Abrir menu principal

Liga dos Campeões da UEFA

Principal competição europeia de futebol, organizada pela UEFA.
(Redirecionado de Liga dos campeões da UEFA)
UEFA Champions League
Liga dos Campeões da UEFA
UEFA Champions League logo 2.svg
Logótipo da Liga dos Campeões da UEFA
Dados gerais
Organização UEFA
Edições 64
Outros nomes Liga dos Campeões da Europa
Local de disputa Europa
Sistema Grupos e eliminatórias
Soccerball current event.svg Edição atual
editar

A Liga dos Campeões da UEFA (em inglês: UEFA Champions League) é uma competição anual de clubes de futebol a nível continental, organizada pela União das Associações Europeias de Futebol (UEFA) e disputada por clubes europeus. É um dos torneios mais prestigiados do mundo e a competição de clubes mais prestigiada no futebol europeu, disputada pelas equipas mais bem classificadas nos respectivos campeonato nacionais na época anterior, sendo o número de vagas atribuídos consoante o ranking da UEFA. A final da Liga dos Campeões da UEFA é o evento esportivo anual mais visto em todo o mundo. A final da edição de 2012–13 teve o maior número de audiência até o momento, atraindo 360 milhões de telespectadores.[1]

Introduzida em 1992, a competição é a sucessora da Taça dos Clubes Campeões Europeus (pt) ou Copa dos Clubes Campeões Europeus (pt-BR), que havia sido disputada desde 1955, acrescentando uma fase de grupos à competição, permitindo a participação vários participantes de diversos países [2] A edição de 1992–93 foi inicialmente um torneio que havia apenas grupos, aberto apenas ao clube campeão de cada país. Durante a década de 1990, o formato foi expandido, incorporando uma fase pré qualificatória para incluir clubes que terminaram vice-campeão dos seus campeonatos nacionais.[2] Embora a maioria dos campeonatos nacionais da Europa apenas o campeão nacional possa participar, os campeonatos nacionais mais fortes oferecem quatro vagas para a competição[3] e fornecerá até cinco vagas na temporada 2015–16 em diante.[4] Os clubes que não se qualificam para a Liga dos Campeões, podem ser elegíveis para a Liga Europa da UEFA.

No seu formato atual, a Liga dos Campeões começa em meados de julho com três rodadas de qualificação e uma rodada de play-off. As dez equipes sobreviventes entram na fase de grupos, juntando outras 22 equipes previamente qualificadas. As 32 equipes são colocadas em oito grupos de quatro equipes e jogam em um sistema ida e volta. As oito equipes que ficarem na primeira colocação em cada grupo e as oito que ficarem na segunda colocação de cada grupo, avançam para a fase eliminatória que culmina com a partida final em maio.[5] O vencedor da Liga dos Campeões se qualifica para a Supercopa da UEFA e para a Copa do Mundo de Clubes da FIFA.[6][7]

O Real Madrid é o clube mais bem sucedido da história da competição, tendo ganho o torneio 13 vezes, incluindo as primeiras cinco temporadas. Os clubes espanhóis acumularam o maior número de vitórias (18 vitórias), seguido da Inglaterra (13 vitórias) e Itália (12 vitórias).[8] A competição foi conquistada por 22 clubes diferentes, 12 dos quais ganhou mais de uma vez. A única equipe tricampeã consecutiva desde que a competição adotou o molde atual (na temporada 1992–93, como UEFA Champions League) foi o Real Madrid garantindo seu décimo terceiro título ao derrotar o Liverpool por 3–1 na final de 2017–2018. Assim, eles se tornaram a primeira equipe na história da Liga dos Campeões da UEFA a defender o seu título com sucesso.

Índice

História

Ao longo da história, várias tentativas foram criadas para tentar iniciar um torneio que reunisse os melhores clubes europeus. O primeiro torneio pan-europeu foi o Challenge Cup, uma competição entre clubes no Império Austro-Húngaro. A Mitropa Cup, uma competição inspirada na Copa Challenge, foi criada em 1927, uma ideia do austríaco Hugo Meisl, e foi disputada entre clubes da Europa Central. Em 1930, a Coupe des Nations, a primeira tentativa de criar uma copa para clubes campeões nacionais da Europa, foi jogada e organizada pelo clube suíço Servette. Realizada em Genebra, reuniu dez campeões de todo o continente. O torneio foi conquistado pela Újpest da Hungria. As nações latino-europeias se uniram para formar a Copa Latina em 1949. Até que finalmente em 1955 foi criado uma nova competição, que viria a ser a principal competição de clubes da Europa.

A Taça dos Clubes Campeões Europeus (pt) ou Copa dos Clubes Campeões Europeus (pt-BR) foi inspirada no Campeonato Sul-Americano de Campeões e na Copa Rio.[9] Jacques Ferran e Gabriel Hanot, ambos jornalistas franceses do L'Équipe, cobriram a competição sul-americana.[10] O documento da UEFA sobre a história da Copa dos Campeões da Europa confirma que Jacques Ferran e Gabriel Hanot foram os idealizadores da competição continental europeia.[11] Em entrevista à reportagem do programa de TV esportivo Globo Esporte de 10 de maio de 2015, Jacques Ferran confirmou que o Campeonato Sul-Americano de Campeões de 1948 foi a inspiração para a Copa dos Campeões da Europa:[12]

Como a Europa, que queria estar à frente do resto do mundo, não era capaz de realizar uma competição nos moldes do Campeonato Sul-Americano de 1948? Precisávamos seguir este exemplo.
 
Jacques Ferran.

1955–66: começo

 
Alfredo Di Stéfano em 1959. Ele levou o Real Madrid a conquistar cinco Copas Européias consecutivas entre 1956 e 1960

A primeira edição da Copa dos Campeões Europeus teve lugar durante a temporada de 1955–56. Dezesseis equipas participaram: Milan (Itália), Aarhus (Dinamarca), Anderlecht (Bélgica), Djurgården (Suécia), Gwardia Warszawa (Polónia), Hibernian (Escócia), Partizan (Jugoslávia), PSV Eindhoven (Holanda), Rapid Wien (Áustria), Real Madrid (Espanha), Rot-Weiss Essen (Alemanha Ocidental), Saarbrücken (Sarre), Servette (Suíça), Sporting (Portugal), Stade de Reims (França) e Vörös Lobogó (Hungria). O primeiro jogo da competição foi em 4 de Setembro de 1955 e terminou com um empate por 3–3 entre Sporting e Partizan. O primeiro gol da história da competição foi marcado por João Baptista Martins do Sporting. A final inaugural aconteceu no Parc des Princes e foi entre Stade de Reims e o Real Madrid. A equipe espanhola venceu por 4–3, graças aos gols de Alfredo Di Stéfano e Marquitos, além de dois gols de Héctor Rial.[13]

O Real Madrid defendeu com sucesso o troféu na próxima temporada em seu estádio, o Santiago Bernabéu, contra a Fiorentina.[14] Em 1958, o Milan saiu na frente mas o Real Madrid conseguiu empatar e levar pra prorrogação. Na prorrogação, Francisco Gento marcou o gol da vitória e permitiu que o Real Madrid retivesse o título pela terceira temporada consecutiva.[15] Em uma revanche da primeira final, o Real Madrid enfrentou o Stade de Reims no Neckarstadion na final da temporada de 1958–1959, vencendo facilmente por 2–0.[16]

O time da Alemanha Ocidental, Eintracht Frankfurt, tornou-se o primeiro time não-latino a chegar à final da competição, esse jogo ainda detém o recorde de mais gols marcados, com o Real Madrid vencendo o Frankfurt por 7–3 no Hampden Park.[17] Este foi o quinto título consecutivo do Real Madrid, um recorde que ainda permanece até hoje.

 
Johan Cruyff com a taça da Copa dos Campeões Europeus durante as comemorações em Amesterdã após o triunfo do Ajax em 1972

O reinado do Real Madrid terminou na temporada de 1960–61, quando o Barcelona os derrotou na primeira rodada. O Barcelona, ​​no entanto, seria derrotado na final pelo Benfica por 3–2 no Wankdorf Stadium.[18] Reforçado por Eusébio, o Benfica derrotou o Real Madrid por 5–3 no Estádio Olímpico de Amsterdã e manteve o título pela segunda temporada consecutiva.[19] O Benfica queria repetir o bom desempenho do Real Madrid nos anos 50 mas perdeu para o Milan na final da temporada de 1962–63, fazendo o troféu sair da Península Ibérica pela primeira vez.[20]

Na temporada de 1963-64, a Internazionale repetiu o feito do seu rival local e venceu o Real Madrid por 3-1 na final disputada no Ernst-Happel-Stadion.[21] O título ficou na cidade de Milão pelo terceiro ano consecutivo, depois da Inter vencer o Benfica por 1–0 no San Siro.[22]

1966–69: retorno do Real Madrid e do Milan e sucesso britânico

O Real Madrid conquistou seu sexto titulo europeu quando venceu o Partizan no Heysel Stadium.[23] Francisco Gento era o único remanescente das equipes vencedoras anteriormente.

Em 1967, o Celtic tornou-se o primeiro time escocês a vencer a competição, vencendo a Internazionale por 2–1 no Estádio Nacional do Jamor com gols de Tommy Gemmell e Stevie Chalmers.[24] O time que ficou conhecido como "Leões de Lisboa", era composto por jogadores que nasceram a 48 km do Celtic Park.

