Linha 1 (Metro de Barcelona)

A Linha 1 também conhecida como linha vermelha do Metrô de Barcelona é uma linha metroviária subterrânea que serve as cidades de Barcelona, L'Hospitalet de Llobregat e Santa Coloma de Gramenet. É a segunda linha de metrô mais antiga, a mais longa da rede e a única que ainda utiliza via de bitola ibérica.

     Linha 1 (Metro de Barcelona)

Estação Plaza España, uma das primeiras a entrar em funcionamento em 1926.
Dados gerais
Tipo Metropolitano
Sistema Metro de Barcelona
Estado em operação
Local de operação Barcelona
Terminais Início: Hospital de Bellvitge -
Fim: Fondo
Estações 30
Número de linha
(Número oficial da linha)
L1 barcelona.svg L2 barcelona.svg L3 barcelona.svg L4 barcelona.svg L5 barcelona.svg L6 barcelona.svg L7 barcelona.svg L8 barcelona.svg L9 barcelona.svg L10 barcelona.svg L11 barcelona.svg L12 barcelona.svg
Operação
Operador Transportes Metropolitanos de Barcelona
Armazém(ns) / pátios Santa Eulàlia e Sagrera
Histórico
Abertura oficial 10 de junho de 1926 (96 anos)
Dados técnicos
Comprimento da linha 20,7 km
Bitola Bitola ibérica antiga


Línia 1

A linha foi inaugurada em 1926 com o nome de Metropolitano Transversal para conectar os terminais ferroviários que existentes em Barcelona. Atualmente liga as estações Bellvitge e Fondo, numa via subterrânea de via dupla. Os pátios de estacionamento encontram-se em Santa Eulália e La Sagrera e oficinas na estação Bellvitge. Atualmente, possui 20,7 quilômetros de extensão e trinta estações.[1][2]

HistóriaEditar

Cronologia - Linha 1
[3]
  • 1912: É apresentado o projeto do Metrô SO-NE de Barcelona, ​​Sans-San Martín, Enlaces e Estaciones Centrales.
  • 1914: O projeto é paralisado pela Primeira Guerra Mundial.
  • 1920: É formada a Ferrocarril Metropolità de Barcelona S.A.. (FMB).
  • 1922: O Conselho de Obras Públicas aprova o projeto e por Decreto Real sua construção é permitida. A Câmara Municipal de Barcelona adquire ações da FMB porque o projeto pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento da cidade.
  • 1923: O trabalho começa na linha.
  • 1926: Inauguração oficial do chamado trecho Transversal do Metrô entre Bordeta e Catalunha.
  • 1932: Expande-se de Bordeta a Bordeta Cotxeres (mais tarde Santa Eulália) e da Catalunha ao Triunfo Norte (Arco do Triunfo)
  • 1933: Estende-se até Marina.
  • 1953: O Transversal chega a Navas.
  • 1941: Entra em vigor a lei das “Bases da Gestão Ferroviária e do Transporte Rodoviário” e a Transversal é nacionalizada e fica dependente da RENFE até 1943 quando é devolvida pelos recursos apresentados.
  • 1952: A Câmara Municipal de Barcelona aprova um acordo de municipalização para todas as empresas de transporte público da cidade.
  • 1954: É ampliado com duas estações, La Sagrera e Fabra i Puig.
  • 1958: A Câmara Municipal adquire as ações ausentes da FMB.
  • 1961: FMB e GMB fundem-se na Ferrocarril Metropolità de Barcelona SA / SPM, o Transversal é renomeado para linha I.
  • 1968: A linha chega a Torras i Bages.
  • 1980: A estação Santa Eulália, terminal desde 1932, é fechada e desmontada para a extensão da linha.
  • 1983: atravessa o rio Besòs para Santa Coloma e chega pela primeira vez ao metrô Barcelonès Nord. Do lado de Llobregat, prolonga-se até Torrassa, é inaugurada a nova estação de Santa Eulália e encerrada Bordeta.
  • 1987: A linha é estendida para a Avenida Carrilet.
  • 1989: A linha chega a Feixa Llarga (mais tarde chamada de Hospital Bellvitge).
  • 1992: A linha é ampliada com uma estação, Fondo, a primeira adaptada para PMR.
  • 2010: Novas oficinas são inauguradas no Hospital Bellvitge para substituir as de Mercat Nou.

