedições continuaram a ser as principais fontes de espécimes. A expedição Baudin à Austrália (1800 a 1803), com dois navios equipados com laboratório, Géographe e Naturaliste, tinha nove zoólogos e botânicos a bordo. Eles trouxeram para a França, de acordo com Antoine François, conde de Fourcroy, a maior coleção que o Muséum national d'Histoire naturelle já havia recebido, incluindo 44 caixas de espécimes zoológicos. A Expedição Österreichische Brasilien explorou a botânica, zoologia e etnografia do Brasil. Foi organizado e financiado pelo Império Austríaco e funcionou de 1817 a 1835. SMS Novara, sob o comando do Comodoro Bernhard von Wüllerstorf-Urbair, fez uma viagem de exploração em 1857 a 1859. O barão Cajetan von Felder e seu filho Rudolf Felder acumularam uma enorme coleção entomológica de Novara, que está depositada no Naturhistorisches Museum em Viena e no Museu de História Natural em Londres. As borboletas foram descritas em Reise Fregatte Novara: Zoologischer Theil., Lepidoptera, Rhopalocera (Journey of the Frigate Novara) em três volumes (1865–1867). Andrey Avinoff e alguns de seus benfeitores também financiaram numerosas expedições de aproximadamente 1906–1940.

ColecionadoresEditar

Colecionadores ricos desempenharam um papel importante: Aimée Fournier de Horrack em Paris, Walter Rothschild e James John Joicey na Inglaterra e na Rússia Grão-duque Nicolau Mikhailovich da Rússia que financiou Sergei Alphéraky e editou Mémoires sur les Lépidoptères. O Império Britânico ofereceu oportunidades para Frederic Moore, autor de Lepidoptera Indica. As famílias Carnegie e Mellon ajudaram a financiar a coleção e aquisição de coleções de borboletas por meio de seus investimentos no recém-criado Museu Carnegie de História Natural chefiado por Andrey Avinoff de 1926–1945.

MuseusEditar

No século XIX, grandes coleções de lepidópteros estavam entre os espécimes de história natural que então inundaram a Europa. A maioria dos maiores e mais espécimes de novas espécies estão no Musée royal de l'Afrique centrale (Congo Belga), Muséum national d'Histoire naturelle (França), Museum für Naturkunde (Alemanha), Museu Britânico de História Natural (Reino Unido), Museu Zoológico de São Petersburgo e Rijksmuseum van Natuurlijke Historie (Países Baixos). Os lepidopteristas dos museus incluem Samuel Constantinus Snellen van Vollenhoven, Francis Walker, Alois Friedrich Rogenhofer, František Antonín Nickerl, Lionel de Nicéville, Carl Heinrich Hopffer e Arthur Gardiner Butler.

Coleções e ilustraçõesEditar

 
Marcação de espécimes tropicais na Academia Polonesa de Ciências, Cracóvia, Polônia

Como o principal modo de estudo das borboletas era por meio de coleções de espécimes fixas, era difícil catalogar e comunicar nomes e descrições amplamente. Livros sobre borboletas com placas pintadas à mão, litografadas e impressas têm sido uma ferramenta importante na lepidopterologia. Entre essas ilustrações, destacam-se as obras de Adalbert Seitz.

Obras incomuns como Butterfly Fauna of Ceylon (1942) de Lionel Gilbert Ollyett Woodhouse e Moths and Butterflies of the United States East of the Rocky Mountains (1900) de Sherman F. Denton usaram estampas de asas de borboletas, onde as ilustrações incorporaram as escalas das asas.[15]

O célebre escritor russo Vladimir Nabokov foi um lepidopterista notável, tendo descoberto a paixão aos sete anos de idade. Posteriormente, ele escreveria sobre borboletas, as colecionaria e ilustraria.[16] Nabokov foi voluntário no Museu de Zoologia Comparada de Harvard no Departamento de Entomologia,[17] onde organizava espécimes por até 14 horas por dia.[16]

Segundo Kurt Johnson, autor lepidopterista de Nabokov’s Blues, o romance de Nabokov, The Gift, apresentava um lepidopterista, pai do protagonista emigrado, baseado em uma ficção de Andrey Avinoff. Este último descobriu diversas espécies: na Ásia Central, o Parnassius maharaja e, na Jamaica, o Nesiostrymon shoumatoffi, em homenagem a seu sobrinho, Nicholas Shoumatoff, que se juntou a ele em três expedições à selvagem Cockpit Country no final da década de 1930.[18] A pesquisa inovadora de Avinoff sobre a biogeografia da especiação demonstrou como os membros do gênero Karanasa evoluíram em espécies separadas em vales montanhosos isolados na cordilheira Pamir. Ele colaborou com seu colega Walter Sweadner, curador de entomologia no museu Carnegie, em uma monografia, The Karanasa Butterflies, A Study in Evolution.[14][19]

