Linha 8 da CPTM

Linha do sistema ferroviário de São Paulo, Brasil

A Linha 8–Diamante da CPTM compreende o trecho definido entre as estações Júlio Prestes e Itapevi, com extensão operacional entre as estações Itapevi e Amador Bueno. Até março de 2008 denominava-se Linha B–Cinza.[1]


     Linha 8–Diamante da CPTM

Diagrama das estações
Dados gerais
Tipo Trem suburbano
Sistema Metrô de São Paulo
Local Grande São Paulo, Brasil
Terminais Júlio Prestes
Amador Bueno
Estações 24
Operação
Abertura 1875 (145 anos)
Proprietário Bandeira do estado de São Paulo.svg Governo do Estado de São Paulo
Operador(es) CPTM red symbol.gif Companhia Paulista de Trens Metropolitanos
Armazém(ns)
  • Pátio Lapa
  • Pátio Presidente Altino
  • Pátio Santa Terezinha
Material circulante
Dados técnicos
Comprimento das linhas 42 km (26 mi)
Bitola 1 600 mm (5 ft 3 in)
Eletrificação 3 kV DC catenária
Velocidade de operação 80 km/h (50 mph)
Mapa

Júlio Prestes
R. Silva Pinto
Viad. Eng°. Orlando Drummond Murgel
Viad. Pacaembu
L07 C.png sentido Brás[nota 1]
Palmeiras-Barra Funda
BUS C.jpg L07 C.png Metrô-SP icon.svg
Viad. Antarctica
Viad. Pompeia
Lapa
Pátio Lapa
L07 C.png sentido Jundiaí
Domingos de Moraes
Viad. Domingos de Moraes
Imperatriz Leopoldina
Viad. Miguel Mofarrej
L09 C.png sentido Grajaú
Viad. Único Galfrio
Presidente Altino
L09 C.png
Pátio Presidente Altino
Viad. Guerino Spitaletti
Viad. Dona Ignês Coutinho
Osasco
L09 C.png
Viad. Pres. Tancredo Neves
Comandante Sampaio
Quitaúna
General Miguel Costa
BUS C.jpg
Carapicuíba
BUS C.jpg
Viad. Ver. Jorge Julian
Pátio Santa Terezinha
Santa Terezinha
Rio Cotia
Viad. Gen. Pedro R. Silva
Antônio João
Viad. dos Trabalhadores
Barueri
Viad. Ver. Isaís Pereira Souto
Jardim Belval
Jardim Silveira
Viad. Rev. José Manuel da Conceição
Jandira
BUS C.jpg
Sagrado Coração
Viad. Ameríndia
R. Rosângela Mariana Limas
Engenheiro Cardoso
Viad. José dos Santos Novaes
Itapevi
BUS C.jpg
Santa Rita
Cimenrita
Ambuitá
Estr. do Prado
Amador Bueno
Parada 46
São João Novo
Parada 50
Mailasqui
Cinzano
Gabriel Piza
Vila Amaral
São Roque
Marmeleiro
Mairinque
  1. O trecho da Linha L07 C.png entre as estações Luz e Brás só funciona nos dias úteis.

HistóricoEditar

 
Estação Júlio Prestes, em São Paulo: marco zero da linha
 
TUE Série 5000 alinhando na Estação Comandante Sampaio, em Osasco

A Linha 8 tem 35,28 quilômetros de extensão de Júlio Prestes a Itapevi e vinte estações, servindo a sub-região oeste da Região Metropolitana de São Paulo, composta pelos municípios de Itapevi, Jandira, Barueri, Carapicuíba e Osasco, além de bairros a oeste da capital até a estação Júlio Prestes, no centro. Além de Itapevi, há um trecho de extensão operacional até a Estação Amador Bueno, com 6,3 quilômetros. A linha foi inaugurada em 1875, com o primeiro trecho da antiga linha tronco da Estrada de Ferro Sorocabana, que ligava a atual Estação Júlio Prestes (ao lado da Estação da Luz, em São Paulo) a Sorocaba. Esta linha teve uma importância histórica muito grande, principalmente para o nascimento de cidades que margeavam a ferrovia, como Itapevi, Jandira, Mairinque e Osasco.