Em 1968, dez anos depois do desastre aéreo de Munique, o Manchester United tornou-se o primeiro time inglês a vencer a competição, derrotando o Benfica na final por 4-1 em Wembley.[25] Matt Busby, técnico do United na época do desastre em Munique, sobreviveu a lesões fatais sofridas no acidente e ainda estava no comando do United, e dois outros sobreviventes de Munique jogaram no jogo - Bobby Charlton, que marcou dois gols no jogo, e Bill Foulkes.

O Milan trouxe outro título pra Itália em 1969, eliminando os dois vencedores anteriores a caminho da final.[26] A final de 1969 foi contra o Ajax, marcando o surgimento das equipes holandesas.

1970–73: controle holandês

Em 1970, o Feyenoord de Roterdã foi o primeiro time holandês a conquistar a Copa dos Campeões Europeus derrotando o Celtic por 2–1 na prorrogação.[27]

Durante os próximos três anos, o Ajax e seu "Futebol Total", que incluia Johan Cruyff e Johan Neeskens além do pioneiro estrategista e treinador, Rinus Michels, dominariam o futebol europeu vencendo Panathinaikos, Internazionale e Juventus nas finais.[28][29][30]

1974–76: o hat-trick do Bayern de Munique

 
Beckenbauer (à esquerda) após a conquista do título em 1967

Os meados da década de 1970 pertenceram ao Bayern de Munique. Liderada por Franz Beckenbauer e com estrelas como Sepp Maier, Gerd Müller, Uli Hoeneß e Paul Breitner, o clube alemão não apenas imitou o trio de vitórias do Ajax, mas foi inspirado pelo "Futebol Total".

Em sua primeira final, o Bayern venceu o Atlético de Madrid.[31] No ano seguinte, o Leeds United foi vencido por 2-0 no Parc des Princes.[32] Por fim, o Saint-Étienne foi derrotado no Hampden Park em 1976.[33]

Após este período áureo, o time declinou lentamente e não venceu outra Copa Européia nos próximos 25 anos.

1977–1985: ingleses dominam a Europa

O Liverpool venceu o Borussia Mönchengladbach por 3–1 em Roma e, em 1978, tornou-se o primeiro clube britânico a conquistar o troféu duas vezes ao derrotar o campeão belga, Club Brugge, em Wembley.[34][35]

O Liverpool perdeu na primeira rodada da competição de 1979 para o inglês Nottingham Forest, que acabou vencendo o torneio, se tornando a mais impressionante subida ao topo do futebol continental na história do futebol europeu, guiado pelo seu talentoso treinador Brian Clough. Eles derrotaram o sueco Malmö FF por 1–0 em Munique.[36] No ano seguinte, o Forest derrotou o Hamburgo no Santiago Bernabéu por 1–0, se tornando o único clube a vencer a competição mais vezes (duas vezes) do que o seu próprio campeonato nacional (uma vez).[37]

O Liverpool retornou à final em 1981, onde conquistou seu terceiro troféu com uma vitória por 1–0 sobre o Real Madrid em Paris.[38]

Outro clube da Inglaterra, o Aston Villa, venceu a competição em 1982 com uma vitória por 1–0 sobre o Bayern de Munique no Estádio De Kuip.[39] O Hamburgo venceu a final em 1983, derrotando a Juventus por 1-0 em uma final que, pela primeira vez em sete anos, não contou com nenhum time inglês.[40]

O Liverpool, no entanto, voltou a final em 1984 para derrotar a Roma em seu próprio estádio, o Stadio Olimpico, e se tornar a primeira equipe a conquistar o troféu quatro vezes desde o Real Madrid dos anos 50.[41] O jogo é relembrado pela atuação do goleiro do Liverpool, Bruce Grobbelaar. Enquanto Bruno Conti, da Roma, se preparava para bater o pênalti, Grobbelaar caminhou em direção ao gol, sorrindo confiante para as câmeras alinhadas atrás e então começou a morder o fundo da rede. Conti se desconcentrou e acabou chutando pra fora. Grobbelaar, em seguida, produziu um desempenho semelhante em Francesco Graziani, dessa vez ele ficou balançando as pernas como se estivesse com medo. Graziani errou e o Liverpool venceu a disputa de pênaltis por 4–2, fazendo do sul-africano, Grobbelaar, o primeiro africano a ganhar uma medalha na competição.

O Liverpool voltou a defender o troféu em Bruxelas um ano depois, mas a derrota por 1–0 para a Juventus foi ofuscada pela morte de 39 torcedores da Juventus na Tragédia de Heysel.[42] A conseqüência foi uma suspensão de cinco anos da competição européia para os clubes ingleses, com uma proibição de seis anos para o Liverpool.[43] As consequências a longo prazo para o futebol inglês devido às ações dos torcedores do Liverpool em Heysel foram discutivelmente severas em termos de sucesso de primeiro nível com os clubes ingleses lutando para causar um impacto significativo na competição européia quando voltaram da proibição. Demorou 14 anos para um time inglês triunfar novamente na competição.

 
Equipa do Steaua București com a taça conquistada em 1986

1986–88: novos campeões emergem

As três primeiras temporadas depois da Tragédia de Heysel viram a "orelhuda" ser levantada pelo Steaua București da Roménia, Porto de Portugal e o PSV Eindhoven dos Países Baixos.

O Steaua venceu o Barcelona em Sevilha nos pênaltis, quando o goleiro, Helmuth Ducadam, defendeu quatro pênaltis consecutivos.[44] O time de Bucareste foi o primeiro da Europa Oriental a vencer a competição.

A final entre Porto e Bayern de Munique foi considerada uma final emocionante com o Porto vencendo graças a um gol de calcanhar de Rabah Madjer.[45]

O PSV Eindhoven venceu seu primeiro título ao derrotar o Benfica nos pênaltis com António Veloso desperdiçando a última cobrança.[46]

1989–92: retorno do Milan, Estrela Vermelha e Barcelona

Em 1989, sob a gestão de Arrigo Sacchi, o Milan conquistou o título depois de 20 anos, derrotando o Steaua București por 4–0 na final.[47] No ano seguinte, o Milan manteve o título, derrotando o Benfica por 1–0 em Viena.[48] O trio holandês composto por Marco van Basten, Ruud Gullit e Frank Rijkaard foram os principais jogadores do clube italiano, que também contou com uma defesa composta por Mauro Tassotti, Franco Baresi, Alessandro Costacurta e Paolo Maldini, muitas vezes considerada uma das maiores defesas da história do futebol.

O troféu de 1991 foi para o campeão do Campeonato Iugoslavo, Estrela Vermelha, que venceu o Olympique de Marseille nos pênaltis após um empate sem gols.[49] A final de 1991 também foi a única final no período de 1989 a 1998, que não contou com uma equipe italiana.

A proibição de clubes ingleses no futebol europeu terminou na temporada 1990/91, mas o campeão inglês Liverpool não conseguiu competir porque teve que cumprir um ano extra. A Copa dos Campeões de 1991–92, que seria a última temporada com esse nome, sofreu uma mudança com as quartas-de-final sendo transformadas em grupos. A final, jogada no Estádio de Wembley, foi vencida pelo Barcelona contra a Sampdoria.[50] O Barça, na época apelidado de "Dream Team", era treinado por Johan Cruyff, que se tornou o terceiro homem a vencer a Copa dos Campeões como jogador e treinador.

1993: o nascimento da Liga dos Campeões

Na temporada 1992,93, a competição foi renomeada para Liga dos Campeões da UEFA, passando por algumas mudanças diversas de marketing e direitos de TV, graças à parceria da UEFA e da TEAM Marketing AG. As oito equipas participantes nas quartas-de-final do formato da liga experimentaram uma abordagem de organização e comercialização que era muito nova.

 
Marcel Desailly, que venceu a Liga dos Campeões com o Olympique de Marseille e o Milan em anos consecutivos

O Marselha venceu a final de 1993, derrotando o Milan, e se tornando o primeiro time a vencer a Liga dos Campeões e o primeiro campeão europeu da França.[51] Mais tarde, eles foram proibidos de defender sua coroa no que foi apenas o começo de um colapso que surgiu da manipulação interna do presidente Bernard Tapie. O clube acabou sendo despojado de seu título da Ligue 1 depois que foi revelado que Tapie havia manipulado as finanças do clube. O Marselha continua a ser o único clube francês a conquistar a Taça dos Campeões Europeus/Liga dos Campeões.

1994–97: título do Milan, retorno do Ajax e da Juventus e primeiro título do Borussia

 
Louis van Gaal liderou uma jovem e talentosa equipe do Ajax para vencer a Liga dos Campeões em 1995

O Milan recuperou o troféu em 1994, derrotando o Barcelona por 4–0, no que muitos consideram um dos melhores desempenhos na final da Liga dos Campeões.[52] O Milan foi o azarão, com dois defensores forçados a ficar de fora, mas o técnico Fabio Capello desprezou a tradicional cautela italiana e os levou a uma goleada sobre o "Dream Team" de Johan Cruyff. O zagueiro do Milan, Marcel Desailly, jogava pelo Marselha quando eles venceram a Liga dos Campeões, sendo o primeiro jogador a ganhar o título em temporadas consecutivas com clubes diferentes.

