Linha 5 do Metrô de São Paulo

Linha do metrô da cidade de São Paulo


A Linha 5–Lilás do Metrô de São Paulo compreende o trecho definido pelas estações Capão Redondo e Chácara Klabin, cujo trajeto tem 20,0 quilômetros de extensão. Inaugurada em 2002, permaneceu mais de 15 anos desconectada do resto da rede metroviária.[1][2][3]


     Linha 5 do Metrô de São Paulo

Estação Moema da Linha 5 - Lilás
Dados gerais
Nome antigo Linha G da CPTM - Fase de Implementação (1994-2002)
Tipo Metrô
Sistema Metrô de São Paulo
Local de operação São Paulo, Brasil
Terminais Início: Capão Redondo
Fim: Chácara Klabin
Linhas ligadas Metrô:

ViaMobilidade Linhas 8 e 9:

ViaMobilidade Linhas 5 e 17:

Estações
  • 17 em operação
  • 6 em projeto
Operação
Proprietário Governo do Estado de São Paulo
Operador ViaMobilidade Linhas 5 e 17
Sistema de condução CBTC
Armazém(ns) / pátios
Material circulante
Histórico
Abertura oficial 20 de outubro de 2002 (21 anos)
Operadoras Anteriores CPTM: (fase de construção)

Metrô: (20/10/2002-04/08/2018)

Dados técnicos
Comprimento da linha 19,9 km (12,4 mi)
Bitola 1435 mm (4 ft 8 ½ in)
Eletrificação 1500 V DC catenária
Velocidade de operação 80 km/h (50 mph)

Com a promessa de conectá-la às demais linhas de metrô da cidade, o governo de Geraldo Alckmin iniciou as obras de expansão ate a Chácara Klabin em 2009, com a assinatura dos contratos de contrução em 2010.[4] Inicialmente prevista para 2014,[5][6] as integrações com a Linha 1–Azul, na Estação Santa Cruz, e com a Linha 2–Verde, na Estação Chácara Klabin, na extremidade final do novo percurso, foram adiadas primeiramente para 2015[7] e posteriormente para 2016[8], 2017[9] e então 2018[10]. A entrega definitiva com todas estações só ocorreu em 2019, com Campo Belo sendo a última estação entregue.[11][12]

Durante as obras de expansão foram feitas inumeras promessas não cumpridas de conclusão das obras; Geraldo Alckmin, em visita às obras da Estação Brooklin afirmou que todas as estações da Linha 5 seriam entregues até o final de 2017, exceto a estação Campo Belo, que seria entregue em 2018[13][14] e se integraria com a Linha 17–Ouro a partir do segundo semestre de 2019.[15] No entanto, em novembro de 2017, foi anunciado novo atraso, prorrogando o prazo de entrega da linha para o primeiro semestre de 2018 e a Estação Campo Belo no final daquele ano.[16] Em junho de 2018, o Metrô anunciou para o mês seguinte a inauguração das últimas quatro estações, exceto Campo Belo.[17] Em 28 de setembro de 2018, foram inauguradas as estações Hospital São Paulo, Chácara Klabin e Santa Cruz, conectando a linha ao restante da rede do Metrô.[18]

Apenas em 8 de abril de 2019, a estação Campo Belo, última a ser entregue, foi inaugurada, concluindo as obras no ramal.[19]

Ainda em 2015[20], o Governo do Estado começou o estudo de concessão da linha para a iniciativa privada, concretizado anos depois: no dia 4 de agosto de 2018 ela passou a ser administrada pela empresa ViaMobilidade, pertencente aos grupos CCR e RUASinvest, que venceu em janeiro do mesmo ano a licitação para operar a linha pelos próximos vinte anos.[21] A linha é a segunda do metrô de São Paulo a ser operada pela iniciativa privada.[22]

História editar

Antecedentes editar

Linha Campo Limpo-Santo Amaro (Fepasa) editar

 
Mapa das Linhas do Trem Metropolitano da Fepasa, 1987, onde aparece pela primeira vez o projeto da Linha Campo Limpo- Santo Amaro.

Em 1987, a Fepasa iniciou os estudos para a construção de uma linha de trem entre o Campo Limpo e Santo Amaro, sobre o Córrego do S e parte da Estrada de Itapecerica, até o centro de Santo Amaro.[23]

O projeto previa a construção de uma ferrovia de 9,4 quilômetros de extensão (sendo seis quilômetros em elevado e 3,4 em túnel) e seis estações: Capão Redondo, Campo Limpo, Giovanni Gronchi, João Dias (integrada à Linha Sul da Fepasa), Floriano Peixoto e Adolfo Pinheiro. O traçado seria iniciado na Estação Capão Redondo, por meio de um elevado sobre o Córrego do S, passando por um trecho de mil metros em túnel sob a Estrada de Itapecerica, para ressurgir em elevado a oeste da Estação Giovanni Gronchi, seguindo em elevado sobre o Rio Pinheiros, para mergulhar novamente em um túnel de 2,4 mil metros até a Estação Adolfo Pinheiro. As estações Capão Redondo, Campo Limpo, Giovanni Gronchi e João Dias seriam elevadas enquanto que as estações Floriano Peixoto e Adolfo Pinheiro seriam construídas no subterrâneo. A Linha Campo Limpo Santo Amaro iria utilizar o pátio de Presidente Altino, por meio da construção de uma alça de ligação de mil metros entre a nova linha e a Linha Sul da Fepasa, na altura da Estação João Dias. A previsão de demanda era de 320 mil passageiros por dia.[24]

Estimado em 340 milhões de dólares em 1992, o projeto não encontrou recursos no orçamento, obrigando o governo do estado a buscar financiamento no BIRD.[25] A situação fiscal do estado (já endividado com diversos bancos de fomento), a crise da Fepasa, a intervenção no Banespa e um projeto paralelo feito pela Cia. do Metropolitano impediram a execução do projeto.[26] Esse traçado, no entanto, acabou incorporado em 1994 ao projeto da Cia. do Metropolitano e apresentado em 1995 no Programa Integrado de Transportes Urbanos (PITU).

Metrô-SP editar

Linha Santo Amaro (1968 - 1990) editar

 
Rede básica do metrô para 1990, apresentada em 1975, incluindo a Linha Santo Amaro–Vila Formosa.