Após várias tentativas de se organizar uma empresa para projetar, construir e operar uma linha de metrô em Barcelona, as autoridades locais constituíram em 1920 o Ferrocarril Metropolitano de Barcelona (FMB). A empresa obtém do Reino da Espanha a autorização para realizar as obras apenas em 1922. Assim, as obras da Linha foram iniciadas em 5 de fevereiro de 1923. A abertura do primeiro trecho ocorreu em 10 de junho de 1926, com a inauguração das estações Santa Eulàlia, Mercat Nou, Plaça de Sants, Espanya, Rocafort, Urgell,Universitat e Catalunya.[4][5][3]

 
Cronologia da Linha 1.

Informações técnicasEditar

Cor Vermelho
Número de estações 30
Tipo Metro convencional
Distância 20,7 km.
Trens Série 4000, 6000
Tempo de viagem 35 minutos
bitola da via 1.668 m (ancho ibérico antiguo)
Tração Eletricidade
Trecho ao ar livre entre Santa Eulàlia e Mercat Nou
Cobertura de telefone celular Disponível em toda linha
Oficinas e páteos de manobra Santa Eulàlia e Sagrera
Operadora TMB

EstaçõesEditar

Estações - Conexões - Passageiros
Estação[6][3] Metrô[3] Passageiros
ano 2016[7]
Hospital de Bellvitge 1 400 301
Bellvitge 1 845 762
Avinguda Carrilet   2 938 826
Rambla Just Oliveras 1 740 758
Can Serra 1 433 766
Florida 1 879 431
Torrassa     2 964 128
Santa Eulàlia 4 832 526
Mercat Nou 1 265 761
Plaça de Sants   4 628 616
Hostafrancs 1 596 600
Plaça d'Espanya     13 892 934
Rocafort 3 690 902
Urgell 3 184 953
Universitat   7 712 064
Plaça de Catalunya       17 416 282
Urquinaona   6 964 547
Arc de Triomf 4 671 700
Marina 3 209 594
Glòries 6 189 786
Clot   6 245 727
Navas 2 282 990
La Sagrera     8 363 545
Fabra i Puig 5 165 703
Sant Andreu 3 421 770
Torras i Bages 2 553 098
Trinitat Vella 1 156 034
Baró de Viver 329 640
Santa Coloma 3 242 505
Fondo 3 668 020

As estações em sua maioria possuem plataformas laterais, exceto Mercat Nou e La Sagrera com plataformas centrais e com três plataformas as estações de Glòries, Clot Navas, Fabra i Puig, Sant Andreu e Torras i Bages.

As estações que sofreram mudança de nome são as seguintes: Hospital Bellvitge (Feixa Llarga), Santa Eulália (Bordeta Cocheras), Plaça de Sants (Sants) e Arco do Triunfo (Triunfo Norte).

A maioria das estações, 86% delas (26 de 30), são adaptadas para pessoas com mobilidade reduzida, exceto Plaça de Sants, Espanha, Urquinaona e Clot (L1). Ao todo, são dezesseis estações com conexões para outras linhas de metrô, bonde, FGC, trens urbanos e regionais e ônibus de média e longa distância.[8][9][10]

ExpansãoEditar

Tanto o Plano Diretor de Infraestrutura da Autoridade de Transporte Metropolitano de 2001-2010 como o de 2009-2018 propõem a extensão de uma estação do Hospital de Bellvitge à estação Prat de Llobregat, por um lado, e em quatro estações de Fondo a Badalona Pompeu Fabra. As estações são as seguintes:[11][12]

Trecho de LlobregatEditar

  • Estação El Prat: Com correspondência com a L9, Rodalia de Barcelona e trens de alta velocidade.