O Milan também chegou à final em 1995, mas perdeu por 1–0 para o jovem Ajax que tinha Edwin van der Sar, Frank de Boer, Ronald de Boer, Edgar Davids, Clarence Seedorf, Marc Overmars e Patrick Kluivert. além dos veteranos Frank Rijkaard e Danny Blind.[53] Foi o primeiro triunfo do clube desde 1973, quando conquistaram três títulos consecutivos.

O Ajax chegou a final seguinte em 1996, mas perdeu para a Juventus de Ciro Ferrara, Didier Deschamps, Paulo Sousa e o notável trio ofensivo composto por Alessandro Del Piero, Fabrizio Ravanelli e Gianluca Vialli.[54]

O Borussia Dortmund venceu a Liga dos Campeões em 1997. Numa final memorável em Munique, o Dortmund enfrentou a Juventus e levantou o troféu com uma vitória por 3–1.[55] O treinador do Dortmund, Ottmar Hitzfeld, conseguiu levantar o título pela primeira vez.

1998–99: Real Madrid e Manchester United

Na temporada de 1997–98, a UEFA permitiu que os vice-campeões das principais ligas europeias competissem na Liga dos Campeões. O raciocínio da UEFA era que a qualidade do seu principal torneio aumentava quando era incluído mais equipas de topo das grandes ligas.

Um rosto velho reivindicou a coroa em 1998: o Real Madrid. O clube espanhol venceu sua primeira Liga dos Campeões desde 1966 e a sétima no geral quando venceu a Juventus por 1–0 na terceira final consecutiva do clube italiano (e a segunda derrota consecutiva).[56]

 
Os jogadores do Manchester United comemoram após o jogo.

A Final de 1998–99 é lembrado pela virada inacreditável do Manchester United. Perdendo por 1–0, o Manchester conseguiu a virada no placar nos acréscimos com gols de Teddy Sheringham e Ole Gunnar Solskjær.[57] O lendário técnico do United, Alex Ferguson, resumiu a experiência em uma entrevista pós-jogo quando ele disse: "Futebol, inferno de sangue." Foi o primeiro título do clube desde 1968 e marcou o primeiro vencedor inglês desde o Liverpool em 1984.

2000–02: nova dominância do Real Madrid e regresso do Bayern de Munique

A temporada de 1999–00 fez com que a UEFA voltasse a aliviar os requisitos de entrada para a Liga dos Campeões. Agora as três melhores ligas (Espanha, Itália e Alemanha, segundo o ranking da UEFA) teriam quatro equipes, enquanto as próximas três (Inglaterra, França e Holanda) teriam três equipes.

Nesta temporada, os clubes espanhóis voltaram ao topo com a primeira final da Copa dos Campeões Europeus/Liga dos Campeões entre times do mesmo pais, Real Madrid e Valência. O Real Madrid começou o século 21 de maneira semelhante às suas façanhas do século 20 ao derrotar o Valencia por 3–0 e ganhar novamente a Liga dos Campeões.[58]

O Valencia voltou à final novamente em 2001 apenas para perder novamente. O vencedor desta vez foi o Bayern de Munique, que havia eliminado o atual campeão Real Madrid nas semifinais. A final terminou 1–1 e o Bayern ganhou a disputa de pênaltis por 5–4.[59] Essa vitória também deu ao técnico Ottmar Hitzfeld a distinção de vencer a Liga dos Campeões com dois clubes diferentes, tendo conseguido vencer em 1997 com o Borussia Dortmund.

O Real Madrid enfrentou o Bayer Leverkusen na final de 2002 no Hampden Park. O Real Madrid tinha na época uma política de contratar um jogador de nível mundial por ano. Naquela temporada, eles adicionaram Zinedine Zidane por 71 milhões de euros. Zidane acabou fazendo o gol que deu ao Real Madrid a sua nona Copa da Europa e a terceira em cinco temporadas.[60] O Bayer se tornou o primeira finalista a nunca ter vencido sua liga nacional.

2003–04: final italiana e segundo título do Porto

 
O Milan comemora o sexto título da competição.

Na temporada seguinte, os clubes italianos voltaram ao topo. O Milan venceu sua sexta Liga dos Campeões ao derrotar a Juventus por 3–2 nos pênaltis, depois de um empate de 0 a 0.[61] O capitão do Milan, Paolo Maldini, ergueu o troféu exatamente 40 anos depois de seu pai, Cesare, ter feito o mesmo pelo Milan. Clarence Seedorf venceu a Liga dos Campeões pela terceira vez e com três clubes diferente, ele já havia vencido a taça com o Ajax em 1995 e o Real Madrid em 1998.

Houve uma grande surpresa em 2004, quando o Porto derrotou o Mônaco na final por 3–0.[62] Os gols foram marcados por Carlos Alberto, Deco e Dmitriy Alenichev.

O Porto e o seu treinador, José Mourinho, alcançaram a rara façanha de ganhar a Copa da UEFA e depois vencer a Liga dos Campeões na temporada seguinte. O russo, Alenichev, tornou-se apenas no terceiro jogador, depois de Ronald Koeman e Ronaldo a marcarem gol em duas finais europeias consecutivas. Vítor Baía tornou-se no nono jogador a ter ganho os três títulos europeus.

2005–08: poder inglês, Milan e Barça

Houve uma surpresa parecida em 2005. Desta vez, envolveu dois dos clubes mais bem sucedidos da Europa, com o Milan, seis vezes campeão europeu, enfrentando o Liverpool, quatro vezes campeão europeu, no que alguns consideram uma das finais mais dramáticas da história da competição. O Milan foi para o intervalo ganhando por 3–0 (gols de Paolo Maldini, Andriy Shevchenko e Hernán Crespo), porém em uma reviravolta impressionante, o Liverpool empatou o jogo nos seis minutos iniciais do primeiro tempo (gols de Steven Gerrard, Vladimír Šmicer e Xabi Alonso). Na disputa de pênaltis, o Liverpool venceu por 3–2 e conquistou seu quinto título no que ficou conhecido como "Milagre de Istambul".[63]

Depois de três anos de domínio da La Liga entre 2000 e 2002, as equipes da Espanha não tiveram sucesso entre 2003–2005. Em 2006, eles tiveram um retorno triunfante com o Barcelona de Frank Rijkaard, Ronaldinho Gaúcho e Deco. Na final, realizada no dia 17 de maio, no Stade de France, Jens Lehmann se tornou o primeiro jogador a ser expulso em uma final da Copa dos Campeões da Europa / Liga dos Campeões. O Arsenal assumiu a liderança do placar com Sol Campbell mas acabou tomando a virada com gols de Samuel Eto'o e Belletti.[64]

Na temporada de 2006–07, estabeleceu a vingança do Milan contra o Liverpool. O Milan vingou-se ao vencer a final por 2–1, dois gols de Filippo Inzaghi.[65] O Milan foi campeão europeu pela sétima vez.

A final da Liga dos Campeões de 2008 foi a primeira final inglesa na história da Copa dos Campeões / Liga dos Campeões e decorreu entre o Manchester United e o Chelsea no Estádio Lujniki. A final foi para os pênaltis depois de um empate por 1–1, o pênalti de Nicolas Anelka defendido por Edwin van der Sar deu ao United seu segundo título da Liga dos Campeões.[66]

 
Os jogadores do Manchester United vêem os jogadores do Barcelona receberem as medalhas dos vencedores.

2009–11: Barcelona de Guardiola e Internazionale de Mourinho

Em 27 de maio de 2009, o Barcelona venceu o Manchester United no Stadio Olimpico por 2–0 com gols de Samuel Eto'o e Lionel Messi.[67] Isso fez do Barça o primeiro time da La Liga a conquistar uma copa doméstica, uma liga nacional e a Liga dos Campeões Europeus. Isso tudo foi notável pelo fato de ter sido a primeira temporada do técnico Pep Guardiola no cargo. Aos 38 anos, Guardiola, que também conquistou o título como jogador do Barça em 1992, tornou-se o treinador mais jovem a liderar uma equipe até o troféu.

Em 2010, pela primeira vez em cinco anos, nenhum time inglês chegou até as semifinais (três times ingleses estiveram nas semifinais de cada uma das três últimas temporadas anteriores). O Internazionale surpreendeu e eliminou o Barcelona na semifinal, antes de superar o Bayern de Munique na final por 2–0 no Santiago Bernabéu.[68]

Em 28 de maio de 2011, no Wembley Stadium, o Barcelona bateu o Manchester United em sua segunda final em três anos. Os catalães dominaram a partida e venceram por 3–1 com gols de Pedro, Lionel Messi e David Villa, garantindo seu quarto título na Liga dos Campeões.[69] Isso marcou o quarto título geral e o terceiro título do Barcelona em seis temporadas (2005–2006 a 2010–11).

2012–13: primeiro título do Chelsea e retorno do Bayern

 
O Chelsea recebeu o troféu do Presidente da UEFA, Michel Platini.

Em 19 de maio de 2012, no Allianz Arena, o Chelsea finalmente, contra todas as expectativas, levou o título para Londres. Eles ganharam do Bayern de Munique por 4–3 nos pênaltis depois que o jogo terminou 1–1.[70]

A temporada de 2012–13 viu a primeira final entre alemães, Bayern de Munique e o Borussia Dortmund, depois de suas vitórias sobre os clubes espanhóis Barcelona e Real Madrid, respectivamente, nas semifinais.

