Linha do tempo do futuro distante

A dark gray and red sphere representing the Earth lies against a black background to the right of an orange circular object representing the Sun
Como a Terra pode se parecer em vários bilhões de anos a partir de agora, depois do Sol se tornar em uma Gigante Vermelha

A linha do tempo do futuro distante é a previsão científica de alguns eventos terrestres e espaciais de um futuro distante, apenas no mais amplo esboço, enquanto o futuro não possa ser previsto com certeza absoluta,[1] através da Astrofísica (revelou o ciclo de vida dos planetas e estrelas); física de partículas (revelou como a matéria se comporta em micro escala), biologia evolutiva (prevê como a vida vai evoluir com o tempo) e, a tectónica de placas (revelou como os continentes mudam através dos milênios).

Todas as projeções do futuro da Terra, do Sistema Solar e do Universo devem levar em conta a Segunda lei da termodinâmica, que declara que a entropia, ou a perda de energia disponível para trabalhar, deve aumentar com o tempo.[2] As estrelas irão eventualmente acabar com seus suprimentos de hidrogênio e se apagarão. Encontros próximos entre objetos astronômicos vão tirar planetas de seus sistemas solares, por causa da gravidade, e sistemas estelares de suas galáxias.[3]

Os físicos esperam que a própria matéria irá, eventualmente, sofrerá a influência do decaimento radioativo, pois até os materiais mais estáveis se quebram em partículas radioativas.[4] Os dados atuais sugerem que o universo tem uma geometria plana (ou bem próxima de plana), não colapsando sobre si mesmo após um tempo finito,[5] e um futuro infinito permite a ocorrência de um número de eventos extremamente improváveis, como a formação de Cérebros de Boltzmann.[6]

As linhas do tempo mostradas aqui cobrem eventos do começo do 11º milênio[note 1] até os pontos mais distantes do tempo futuro. Um número de eventos alternativos estão listados para apresentar questões ainda não resolvidas, tipo as de que se humanos serão extintos, se o próton irá decair e, se a Terra sobreviverá quando o Sol se expandir para virar uma gigante vermelha.

Tipos de chaves dos acontecimentosEditar

  Evento é determinado por
  Astronomia e Astrofísica
  Geologia e Ciência planetária
  Biologia
  Física de partículas
  Matemática
  Tecnologia e cultura

PrevisõesEditar

Futuro terrestre e do universoEditar

Ver também: Formação e Evolução do Sistema Solar

  Anos a partir de agora Evento
  10,000 Se uma falha do "Ice plug" da Bacia Wilkes Subglacial ocorrer nos próximos séculos, se tornará um perigo para a folha de gelo no leste da Antartida, que vai levar até esse tempo para derreter completamente. Os níveis do mar vão subir de 3 a 4 metros.[7] Um dos potenciais efeitos a longo prazo do aquecimento global, este é separado da ameaça de prazo mais curto do manto de gelo da Antártida Ocidental.
  10,000[note 2] A supergigante vermelha Antares provavelmente virará uma supernova nessa época. A explosão deverá ser capaz de ser observada no período diurno.[8]
  15,000 De acordo com a Teoria da bomba do Sahara, a precessão dos polos da Terra moverão o monção africano o bastante para o norte, fazendo com que o Sahara volte a ter um clima tropical, tal como teve 5,000–10,000 anos atrás.[9][10]
  25,000 A calota norte de gelo polar marciano poderia recuar quando Marte atingir um pico de aquecimento no hemisfério norte durante os próximos 50.000 anos ~ no aspecto periélio de precessão do seu ciclo de Milankovitch.[11][12]
  36,000 A pequena anã vermelha Ross 248 vai passar á 3.024 anos-luz da Terra, se tornando a estrela mais próxima do Sol.[13] Isso vai durar cerca de 8.000 anos, fazendo a Alpha Centauri e depois a Gliese 445 serem as estrelas mais próximas.[13] (Veja Linha do Tempo).
  50,000 De acordo com Berger e Loutre, o atual período interglacial acabará,[14] mandando a Terra de volta num período glacial da atual era do gelo, apesar dos efeitos do aquecimento global antropocêntrico.