O primeiro projeto da Cia. do Metropolitano de uma linha ligando Santo Amaro ao Centro de São Paulo surgiu em 1968, dentro do projeto do consórcio HMD, através de uma linha Santo Amaro–Sé. Em 1975, durante a primeira atualização do projeto, a linha foi ampliada até Vila Formosa.[27] Apesar desses projetos, nenhum detalhamento dessa linha foi realizado até 1990, quando a proposta da linha Santo Amaro foi apresentada oficialmente, em 20 de junho, com três opções de trajeto: saindo das estações Paraíso, Saúde ou São Judas,[28] embora nenhum ds três trajetos tenha sido o que de fato foi construído. Nesse projeto inicial, previa-se que boa parte da linha seria de superfície.

Linha atual (1994) editar

 
Mapa do transporte metropolitano de São Paulo, 1995. Nesse momento, a Linha 5 tomou a forma atual, ligando Capão Redondo a Embuaçu (Chácara Klabin).

Em 1994, a Cia. do Metropolitano incorporou oficialmente o projeto da Linha Campo Limpo-Santo Amaro da Fepasa e apresentou o projeto atualmente implantado, ligando Capão Redondo e Chácara Klabin, de 20,9 quilômetros e dezesseis estações: Capão Redondo, Campo Limpo, Vila das Belezas, Giovanni Gronchi, Santo Amaro, Largo Treze, Granja Julieta, Borba Gato, Brooklin, Campo Belo, Ibirapuera, Moema, Servidor, Vila Clementino, Santa Cruz e Chácara Klabin. Por causa do alto endividamento da Cia. do Metropolitano, o governo Covas resolveu utilizar a recém-criada Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) para obter empréstimos junto aos bancos de fomento para retomar os projetos do metrô.[26] O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) aceitou financiar a Linha 5, com a principal condição de que as obras fossem iniciadas no Capão Redondo, para fomentar o desenvolvimento econômico e social daquela região carente da cidade.[29]

As obras foram divididas em duas fases: Capão Redondo–Largo Treze e Largo Treze–Chácara Klabin.[29]

Construção editar

Capão Redondo–Largo Treze (1998 - 2002) editar

As obras do trecho Capão Redondo–Largo Treze foram iniciadas em 1998 após a desapropriação de diversas áreas, com o reassentamento de 648 famílias pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo para o conjunto habitacional São Luís II.[29]

Linha 5 — fase I [29]
Trecho Extensão Estações Terminais de ônibus Demais instalações Construção
Capão Redondo–Largo Treze 9,4 km
7 km elevado
1,6 km em superfície
0,8 km túneis
6 5 Pátio Capão Redondo e
Subestação Elétrica Guido Calói
Andrade Gutierrez
Camargo Corrêa
Constran
CBPO
OAS
Queiroz Galvão

Por questões jurídicas, a linha era denominada "Linha G da CPTM". Em 2002, o Governo do Estado de São Paulo transferiu a operação da linha para a Companhia do Metropolitano de São Paulo, passando a chamar-se "Linha 5–Lilás". O trecho inicial de 8,4 quilômetros de extensão foi entregue à população em 20 de outubro de 2002, operando das 10 às 15 horas em período de testes. Nesse dia, aproximadamente 3,8 mil passageiros utilizaram a linha,[30] e, na primeira semana de operação, cerca de dezoito mil pessoas já haviam embarcado na nova linha.[31] O recorde de demanda no seu trecho inicial foi obtido no dia 7 de maio de 2008, com 149.469 passageiros transportados.

Largo Treze–Chácara Klabin (2008 - 2019) editar

Durante o fim do governo de José Serra, o então prefeito Gilberto Kassab reintroduziu a Prefeitura do Municipio no financiamento do transporte público sobre triblhos paulista e em 13 de março de 2008, anunciou o investimento de 200 milhões de reais para a construção do trecho entre as estações Largo Treze e Água Espraiada, com entrega gradual das estações entre 2010 e 2011.[32] O trecho ligando o Campo Belo até as conexões com a malha metroviária existente nas estações Santa Cruz e Chácara Klabin deveria ter sido entregue até 2013. O prazo foi primeiramente postergado para 2014,[33][34] e posteriormente para 2015,[6] 2016[8], 2017[9], 2018[35] e finalmente 2019.[36] A linha atravessa toda a Zona Centro-Sul, cobrindo as regiões de Santo Amaro, Largo Treze, Borba Gato, Brooklin e Moema, além de atender as proximidades do Aeroporto de Congonhas e do Parque do Ibirapuera. O projeto previa a implantação de portas nas plataformas que se abrem juntamente com as dos trens, assim como na Linha 4–Amarela, que só foi completo em março de 2022, com a operação em caráter definitivo do maquinário na estação Santo Amaro, a última a recebê-lo.[5][37]

As obras de extensão deveriam ter começado no início de 2009, mas isso só ocorreu em agosto daquele ano, o que comprometeu o recebimento de cerca de 80% do investimento previsto para a linha, de 1,3 bilhão de reais.[38] O metrô esperava construir a Estação Adolfo Pinheiro até 2010, mas o governador José Serra disse, em agosto de 2009, que a nova previsão seria 2011.[39] No mês seguinte, a previsão já era para o segundo semestre de 2012,[40] mas em abril falava-se novamente em 2011, junto com a Estação Campo Belo.[38] O prolongamento até o encontro com as linhas 1 e 2 estava previsto para 2013,[38] mas em outubro de 2010 já se trabalhava com a estimativa de ficar pronto apenas em 2014,[34] prazo que acabaria protelado sucessivamente.

 
Arquitetura da Estação Santo Amaro.
 
Novos trens da linha 5-Lilás.

A construção do trecho, totalmente subterrâneo, teve as primeiras escavações em 17 de agosto de 2009, na altura do número 384 da Avenida Adolfo Pinheiro. A preocupação dos moradores era com o terreno pantanoso por onde a linha iria passar,[40] mas o Metrô garantiu que foram feitos estudos detalhados sobre as desapropriações e que haveria um monitoramento diário da estrutura das casas.[41] Até o final das obras, a previsão era de que seriam necessárias 360 desapropriações, e havia 130 processos na Justiça contra o valor oferecido pelo Metrô.[42] A demora nas desapropriações foi um dos principais motivos do atraso no início das obras de extensão.[38]

Durante as escavações da obra em Santo Amaro, foram encontrados pelo menos dois mil itens domésticos datados dos séculos XVIII e XIX, o que arqueólogos diziam ser um "tesouro arqueológico" que poderia "ajudar a montar um retrato mais fiel do comportamento social e de como se vivia em São Paulo naquela época".[43] Também foram encontrados no mesmo canteiro de obras trilhos do bonde que ligava Santo Amaro à Sé, enterrados a cerca de vinte centímetros do asfalto, junto com os antigos paralelepípedos da rua.[43]