Na final, o Bayern venceu o Dortmund por 2–1, com Arjen Robben marcando o gol da vitória aos 89 minutos e conquistando sua quinta edição da Liga dos Campeões.[71] Tendo também ganho os títulos da Bundesliga e da DFB-Pokal, o Bayern de Munique se tornou o primeiro time alemão a vencer a triplice coroa.

2014–18: Real Madrid no centro do domínio espanhol

O Real Madrid venceu o muito aguardado "La Decima" ("a décima"), o recorde do décimo título da Copa dos Campeões da Europa / Liga dos Campeões, na temporada de 2013–14, depois de vencer o Atlético de Madrid por 4–1 na prorrogação.[72] Foi a primeira final entre clubes da mesma cidade e a segunda final espanhola.

No ano seguinte, o Barcelona conquistou seu quinto título, derrotando a Juventus por 3–1 na final.[73]

Em 2016, Real Madrid e Atlético Madrid chegaram à final novamente. Este jogo foi uma revanche da final de 2014 e se tornou a terceira final entre espanhóis e a segunda final entre clubes da mesma cidade na história do torneio. O jogo foi para os pênaltis após o placar terminado em 1–1. O Real Madrid conquistou seu 11o título depois de vencer por 5–3 nos pênaltis.[74]

A vitória na final da Liga dos Campeões contra a Juventus na temporada seguinte fez do Real Madrid a primeira equipe a se bi-campeã da competição renomeada para Liga dos Campeões e a primeira a conquistar títulos consecutivos na competição desde o Milan em 1989 e 1990.[75] O título do Real Madrid foi o 12º, ampliando seu recorde e o terceiro em quatro anos. A conquista também é conhecida como La Duodécima.

O Real Madrid conquistou seu terceiro título consecutivo em 2018 contra o Liverpool em Kiev, vencendo o jogo por 3–1.[76] Foi uma partida para esquecer do goleiro do Liverpool, Loris Karius, que cometeu dois terriveis erros durante a partida.

Entre 2010 e 2018, uma equipe, o Real Madrid, chegou às semifinais por oito vezes e duas equipes, Bayern e Barcelona, ​​em cinco anos cada.

2019–presente: equipes inglesas disputam a final após impressionantes reviravoltas

O Liverpool conquistou sua sexta Liga dos Campeões ao derrotar o Tottenham Hotspur por 2–0 na final de 2019.[77] Ambos os finalistas conseguiram viradas improváveis em suas semifinais, com o Liverpool superando a derrota por 3 x 0 para o Barcelona com uma vitória em casa por 4 x 0 e o Tottenham marcando três gols no segundo tempo para derrotar o Ajax em Amesterdã.

Classificação

 Ver artigo principal: Coeficientes da UEFA
 
Mapa dos países da UEFA cujos times alcançaram a fase de grupos da Liga dos Campeões da UEFA
  País membro da UEFA que foi representado em fase de grupos
  País membro da UEFA que não foi representado na fase de grupos

Desde a temporada de 2009–10, a competição começa com uma fase de grupos com jogos de ida e volta, que é precedida por rodadas de qualificação para equipes que não recebem entrada direta no torneio propriamente dito. As rodadas de qualificações são divididas entre as equipes qualificadas em virtude de serem campeões da liga e as qualificadas do 2º ao 4º no seu campeonato nacional.

O número de equipes que cada associação tem para a competição baseia-se nos coeficientes da UEFA das associações membros. Esses coeficientes são gerados pelos resultados dos clubes que representam cada associação durante as últimas temporadas da Liga dos Campeões e da Liga Europa. Quanto maior o coeficiente de uma associação, mais equipes representam a associação na Liga dos Campeões e menos nas rodadas de qualificação.

Cinco dos dez lugares restantes da qualificação são concedidos aos vencedores de um torneio de quatro turnos entre os restantes 40 ou 39 campeões nacionais, nos quais os campeões de associações com coeficientes mais altos recebem adeus para rodadas posteriores. Os outros cinco são concedidos aos vencedores de um torneio de qualificação de duas rodadas entre os 15 clubes das associações classificadas 1 a 15, que se qualificaram com base em terminar segundo, terceiro ou quarto em sua respectiva liga nacional.

Além de critérios esportivos, qualquer clube deve ser licenciado por sua associação nacional para participar da Liga dos Campeões. Para obter uma licença, o clube deve atender a determinados requisitos de estádios, infraestrutura e finanças.

Na temporada 2005–06, Liverpool e Petržalka Akadémia se tornaram as primeiras equipas a chegarem à fase de grupos da Liga dos Campeões depois de jogar nas três rodadas de qualificação. Na temporada 2008–09, BATE Borisov e Anorthosis Famagusta alcançaram o mesmo feito. O Real Madrid mantém o recorde de participações consecutivas na fase de grupos, tendo se qualificado 21 vezes seguidas (1997–presente). Eles são seguidos pelo Arsenal em 19 (1998–2016) e Manchester United em 18 (1996–2013).

Entre 2003 e 2008, nenhuma diferenciação foi feita entre campeões e não campeões em qualificação. As 16 maiores equipes classificadas se espalham pelas maiores ligas domésticas qualificadas diretamente para a fase de grupos do torneio. Antes disso, três rodadas preliminares de eliminatórias diminuíram as equipes restantes, com equipes diferentes começando em rodadas diferentes.

Uma exceção ao sistema de qualificação europeu usual aconteceu em 2005, depois que o Liverpool venceu a Liga dos Campeões no ano anterior, mas não terminou em um lugar de qualificação da Liga dos Campeões na Premier League naquela temporada. A UEFA deu uma dispensa especial para o Liverpool entrar na Liga dos Campeões, dando a Inglaterra cinco vagas. A UEFA posteriormente decidiu que o campeão em atividade qualifica-se para a competição no ano seguinte, independentemente da colocação da liga doméstica. No entanto, para as ligas com quatro participantes na Liga dos Campeões, isso significou que, se o vencedor da Liga dos Campeões ficasse fora dos quatro melhores da liga doméstica, seria qualificado à custa da equipe do quarto colocado no campeonato. Até 2015–16, nenhuma associação poderia ter mais de quatro participantes na Liga dos Campeões. Em maio de 2012, o Tottenham terminou em quarto lugar na Premier League de 2011–12 , dois lugares à frente do Chelsea, mas não conseguiu se qualificar para a Liga dos Campeões da UEFA de 2012–13, depois que o Chelsea venceu a final de 2012. O Tottenham foi transferido a Liga Europa da UEFA de 2012–13.

Em maio de 2013, foi decidido que, a partir da temporada 2015–16 (e continuando pelo menos para o ciclo de três anos até a temporada 2017–18), os vencedores da Liga Europa da UEFA da temporada anterior se qualificaria para a Liga dos Campeões da UEFA, entrando pelo menos na rodada de play-off e entrando na fase de grupos se a vaga reservada para os titulares dos campeões da Liga dos Campeões não fosse usado. O limite anterior de um máximo de quatro equipes por associação foi aumentado de quatro para cinco, o que significa que uma equipe de quarta posição de uma das três principais associações classificadas só teria que ser transferida para a Liga Europa se alguma equipe do campeonato nacional fosse campeão da Liga dos Campeões.

As três principais ligas da Europa tem vagas para quatro equipes na Liga dos Campeões. Michel Platini, o presidente da UEFA, propôs ter um lugar nas três principais ligas e alocá-lo aos vencedores da Copa da Nação. Esta proposta foi rejeitada em uma votação na reunião do Conselho de Estratégia da UEFA. Na mesma reunião, no entanto, foi acordado que a equipe de terceira colocada nas três principais ligas receberia qualificação automática para a fase de grupos, em vez de entrar na terceira rodada de qualificação, enquanto a equipe do quarto colocado entraria no play-off para não campeões, garantindo um oponente de uma das 15 principais ligas da Europa. Isso fazia parte do plano da Platini para aumentar o número de equipes que se qualificavam diretamente na fase de grupos, ao mesmo tempo em que aumentava o número de equipes de países de baixa classificação na fase de grupos.

Torneio

O torneio começa com uma fase de grupos de 32 equipes, divididas em oito grupos. Os grupos são definidos através de sorteio, sendo que equipes do mesmo país não podem cair em grupos iguais. Cada equipe se encontra com os outros em sua casa e fora em um formato de ida e volta. As equipes que ficarem em primeiro e segundo lugar de cada grupo passam para a próxima rodada. A equipe que fica na terceira colocação entra na Liga Europa da UEFA.

Para este estágio, a equipe vencedora de um grupo joga contra os vice-campeões de outro grupo, e os times da mesma associação podem se enfrentar um contra o outro. A partir das quartas de final, o sorteio é inteiramente aleatório, sem proteção de associação. O torneio usa a regra do gol fora de casa: se a pontuação agregada dos dois jogos estiver empatada, então a equipe que marcou mais golos no estádio do seu oponente avança.

A fase de grupos ocorre de setembro a dezembro, enquanto o mata-mata começa em fevereiro. O sistema de mata-mata também é de ida e volta, com exceção da final. A final geralmente ocorre nas últimas duas semanas de maio.