As Cataratas do Niagara terão erodido até 32 km do lago Erie, e deixado de existir.[15]

Os muitos lagos glaciais do Escudo Canadiano terão sido apagados pela recuperação pós-glacial e erosão.[16]

  50,000 O tamanho do dia usado para rastreio astronômico alcança cerca de 86,401 SI segundos, devido a Lua estar desacelerando a rotação da Terra. Sob o rastreio de tempo atual, ou um novo segundo terá de ser adicionado ao relógio todo dia, ou, para compensar, o tamanho do dia teria de ser aumentado por um SI segundo.[17]
  100,000 O próprio movimento das estrelas através da esfera celeste, que é o resultado de seu movimento através da Via Láctea, torna muitas constelações irreconhecíveis.[18]
  100,000[note 2] A estrela hipergigante VY Canis Majoris provavelmente terá explodido em uma hipernova.[19]
  100,000[note 2] A Terra provavelmente terá tido uma erupção de um supervulcão grande o suficiente para espalhar 400km de magma. Em comparação, o Lago Erie é de 484km.[20]
  100,000 Minhocas nativas da América do Norte, como as Megascolecidae deverão se espalhar naturalmente pelo Alto Centro-Oeste dos EUA até a fronteira do Canadá com os EUA, se recuperando da glaciação da Folha de gelo Laurentide (38°N a 49°N), assumindo uma proporção de migração de 10 m/ano.[21] (Entretanto, minhocas invasoras - não nativas - da América do Norte podem já ter sido introduzidas por Humanos em uma escala temporal menor, causando um choque no ecossistema regional.
  100,000+ Como um dos efeitos de longo termo do aquecimento global, 10% do dióxido de carbono antropoceno vai sobrar numa atmosfera estabilizada.[22]
  250,000 Lō‘ihi, o vulcão mais jovem da cadeia marítima Havaiana-Imperador, vai subir acima da superfície do oceano para se tornar uma nova ilha vulcânica.[23]
  ~300,000[note 2] Em algum ponto dos próximos "vários" milhares de anos, espera-se que a Estrela Wolf-Rayet WR 104 exploda numa supernova. Tem sido sugerido que essa estrela gire rápido o bastante para criar uma explosão de raios gama, e uma chance ainda menor de que ela possa ameaçar a vida na Terra.[24][25]
  500,000[note 2] A Terra provavelmente terá sido atingida por um asteroide de cerca 1km de diâmetro, assumindo que não possa ser evitado.[26]
  500,000 O terreno rugoso do Parque Nacional das Badlands na Dakota do Sul terá erodido completamente.[27]
  1 milhão A Cratera do Meteoro, a cratera de impacto no Arizona, considerada a "mais fresca" de seu tipo, terá erodido.[28]
  1 milhão[note 2] A Terra provavelmente terá tido uma erupção super-vulcânica grande o suficiente para eruptir 3,200 km³ de magma, um evento comparável a Supererupção de Toba ocorrida há 75,000 anos.[20]
  1 milhão[note 2] Maior tempo estimado até que a supergigante vermelha Betelgeuse vire uma supernova. Por pelo menos alguns meses, a supernova será visível durante o dia. Os estudos sugerem que este evento ocorrerá em até um milhão de anos, ou tão pouco quanto os próximos 100,000 anos.[29][30]
  1 milhão[note 2] Época em que a colisão das luas de Urano, Desdemona e Créssida, provavelmente ocorrerá.[31]
  1,4 milhão A estrela Gliese 710 passará a cerca de 13,364 UA (0,2 anos-luz do Sol) antes de se distanciar. Isso vai perturbar gravitacionalmente os membros da Nuvem de Oort, um halo de corpos gelados orbitando no limite do Sistema Solar, além de aumentar a possibilidade de impactos de cometas no Sistema Solar Interior.[32]
  2 milhões Tempo estimado para que os ecossistemas dos recifes de corais se recuperem da acidificação oceânica causada pela ação humana; a recuperação dos sistemas marinhos após um evento de acidificação que ocorreu a cerca de 65 milhões de anos demorou um tempo parecido.[33]
  +2 milhões O Grand Canyon terá erodido ainda mais, aprofundando-se lentamente, mas principalmente alargando-se para um amplo vale ao redor do Rio Colorado.[34]
  2,7 milhões Meia vida orbital média dos atuais centauros, que são instáveis por causa da interação gravitacional de vários planetas exteriores.[35] Veja Predições para centauros notáveis.
  10 milhões O alargamento do vale do Rifte Africano Oriental é inundado pelo Mar Vermelho, causando uma nova base oceânica que dividirá a África[36] e a Placa Africana na Placa Nubiana recém-formada e a Placa Somali.
  10 milhões Tempo esperado para a recuperação completa da biodiversidade após uma potencial Extinção do Holoceno, se for na escala das ultimas cinco principais eventos de extinções em massa.[37]

