Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Lilico
Nome completo Olívio Henrique da Silva Fortes
Nascimento 8 de outubro de 1937
Bandeira da Cidade do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, RJ
Morte 23 de setembro de 1998 (60 anos)
Bandeira do Município de Cabo Frio Cabo Frio, RJ
Ocupação Humorista

Olívio Henrique da Silva Fortes, mais conhecido como Lilico (Rio de Janeiro, 8 de outubro de 1937 - Cabo Frio, 23 de setembro de 1998) foi um humorista brasileiro.[1]

Vendedor de balas nos bastidores dos programas da Rádio Nacional, foi calouro do programa Trem da Alegria, o primeiro programa do qual participou como humorista.

Começou a carreira televisiva em 1968, no humorístico Balança Mas Não Cai. Na Rede Globo, participou do programa "Oh, Que Delícia de Show", apresentado por Célia Biar. Depois, o programa passa a se chamar "Alô Brasil, Aquele Abraço", usando seu bordão. Lilico continuou na atração até ser convidado pela produção do programa A Praça da Alegria, criando seu personagem "O Homem do Bumbo", na qual chamava as pessoas tocando um bumbo, o personagem usava como bordão um refrão: "Tempo bom, não volta mais. Saudade... de outros tempos iguais!", mudando-se em seguida para o SBT, trabalhando no humorístico A Praça é Nossa até 1998, quando faleceu vitimado por problemas respiratórios.

Trajetória como cantorEditar

Além de trabalhar como humorista, Lilico foi também cantor e compositor, lançando seu primeiro sucesso em 1970: "Tempo bom", em parceria com o também ator Grande Otelo. Gravou, no total, 5 álbuns.

Referências

  1. «Lilico». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 20 de julho de 2019 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.