Levir Culpi

futebolista brasileiro

Levir Culpi (Curitiba, 28 de fevereiro de 1953) é um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como zagueiro. Atualmente está sem clube.

Levir Culpi
Levir Culpi
Levir Culpi em 2017
Informações pessoais
Nome completo Levir Culpi
Data de nasc. 28 de fevereiro de 1953 (68 anos)
Local de nasc. Curitiba, Paraná, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,78 m
destro
Apelido Burro com sorte[1]
Informações profissionais
Equipa atual sem clube
Posição ex-zagueiro
Função treinador
Clubes de juventude
Coritiba
Clubes profissionais
Anos Clubes
1971–1973
1973–1974
1974–1978
1978–1979
1980
1980
1981
1982–1983
1984
1985
1985–1986
Coritiba
Botafogo
Santa Cruz
Colorado
Atlante
Vila Nova
Colorado
Figueirense
Juventude
Coritiba
Juventude
Times/Equipas que treinou
1986
1986–1987
1988
1988–1989
1989–1990
1990
1991
1992
1992
1993
1994
1994–1995
1995
1996
1997
1998–1999
2000
2001
2001
2002
2003–2004
2004
2005
2005
2006–2007
2007–2011
2012–2013
2014–2015
2016
2017
2017–2018
2018–2019
2021
Juventude
Atlético Paranaense
Marcílio Dias
Inter de Limeira
Criciúma
Internacional
Coritiba
Criciúma
Al-Ettifaq
Paraná
Guarani
Atlético Mineiro
Portuguesa
Cruzeiro
Cerezo Osaka
Cruzeiro
São Paulo
Sport
Atlético Mineiro
Palmeiras
Botafogo
Atlético Paranaense
Cruzeiro
São Caetano
Atlético Mineiro
Cerezo Osaka
Cerezo Osaka
Atlético Mineiro
Fluminense
Santos
Gamba Osaka
Atlético Mineiro
Cerezo Osaka
Última atualização: 7 de novembro de 2021

Carreira como jogadorEditar

Natural de Curitiba, começou a jogar futebol nos times de base do Coritiba no final da década de 1960. Nesta época, foi convocado para a Seleção Paranaense de Juvenis e ao lado do seu amigo de infância, Dirceu[2], participou do Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais Juvenis de 1969.[3]

Em 1971, estreou como profissional no Coritiba e em 1972, foi convocado para Seleção Brasileira de Novos, ao lado de Paulo Roberto Falcão, para disputa do "Torneio de Cannes", na França. Como capitão do grupo, a seleção brasileiro foi campeã desta edição. Com o Coritiba, participou da equipe de 1972 que ganhou a Fita Azul.[4]

Em 1973, transferiu-se para o Botafogo e em 1974 assinou contrato com o Santa Cruz. No Tricolor do Arruda, jogou entre 1974 e 1978, sendo campeão pernambucano de 1976.[4]

Entre 1978 e 1979, retornou ao Paraná e jogou no Colorado, onde foi vice-campeão de 1979. Em 1980 transferiu-se para o Atlante, do México, mas no mesmo ano retornou ao Brasil, assinando contrato com o Vila Nova. Entre 1980 e 1985 (último ano como futebolista profissional), retornou ao Colorado (1981) e ao Coritiba (rapidamente em 1985), e também jogou no Figueirense e Juventude (seu último clube).[4]

Carreira como treinadorEditar

InícioEditar

Iniciou-se como treinador logo após encerrar sua carreira dentro das quatro linhas, em 1986, no Juventude. Mostrou talento como treinador quando comandou os três grandes clubes do futebol paranaense: Atlético Paranaense, Coritiba e Paraná, tendo se destacado nacionalmente quando dirigiu o Cruzeiro, com o qual sagrou-se campeão da Copa do Brasil de 1996 vencendo o badalado time do Palmeiras.[5] Na condição de técnico do São Paulo, conquistou o Campeonato Paulista de 2000 e foi vice na Copa do Brasil.[6]

CriciúmaEditar

Dirigiu ainda o Criciúma na Copa Libertadores da América de 1992 e levou o time catarinense às quartas de final (5° lugar).[7] Apesar de não ter dirigido o Criciúma na Copa do Brasil de 1991, é considerado pelos atletas da época como um dos grandes responsáveis pelo sucesso daquela equipe, pois teria montado aquele time durante os anos de 1989 e 1990.[8]

PalmeirasEditar

Protagonizou um dos mais tristes momentos da história do Palmeiras no ano de 2002, assumindo o cargo de técnico do clube em situação desesperadora e não conseguindo salvar o clube do rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro.[9]

BotafogoEditar

No ano seguinte, Levir foi contratado pelo Botafogo, time que foi rebaixado junto com o Palmeiras em 2002. Levir Culpi conduziu o time a um vice-campeonato da Série B, trazendo-o volta para a elite do futebol com uma das duas vagas de acesso à Série A.