Em 1934 foram criados oficialmente os serviços de transporte suburbanos, nascidos "da expansão urbana experimentada por municípios como Osasco, Itapevi [e] Carapicuíba", segundo análise do jornal Folha de S.Paulo mais de quarenta anos depois.[2] A linha seria eletrificada entre 1944 e 1945, época em que os serviços suburbanos já atingiam Amador Bueno. Entre as décadas de 1950 e 1960, a linha sofreu sua primeira reforma, tendo sido adquiridos em 1958 os TUEs Kawasaki-Toshiba (atual Série 4800). Esses trens, entretanto, sofreram um desgaste "fora do comum", e apenas sete anos depois o sistema já demandava ampliação.[2] Enquanto em 1959 as linhas de subúrbio da Sorocabana transportaram cerca de dezesseis milhões de passageiros, doze anos depois esse número dobrou, com o sistema permanecendo praticamente igual.[2]

Em 1971, a ferrovia passou a ser administrada pela nova estatal Ferrovia Paulista S/A (Fepasa), que no final daquela década e início da década de 1980 renomeou a linha como Linha Oeste, promovendo uma completa reforma nos seus serviços de trens metropolitanos, reconstruindo todas as estações da linha (exceto Júlio Prestes) e ampliando a bitola métrica (um metro) para bitola larga (1,60 metro) entre Júlio Prestes e Itapevi, adquirindo os TUEs Francorail-Cobrasma (atual Série 5000) e reformando os TUEs Toshiba (padrão denominado "Rio Claro"), usados na extensão entre Itapevi e Amador Bueno. Até agosto de 1998, os trens metropolitanos atenderam também as estações entre Amador Bueno e Mairinque, cruzando todo o município de São Roque, já fora da Região Metropolitana de São Paulo. Em 1996, os serviços passaram às mãos da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que unificou os serviços de trens metropolitanos da Grande São Paulo.

CaracterísticasEditar

 
Trilhos da Linha 8 da CPTM no bairro da Água Branca

Das estações Júlio Prestes e Barra Funda, na capital, até Itapevi, com extensão operacional até Amador Bueno, nesse mesmo município; atende ainda Osasco, Carapicuíba, Barueri e Jandira. Santa Rita, Cimenrita, Ambuitá e Amador Bueno eram consideradas "paradas" e não "estações", pois não possuíam qualquer infraestrutura interna, tais como agência de estação, bilheterias e outros serviços. Após a modernização, Amador Bueno passou a ser considerada "estação", mesmo sendo basicamente igual a Santa Rita, e ambas não possuem infraestrutura interna, como agência de estação, bilheterias etc.; apenas banheiros (Cimenrita e Ambuitá foram desativadas). O embarque nestas paradas é gratuito, sendo que os passageiros só pagam o valor da passagem se efetuarem a transferência para os trens que seguem para Júlio Prestes, em Itapevi.

A Linha 8, em sua articulação com a Linha 9, é estratégica na montagem de um bom sistema de transferência e integração modal. De Lapa a Barra Funda, as linhas 8 e 7 (que atende à sub-região noroeste da Região Metropolitana) seguem em faixas independentes, separadas por uma área ocupada em alguns trechos por edificações e equipamentos urbanos. Neste ponto, há a proposta de deslocar a Linha 8 para a atual faixa de domínio da linha 7, resultando na utilização, pelas duas linhas, de uma única estação na Lapa e na Água Branca, proporcionando melhor inserção urbana e liberando áreas para outros investimentos.

Júlio Prestes ↔ Itapevi Itapevi ↔ Amador Bueno
Extensão 35,28 km 6,33 km
Média de passageiros transportados/dia[3] 432 178 -
Intervalo entre trens (pico) 5 min 30 min/15 min
Quantidade de estações 22 3
Trens (hora pico) 18 2
Tempo de percurso 58 min 12 min
Distância média entre estações 1 857 metros 1 585 metros
Oferta de lugares no pico 23 580 -
Velocidade média operacional 80 km/h 50 km/h
Passagens em nível 2 3

EstaçõesEditar

 
Mapa anterior da linha, usado até 2008
 
Atual Série 5400 (extensão)
 