A empresa ainda comprometeu-se a entregar reformada a Galeria Comercial Borba Gato, que teve parte de suas lojas desapropriada, depois que a estação ao lado fosse entregue[42], mas já durante as obras, em janeiro de 2010, os comerciantes acusavam a companhia de não cumprir a promessa de ligar a galeria a um prédio vizinho, para onde alguns lojistas foram transferidos durante o período das obras.[44] Apesar de os lojistas alegarem estar sofrendo prejuízos, o Metrô negou que tivesse feito tal promessa e que a possibilidade foi apenas "aventada".[45] Mesmo assim, a Companhia entregou a Galeria Borba Gato reformada em 2017.[46]

Em 22 de março de 2010, um erro ocorrido durante as obras na esquina da Avenida Adolfo Pinheiro com a Rua Isabel Schmidt causou o rompimento de cabos de fibra ótica da Telefônica, afetando cerca de três mil clientes da empresa — entre eles o Detran —, que ficaram sem serviços de transmissão de voz e dados por pelo menos três dias. O Metrô alegou que os dados enviados pela Telefônica sobre a localização estavam incorretos, enquanto para a Telefônica o Metrô foi ineficiente em sua sondagem.[47] Um imóvel na Avenida Santo Amaro, próximo à esquina com a Avenida Roque Petroni Júnior, não chegou a causar problemas para o andamento da obra, mas causou aos moradores da região, já que o casarão, onde funcionava uma casa noturna, tinha sido desapropriado pelo Metrô mas ainda não fora demolido em abril de 2010.[48] Com isso, cerca de vinte pessoas invadiram a casa para usá-la como moradia e local para consumo de drogas. Segundo moradores, algumas dessas pessoas seriam responsáveis por barulhos durante a madrugada e assaltos nas proximidades.[48] O Metrô, por sua vez, disse fazer rondas periódicas no local,[49] mas já no dia da publicação da denúncia dos moradores da região no Jornal da Tarde a empresa solicitou ajuda da Polícia Militar para remover as pessoas que ocupavam o casarão e emitiu nota em que informava ter colocado dois seguranças no local "em caráter permanente",[50] mas um dia depois deu início aos trabalhos de demolição.[51]

 
Trecho entre as estações Giovanni Gronchi e Santo Amaro. A bordo do Frota F do Metrô de São Paulo.

Entre março e abril de 2010, foram anunciados dois empréstimos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), no valor total de mais de um bilhão de dólares, para aquisição de 26 novos trens e do novo sistema de sinalização da linha, para diminuir o tempo de espera nas estações.[5] Em julho, foi liberado empréstimo de 766 milhões de reais pelo BNDES.[52] Previa-se que o custo total da ampliação da linha seria de seis bilhões de reais.[34] Com um ano de atraso, a ordem de serviço para o início da construção do trecho até a Chácara Klabin foi assinada em 20 de outubro de 2010, com previsão do início das obras para até o fim de novembro.[34] Alguns dos motivos que causaram o atraso foram uma ação civil pública aberta pelo Ministério Público Estadual em 2009 e contestações apresentadas ao Tribunal de Contas Estadual, apresentadas por empreiteiras que queriam participar da concorrência pública.[34] Àquela altura, cerca de 60% dos 360 imóveis previstos para ser desapropriados já tinham sido desocupados.[34]

Entretanto, a licitação foi suspensa no final de 2010, após suspeita de conluio de empresas e com 180 imóveis vagos dentre os 290 originalmente desapropriados pelo estado.[53] Isso ocasionou vários pontos de degradação na região do ao longo das avenidas Ibirapuera e Santo Amaro, com imóveis e terrenos servindo de depósito irregular de lixo, além de reclamações de vizinhos sobre moradores de rua que invadiram muitos dos locais abandonados.[53] O Metrô garantia, em janeiro de 2011, que tinha "uma preocupação imensa com esses imóveis" e que haveria demolições em breve, mas enquanto isso haveria vigilância 24 horas nos endereços desapropriados.[54] Segundo relatório da Corregedoria Geral da Administração do Estado de São Paulo, elaborado pouco depois da suspensão da licitação, não se identificou irregularidade na conduta de agentes públicos, mas, sim, entre as empresas que participaram da licitação para a extensão da Linha 5, o que conotaria fraude ao caráter competitivo da licitação.[53] A defesa dos vencedores da licitação ainda não foi feita, mas reportagem do Jornal da Tarde em 31 de janeiro dava como mais provável a realização de novo processo de licitação.[54] Esse novo atraso fez o presidente do Metrô, Sérgio Avelleda, empossado naquele mês de janeiro, avisar que inaugurar a linha inteira até 2014 seria "impossível".[54].

 
Uma das entradas da estação Adolfo Pinheiro.

Ele anunciou na Rádio Bandeirantes, em 19 de maio de 2011, em entrevista ao jornalista Milton Parron, no programa Ciranda da Cidade, a retomada das obras de expansão da linha, já que não teriam sido comprovadas suspeitas de fraude na licitação.[55]

 
Estação subterrânea Largo Treze.

O governo paulista estava trabalhando com o final de 2013 como prazo de entrega da Estação Adolfo Pinheiro, porém, em julho daquele ano, foi anunciado o adiamento da previsão para 25 de janeiro de 2014.[56] Segundo o secretário dos Transportes, Jurandir Fernandes, a estação já estaria funcionando, para testes, no final de novembro, mas eles preferiram fazer um "marco de abertura oficial", marcando para o aniversário da cidade.[56] Assim, o governo pretendia inaugurar 23 estações, de quatro linhas, ao longo de 2014 (um ano eleitoral), o maior total da história.[56]

Em março de 2015, foi anunciado que o prazo de inauguração do trecho entre as estações Alto da Boa Vista e Chácara Klabin estava adiado para 2017, com a Estação Campo Belo, uma parada de integração com a Linha 17–Ouro, ficando para 2019.[9][57][58]

Expansão da linha: Capão Redondo–Jardim Ângela editar

Proposta de Marta Suplicy (2008) editar

Nenhum projeto da Linha 5 previa sua expansão além da Estação Capão Redondo. No entanto, a primeira promessa de expansão do metrô além do Capão Redondo foi feita por Marta Suplicy durante a campanha eleitoral da eleição de 2008 para a prefeitura.[59] Marta propunha a expansão da Linha 5 até M'Boi Mirim, com auxílio federal.[60] Mais tarde, ela admitiu que o projeto dependia da aprovação do governo do estado, comandado por José Serra.[61] A resposta do governo do estado foi desacreditar a proposta, com a divulgação de uma análise técnica do plano de Marta (único analisado pela empresa do estado) divulgado pela Companhia do Metropolitano de São Paulo em seu site.[62]