Atlético ParanaenseEditar

Em 2004, já à frente do Atlético Paranaense (novamente, após passagem anterior nos anos 1990), levou o clube ao vice campeonato brasileiro, deixando o título da competição nacional na sua segunda edição em pontos corridos (em disputa até os dias atuais), escapar nas últimas rodadas.

Atlético Mineiro (terceira passagem)Editar

Em 2006 levou o Atlético Mineiro, de forma brilhante, de volta à elite do futebol brasileiro. Tendo assumido o comando do time no meio do campeonato, com o time na incomoda 14ª posição, Levir formou uma grande equipe e, contando com os gols de Marinho e com as boas atuações de atletas formados no clube, como Lima, Diego Alves e Rafael Miranda, levou o time ao título do Campeonato Brasileiro da Série B em 2006. Mantendo essa base, conquistou o Campeonato Mineiro de 2007. Após o título estadual, deixou o Galo no dia 7 de maio.[10]

Cerezo OsakaEditar

Em 2007 foi para o Cerezo Osaka, do Japão, ficando até o fim da temporada 2011 no futebol japonês.[11] Retornou ao comando da equipe japonesa no meio de 2012, para tentar salvá-la do descenso à J2 League.[12]

Atlético Mineiro (quarta passagem)Editar

2014Editar

No dia 24 de abril de 2014, foi anunciado como substituto de Paulo Autuori no comando do Atlético Mineiro.[13] Esta foi a quarta passagem de Levir Culpi pelo clube mineiro.

No dia 4 de setembro, contra o Palmeiras válido pela Copa do Brasil, Levir Culpi completou 200 jogos comandando o Atlético Mineiro, tornado assim, o quarto treinador que mais treinou o Galo na história. A partida terminou com a vitória do Atlético 2 a 0, no Estádio Independência.[14]

Ao final de 2014, após uma excelente temporada, tendo liderado o Atlético nas vitoriosas campanhas da Recopa Sul-Americana e da Copa do Brasil, o treinador teve seu contrato renovado por mais uma temporada.[15]

2015Editar

Em 2015, logo na primeira partida oficial da temporada, vitória atleticana por 2 a 0 sobre o Tupi, Levir chegou ao jogo de número 228 à frente da equipe alvinegra, tornando-se o terceiro treinador com mais jogos pelo clube. Com a nova marca, o treinador ficou atrás apenas de Telê Santana com 434 jogos, e Procópio Cardoso com 328.[16]

No dia 3 de maio, Levir voltou a escrever seu nome na história da equipe ao conquistar o Campeonato Mineiro, pelo Atlético. Com mais esta conquista, a quinta do treinador, se isolou como o maior vencedor da história do Campeonato Mineiro, na era profissional do futebol. Antes, já havia erguido a taça com o próprio Galo em 1995 e 2007, além do Cruzeiro, em 1996 e 1998.[17]

Deixou o comando do Galo no dia 26 de novembro, exatamente um ano após a conquista da Copa do Brasil. Ele foi demitido com um total de 288 partidas, com 154 vitórias, 60 empates e 74 derrotas, totalizando 493 gols marcados e 184 sofridos. Entre os seis títulos conquistados, certamente a Copa do Brasil foi o mais marcante e importante.[18]

FluminenseEditar

No dia 4 de março de 2016, Levir Culpi foi anunciado como novo técnico do Fluminense.[19] O clube já havia feito mistério horas antes divulgando um vídeo que mostra uma fumaça branca saindo de uma chaminé.[20] Levir chegou em um momento de reformulação do clube, após uma crise que "derrubou" o vice-presidente, diretor-executivo e o técnico Eduardo Baptista do clube carioca.[21]

Logo em 20 de abril, em um mês e meio no Fluminense, conquistou o título da Primeira Liga do Brasil.[23]

Foi demitido do Flu no dia 6 de novembro, após uma derrota de 4 a 2 para o Cruzeiro, no Mineirão, pela 34° rodada do Campeonato Brasileiro.[24]

SantosEditar

Em 6 de junho de 2017 foi contratado pelo Santos.[25] Foi demitido no dia 20 de outubro, sendo readmitido logo depois, a pedido do elenco.[26] No entanto, foi demitido definitivamente no dia 28 de outubro, após uma derrota para o São Paulo por 2 a 1.[27]

Atlético Mineiro (quinta passagem)Editar

No dia 17 de outubro de 2018, após a demissão de Thiago Larghi, foi contratado novamente pelo Atlético Mineiro.[28] Após sofrer uma goleada de 4 a 1 para o Cerro Porteño, pela Libertadores, foi demitido no dia 11 de abril de 2019.[29] Nesta temporada, com Levir no comando, foram 22 partidas, entre o Campeonato Mineiro e a Libertadores, com 14 vitórias, quatro empates e quatro derrotas, sendo três delas pela competição internacional.