Salão de passageiros da série 8000
 
Interior de uma composição da Série 5400
Sigla Estação Município Observações MDU (8/2018)[3]
JPR Júlio Prestes São Paulo 7 677
BFU Palmeiras–Barra Funda Integração gratuita com a Linha 3–Vermelha do Metrô de São Paulo, com a Linha 7–Rubi da CPTM e acesso ao Terminal Rodoviário da Barra Funda. 145 732
LAP Lapa Integração tarifada com o Terminal Lapa da SPTrans. Futura integração com a Linha 7–Rubi da CPTM. 22 929
DMO Domingos de Moraes 16 814
ILE Imperatriz Leopoldina 15 428
PAL Presidente Altino Osasco Integração gratuita com a Linha 9–Esmeralda. 11 401
OSA Osasco Integração gratuita com a Linha 9–Esmeralda, acesso ao terminal rodoviário de Osasco. 54 182
CSA Comandante Sampaio 11 686
QTU Quitaúna 5 002
GMC General Miguel Costa 17 416
CPB Carapicuíba Carapicuíba Acesso ao Terminal Urbano de ônibus de Carapicuíba. 27 703
STE Santa Terezinha 1 828
AJO Antônio João Barueri 12 023
BRU Barueri Integração tarifada com o terminal intermunicipal de ônibus de Barueri. 22 926
JBE Jardim Belval 3 152
JSI Jardim Silveira Integração tarifada com o terminal intermunicipal de ônibus do Jardim Silveira. 6 807
JDI Jandira Jandira Integração tarifada com o terminal intermunicipal de ônibus de Jandira. 13 775
SCO Sagrado Coração 2 074
ECD Engenheiro Cardoso Itapevi 5 522
IPV Itapevi Integração gratuita com a extensão operacional para Amador Bueno. Cartão Benfácil da Benfica BBTT. 28 101

MDU = média de passageiros embarcados por dia útil em cada estação, desde o início do ano. Nas estações com duas ou mais linhas, o MDU representa a totalidade de passageiros embarcados na estação, sem levar em conta qual linha será utilizada pelo usuário.

Extensão operacionalEditar

O trecho da extensão operacional esteve desativado para processo de modernização. A CPTM voltou a prestar serviço entre Itapevi e Amador Bueno em 3 de abril de 2014, dando início à operação assistida no trecho.[4] Em 23 de abril de 2014, a extensão foi entregue oficialmente pelo governador Geraldo Alckmin. Na ocasião, foi anunciado que as estações Cimenrita e Ambuitá, hoje demolidas, seriam reconstruídas.[5] Nessa extensão são utilizados os TUEs Série 5000 (atual Série 5400), compostos por quatro carros (dois motores e dois reboques) que sofreram sua primeira reforma em 1999 e a segunda entre 2013 e 2014, para serem utilizados nesse trecho. No projeto inicial, previa-se a utilização do TUE Série 4400 nesse trecho.

Sigla Estação Município Observações MDU
(outubro 2016)[6]
IPV Itapevi Itapevi Integração tarifada com o trecho
principal da Linha 8–Diamante.
Modernização entregue em
1 de outubro de 2010.
1 163
SRT Santa Rita Modernização entregue em
3 de abril de 2014.
1 470
CMR Cimenrita Desativado e demolido
AMB Ambuitá
ABU Amador Bueno Modernização entregue em
3 de abril de 2014.
1 940
 
Trem da Série 5400 percorrendo a Extensão Operacional entre Amador Bueno e Santa Rita, na altura da extinta Parada Cimenrita, 2020.

Trecho Amador Bueno–MairinqueEditar

 
Com o abandono do trecho pela CPTM, a rede elétrica foi saqueada. Vista da via férrea nas proximidades da estação São João Novo.

Desde o estabelecimento dos trens de subúrbio, no final dos anos 1920, seus serviços ligavam São Paulo à cidade de Mairinque. Com a criação da Fepasa, em 1971, o trecho de subúrbio foi transferido para a Unidade Regional dos Subúrbios. Essa unidade regional foi ampliada na década de 1970 e transformada em Divisão Regional Metropolitana (DRM).

Na década de 1980, o serviço sofreu algumas reformulações, com a introdução dos trens Toshiba reformados em Rio Claro e a construção ou reforma das paradas existentes entre Mairinque e Amador Bueno, dotadas somente de abrigos e "corcovas" para fácil embarque dos passageiros.[7] O serviço era conhecido oficialmente como "Trem de Mairinque" e apelidado de "Mairinquinho". Em 1987, a prefeitura de São Roque chegou a cogitar convênio com a Fepasa para a integração dos trens com a rede de ônibus da então empresa pública SanTC (São-Roquense de Transportes Coletivos), mas a proposta não seguiu adiante.[8]

Em 1996, a DRM foi incorporada à CPTM, incluindo o trecho entre Amador Bueno e Mairinque[9], que acabaria não incluído no processo de concessão da malha paulista da RFFSA (vencido pela Ferroban, atual Rumo Logística). Após três anos de operação, o trecho foi desativado, embora sua concessão ainda pertença à CPTM.[10][11][12]