"É um risco num mapa, que não leva em consideração nenhum tipo de estudo."
— José Luís Portella, secretário de transportes metropolitano do estado de São Paulo, sobre a proposta de Marta Suplicy para o Metrô.[63]

A análise da Companhia do Metropolitano foi considerada propaganda política pelo Ministério Público, que ingressou na Justiça Eleitoral pedindo a retirada da análise técnica do site da empresa pública.[64]

Estudo da JICA (2010) editar

Apesar da derrota de Marta Suplicy na eleição de 2008, o prefeito eleito Gilberto Kassab deu continuidade ao projeto e assinou um contrato de cooperação técnica com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) em 2009. Os estudos do projeto de ampliação da Linha 5 até o Terminal Jardim Ângela, elaborados pela JICA, mostraram que não havia demanda suficiente na região para a implantação de um sistema de transportes de alta capacidade como o metrô. Os estudos apresentaram demandas entre, no pior cenário, onze mil, e no melhor cenário, vinte mil passageiros por hora/sentido em horário de pico, num horizonte de trinta anos. Foi sugerida, portanto, a implantação de um modal de média capacidade, como um VLT ou um monotrilho no trecho.[65]

O projeto da rede de monotrilhos incluía a linha Jardim Ângela-Capão Redondo e estava prestes a ser iniciado, quando foi engavetado, em março de 2013, pelo prefeito seguinte, Fernando Haddad, que defendia a mera ampliação dos corredores de ônibus da região como solução para a mobilidade.[66]

"Não vamos fazer, e o governo do estado também não."
Jilmar Tatto, secretário municipal de transportes de São Paulo, sobre a rede de monotrilhos projetada pela JICA para a SPTrans.[66]

A JICA e as empresas privadas interessadas em uma parceria público-privada procuraram o governo do estado, porém o pedido de parceria foi arquivado em 3 de setembro de 2015, na ata da 68.ª reunião ordinária do Conselho Gestor do Programa Estadual de Parceria Público Privada.[67]

Metrô de São Paulo (2011 - 2018) editar

Menos de três anos após sentenciar a inviabilidade da proposta, a Companhia do Metropolitano anunciou o início dos estudos de ampliação do Metrô entre Capão Redondo e Jardim Ângela.[68] Este novo trecho previa 4,5 quilômetros de extensão e três estações: Comendador Sant'Anna, M'Boi Mirim e Jardim Ângela (a princípio, as duas primeiras deveriam chamar-se Parque Santo Dias e São João),[69][70] devendo beneficiar cerca de novecentas mil pessoas.[71] Em julho de 2013, o governador Geraldo Alckmin anunciou a intenção de obter recursos do governo federal para a obra, estimada em dois bilhões de reais.[71] "Se não puder ser a fundo perdido, pode ser também financiamento", declarou Alckmin.[71]

ViaMobilidade (2018 - ) editar

Em outubro de 2019, o governo Doria decidiu negociar com a ViaMobilidade para que ela realizasse a obra de expansão, pois segundo o próprio Governo do Estado, “estamos procurando mitigar [os problemas] e encontrar a melhor solução. Se é uma obra que será realizada após essa solução pelo governo do estado ou se é uma obra que pode ser realizada pelo atual consórcio. Essas são as possibilidades muito claras, e que dentro dessas possibilidades estarão também a realização dos projetos, sejam básicos, sejam executivos e as escolhas das estações e das diretrizes para uma obra como essa se dará no contexto da execução de um projeto”, disse Alexandre Baldy, Secretário de Transportes. O financiamento ficaria a cargo totalmente por parte da concessionária, e haveria um reequilíbro econômico do contrato de concessão, a fim de contrabalancear o investimento não previsto iniciamente no contrato.[72]

Em março de 2021, João Dória Jr. anunciou a contratação dos projetos funcional, básico e executivo, que foram bancados pela concessionária, pelo prazo de dois anos. Ao contrário do se previsto, a extensão terá apenas mais duas estações: Comendador Sant'Anna e Jardim Ângela. O novo trecho, de 4,4 quilômetros de extensão, seguirá em via elevada até Comendador Sant'anna e depois subterraneamente até o novo terminal. As obras também contemplarão a canalização do Córrego Capão Redondo e o prolongamento da Avenida Carlos Caldeira Filho.[73][74]

Expansão pós Chácara Klabin editar

Guarulhos editar

Após a apresentação do projeto entre Capão Redondo e Chácara Klabin em 1995, o governo do estado lançou o Plano Integrado de Transportes Urbanos para 2020 (PITU 2020). No PITU 2020 foi proposta a expansão da Linha 5 entre Chácara Klabin e Guarulhos, numa extensão de 19,2 quilômetros e quatorze estações (Jardim da Glória, Ricardo Jafet, Independência, Cambuci, Paes de Barros, Vila Bertioga, Água Rasa, Gomes Cardim, Carrão, Guaiaúna, Tiquatira, Ponte Grande, Vila Endres e Guarulhos).[75]

A Companhia do Metropolitano revisou o plano do PITU 2020 na década de 2000 e lançou dois projetos: Rede Azul e Rede Distributiva. Na Rede Azul, a Linha 5 seria ampliada de Chácara Klabin a Guarulhos, porém seguindo outro traçado, totalizando 27 quilômetros de linha e dezenove estações (Jardim da Glória, Aclimação, Cambuci, Glicério, Pedro II, Brás, Pari, Coroa, Vila Guilherme, Vila Medeiros, Jardim Brasil, Edu Chaves, Vila Endres, Guarulhos, Bosque Maia, Macedo, Bela Vista, Praça Oito e Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos). Na Rede Distributiva, a Liha 5 seria encerrada na estação Chácara Klabin e seria terminal de uma segunda linha de 11, 8 quilômetros até a estação Tietê.[76]

Esses projetos não saíram do papel por falta de recursos para financiamento e seus traçados foram reaproveitados por outras linhas, como a 13 - Jade[77], que hoje atende o Aeroporto de Guarulhos, e a 19 - Celeste[78](em projeto), que atenderá ao centro de Guarulhos e ao Bosque Maia.

Ipiranga editar

 
Região da estação Ipiranga, atual região estudada para a expansão da Linha 5.

No início de 2019 foi publicado um relatório de gestão pelo Metrô em que foi demonstrada a intenção de expandir a linha ao norte, com o novo terminal passando a ser a Estação Ipiranga, culminando na interligação da Linha 5 com as linhas 10–Turquesa e 15–Prata (quando a respectiva estação desta linha também estiver concluída).[79][80] A proposta de expansão apareceu no Relatório Integrado de 2019, estando em fase embrionária de projeto.[81]

Em uma revisão do plano, a Companhia do Metropolitano divulgou uma alteração no traçado, com o terminal alterado de Ipiranga para a futura estação "São Carlos".[82]


Características editar

 
Antiga placa de identificação da Estação Capão Redondo.