Breve aposentadoria e retorno ao Cerezo OsakaEditar

Anunciou a sua aposentadoria como treinador de futebol no dia 16 de dezembro de 2019, visando se dedicar à família e cuidar da saúde.[30][31][32]

Em janeiro de 2021, deixou a aposentadoria de lado e retornou a atividade de treinador, assinando contrato com o Cerezo Osaka para a disputa da J-League.[33]

EstatísticasEditar

Como treinadorEditar

Atualizadas até 11 de julho de 2021

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Criciúma 132 68 39 25 61.36%
Cruzeiro 257 140 68 49 63.29%
São Paulo 78 42 18 18 61.54%
Cerezo Osaka 286 147 63 86 58.74%
Fluminense 52 22 15 15 51.92%
Palmeiras 18 5 6 7 38.89%
Gamba Osaka 31 4 3 10 35.29%
Santos 31 14 12 5 58.06%
Atlético Mineiro 330 172 66 82 58.79%
Athletico Paranaense 46 25 11 10 62.32%

TítulosEditar

Como jogadorEditar

Coritiba
Santa Cruz

Como treinadorEditar

Inter de Limeira
Criciúma
Paraná
Cruzeiro
São Paulo
Atlético Mineiro
Fluminense

Campanhas de destaqueEditar

Cruzeiro
São Paulo
Sport
Botafogo
Atlético Paranaense
Atlético Mineiro

Referências

  1. «Análise: Levir Culpi, do "burro com sorte" ao exemplo do Brasil». Torcedores.com. 10 de julho de 2015. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  2. «Marinho e sua carreira». Tribuna do Paraná. 1 de dezembro de 2004. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  3. Rogério Micheletti. «Levir Culpi - Que fim levou?». Terceiro Tempo. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  4. a b c Cristian Toledo (28 de fevereiro de 2020). «Levir Culpi faz aniversário: confira curiosidades do ex-treinador». Tribuna do Paraná. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  5. Leandro Stein (12 de setembro de 2018). «As finais de Copa do Brasil que alimentaram a rixa entre Cruzeiro e Palmeiras nos anos 1990». Trivela. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  6. a b Rafael Arruda (9 de julho de 2020). «Cruzeiro x São Paulo: virada histórica do tri da Copa do Brasil completa 20 anos». Superesportes. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  7. Leandro Stein (2 de junho de 2021). «Há 30 anos, o Criciúma se sagrava campeão e escrevia uma das histórias mais fantásticas da Copa do Brasil». Trivela. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  8. «Campeões da Copa do Brasil pelo Criciúma em 91 elogiam e fazem Levir chorar no 'Bola da Vez'». ESPN.com.br. 13 de setembro de 2017. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  9. «Pesadelo se torna realidade e Palmeiras é rebaixado para a 2ª divisão». Folha de S.Paulo. 17 de novembro de 2002. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  10. «Levir Culpi deixa Atlético-MG e vai para Cerezo Osaka». Trivela. 7 de maio de 2007. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  11. «Levir Culpi comemora recorde no Japão com goleada do Cerezo Osaka». GloboEsporte.com. 23 de julho de 2011. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  12. «Levir Culpi retorna ao Japão com missão de evitar queda do Cerezo». GloboEsporte.com. 27 de agosto de 2012. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  13. «Horas após saída de Autuori, Galo age rápido e acerta contratação de Levir». GloboEsporte.com. 24 de abril de 2014. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  14. «Desfalcado, Atlético-MG passa sem esforço pelo Verdão e vai às quartas». Rádio Porto Feliz. 5 de setembro de 2014. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  15. «Galo renova com Levir, e presidente o compara com o amor por sua mulher». GloboEsporte.com. 3 de dezembro de 2014. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  16. «Levir Culpi supera marca e se torna o 3º técnico com mais jogos pelo Galo». GloboEsporte.com. 1 de fevereiro de 2015. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  17. Luiz Martini e Rodrigo Fonseca (4 de maio de 2015). «Levir conquista o quinto Mineiro e marca nome na história como maior vencedor da competição». Superesportes. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  18. Victor Martins (26 de novembro de 2015). «Levir anuncia saída do Atlético-MG e não resiste ao choro: "É um até logo"». UOL. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  19. «Fluminense confirma Levir Culpi como novo técnico do time». Extra. 4 de março de 2016. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  20. «Fluminense posta 'fumaça branca' e tendência é que Levir Culpi seja anunciado». RedeTV!. 4 de março de 2016. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  21. «Após demissão de Eduardo Baptista, Fluminense também dispensa vice de futebol». ESPN.com.br. 25 de fevereiro de 2016. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  22. «Flu continua reformulação e anuncia Levir Culpi como novo treinador». GloboEsporte.com. 4 de março de 2016. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  23. Bernardo Gentile (20 de abril de 2016). «Levir comemora título pelo Flu: "É muito mais do que eu mereço"». UOL. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  24. «Fluminense demite técnico Levir Culpi após derrota para o Cruzeiro». UOL. 6 de novembro de 2016. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  25. Gabriel dos Santos e Lucas Musetti (6 de junho de 2017). «Santos contrata o técnico Levir Culpi para substituir Dorival Júnior». GloboEsporte.com. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  26. Lucas Musetti (20 de outubro de 2017). «A pedido do elenco, diretoria do Santos muda de ideia e mantém Levir». GloboEsporte.com. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  27. Vinicios Oliveira (28 de outubro de 2017). «Levir Culpi não é mais treinador do Santos FC». Site oficial do Santos. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  28. «Horas depois de demitir Thiago Larghi, Atlético-MG anuncia Levir Culpi como treinador». GloboEsporte.com. 17 de outubro de 2018. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  29. «Levir Culpi é demitido pelo Atlético-MG às vésperas de final diante do Cruzeiro». GloboEsporte.com. 11 de abril de 2019. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  30. «Levir Culpi anuncia aposentadoria como treinador de futebol». GloboEsporte.com. 16 de dezembro de 2019. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  31. «Levir Culpi anuncia aposentadoria como técnico». ESPN.com.br. 16 de dezembro de 2019. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  32. «Multicampeão por Atlético e Cruzeiro, técnico Levir Culpi anuncia aposentadoria». Superesportes. 16 de dezembro de 2019. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  33. «Levir Culpi abandona a aposentadoria e volta a treinar o Cerezo Osaka pela quarta vez». GloboEsporte.com. 1 de janeiro de 2021. Consultado em 7 de novembro de 2021 