Estação Município Observações
Amador Bueno Itapevi Modernização entregue em 3 de abril de 2014.
Parada 46 São Roque Parada simples - desativada desde 1999.[13]
São João Novo Desativada desde 1999.
Parada 50 Parada simples - desativada desde 1999.[14]
Mailasqui Desativada desde 1999.
Parada Cinzano Parada simples - desativada desde 1999.[15]
Gabriel Piza Desativada desde 1999. Demolida por saqueadores em 2010.[16]
Vila Amaral Parada simples - desativada desde 1999.[17]
São Roque Desativada desde 1999.[18] Atual sede da Guarda Municipal local.
Marmeleiro Parada simples - desativada desde 1999.[19]
Mairinque Mairinque Desativada desde 1999. Atual centro cultural.

ProjetosEditar

 Ver artigo principal: Obras e projetos da CPTM

A CPTM realizou uma audiência pública, em julho de 2013, para apresentar o projeto que ligará Sorocaba e São Paulo por meio de trens da CPTM. Em Sorocaba, serão duas estações: uma na região central e outra no bairro Brigadeiro Tobias. O investimento na linha de Sorocaba a São Paulo será de 4,3 bilhões de reais. O início das obras estava previsto para 2015, com previsão de conclusão em 2020, mas em 2019 ainda não tinha saído do papel.

Ele também prevê conexão futura com uma nova extensão de trem da Linha 8 até Alphaville. A chegada dos trens ao bairro vinha sendo cogitada desde a gestão de José Serra no governo estadual, mas nunca saiu da fase de estudos.

ObrasEditar

 Ver artigo principal: Obras da CPTM

Imagens das obrasEditar

 Ver artigo principal: Galeria de imagens da CPTM

Referências

  1. «Linhas da CPTM ganham novos nomes». Governo do Estado de São Paulo. 3 de abril de 2008. Consultado em 26 de junho de 2018 
  2. a b c «Vinte anos sem renovações». Folha de S.Paulo (17 924). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A. 30 de abril de 1978. 18 páginas. ISSN 1414-5723 
  3. a b «Tabela Novos Negocios Agosto 2018» (PDF). CPTM. Consultado em 8 de agosto de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 18 de julho de 2018 
  4. «Estações Amador Bueno e Santa Rita da CPTM são entregues em Itapevi». Governo do Estado de São Paulo. 23 de abril de 2014. Consultado em 14 de agosto de 2019 
  5. «CPTM investe R$ 83 mi na Linha 8-Diamante» (PDF). Imprensa Oficial de São Paulo. 15 de maio de 2014. Consultado em 22 de julho de 2019 
  6. Consenge (2018). Plano Diretor de Mobilidade Urbana de Itapevi. [S.l.]: Prefeitura de Itapevi. 107 páginas 
  7. «Trem Rio Claro -- Trens de passageiros do Brasil» 
  8. «Municipalização, uma boa saída». Editora TM Ltda. Revista Transporte Moderno (283) Agosto de 1987. Consultado em 15 de Abril de 2020 
  9. Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (18 de abril de 1996). «Ofício PR 0162/1996» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo,caderno Legislativo, página 3. Consultado em 10 de julho de 2020 
  10. Ralph Mennucci Giesbrecht (2001). «Mairinque». Estações Ferroviárias do Brasil. Consultado em 26 de abril de 2019 
  11. Folha da Tarde (28 de agosto de 1993). «Metrô sobe amanhã para Cr$ 53,00». Folha de S.Paulo, ano 73, edição 23523, caderno 3-São Paulo, página 8. Consultado em 26 de abril de 2019 
  12. «Mapa da Malha Paulista da Rumo Logística». ANTT. Consultado em 26 de abril de 2019 
  13. «Parada 46 -- Estações Ferroviárias do estado de São Paulo» 
  14. «Parada 50 -- Estações Ferroviárias do estado de São Paulo» 
  15. «Parada Cinzano -- Estações Ferroviárias do Estado de São Paulo» 
  16. Ralph Mennucci Giesbrecht (2001). «Gabriel Piza». Estações Ferroviárias do Brasil. Consultado em 26 de abril de 2019 
  17. «Parada Amaral -- Estações Ferroviárias do Estado de São Paulo» 
  18. Ralph Mennucci Giesbrecht (2001). «São Roque». Estações Ferroviárias do Brasil. Consultado em 26 de abril de 2019 
  19. «Parada Marmeleiro -- Estações Ferroviárias do Estado de São Paulo» 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Linha 8 da CPTM