Distribuição de vagas (de 2018–19)

A partir da edição de 2018–19, o campeão da Liga dos Campeões inicia na rodada preliminar. O número máximo de equipes que uma associação pode acessar no torneio também foi aumentado de quatro para cinco.

As equipes entram nesta rodada As equipes que avançam a partir rodada anterior
Rodada Premilinar
(4 equipes)
  • 4 campeões das associações 52–55
Primeira pré-eliminatória
(34 equipes)
  • 33 campeões das associações 18–51 (exceto Liechtenstein)
  • 1 vencedor da rodada anterior
Segunda
pré-eliminatória
Caminho dos Campeões
(20 equipes)
  • 3 campeões das associações 15–17
  • 17 vencedores da primeira pré-eliminatória
Caminho da liga
(6 equipes)
  • 6 vice-campeões de associações 10–15
Terceira
pré-eliminatória
Caminho dos Campeões
(12 equipes)
  • 2 campeões das associações 13–14
  • 10 vencedores da segunda pré-eliminatória
    (Caminho dos Campeões)
Caminho da liga
(8 equipes)
  • 3 finalistas das associações 7–9
  • 2 equipes terceiras colocadas das associações 5 e 6
  • 3 vencedores da segunda pré-eliminatória
    (Caminho da Liga)
Rodada Play-off Caminho dos Campeões
(8 equipes)
  • 2 campeões de associações 11–12
  • 6 vencedores da terceira pré-eliminatória
    (Caminho dos Campeões)
Caminho da liga
(4 equipes)
  • 4 vencedores da terceira pré-eliminatória
    (Caminho da Liga)
Fase de grupos
(32 Equipes)
  • Detentores do título da Liga dos Campeões
  • 10 campeões das associações 1–10
  • 6 vice-campeões das associações 1–6
  • 4 equipes terceiras colocadas das associações 1 a 4
  • 4 equipes quartas colocadas das associações 1 a 4
  • Detentores do título da Liga Europa
  • 4 vencedores da rodada do play-off
    (Caminho dos Campeões)
  • 2 vencedores da rodada do play-off
    (Caminho da liga)
Fase final
(16 equipes)
  • 8 vencedores do grupo da fase de grupos
  • 8 finalistas do grupo da fase de grupos


↑UEL : Os detentores da Liga Europa podem ser promovidos para a fase de grupos se o vencedor da Liga dos Campeões se classificarem para a fase de grupos através da sua liga doméstica. Se o vencedor da Liga dos Campeões vierem de uma associação classificada em 13º ou menor e não se qualificaram para a rota não-campeã com base em sua performance doméstica, os detentores da Liga Europa entrarão na rodada de play-off para os campeões. A lista de acesso é ajustada de acordo para garantir um máximo de dez equipes na rodada de play-off de cada fluxo.
↑UCL : Se ambos os vencedores da Liga dos Campeões e da Europa League são da mesma associação classificados 1 a 3 e nem se qualificam para a Liga dos Campeões através da sua liga doméstica, a equipe do quarto colocado se qualifica para a Liga Europa.

Distribuição futura (a partir de 2018–19)

Em agosto de 2016, a UEFA anunciou mudanças na lista de acesso do torneio, impulsionada para evitar a criação da Super League europeia. Os quatro melhores clubes das quatro principais associações nacionais receberão qualificação garantida automaticamente para a fase de grupos. Os titulares da Liga Europa também serão automaticamente qualificados para a fase de grupos. No entanto, o plano aprovado pela UEFA causou indignação entre associações menores. Após a sua eleição como novo presidente da UEFA, Aleksander Čeferin disse que irá rever o novo sistema. Em dezembro de 2016, a UEFA confirmou que o plano continuará.

Sendo assim, do primeiro ao quarto colocado dos campeonatos desses países, Alemanha, Espanha, Itália e Inglaterra entrarão diretamente na fase de grupos.

Hino

 Ver artigo principal: Hino da Liga dos Campeões da UEFA

O hino da Liga dos Campeões da UEFA, foi escrito por Tony Britten e é uma adaptação do Zadok the Priest de George Frideric Handel (um dos seus hinos da coroação). Em 1992, a UEFA fez o pedido a Britten para organizar um hino, o arranjo foi realizada pela Orquestra Filarmônica Real de Londres e cantada pela Academy of Saint Martin in the Fields. O coro contém as três línguas oficiais usadas pela UEFA: inglês, alemão e francês. O coro do hino é tocado antes de cada jogo, bem como no início e no final das transmissões de televisão das partidas. O hino completo tem cerca de três minutos de duração e tem dois versos curtos além do coro. Na final de 2009 em Roma, o tenor Andrea Bocelli entoou o hino da Liga dos Campeões, no ano seguinte foi a vez de Juan Diego Flórez na final de 2010. A banda All Angels atuou no final de 2011. Jonas Kaufmann foi o tenor da final da Liga dos Campeões da UEFA de 2012, enquanto David Garrett tocava com o violão. O hino nunca foi lançado comercialmente em sua versão original.

Letra

Ces sont les meilleures équipes
Sie sind die allerbesten Mannschaften
The main event
Die Meister
Die Besten
Les Grandes Équipes
The Champions
Une grande réunion
Eine große sportliche Veranstaltung
The main event
Ils sont les meilleurs
Sie sind die Besten
These are the champions
Die Meister
Die Besten
Les grandes équipes
The champions!

Nota: na versão editada transmitida na televisão antes e depois dos jogos, são usados apenas os versos que estão em itálico.

Premiação

Troféus e medalhas

 Ver artigo principal: European Cup
 
O troféu cedido até a temporada de 1966.
 
O troféu cedido nas edições atuais.

Todos os anos, a equipe vencedora conquista a Taça dos Clubes de Campeões da Europa, cuja versão atual foi concedida desde 1992. Qualquer time que ganhe a Liga dos Campeões três anos consecutivos ou cinco vezes em geral ganha o direito de manter um réplica perfeita do troféu (a UEFA mantém o original sempre). Seis clubes ganharam esta honra: Real Madrid, Ajax, Bayern de Munique, AC Milan, Liverpool e Barcelona. Desde então, em vez disso, o clube que ganha três anos consecutivos ou cinco em geral recebe um distintivo comemorativo para usar permanentemente em seu uniforme.

O troféu atual tem 74 cm de altura, é de prata e pesa 11 kg. Foi desenhado por Jörg Stadelmann, joalheiro de Berna, na Suíça, depois que o original foi entregue ao Real Madrid em 1966, em reconhecimento dos seus seis títulos até à data. O troféu custa 10 mil francos suíços.

A partir da temporada 2012–13, 40 medalhas de ouro são cedidas aos vencedores da Liga dos Campeões e 40 medalhas de prata ao segundo classificado.

Prêmio em dinheiro

A partir de 2016–17, o montante fixo de prêmios pagos aos clubes é o seguinte:

  • Primeira pré-eliminatória: €220.000
  • Segunda pré-eliminatória: €320.000
  • Terceira pré-eliminatória dos perdedores: €420.000
  • Perdedoras do play-off: €3.000.000
  • Vencedores do play-off: €2.000.000
  • Fase de grupos: €12.700.000
  • Vitória na fase de grupo: €1.500.000
  • Empate na fase de grupo: €500.000
  • Classificados às Oitavas de final: €6.000.000
  • Classificados às Quartas de final: €6.500.000
  • Classificados às Semifinais: €7.500.000
  • Vice-campeão: €11.000.000
  • Campeão: €15.500.000

Isto significa que, na melhor das hipóteses, um clube pode ganhar € 57.200.000 de prémios em dinheiro ao abrigo desta estrutura, sem contar as partes das rodadas de qualificação e a ronda de eliminação.

Uma grande parte da receita distribuída da UEFA Champions League está ligada ao "pool de mercado", cuja distribuição é determinada pelo valor do mercado de televisão em cada país. Para a temporada 2014–15, a Juventus , que foi o segundo classificado, ganhou quase 89,1 milhões de euros no total, dos quais 30,9 milhões de euros foram prêmios em dinheiro, em comparação com os 61,0 milhões de euros obtidos pelo Barcelona, ​​que venceu o torneio e foram premiados € 36,4 milhões em prêmios em dinheiro.

Patrocínio

 
O logotipo da competição é exibido no centro do campo antes de cada partida da Liga dos Campeões.

Como a Copa do Mundo da FIFA, a Liga dos Campeões da UEFA é patrocinada por um grupo de corporações multinacionais, em contraste com o único patrocinador principal, tipicamente encontrado nas ligas nacionais. Quando a Liga dos Campeões foi criada em 1992, foi decidido que um máximo de oito empresas deveriam patrocinar o evento, sendo cada corporação atribuída quatro placas publicitárias ao redor do perímetro do campo, bem como a colocação de logotipos em pré e entrevistas pós-jogo e um certo número de ingressos para cada partida. Isso, combinado com um acordo para garantir que os patrocinadores do torneio tenham prioridade em propagandas de televisão durante as partidas, assegurou que cada um dos patrocinadores principais do torneio recebeu exposição máxima.[78]

 
As propagandas de apostas estão proibidas na Turquia. Em 9 de abril de 2013, o Real Madrid (cujos patrocinadores de camisa eram Bwin na época) foi forçado a usar camisas sem patrocínio enquanto jogava contra o Galatasaray em Istambul.