Ligações externasEditar

Precedido por
Ernesto Guedes
Lori Sandri
Treinador do Criciúma
1989–1990
1992
Sucedido por
Luiz Gonzaga Milioli
Airton de Souza
Precedido por
Ernesto Guedes
Treinador do Internacional
1990
Sucedido por
Valdir Espinosa
Precedido por
Valdir Espinosa
Zé Maria (interino)
Marcelo Oliveira (interino)
Paulo Autuori
Thiago Larghi
Treinador do Atlético Mineiro
1994–1995
2001
2006–2007
2014–2015
2018–2019
Sucedido por
Gaúcho
Marcelo Oliveira (interino)
Tico dos Santos
Diego Aguirre
Rodrigo Santana
Precedido por
Antônio Lopes
Nelsinho Baptista
Marco Aurélio Moreira
Treinador do Cruzeiro
1996
1998–1999
2005
Sucedido por
Oscar Bernardi
Paulo Autuori
Paulo César Gusmão
Precedido por
Hiroshi Sowa
Satoshi Tsunami
Sérgio Soares
Miguel Ángel Lotina
Treinador do Cerezo Osaka
1997
2007–2011
2012–2013
2021–
Sucedido por
Yasutaro Matsuki
Sérgio Soares
Ranko Popović
Akio Kogiku
Precedido por
Milton Cruz (interino)
Treinador do São Paulo
2000
Sucedido por
Vadão
Precedido por
Jair Pereira
Treinador do Sport
2001
Sucedido por
Hugo Benjamim
Precedido por
Murtosa
Treinador do Palmeiras
2002
Sucedido por
Jair Picerni
Precedido por
Carlos Alberto Torres
Treinador do Botafogo
2003–2004
Sucedido por
Mauro Galvão
Precedido por
Mário Sérgio
Treinador do Atlético Paranaense
2004
Sucedido por
Casemiro Mior
Precedido por
Eduardo Baptista
Treinador do Fluminense
2016
Sucedido por
Marcão (interino)
Precedido por
Elano (interino)
Treinador do Santos
2017
Sucedido por
Elano (interino)
Precedido por
Kenta Hasegawa
Treinador do Gamba Osaka
2017–2018
Sucedido por
Tsuneyasu Miyamoto