A linha forma, em conjunto com as linhas 1–Azul, 2–Verde (do Metrô) e 9–Esmeralda (do Trem Metropolitano), uma malha de alta capacidade, ligando o bairro de Santo Amaro a importantes polos de atividades terciárias, como Moema, Vila Mariana e Brooklin. De início, moradores e comerciantes da região de Santo Amaro estavam preocupados com um possível aumento do tráfego de ônibus na região, especialmente por causa da Estação Adolfo Pinheiro, que ocuparia 30,5 mil metros quadrados no bairro, mas a diretoria do metrô garantiu, em 27 de junho de 2008, que nenhuma nova linha de ônibus seria criada por ali.[83] A expectativa em 2009 era de que casas e apartamentos na Avenida Santo Amaro tivessem uma valorização de até 50% quando a linha ficasse pronta.[40]

O trecho entre as estações Capão Redondo e Santo Amaro é elevado, enquanto entre Largo Treze e Chácara Klabin a linha é subterrânea. A Estação Santo Amaro foi construída em uma ponte estaiada (sendo a primeira estação com essa característica no Brasil),[84] por onde a linha passa exatamente sobre a confluência dos rios Jurubatuba e Guarapiranga, que formam o Rio Pinheiros.

As estações Alto da Boa Vista, Borba Gato, Brooklin e Campo Belo possuem plataforma central, enquanto as demais estações possuem plataformas laterais.

Atualmente, o intervalo entre as partidas é de 165 segundos,[85] com intervalo mínimo projetado (com o máximo de composições em circulação e sem imprevistos) de 75 segundos.[86]

Datas-marco editar

Data Evento
Março de 1998 Início dos trabalhos de construção da linha pela CPTM, sob a denominação "Linha G".
2001 O Governo do Estado de São Paulo transferiu a operação da Linha para a Companhia do Metropolitano de São Paulo, passando a chamar-se "Linha 5–Lilás".
20 de outubro de 2002 Inauguração do trecho Capão RedondoLargo Treze, operando das 10 às 15 horas.[30]
28 de outubro de 2002 Início da operação comercial das 9 às 15 horas.[31]
18 de novembro de 2002 Início da operação comercial das 8 às 15 horas.[87]
16 de dezembro de 2002 Início da operação comercial das 7 às 16 horas.[88]
5 de fevereiro de 2003 Início da operação comercial das 6 às 20 horas.[89]
4 de agosto de 2003 Início da operação comercial das 5 às 22 horas.[90]
10 de agosto de 2008 Início da operação aos domingos e feriados.[91]
17 de agosto de 2009 Início da construção da Estação Adolfo Pinheiro.
23 de julho de 2011 Retomada das obras de expansão da linha.[92]
12 de fevereiro de 2014 Inauguração da Estação Adolfo Pinheiro.[93]
12 de março de 2017 Sistema CBTC e novos trens da frota P estreiam na linha.
6 de setembro de 2017 Inauguração do trecho Alto da Boa VistaBrooklin, operando das 10 às 15 horas.[94]
13 de novembro de 2017 Trecho Alto da Boa Vista–Estação Brooklin passa a operar das 9 às 16 horas.
27 de novembro de 2017 Inicio da operação comercial do trecho Alto da Boa Vista–Brooklin.
2 de março de 2018 Inauguração da Estação Eucaliptos.
2 de abril de 2018 Operação comercial da Estação Eucaliptos.
5 de abril de 2018 Inauguração da Estação Moema.
4 de agosto de 2018 O Metrô de São Paulo passa o comando da Linha para a concessionária ViaMobilidade.
31 de agosto de 2018 Inauguração da Estação AACD-Servidor e operação comercial da Estação Moema.[95]
15 de setembro de 2018 Operação comercial da Estação AACD-Servidor.[96]
28 de setembro de 2018 Inauguração da Estação Hospital São Paulo e finalização da interligação da Linha 5 com as linhas 1–Azul e a 2–Verde, nas estações Santa Cruz e Chácara Klabin, respectivamente,[97] inicialmente operando das 10 às 15 horas.
13 de outubro de 2018 Operação comercial das estações Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin.[98]
8 de abril de 2019 Conclusão da linha, inauguração da Estação Campo Belo.[99][19]
13 de abril de 2019 Operação comercial da Estação Campo Belo.[100]

Estações editar

Sigla Estação Plataformas Posição Integração Distrito Inauguração
CPR Capão Redondo Laterais Elevado     Terminal Capão Redondo Capão Redondo 20 de outubro de 2002
CPL Campo Limpo Campo Limpo
VBE Vila das Belezas Vila Andrade
GGR Giovanni Gronchi   Terminal João Dias
STA Santo Amaro     e   Terminal Guido Caloi Santo Amaro
LTR Largo Treze Subterrâneo   Terminal Santo Amaro
APN Adolfo Pinheiro 12 de fevereiro de 2014
ABV Alto da Boa Vista Central 6 de setembro de 2017
BGA Borba Gato
BRK Brooklin   Corredor Metropolitano Morumbi–Diadema
CPB Campo Belo Futuramente     Campo Belo/Itaim Bibi 8 de abril de 2019
ECT Eucaliptos Laterais Moema 2 de março de 2018
MOE Moema 5 de abril de 2018
SER AACD-Servidor 31 de agosto de 2018
HSP Hospital São Paulo Vila Mariana 28 de setembro de 2018
SCZ Santa Cruz     e   Terminal Santa Cruz
CKB Chácara Klabin    

Demanda editar

Passageiros transportados editar

Passageiros transportados na Linha 5 - Lilás por ano
Ano Quantidade
Ano Quantidade
Ano Quantidade
2002 1 790 000 2011 63 332 000 2020 98 300 000
2003 3 336 000 2012 74 690 000 2021 109 700 000
2004 N/D a 2013 77 971 020 2022 143 200 000
2005 N/D a 2014 79 734 627 2023 60 825 910
jan-mai
2006 18 475 000 2015 79 748 219
2007 24 422 000 2016 78 017 000
2008 N/D a 2017 74 331 000
2009 N/D a 2018 98 520 000 b
2010 49 112 000 2019 166 800 000 c
Notas:
  • a - N/D Não disponível
  • b - Em 2018: 48920000 (CMSP jan-jul)/49600000 (VM ago-dez)
  • c - Recorde de passageiros

Fontes:

Frota editar

 Ver artigo principal: Frota do Metrô de São Paulo

A Linha 5–Lilás possui uma frota total de 34 trens em operação, divididos em duas frotas:

Referências

  1. «Com 15 anos, Linha 5-Lilás do Metrô ainda não está diretamente ligada à rede». G1. Grupo Globo. 20 de outubro de 2017. Consultado em 25 de abril de 2021 
  2. Lobo, Renato (23 de outubro de 2020). «Linha 5-Lilás do Metrô completou 18 anos nesta semana». Via Trolebus. Consultado em 25 de abril de 2021 
  3. Meier, Ricardo (24 de setembro de 2018). «Duas décadas após início das obras, Linha 5 está prestes a ter ligação direta com outras linhas de metrô». Metrô CPTM. Consultado em 25 de abril de 2021 
  4. «Começam as obras da extensão da Linha-5 Lilás do Metrô». Governo do Estado de São Paulo. 17 de agosto de 2009. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  5. a b c «Linha 5 recebe R$ 1,1 bilhão». Jornal da Tarde (14 465). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. 21 de abril de 2010. pp. 6A. ISSN 1516-294X. Consultado em 21 de janeiro de 2010 
  6. a b Bruno Ribeiro (10 de janeiro de 2013). «Pela 1ª vez, obra do Metrô terá 3 tatuzões». O Estado de S. Paulo (43 549). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. C6. ISSN 1516-2931 
  7. «Metrô assina acordo para concluir obras da linha 5-lilás». noticias.uol.com.br. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  8. a b «Monotrilho de Congonhas só será entregue em 2016». Folha de S. Paulo. Consultado em 11 de setembro de 2014 
  9. a b c Caio do Valle (31 de março de 2015). «Obras de 3 linhas do Metrô terão novo atraso». O Estado de S. Paulo (44 359). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. A12. ISSN 1516-2931 
  10. «Metrô assina acordo para concluir obras da linha 5-lilás». noticias.uol.com.br. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  11. Felipe Souza (30 de março de 2015). «Alckmin adia entrega de estação da linha 5; metrô tem atraso generalizado». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2015 
  12. «Governo entrega estação Campo Belo e conclui ampliação da Linha 5-Lilás». Governo do Estado de São Paulo. 8 de abril de 2019. Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2023 
  13. «Parte da expansão da Linha 5-Lilás, estação Brooklin está 98% concluída». Governo do Estado de São Paulo. 4 de fevereiro de 2017. Consultado em 5 de março de 2017 
  14. São Paulo, O Estado de São Paulo (2 de novembro de 2016). «Metrô atrasa 2 meses de repasses para obras da Linha 5». Estadão São Paulo. Consultado em 5 de março de 2017 
  15. «SP lança edital de concessão das Linhas 5-Lilás e 17-Ouro». Governo do Estado de São Paulo. 30 de março de 2017. Consultado em 1 de abril de 2017 
  16. Bazani, Adamo (10 de novembro de 2017). «Novas estações da linha 5 Lilás do Metrô terão horário ampliado a partir de segunda-feira, 13». Diário do Transporte. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  17. «Metrô de SP promete entrega de novas estações da Linha 5-Lilás para julho». G1. 4 de junho de 2018. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  18. «Metrô inaugura nesta sexta-feira mais três estações da Linha 5-Lilás». Estadão. 27 de setembro de 2018. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  19. a b «SP inaugura estação Campo Belo da Linha 5-Lilás do Metrô nesta segunda-feira». G1. 8 de abril de 2019. Consultado em 8 de abril de 2019 
  20. «Alckmin vai privatizar Linha 5 Lilás do Metrô». Diário do Transporte. 21 de julho de 2015. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  21. «CCR e Ruasinvest oferecem R$ 553 milhões e vencem leilão de concessão das linhas 5 do Metrô e 17 do monotrilho de SP». G1. 19 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  22. «Via Mobilidade receberá Linha 5-Lilás do Metrô neste sábado, 4 - Metrô CPTM». Metrô CPTM. 3 de agosto de 2018 
  23. Ferrovia Paulista S.A. (1988). Fepasa Relatório Anual 1987. [S.l.]: Gráfica Fepasa-Jundiaí. p. 8 
  24. Debates- ALESP (10 de dezembro de 1991). «O Sr. Toninho da Pamonha» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo, Caderno Executivo I , páginas 92 e 93. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  25. «Emenda nº 400 ao Projeto de Lei 654, de 1992» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo, Caderno Executivo I, página 123. 27 de outubro de 1992. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  26. a b MELLO, Karla Reis Cardoso de (2000). Transporte urbano de passageiros: as contradições do poder público. [S.l.]: Café Editora-São Paulo. 259 páginas 
  27. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO (1979). Leste-Oeste: em busca de uma solução integrada. [S.l.]: Companhia do Metropolitano de São Paulo. p. 43 
  28. "Linha Santo Amaro deve passar pelo Ibirapuera", O Estado de S. Paulo, 21/6/1990
  29. a b c d LIMBERTI, Elenilson J.;ELIAS, Maria Beatriz de Campos (2002). Os Trilhos da Modernidade - A Linha 5 do Metrô de São Paulo. [S.l.]: Gráficos Burti. 158 páginas 
  30. a b http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u61395.shtml.
  31. a b http://www.sptrans.com.br/clipping_anteriores/2002/outubro2002/clipping26,27e281002/pagina1.htm#Transporte1
  32. «Serra inicia obras de extensão da Linha 5-Lilás do Metrô». Governo do Estado de São Paulo. 17 de agosto de 2009. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  33. «METRÔ - SP - Expansão - Linha 5-Lilás». web.archive.org. 30 de abril de 2008. Consultado em 20 de maio de 2020 
  34. a b c d e f Bruno Ribeiro (21 de outubro de 2010). «Linha 5 em obras daqui um mês». Jornal da Tarde (14 668). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. 4A. ISSN 1516-294X 
  35. «Governo adia inauguração de 6 novas estações da Linha Lilás do Metrô para 2018». G1. 22 de novembro de 2017. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  36. Meier, Ricardo (6 de abril de 2019). «Estação Campo Belo da Linha 5-Lilás abre nesta segunda-feira, 8 de abril». Metrô CPTM. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  37. Lobo, Caio (20 de março de 2022). «Metrô conclui instalação de portas de plataforma na Linha 5-Lilás». Metrô CPTM. Consultado em 29 de janeiro de 2023 