Mesmo sem uma extinção em massa, nesse tempo a maioria da espécies atuais terão desaparecido de acordo com os níveis de extinção do passado, com muitos clades gradualmente evoluindo em novas formas.[38][39]

  10 ou 1,000 milhões[note 2] Época em que a colisão das luas de Urano, Cupido e Belinda, provavelmente ocorrerá.[31]
  25 milhões De acordo com Christopher R. Scotese, o movimento da Falha de Santo André fará com que o Golfo da Califórnia inunde o Vale Central. Isso formará uma nova ilha oceânica na Costa Oeste da América do Norte.[40]
  50 milhões Tempo estimado máximo antes da lua Fobos colidir com Marte[41]
  50 milhões De acordo com Christopher R. Scotese, o movimento da Falha de Santo André fará com que as localizações atuais de Los Angeles e São Francisco se fundam.[40] A costa Californiana será trazido para o interior da Fossa das Aleutas.[42]

Colisão da África com a Eurásia fechará a Bacia do Mediterrâneo e criará uma cadeia de montanhas similar aos Himalayas.[43]

Os picos das Montanhas Apalaches terão erodido em grande parte,[44] desagregando a 5,7 unidades Bubnoff, apesar da topografia vai aumentar os vales regionais, afundando duas vezes nessa velocidade.[45]