Trecho de BesòsEditar

  • Montigalà | Lloreda: intersecção da Rambla Sant Joan com a Pg. Olof Palme e Liszt Street. Cobrirá os bairros de Lloreda e Montigalà em Badalona.
  • Sant Crist: Abrangerá o bairro de Sant Crist com acesso ao Mercado de Lloreda, Badalona.
  • Bufalà: No cruzamento da Avinguda Martí i Pujol com a Carrer Bufalà, cobrindo o distrito de Bufalà, Badalona.
  • Badalona Pompeu Fabra: Correspondência com a L2.

Embora não apareça como uma ação, o PDI propõe que em outra fase possa ser estendido ao longo do lado de Besò com uma estação até a estação suburbana de Badalona, ​​conectando com a linha R1 Rodalia de Barcelona.[13]

Referências

  1. Autoritat del Transport Metropolità (2010). «Transport ferroviari. Any 2010» (PDF). Autoritat del Transport Metropolità/cópia arquivada pelo Internet Archive. Consultado em 25 de abril de 2019 
  2. «La xarxa de metro de TMB arriba als 100 km amb la prolongació de la L2 al centre de Badalona». Transports Metropolitans de Barcelona. 10 de julho de 2010. Consultado em 1 de outubro de 2010 
  3. a b c d Robert Schwandl. «L1 Hospital de Bellvitge – Fondo» (em inglês). Urbanrail. Consultado em 22 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2021 
  4. «Subterráneo en Barcelona». Diário Español, Ano XXI, edição 4175, página 1/republicado pela Biblioteca Nacional/Hemeroteca Digital Brasileira. 7 de janeiro de 1920. Consultado em 25 de abril de 2019 
  5. «Una inauguración-El Metropolitano Transversal». La Vanguardia. 11 de junho de 1926. Consultado em 25 de abril de 2019 
  6. «Line 1 metro (Red)». TMB. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 8 de abril de 2019 
  7. «Metro de Barcelona» (PDF). Metronomo. 2016. Consultado em 6 de novembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 25 de julho de 2021 
  8. «Millora accessibilitat a les estacions d'FMB». Generalitat de Catalunya. 9 de novembro de 2010. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  9. «Transport accessible». Transports Metropolitans de Barcelona. Consultado em 13 de fevereiro de 2016 
  10. Transports Metropolitans de Barcelona (ed.). «Línia L1 - Hospital de Bellvitge / Fondo». Consultado em 24 de julho de 2011 
  11. «PDI de la regió metropolitana de Barcelona 2001-2010: Memòria actualitzada» (PDF). Autoritat del Transport Metropolità. Julho de 2009. Consultado em 24 de abril de 2010 
  12. «PDI de la regió metropolitana de Barcelona 2009-2018: Programa AX (ampliació de xarxa)» (PDF). Autoritat del Transport Metropolità. 2009. Consultado em 21 de setembro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 19 de junho de 2010 
  13. Galdos Tobalina, Alberto (maio de 2010). «Estudi informatiu de perllongament de la línia 1 del FMB. Tram: Fondo - Lloreda Sant Crist» (PDF). gencat.cat. SAITEC. Consultado em 6 de outubro de 2010 

BibliografiaEditar

  • Fernández Cano, Marian. «Anàlisi de l'evolució de l'accessibilitat a la xarxa ferroviària de Barcelona». Universitat Politècnica de Catalunya, 2009.
  • Salmerón i Bosch, Carles. El Metro de Barcelona: Història del ferrocarril metropolità de Barcelona. Barcelona: Terminus, 1992. ISBN 8460423875.

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Linha 1 (Metro de Barcelona)