  38. a b c d Felipe Grandin (26 de abril de 2010). «Governo de SP deixou de investir R$ 1,3 bi no Metrô». Jornal da Tarde (14 490). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. 3A. ISSN 1516-294X. Consultado em 1 de maio de 2010 
  39. "Linha 5 do metrô de São Paulo atrasa e fica para o próximo governo", Alencar Izidoro e Catia Seabre, Folha de S. Paulo, 18/8/2009, acessado em 18/8/2009
  40. a b c "Área nobre dará lugar ao Metrô", Diego Zanchetta, Jornal da Tarde, 27/9/2009, pág. 6A
  41. "Casas serão monitoradas, diz companhia", Diego Zanchetta, Jornal da Tarde, 27/9/2009, pág. 6A
  42. a b "Metrô inicia obra que liga o Capão à Chácara Klabin", Daniel Gonzales, Jornal da Tarde, 14/8/2009, página 4A
  43. a b Rodrigo Burgarelli (4 de junho de 2010). «Vestígios de São Paulo sob a Linha 5». Jornal da Tarde (14 529). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. 8A. ISSN 1516-294X. Consultado em 21 de janeiro de 2010 
  44. Luiz Guilherme Gerbelli (20 de janeiro de 2010). «Obra do Metrô 'mata' galeria». Jornal da Tarde (14 394). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. 9A. ISSN 1516-294X. Consultado em 21 de janeiro de 2010 
  45. «Empresa nega que tenha prometido fazer ligação». Jornal da Tarde (14 394). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. 20 de janeiro de 2010. pp. 9A. ISSN 1516-294X. Consultado em 21 de janeiro de 2010 
  46. «Revista Linhas - 17a Edição». Secretaria dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo. Linhas - Revista Eletrônica da Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos: 21. 1 de fevereiro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  47. Renato Machado e Vitor Hugo Brandalise (25 de março de 2010). «Erro em obra do Metrô afeta Detran». O Estado de S. Paulo. Consultado em 25 de março de 2010. Arquivado do original em 28 de março de 2010 
  48. a b Mariana Lenharo (27 de abril de 2010). «Imóvel da Linha 5 é invadido». Jornal da Tarde (14 491). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. 5A. ISSN 1516-294X. Consultado em 1 de maio de 2010 
  49. Mariana Lenharo (27 de abril de 2010). «Rondas são feitas, diz companhia». Jornal da Tarde (14 491). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. 5A. ISSN 1516-294X. Consultado em 1 de maio de 2010 
  50. Mariana Lenharo (28 de abril de 2010). «Imóvel da Linha 5 ganha vigia». Jornal da Tarde (14 492). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. 6A. ISSN 1516-294X. Consultado em 1 de maio de 2010 
  51. Mariana Lenharo (29 de abril de 2010). «Imóvel da Linha 5 é demolido». Jornal da Tarde (14 493). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. 6A. ISSN 1516-294X. Consultado em 1 de maio de 2010 
  52. «BNDES libera R$ 766 mi para a Linha 5 do Metrô». Jornal da Tarde (14 558). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. 3 de julho de 2010. pp. 4A. ISSN 1516-294X 
  53. a b c Rodrigo Brancatelli (31 de janeiro de 2011). «Imóveis abandonados pelo Metrô degradam zona sul». Jornal da Tarde (14 770). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. 3A. ISSN 1516-294X. Consultado em 6 de fevereiro de 2011 
  54. a b c Rodrigo Brancatelli (31 de janeiro de 2011). «Empresa promete ações para solucionar os problemas». Jornal da Tarde (14 770). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. 3A. ISSN 1516-294X 
  55. http://radiobandeirantes.com.br/notas.asp?ID=482994
  56. a b c Caio do Valle (2 de julho de 2013). «Metrô adia entrega de três estações». O Estado de S. Paulo (43 722). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. A16. ISSN 1516-2931 
  57. «Metrô descumpre novo prazo e prevê novas estações da Linha 5-Lilás apenas em setembro». G1 
  58. «Governo entrega estação Campo Belo e conclui ampliação da Linha 5-Lilás». Governo do Estado de São Paulo. 8 de abril de 2019. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  59. LSF3FyQkz-0|Trecho do programa eleitoral de Marta Suplicy para a Eleição municipal de São Paulo em 2008
  60. Agência Estado (22 de julho de 2008). «Marta quer parceria com Serra e Lula no Metrô». NE 10. Consultado em 25 de dezembro de 2021 
  61. «Marta admite que sua promessa para metrô depende do Estado:Ex-prefeita afirma que decisão sobre novas estações requer "bom senso do governador"». Folha de S.Paulo. 25 de setembro de 2008. Consultado em 25 de dezembro de 2021 
  62. «Metrô diz que proposta de Marta é totalmente incompatível». Estadão. 19 de setembro de 2008. Consultado em 25 de dezembro de 2021 
  63. Clarissa Oliveira e Silvia Amorim (28 de Agosto de 2008). «Secretário de Serra rechaça trajeto de Marta para metrô». O Estado de S. Paulo ano 129, edição 41953, página A10. Consultado em 25 de dezembro de 2021 
  64. «MP quer proibir propaganda contra Marta no site do metrô». Diário do Grande ABC. 7 de outubro de 2008. Consultado em 25 de dezembro de 2021 
  65. «ESTUDO PREPARATÓRIO PARA O PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE URBANO EM SÃO PAULO» (PDF). Maio de 2010 
  66. a b «Monotrilho da zona sul é engavetado». Folha de S.Paulo. 2 de março de 2013. Consultado em 25 de dezembro de 2021 
  67. Ata da 68.ª reunião ordinária do Conselho Gestor do Programa Estadual de Parceria Público Privada
  68. Agencia Estado (11 de março de 2011). «Em SP, Linha 5-Lilás do metrô chegará ao Jardim Ângela». G1. Consultado em 25 de dezembro de 2021 
  69. «Linha 5–Lilás será expandida até Jardim Ângela». R7. 11 de março de 2011. Consultado em 27 de maio de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  70. Renato Lobo (21 de janeiro de 2015). «Metrô faz sondagens de solo para levar Linha 5 ao Jardim Ângela». Via Trolébus. Consultado em 22 de janeiro de 2015 
  71. a b c Caio do Valle (2 de julho de 2013). «Alckmin vai a Dilma por verba para o Metrô». O Estado de S. Paulo (43 722). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. A6. ISSN 1516-2931 