  50–60 milhões As Montanhas Rochosas Canadianass terão erodido em um planalto, assumindo uma velocidade de 60 unidades Bubnoff.[46] Os Rochedos do Sul nos Estados Unidos estão erodindo numa velocidade menor.[47]
  50–400 milhões Tempo estimado para a Terra naturalmente repor suas reservas de combustíveis fósseis.[48]
  80 milhões A Grande Ilha terá se tornado uma das últimas atuais Ilhas Havaianas a afundar na superfície do oceano, enquando uma cadeia mais recente de "novas Ilhas Havaianas" terão emergido.[49]
  100 milhões[note 2] A Terra terá provavelmente sido atingida por um asteroide de tamanho comparável com o qual disparou a Extinção K-Pg há 66 milhões de anos, assumindo que não possa ser evitado.[50]
  100 milhões De acordo com o Modelo Pangaea Proxima criado por Christopher R. Scotese, uma nova zona de subducção abrirá no Oceano Atlântico e as Americas vão retornar para a África.[40]
  100 milhões Tempo de vida máximo estimado para os Anéis de Saturno em seu estado atual.[51]
  110 milhões A luminosidade do Sol terá aumentado por 1%.[52]
  180 milhões Devido a gradual diminuição da rotação da Terra, um dia terrestre será uma hora mais longa que hoje em dia.[53]
  230 milhões A previsão das órbitas dos planetas se torna impossível em maiores intervalos de tempo que esse, devido a limitações do Tempo de Lyapunov.[54]
  240 milhões De sua posição atual, o Sistema Solar terá completado uma órbita completa ao redor do centro Galáctico.[55]
  250 milhões De acordo com Christopher R. Scotese, devido ao movimento para o norte da Costa Oeste da América do Norte, a costa da Califórina colidirá com o Alasca.[40]
  250 milhões Todos os continentes da Terra podem se fundir em um supercontinente. Três arranjos potenciais dessa configuração foram nomeados de Amásia, Novopangaea e Pangeia Última.[40][56] Isso provavelmente resultará num período glacial, abaixando os níveis do mar e aumentando os de oxigênio, diminuindo ainda mais as temperaturas globais.[57][58]
  ~250 milhões Uma rápida evolução biológica poderá ocorrer devido a formação de um supercontinente causar a diminuição de temperaturas e o aumento dos níveis de oxigênio.[58]
  292 milhões Tempo estimado onde os anéis de Saturno provavelmente terão desaparecido.[59]
  300–600 milhões Tempo estimado para que o manto de Vênus atinja sua temperatura máxima. Então, num período de cerca de 100 milhões de anos, uma grande subducção ocorrerá e a crosta será reciclada.[60]
  350 milhões De acordo com o modelo de estroversão desenvolvido por Paul F. Hoffman, o Oceano Pacífico fechará completamente.[61][62][56]
  400–500 milhões O supercontinente (Pangeia Última, Novopangaea ou Amásia) provavelmente já terão se desfeito.[56] Isso provavelmente resultará em maiores temperaturas globais, parecidas com as do período Cretáceo.[58]
  500–600 milhões[note 2] Tempo estimado até uma explosão de raios gama, ou uma supernova massiva e hiperenergética, ocorrer em até 6,500 anos-luz da Terra; perto o suficciente para que seus raios afetem a camada de ozônio da terra e potencialmente leve a uma extinção em massa, assumindo que esteja correta a hipótese de que tal explosão levou ao evento de extinção do Ordoviciano-Siluriano. Entretanto, a supernova teria de estar precisamente orientada com relação á Terra para ter qualquer efeito negativo.[63]
  600 milhões Aceleração Tidal move a Lua o suficiente da Terra para que os eclipses totais não sejam mais possíveis.[64]
  600 milhões O aumento da luminosidade do Sol começa a romper o ciclo carbonato-silicato; maior luminosidade aumenta a erosão da rochas na superfície, que prende dióxido de carbono no chão como um carbonato. Enquanto a água evapora da superfície da Terra, as rochas endurecem, fazendo com que as placas tectônicas fiquem mais lentas e eventualmente parem. Sem vulcões para reciclar o carbono na atmosfera, os níveis de dióxido de carbono começam a cair.[65] Nessa época, os níveis de dióxido de carbono vão cair a ponto na que a fotossíntese C3 não seja mais possível. Todas as plantas que usam fotossíntese C3 (~99 por cento das espécies atuais) vão morrer.[66]
  700–800 milhões A morte da maioria da Plantae resultará em menos oxigênio na atmosfera, permitindo que mais raios ultravioletas que danificam o DNA cheguem na superfície. O aumento da temperatura aumentará as reações químicas na atmosfera, diminuindo ainda mais os níveis de oxigênio. Animais capazes de voar estarão melhores, devido a sua habilidade de viajarem por longas distâncias para procurarem lugares frios.[67] Muitos animais podem acabar indo aos polos ou possivelmente ao subterrâneo. Essas criaturas ficariam ativas nas noites polares e hibernariam durante o dia polar devido ao calor e radiação intensa. Muita da terra seria um deserto morto, e a maioria das plantas seriam encontradas, primariamente, nos oceanos.[67]