Na fase de mata-mata de 2012–13, a UEFA usou painéis publicitários de LED instalados em estádios, incluindo o estágio final. A partir da temporada de 2015–16, a UEFA usou da rodada de play-off até a final.

Os principais patrocinadores principais do torneio são:

A Adidas é patrocinadora secundária e fornece a bola de partida oficial e o uniforme do árbitro, assim como para todas as competições da UEFA. O FIFA (série) da EA Sports se tornou um patrocinador secundário como o jogo oficial da Liga dos Campeões a partir da Liga dos Campeões da UEFA de 2018–19.

Os clubes individuais podem usar camisas com publicidade. No entanto, apenas um patrocínio é permitido, além do fabricante do kit (as exceções são feitas para organizações sem fins lucrativos), que podem ser exibidas na frente da camisa, incorporadas com o patrocinador principal ou em seu lugar; ou na parte de trás, abaixo do número do esquadrão ou na área do colarinho.

Se os clubes desempenham uma partida em um país onde a categoria de patrocínio relevante é restrita (como a restrição da publicidade de álcool na França), eles devem remover esse logotipo de suas camisetas.

Cobertura da mídia

A competição atrai uma grande audiência de televisão, não apenas na Europa, mas em todo o mundo. A final do torneio foi, nos últimos anos, o evento esportivo anual mais assistido no mundo. A final de 2013 foi a final mais vista até agora, atraindo 360 milhões de telespectadores.

No Brasil

A transmissão da Liga dos Campeões da UEFA começou de maneira tímida no Brasil. Uma vez que, nos anos 70, a Embratel chegasse a disponibilizar sinal de satélite para transmissões da competição, nenhuma emissora de TV na época solicitou à empresa estatal autorização para exibir as partidas devido à então baixa popularidade do certame no país.[79] Coube a TVS do Rio de Janeiro, de propriedade do empresário e apresentador Silvio Santos, realizar a primeira exibição da história da televisão brasileira de uma partida da Champions em maio de 1979: o jogo da final entre Nottingham Forest e Malmö foi mostrado na grade do canal em videotape as 19h30m do horário de Brasília no dia 30 de maio daquele ano.[79]

A primeira transmissão ao vivo de uma partida da UEFA Champions League na TV brasileira só ocorreu em 1984, quando a Rede Globo exibiu às 15h (horário de Brasilia) do dia 30 de maio a final do torneio daquele ano entre Liverpool da Inglaterra e Roma da Itália.[79] Desde então, a emissora carioca passou a exibir todas as finais da competição até o ano de 1995, quando decidiu não adquirir mais os direitos de exibição do torneio.[79] Após a desistência da Globo, outros canais começaram a transmitir partidas da Champions naquela década, como a TV Cultura e a extinta Rede Manchete.[79]

Desde a temporada 2003/2004, os direitos de transmissão pertencem à empresa de marketing e mídia TopSports Ventures. As temporadas 2003/2004 e 2004/2005 foram transmitidas pela RedeTV!. Por causa de uma briga judicial envolvendo Topsports e RedeTV!, a temporada 2005/2006, por sua vez, foi transmitida pela Band. A Rede Record transmitiu as temporadas 2006/2007,2007/2008 e 2008/2009 juntamente com a outra emissora do grupo, a Record News.

Com realização de um acordo histórico junto à UEFA, a Rede Globo adquiriu os direitos de transmissão para os jogos de quarta-feira para as temporadas 2009/2010, 2010/2011, 2011/2012 e 2012/2013, sem necessidade de veicular na programação as publicidades dos parceiros da entidade. Em 2011 a emissora renovou seu contrato até a temporada 2014/2015. Antes, a TV Globo só transmitia os jogos a partir das quartas de final, enquanto que os restantes eram exibidos pela Rede Bandeirantes. Os direitos desta temporada também foram comercializados com o Esporte Interativo para transmissão de um jogo de terça-feira, e para a ESPN no sistema de TV fechada.

No dia 21 de novembro de 2014, foi anunciada a compra dos direitos para a TV fechada pelos canais Esporte Interativo, sendo anunciada também a transmissão de todos os jogos, seja na televisão como na internet até a temporada 2017/2018.

A partir da temporada 2016/2017, devido aos altos índices de audiência registrados, a TV Globo começou a transmitir a competição a partir das oitavas de final, independente de data ou horário, podendo transmitir um ou dois jogos por rodada. A transmissão escolhida das oitavas de final foi o jogo da volta entre Paris Saint-Germain e FC Barcelona, partida histórica que ficou conhecida como La Remontada da equipe catalã.

Nas temporadas a partir de 2018/19 até 2020/21 a Turner do Brasil (por meio dos canais TNT, Space e o portal Esporte Interativo Plus) renovou para mais estas três temporadas os direitos de transmissão para televisão paga. A novidade fica para a transmissão aberta, que deixa a televisão tradicional (habitualmente as Redes Globo e Bandeirantes) e migra para o streaming Facebook Watch, cujas transmissões ficam a encargo da equipe do Esporte Interativo (que desde o encerramento das transmissões em canais próprios, utiliza os canais Turner para as transmissões ao vivo e para programas até então presentes nos canais EI).

Em Portugal

Desde o lançamento do canal, os direitos de transmissão da Liga dos Campeões na televisão paga foram sempre pertencentes à Sport TV, embora Pais do Amaral (em 2011) e a BTV (em 2014) já tenham tentado tirar os direitos de transmissão, mas sem sucesso. Por sua vez, os direitos de transmissão em sinal aberto foram pertencentes à RTP desde a sua primeira edição até 2012, ano em que os direitos para o triénio 2012/2015 foram adquiridos pela TVI, tendo as transmissões começado com o jogo Braga e Udinese. Durante a sua exibição no canal de Queluz de Baixo, as transmissões foram extremamente criticadas por diversas razões, entre as quais a falta de imparcialidade dos comentadores e o facto do canal emitir os jogos em 4:3. No final de 2014, a estação pública recuperou os direitos da competição de forma controversa, principalmente pelo valor oferecido pela reaquisição dos direitos, o que causou a destituição de Alberto da Ponte. Por outro lado, a reaquisição dos direitos foi bem recebida pelos telespectadores, especialmente pelo facto dos jogos passarem a ser emitidos em 16:9 em sinal aberto e em HD nas plataformas pagas. As transmissões da Liga dos Campeões para o triénio 2015/2018 contam com transmissão em direto na RTP1, na Antena 1 e na RTP Play, tendo sido retomadas com o jogo Sporting CP e CSKA Moscovo.

Desde a época 2018–19 a competição é transmitida em exclusivo num novo canal, a Eleven Sports.[80] A empresa britânica comprou os direitos para TV paga e nenhum canal em sinal aberto fez uma proposta à UEFA por achar os preços demasiado elevados.[81] Contudo, a 20 de julho de 2018 foi anunciado que a TVI iria transmitir um jogo por jornada/mão onde esteja presente pelo menos uma equipa portuguesa, bem como a final, em sinal aberto depois de ter feito um acordo de sublicenciamento com a Eleven Sports, um acordo firmado a 1 de agosto de 2018.[82][83]

Lista de emissoras parceiras da UEFA Champions League

  • Europa

Albânia: Tring

Andorra: RMC Sport

Arménia: Armenia TV

Áustria: Sky Austria

Azerbaijão: CBC Sport, AzTV

Bielorrússia: Belarus TV

Bélgica: RTL, Q2, VIER, Proximus (FR), Proximus (NL)

Bósnia e Herzegovina: SportKlub, Arena Sport

Bulgária: A1, bTV Media Group

Croácia: HRT, VIPNET

Chipre: CYTA

República Checa: o2

Dinamarca: Viasat Denmark

Estónia: All Media Baltics

Finlândia: MTV

França: RMC Sport

ARJ da Macedónia: Macedonia Telekom

Geórgia: Silk Sport

Alemanha: Sky Deutschland

Grécia: COSMOTE TV

Hungria: MTVA, TV2

Islândia: Stod 2 Sport

República da Irlanda: RTÉ, Virgin Media

Israel: The Sports Channel

Itália: Sky Italia

Cazaquistão: QazSport

Kosovo: Kujtesa

Letónia: All Media Baltics

Lituânia: All Media Baltics

Luxemburgo: RTL, RMC Sport

Malta: PBS, TSN

República Moldava: Canal 3

Mónaco: RMC Sport

Montenegro: SportKlub, Arena Sport

Holanda: Ziggo Sport, Veronica

Noruega: Viasat

Polónia: Telewizja Polsat

Portugal: Eleven Sports

Roménia: Telekom Sport, Digi Sport

Rússia: Match TV

San Marino: Sky Italia

Sérvia: RTS, Arena Sport

Eslováquia: Orange Sport

Eslovénia: Pro Plus, SportKlub

Espanha: beIN Sports

Suécia: Viasat

Suíça: SRG, Teleclub

Ucrânia: Volia TV, Football 1

Reino Unido: BT Sport

Vaticano: Sky Italia

  • Fora da Europa

Afeganistão: Sony

Argélia: beIN Sports

Angola: Canal+, SuperSport

Anguilla: Flow Sports , SportsMax

Antigua e Barbuda: Flow Sports, SportsMax

Argentina: Fox Sports, ESPN, Facebook

Aruba: Flow Sports , SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook, Ziggo Sport, Veronica