  72. «Gestão Doria busca forma de expandir as linhas 4-Amarela e 5-Lilás por meio das suas concessionárias». Metrô CPTM. 18 de outubro de 2019. Consultado em 6 de novembro de 2019 
  73. «Governo de SP anuncia expansão da Linha 5-Lilás do Metrô até o Jardim Ângela, na Zona Sul». G1. 23 de março de 2021. Consultado em 24 de março de 2021 
  74. «Governo Doria anuncia extensão da Linha 5-Lilás até Jardim Ângela». MetrôCPTM. 23 de março de 2021. Consultado em 24 de março de 2021 
  75. COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO (2006). Rede Essencial: Trechos Prioritários. [S.l.]: Companhia do Metropolitano de São Paulo. pp. 34–37 
  76. COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO (2006). Rede Essencial: Trechos Prioritários. [S.l.]: Companhia do Metropolitano de São Paulo. pp. 38–43 
  77. «Linha 13-Jade». Metrô CPTM. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  78. Meier, Ricardo (11 de dezembro de 2023). «Metrô fecha convênio com Guarulhos em que Linha 19-Celeste é considerada prioritária nos planos de expansão». Metrô CPTM. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  79. http://www.metro.sp.gov.br/metro/institucional/pdf/RG_15-18.pdf
  80. Carlos, Jean (30 de janeiro de 2024). «Canteiro de obras da futura estação Ipiranga da Linha 15-Prata começa a ser mobilizado». Metrô CPTM. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  81. «Relatório Integrado - 2019» (PDF). Companhia do Metropolitano de São Paulo. Abril de 2020. p. 33. Consultado em 4 de abril de 2020 
  82. Jean Carlos (4 de agosto de 2023). «Nova revisão da rede sobre trilhos aponta Linha 5-Lilás chegando até a estação São Carlos». Metrô-CPTM. Consultado em 5 de agosto de 2023 
  83. "Linha 5 não trará mais ônibus", Jornal da Tarde, 28/6/2008, pág. 7A
  84. «METRÔ - SP - Empresa - História - Linha 5-Lilás». web.archive.org. 5 de dezembro de 2011. Consultado em 20 de maio de 2020 
  85. «Perguntas Frequentes». www.viamobilidade.com.br. Consultado em 30 de novembro de 2019 
  86. «Obras de expansão da Linha 5-Lilás - Metrô São Paulo». www.metro.sp.gov.br. Consultado em 30 de novembro de 2019 
  87. http://www.sptrans.com.br/clipping_anteriores/2002/novembro2002/clipping191102/pagina1.htm#Transporte7
  88. http://www.sptrans.com.br/clipping_anteriores/2002/dezembro2002/clipping14,15e161202/pagina1.htm#Transporte4
  89. http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u68255.shtml
  90. http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u79598.shtml
  91. http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u431792.shtml
  92. http://diariodacptm.blogspot.com/2011/07/governador-da-inicio-as-obras-de.html
  93. http://www.dgabc.com.br/Noticia/510121/alckmin-inaugura-estacao-do-metro-e-rebate-atraso?referencia=minuto-a-minuto-topo
  94. «Após atrasos, Metrô de SP promete inaugurar três novas estações nesta quarta». G1 
  95. «Estação AACD-Servidor será entregue no fim do mês. Outras paradas ficam para setembro – Via Trolebus». viatrolebus.com.br. Consultado em 22 de agosto de 2018 
  96. «Estação AACD-Servidor passa a funcionar em horário integral neste sábado – MetrôCPTM». Metrô CPTM. Consultado em 15 de setembro de 2018 
  97. «Abertura de novas estações da Linha 5-Lilás fica para 2018 - Metrô CPTM». Metrô CPTM. 14 de novembro de 2017 
  98. «Novas estações operam em horário integral a partir do dia 13». ViaMobilidade. Consultado em 11 de outubro de 2018 
  99. «Estação Campo Belo da linha 5 Lilás deve ser inaugurada na segunda-feira, 08 de abril». Diário do Transporte. Consultado em 5 de abril de 2019 
  100. ViaTrolebus. «Estação Campo Belo, da Linha 5-Lilás, terá horário integral a partir do sábado (13)». Consultado em 8 de abril de 2019 
  101. Companhia do Metropolitano de São Paulo (14 de março de 2007). «Resumo da Demanda do Sistema-Demanda de Passageiros Segundo a Linha - 2006». Internet Archive. Consultado em 8 de julho de 2023 
  102. Companhia do Metropolitano de São Paulo (21 de abril de 2008). «Resumo da Demanda do Sistema-Demanda de Passageiros Segundo a Linha - 2007». Internet Archive. Consultado em 8 de julho de 2023 
  103. Companhia do Metropolitano de São Paulo (4 de novembro de 2011). «Demanda de passageiros por linha-Ano: 2010». Internet Archive. Consultado em 8 de julho de 2023 
  104. Companhia do Metropolitano de São Paulo (7 de outubro de 2012). «DEMANDA DE PASSAGEIROS POR LINHA - ANO: 2011». Internet Archive. Consultado em 8 de julho de 2023 
  105. Companhia do Metropolitano de São Paulo (6 de agosto de 2013). «DEMANDA DE PASSAGEIROS POR LINHA - ANO: 2012». Internet Archive. Consultado em 8 de julho de 2023 
  106. Companhia do Metropolitano de São Paulo (2016). «1. CONTEXTO OPERACIONAL». Relatório de Administração 2015, página 29. Consultado em 8 de julho de 2023 
  107. Companhia do Metropolitano de São Paulo (2017). «Indicadores» (PDF). Relatório da Administração 2016, página 14 
  108. Companhia do Metropolitano de São Paulo (2018). «DEMANDA DE PASSAGEIROS NO METRÔ» (PDF). Relatorio Integrado 2017, página 37 
  109. Companhia do Metropolitano de São Paulo. «Demanda - 2018». Transparência Metrô. Consultado em 8 de julho de 2023 
  110. Companhia do Metropolitano de São Paulo (2023). «Passageiros transportados no sistema de transporte na RMSP 2019 e 2020, 2021, 2022» (PDF). Relatório Integrado 2022, página 41. Consultado em 8 de julho de 2023 
  111. Companhia do Metropolitano de São Paulo (2004). «4 - Passageiros Transportados (1) pelos Trens do Metrô, por Linha - Município de São Paulo 1990-03». Anuário Estatístico do Estado de São Paulo 2003. Consultado em 8 de julho de 2023 
  112. «Relatório da Administração 2018». Via Mobilidade. 2019. Consultado em 8 de julho de 2023 
  113. «Passageiros Transportados». Via Mobilidade. Consultado em 8 de julho de 2023 
  114. a b «Tecnologia». www.viamobilidade.com.br. Consultado em 16 de abril de 2019 
  115. a b «Trens e Sistemas - ViaMobilidade Linhas 5 e 17». ViaMobilidade. Consultado em 7 de fevereiro de 2024 

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Linha 5 do Metrô de São Paulo