Lepidopterologistas notáveisEditar

Entre os lepidopterologistas notáveis por seus trabalhos estão:

Sociedades lepidopterológicasEditar

  • Lepidopterists' Society
  • Societas Europaea Lepidopterologica
  • Lepidoptera Research Foundation
  • North American Butterfly Association
  • Association for Tropical Lepidoptera
  • International Lepidoptera Survey
  • Lepidopterological Society of Denmark
  • Lepidopterological Society of Finland
  • Lepidopterological Society of Japan
  • Sicilian Lepidopterological Association
  • Southern Lepidopterists' Society
  • Study Group of Hessian Lepidopterologists
  • Lepidopterists' Society of Africa

Revistas lepidopterológicasEditar

  • Journal of Research on the Lepidoptera
  • Metamorphosis
  • The Taxonomic Report
  • Nota lepidopterologica

Referências

  1. «Lepidopterologista». Dicionário Online de Português. Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  2. «Lepidoptera». Etymonline (em inglês). Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  3. «Lepidopterólogo». Dicionário Priberam. Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  4. «Lepidopterologia». Dicionário Priberam. Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  5. Evans, Jennifer (13 de maio de 2014). «Aurelian Society». National Museum Wales (em inglês). Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  6. Kristensen, Niels P.; Schmidt-Rhaesa, Andreas (1999). Kristensen, Niels P., ed. Lepidoptera, moths and butterflies: Evolution, Systematics and Biogeography. Col: Volume 4, Parte 35 de Handbuch der Zoologie:Eine Naturgeschichte der Stämme des Tierreiches. Arthropoda: Insecta (em inglês). Berlim: Walter de Gruyter. ISBN 978-3-11-015704-8 
  7. Segens, Joseph C. (1 de novembro de 1992). Dictionary of Modern Medicine. Carnforth, Lancashire, Reino Unido: The Parthenon Publishing Group Ltd. p. 246. ISBN 1-85070-321-3 
  8. Linné, Carl von; Johansson, Boas (1763). D.D. Centuria insectorum rariorum. Upsaliae: [s.n.],. doi:10.5962/bhl.title.10429 
  9. Poda, Nicolaus (1761). Insecta musei Graecensis, quae in ordines, genera & species juxta systema naturae Caroli Linnaei (sunt digesta) (em latim). [S.l.]: Haeredes Widmanstadii 
  10. Esper, Eugen Johann Christoph; Charpentier, Toussaint von; Tyroff, H. I.; Walwert, Georg Christoph; Volckart, Johann Friedrich; Walbert, L. S.; Sturm, Jakob; Bock, Johann Carl (1829). Die Schmetterlinge in Abbildungen nach der Natur 2.ª ed. Leipzig: T.O. Weigel 
  11. Esper, Eugen Johann Christoph; Charpentier, Toussaint von; Bock, Johann Carl; Leitner, Johann; Volkart, J. F. (1830). Die ausländischen Schmetterlinge in Abbildungen nach der Natur. Erlangen: im Verlage der Expedition des Esper'schen Schmetterlings- und des Schreber'schen Säugthierwerkes 
  12. Hübner, Jacob; Geyer, Carl (1806). Sammlung exotischer Schmetterlinge. Augsburg: im Verlag der Hübner'schen Werke, bey C. Geyer. doi:10.5962/bhl.title.11544 
  13. Herrich-Schäffer, Gottlieb August Wilhelm; Hübner, Jacob (1843). Systematische Bearbeitung der Schmetterlinge von Europa, zugleich als Text, Revision und Supplement zu Jakob Hübner's Sammlung europäischer Schmetterlinge. Regensburg: In Commission bei G. J. Manz. doi:10.5962/bhl.title.67734 
  14. a b Lippincott, Louise (2009). «Recollecting Andrey Avinoff». Carnegie Magazine. Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  15. Cowan, C. F. (1968). «Butterfly wing-prints». Edinburgh University Press. Journal of the Society for the Bibliography of Natural History (em inglês). 4 (7): 368–369. doi:10.3366/jsbnh.1968.4.7.368 
  16. a b Batuman, Elif (23 de março de 2016). «Vladimir Nabokov, Butterfly Illustrator». The New Yorker (em inglês). Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  17. «Lepidoptera Love: Nabokov's Untold Story». Ernst Mayr Library (em inglês). Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  18. «My Father's Butterfly». Dispatches From The Vanishing World (em inglês). 14 de novembro de 2012. Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  19. «The Karanasa Butterflies, a Study in Evolution». Oxford Academic. Annals of the Entomological Society of America (em inglês). 44 (2): 294–295. doi:10.1093/aesa/44.2.294a