Ilha de Ascensão: Fox Sports, ESPN, Facebook

Austrália: Optus Sport

Ilhas austrais: RMC Sport

Bahamas: Flow Sports , SportsMax

Bahrain: beIN Sports

Bangladesh: Sony

Barbados: Flow Sports , SportsMax

Belize: Fox Sports, ESPN, Facebook

Benin: Canal+, SuperSport

Bermuda: Flow Sports , SportsMax

Butão: Sony

Bolívia: Fox Sports, ESPN, Facebook

Bonaire: Flow Sports , SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook, Ziggo Sport, Veronica

Botswana: Canal+, SuperSport

Brasil: Turner (Esporte Interativo na TNT Brasil), Facebook

Ilhas Vigens Britânicas: Flow Sports, SportsMax

Brunei: Goal.com

Burkina Faso: Canal+, SuperSport

Burundi: Canal+, SuperSport

Camboja: Goal.com

Camarões: Canal+, SuperSport

Canadá: DAZN

Cabo Verde: Canal+, SuperSport

Ilhas Caimão: Flow Sports, SportsMax

República Centro Africana: Canal+, SuperSport

Chade: beIN Sports, Canal+, SuperSport

Chile: Fox Sports, ESPN, Facebook

China: PPTV

Colômbia: Fox Sports, ESPN, Facebook

Comoros: Canal+, SuperSport

Congo: Canal+, SuperSport

Costa Rica: Fox Sports, ESPN, Facebook

Cuba: Flow Sports, SportsMax

Curaçau: Flow Sports, SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook, Ziggo Sport, Veronica

República Democrática do Congo: Canal+, SuperSport

Djibouti: beIN Sports, Canal+, SuperSport

Dominica: Flow Sports, SportsMax

República Dominicana: Flow Sports, SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook

Equador: Fox Sports, ESPN, Facebook Egipto: beIN Sports

El Salvador: Fox Sports, ESPN, Facebook

Eritreia: Canal+, SuperSport Etiópia: Canal+, SuperSport Ilhas Falkland: Fox Sports, ESPN, Facebook

Fiji: FBC TV

Guiana Francesa: Fox Sports, ESPN, Facebook, RMC Sport

Polinésia Francesa: RMC Sport

França do Sul e Territórios da Antártida: RMC Sport

Futuna: RMC Sport

Gabão: Canal+, SuperSport

Gâmbia: Canal+, SuperSport

Gana: Canal+, SuperSport

Granada: Flow Sports, SportsMax

Guadalupe: Flow Sports, SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook, RMC Sport

Guatemala: Fox Sports, ESPN, Facebook

Guiné-Conacri: Canal+, SuperSport

Guiné Equatorial: Canal+, SuperSport

Guiné-Bissau: Canal+, SuperSport

Guiana: SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook

Haiti: Flow Sports , SportsMax, Canal+

Honduras: Fox Sports, ESPN, Facebook

Hong Kong: beIN Sports

Índia: Sony Six

Indonésia: Total Sports Blast

Irão: beIN Sports

Iraque: beIN Sports

Costa do Marfim: Canal+, SuperSport

Jamaica: Flow Sports, SportsMax

Japão: DAZN

Jordânia: beIN Sports

Quénia: Canal+, SuperSport

Kuwait: beIN Sports

Quirguistão: Saran

Laos: Goal.com

Reunião: RMC Sport

Líbano: beIN Sports

Lesotho: SuperSport

Libéria: Canal+, SuperSport

Líbia: beIN Sports

Macau: TDM Desporto

Madagáscar: Canal+, SuperSport

Malawi: Canal+, SuperSport

Malásia: Goal.com

Maldivas: Sony

Mali: Canal+, SuperSport

Martinica: Flow Sports , SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook, RMC Sport

Mauritânia: beIN Sports, Canal+, SuperSport

Maurícias: RMC Sport, Canal+, SuperSport

Mayotte: RMC Sport

México: Fox Sports, ESPN, Facebook

Marrocos: beIN Sports

Mongólia: SPS HD, Look TV

Montserrat: Flow Sports, SportsMax

Moçambique: Canal+, SuperSport

Myanmar: Skynet

Namíbia: Canal+, SuperSport

Nepal: Sony

Nevis: Flow Sports, SportsMax

Nova Caledónia: RMC Sport

New Zealand: Sky NZ

Nicarágua: Fox Sports, ESPN, Facebook

Níger: Canal+, SuperSport

Nigéria: Canal+, SuperSport

Omã: beIN Sports

Paquistão: Sony

Palestina: beIN Sports

Panamá: Fox Sports, ESPN, Facebook

Paraguai: Fox Sports, ESPN, Facebook

Peru: Fox Sports, ESPN, Facebook

Filipinas: Goal.com

Qatar: beIN Sports

Ruanda: Canal+, SuperSport

Saba: Flow Sports, SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook, Ziggo Sport, Veronica

São Tome e Princípe: Canal+, SuperSport

Arábia Saudita: beIN Sports

Senegal: Canal+, SuperSport

Seychelles: Canal+, SuperSport

Serra Leoa: Canal+, SuperSport

Singapura: Goal.com

Somália: beIN Sports, Canal+, SuperSport

África do Sul: SuperSport

Coreia do Sul: SPO TV

Sri Lanka: Sony

São Barts: Flow Sports , SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook, RMC Sport

São Cristovão: Flow Sports, SportsMax

São Eustáquio: Flow Sports, SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook, Ziggo Sport, Veronica

Santa Helena e Ascensão: Canal+, SuperSport

São Kitts: Flow Sports, SportsMax

Santa Lucia: Flow Sports, SportsMax

São Martinho: Flow Sports, SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook, RMC Sport, Ziggo Sport, Veronica

São Pierre e Miquelon: Flow Sports , SportsMax, Fox Sports, ESPN, Facebook, RMC Sport

São Vicente e Granadinas: Flow Sports , SportsMax

Sudão: beIN Sports

Suriname: Fox Sports, ESPN, Facebook

Suazilândia: SuperSport

Síria: beIN Sports

Taiwan: Goal.com

Tajiquistão: Saran

Tanzânia: Canal+, SuperSport

Tailândia: Goal.com

Togo: Canal+, SuperSport

Tortola: Flow Sports, SportsMax

Trinidad e Tobago: Flow Sports, SportsMax

Tunísia: beIN Sports

Turquemenistão: Saran

Ilhas Turcos e Caícos: Flow Sports, SportsMax

Uganda: Canal+, SuperSport

Emirados Árabes Unidos: beIN Sports

Estados Unidos: Univision, TNT

Uruguai: Fox Sports, ESPN, Facebook

Uzbequistão: Saran

Venezuela: Fox Sports, ESPN, Facebook

Vietname: K+

Wallis: RMC Sport

Iémen: beIN Sports

Zâmbia: Canal+, SuperSport

Zanzibar: Canal+, SuperSport

Zimbabué: Canal+, SuperSport

A Sport 24 detém os direitos para transmissões em navios e aviões.[84]

Campeões

Por equipe

Clube Títulos Anos Vices Anos Aprov.
  Real Madrid 13 1955–56, 1956–57, 1957–58, 1958–59, 1959–60, 1965–66, 1997–98, 1999–00, 2001–02, 2013–14, 2015–16, 2016–17 e 2017–18 3 1961–62, 1963–64 e 1980–81 81,25%
  Milan 7 1962–63, 1968–69, 1988–89, 1989–90, 1993–94, 2002–03 e 2006–07 4 1957–58, 1992–93, 1994–95 e 2004–05 63,6%
  Liverpool 6 1976–77, 1977–78, 1980–81, 1983–84, 2004–05 e 2018–19 3 1984–85, 2006–07 e 2017–18 66,7%
  Bayern de Munique 5 1973–74, 1974–75, 1975–76, 2000–01 e 2012–13 5 1981–82, 1986–87, 1998–99, 2009–10 e 2011–12 50%
  Barcelona 5 1991–92, 2005–06, 2008–09, 2010–11 e 2014–15 3 1960–61, 1985–86 e 1993–94 62,5%
  Ajax 4 1970–71, 1971–72, 1972–73 e 1994–95 2 1968–69 e 1995–96 66,6%
  Manchester United 3 1967–68, 1998–99 e 2007–08 2 2008–09 e 2010–11 60%
  Internazionale 3 1963–64, 1964–65 e 2009–10 2 1966–67 e 1971–72 60%
  Juventus 2 1984–85 e 1995–96 7 1972–73, 1982–83, 1996–97, 1997–98, 2002–03, 2014–15 e 2016–17 22,2%
  Benfica 2 1960–61 e 1961–62 5 1962–63, 1964–65, 1967–68, 1987–88 e 1989–90 28,6%
  Nottingham Forest 2 1978–79 e 1979–80 0 100%
  Porto 2 1986–87 e 2003–04 0 100%
  Celtic 1 1966–67 1 1969-70 50%
  Hamburgo 1 1982–83 1 1979–80 50%
  Steaua Bucareste 1 1985–86 1 1988–89 50%
  Olympique Marselha 1 1992–93 1 1990–91 50%
  Borussia Dortmund 1 1996–97 1 2012–13 50%
  Chelsea 1 2011–12 1 2007–08 50%
  Feyenoord 1 1969–70 0 100%
  Aston Villa 1 1981–82 0 100%
  PSV Eindhoven 1 1987–88 0 100%
  Estrela Vermelha 1 1990–91 0 100%
  Atlético Madrid 0 3 1973–74, 2013–14 e 2015–16 0%
  Stade de Reims 0 2 1955–56 e 1958–59 0%
  Valencia 0 2 1999v00 e 2000–01 0%
  Fiorentina 0 1 1956–57 0%
  Eintracht Frankfurt 0 1 1959–60 0%
  Partizan 0 1 1965–66 0%
  Panathinaikos 0 1 1970–71 0%
  Leeds United 0 1 1974–75 0%
  Saint Etienne 0 1 1975–76 0%
  Borussia Mönchengladbach 0 1 1976–77 0%
  Brugge 0 1 1977–78 0%
  Malmö 0 1 1978–79 0%
  Roma 0 1 1983–84 0%
  Sampdoria 0 1 1991–92 0%
  Bayer Leverkusen 0 1 2001–02 0%
  Monaco 0 1 2003–04 0%
  Arsenal 0 1 2005–06 0%
  Tottenham 0 1 2018–19 0%

Por país

País Títulos Vices Clube(s) Campeões Aprov.
  Espanha 18 11 2 62,07%
  Inglaterra 13 9 5 59,9%
  Itália 12 16 3 42,86%
  Alemanha 7 10 3 41,18%
  Países Baixos 6 2 3 75%
  Portugal 4 5 2 44,4%
  França 1 5 1 16,7%
  Escócia 1 1 1 50%
  Roménia 1 1 1 50%
  Sérvia 1 1 1 50%
  Bélgica 0 1 0 0%
  Grécia 0 1 0 0%
  Suécia 0 1 0 0%


Sede das finais

Por país

País Finais Cidades
  Itália
9
Milão (4), Roma (4), Bari (1)
  Inglaterra
8
Londres (7), Manchester (1)
  Alemanha
8
Munique (4), Stuttgart (2), Gelsenkirchen (1), Berlim (1)
  Espanha
8
Madrid (5), Barcelona (2), Sevilha (1)
  França
5
Paris (3), Saint-Denis (2)
  Bélgica
4
Bruxelas (4)
  Áustria
4
Viena (4)
  Países Baixos
4
Roterdã (2), Amsterdã (2)
  Escócia
3
Glasgow (3)
  Grécia
3
Atenas (3)
  Portugal
2
Lisboa (2)
  Turquia
2
Istambul (2)
  Iugoslávia
1
Belgrado (1)
  Suíça
1
Berna (1)
  Rússia
1
Moscou (1)
  País de Gales
1
Cardiff (1)
  Ucrânia
1
Kiev (1)

Por estádio

 
O Estádio de Wembley, é o estádio que mais vezes recebeu a final da Liga dos Campeões da UEFA.
Estádio Finais Anos
Estádio de Wembley
7
1962–63, 1967–68, 1970–71, 1977–78, 1991–92, 2010–11, 2012–13
San Siro
4
1964–65, 1969–70, 2000–01, 2015–16
Santiago Bernabéu
4
1956–57, 1968–69, 1979–80, 2009–10
Estádio Rei Balduíno
4
1957–58, 1965–66, 1973–74, 1984–85
Praterstadion
4
1963–64, 1986–87, 1989–90, 1994–95
Olímpico de Roma
4
1976–77, 1983–84, 1995–96, 2008–09
Olímpico de Munique
3
1978–79, 1992–93, 1996–97
Olímpico de Atenas
3
1982–83, 1993–94, 2006–07
Parc des Princes
3
1955–56, 1974–75, 1980–81
Hampden Park
3
1959–60, 1975–76, 2001–02
Camp Nou
2
1988–89, 1998–99
Stade de France
2
1999–00, 2005–06
Neckarstadion
2
1958–59, 1987–88
Estádio De Kuip
2
1971–72, 1981–82
Olímpico Atatürk
2
2004–05, 2019–20
Olímpico de Amsterdã
1
1961–62
Estádio Wankdorf
1
1960–61
Nacional do Jamor
1
1966–67
Estrela Vermelha
1
1972–73
Ramón Sánchez Pizjuán
1
1985–86
Estádio San Nicola
1
1990–91
Amsterdam Arena
1
1997–98
Estádio Old Trafford
1
2002–03
Arena AufSchalke
1
2003–04
Estádio Lujniki
1
2007–08
Allianz Arena
1
2011–12
Estádio da Luz
1
2013–14
Estádio Olímpico de Berlim
1
2014–15
Millennium Stadium
1
2016–17
Olímpico de Kiev
1
2017–18
Wanda Metropolitano
1
2018–19

Jogadores com mais partidas

Artilheiros

Estes são os 10 maiores artilheiros da história da Liga dos Campeões da UEFA:[86]

Atualizado a 27 de novembro de 2019.
Em negrito, os jogadores ativos na competição na temporada 2018–19[87]

 
Cristiano Ronaldo, o maior artilheiro da história da Liga dos Campeões.
Jogador País Gols Clube(s)
Cristiano Ronaldo   Portugal 127   Manchester United,   Real Madrid,   Juventus
Lionel Messi   Argentina 115   Barcelona
Raúl González   Espanha 71   Real Madrid,   Schalke 04
Karim Benzema   França 64   Lyon,   Real Madrid
Robert Lewandowski   Polónia 63   Borussia Dortmund,   Bayern de Munique
Ruud van Nistelrooy   Países Baixos 60   PSV Eindhoven,   Manchester United,   Real Madrid
Andriy Shevchenko   Ucrânia 59   Dínamo de Kiev,   Milan,   Chelsea
Thierry Henry   França 51   Monaco,   Arsenal,   Barcelona
Filippo Inzaghi   Itália 50   Juventus,   Milan
Alfredo Di Stéfano   Argentina 49   Real Madrid
Zlatan Ibrahimovic   Suécia   Barcelona,   Milan,   PSG,   Manchester United

Os maiores campeões

Ver também

Referências

  1. «Champions League final at Wembley drew TV audience of 360 million» (em inglês). Sportskeeda. 30 de maio de 2013. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  2. a b «Football's premier club competition» (em inglês). UEFA. 31 de janeiro de 2010. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  3. «Clubs» (em inglês). UEFA. 31 de janeiro de 2010. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  4. «UEFA Europa League further strengthened for 2015–18 cycle» (em inglês). UEFA. 24 de maio de 2013. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  5. «Matches» (em inglês). UEFA. 31 de janeiro de 2010. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  6. «Club competition winners do battle» (em inglês). UEFA. 31 de janeiro de 2010. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  7. «FIFA Club World Cuppublisher» (em inglês). FIFA. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  8. «European Champions' Cup» (em inglês). Rec.Sport.Soccer Statistics Foundation. 31 de janeiro de 2010. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  9. «Conheça um pouco mais sobre a história do Mundial do Tricolor». fluminense.com.br. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  10. «Entenda como mundial vencido pelo Palmeiras deu origem à Liga dos Campeões». UOL. 22 de julho de 2015. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  11. «UEFA: 50 Years of the European Cup» (PDF). UEFA. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  12. «Liga dos Campeões completa 60 anos, e Neymar ajuda a contar essa história». Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  13. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  14. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  15. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  16. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  17. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  18. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  19. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  20. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  21. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  22. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  23. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  24. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  25. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  26. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  27. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  28. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  29. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  30. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  31. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  32. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  33. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  34. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  35. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  36. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  37. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  38. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  39. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  40. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  41. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  42. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  43. Mullen, Tom (29 de maio de 2015). «Remembering the Heysel disaster» (em inglês) 
  44. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  45. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  46. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  47. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  48. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  49. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  50. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  51. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  52. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  53. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  54. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  55. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  56. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  57. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  58. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  59. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  60. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  61. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  62. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  63. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  64. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  65. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  66. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  67. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  68. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  69. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  70. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  71. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  72. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  73. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  74. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  75. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  76. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  77. UEFA.com. «UEFA Champions League - História - Época». UEFA.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  78. «Patrocínios da Champions League». Liga dos Campeões da Europa. 11 de fevereiro de 2016 
  79. a b c d e «Como o futebol internacional era transmitido para o Brasil antes das TVs a cabo» [Trivela - Como o futebol internacional era transmitido para o Brasil antes das TVs a cabo] (em Portuguese). trivela.uol.com.br. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  80. «ELEVEN SPORTS ASSEGURA OS DIREITOS PORTUGUESES PARA A LIGA DOS CAMPEÕES DA UEFA E A LA LIGA» 
  81. «Champions sem 'borlas'» 
  82. «TVI, Eleven Sports e Nowo ultimam acordo para transmissão dos jogos da Liga dos Campeões em sinal aberto». tvi24. 20 de julho de 2018 
  83. «Liga dos Campeões está de volta à TVI». tvi24. 1 de agosto de 2018 
  84. «emissoras parceiras da uefa» 
  85. https://www.uefa.com/uefachampionsleague/history/
  86. «ALL-TIME RECORDS 1955-2018» (PDF). UEFA. Consultado em 13 de fevereiro de 2019 
  87. UEFA (em inglês). 15 de março de 2019 https://pt.uefa.com/uefachampionsleague/history/  Texto "Estatístiscas de sempre: : golos marcados" ignorado (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)

Ligações externas