  800 milhões Os níveis de dióxido de carbono caem a ponto no qual a fotossíntese C4 não seja mais possível.[66] Sem as plantas para reciclar oxigênio na atmosfera, oxigênio livre e a camada de ozônio desaparecerão da atmofera, permitindo para que níveis intensos de luz UV cheguem na superfície. No livro The Life and Death of Planet Earth, os autores Peter D. Ward e Donald Brownlee declaram que alguma vida animal poderá sobreviver nos oceanos. Eventualmente, entretanto, toda a vida multicelular morrerá.[68] A única vida restante na Terra será a de organismos unicelulares.
  1 bilhão[note 3] 27% da massa do oceano terá sido puxada pelo manto. Se isso continuar sem interrupção, terá alcançado um equilíbrio onde 65% da água de superfície terá permanecido na superfície.[69]
  1,1 bilhão A luminosidade do Sol aumentará por 10%, fazendo com que as temperaturas da superfície da Terra cheguem a uma média de ~320 K (47ºC, 116 ºF). A atmosfera vai se tornar um "efeito estufa úmido", resultando numa rápida evaporação dos oceanos.[65][70] Isso fará a tectónica de placas parar completamente, se já não tiver parado antes.[71] Poças de água ainda podem estar presentes nos polos, permitindo a existência de formas de vida simples.[72][73]
  1,2 bilhões Maior estimativa até que toda a vida plantia morra, assumindo alguma forma de fotossíntese seja possível apesar dos extremamente baixos níveis de dióxido de carbono. Se isso é possível, o aumento das temperaturas fará com que uma biosfera complexa se torne insustentável.[74][75][76]
  1,3 bilhão Vida eucariótica morre devido a falta de dióxido de carbono. Apenas procarióticos continuam.[68]
  1,5–1,6 bilhão O aumento da luminosidade solar fará com que a zona habitável se mova para o exterior; enquanto o dióxido de carbono aumenta na atmosfera de Marte, a temperatura de sua superfície aumenta a níveis da Terra na Era do Gelo.[68][77]
  1,6 bilhões Menor tempo estimado até que toda vida procarionte seja extinta.[68]
  2 bilhões Maior estimativa até que todos os oceanos evaporem se a pressão atmosférica diminuir via ciclo do nitrogênio.[78]
  2,3 bilhões O núcleo externo da Terra é congelado, se o núcleo interno continuar a crescer na velocidade atual de 1 mm por ano.[79][80] Sem seu núcleo externo líquido, o campo magnético da Terra é desligado[81] e as partículas carregadas vindas do Sol gradualmente destroem a atmosfera.[82]
  2,55 bilhões O Sol terá alcançado uma temperatura máxima em sua superfície de 5,820 K. A partir disso, gradualmente esfriará, enquanto sua luminosidade continuará a aumentar.[70]
  2,8 bilhão A temperatura da superfície da Terra, mesmo nos polos, atinge uma média de 149 °C. Nesse ponto, toda a vida, agora reduzida a colônia unicelulares isoladas em microambientes dispersos como lagos de alta altitude, terá sido extinta.[65][83]
  c. 3 bilhões[note 2] Tem aproximadamente uma chance de 1-em-100,000 de que a Terra poderá ser ejetada para o espaço interestelar por um encontro estelar antes desse ponto, e uma chance de 1-em-3 milhões de que será capturada por outra estrela. Se isso acontecer, a vida, assumindo que sobreviva pela viagem interestelar, poderia continuar por mais tempo.[84]
  3 bilhões Ponto médio em que o aumento de distância da Lua da Terra diminui seu efeito estabilizador na inclinação axial da Terra. Como consequência, o verdadeiro percurso polar da Terra se torna caótico e extremo, levando a mudanças dramáticas na temperatura do planeta.[85]
  3,3 bilhões 1% de chance de que a gravidade do planeta Júpiter possa tornar a órbita de Mercúrio tão excêntrica a ponto de fazê-lo colidir com Vênus, levando o Sistema Solar interior ao caos. Cenários possíveis incluem Mercúrio colidindo com o Sol, sendo ejetado do Sistema Solar ou colidindo com a Terra.[86]
  3,5–4,5 bilhões Toda a água atualmente presente nos oceanos (se não for perdida antes) evaporará. O efeito estufa causada pela atmosferra massiva e rica com água, combinada com a luminosidade solar chegando a cerca de 35–40% acima de seu valor atual, fará com que a superfície da Terra chegue a 1,130 °C – quente o bastante para derreter algumas rochas.[71][78][87][88] Esse período no futuro da Terra é geralmente comparado com a de Vênus atualmente, mas a temperatura é cerca de duas vezes a de Vênus hoje em dia, e nessa temperatura a superfície estará parcialmente derretida,[89] enquanto Vênus provavelmente tem uma superfície em grande parte sólida hoje em dia. Vênus também esquentará drasticamente nessa época, provavelmente estando mais quente que a Terra de então (já que está mais perto do Sol).
  3.6 bilhões A lua Tritão de Netuno vai cair através do limite de Roche do planeta, potencialmente se desintegrando num sistema de anéis planetários similar aos de Saturno.[90]
  4 bilhões Ponto médio onde a Galáxia de Andrômeda terá colidido com a Via Láctea, onde se tornará a galáxia apelidada de "Milkomeda".[91] Tem uma pequena chance do Sistema Solar ser ejetado.[92][93] Os planetas do Sistema Solar certamente não serão afetados por esses eventos.[94][95][96]
  4,5 bilhões Marte terá a mesma irradiação solar que a Terra quando primeiro se formou, 4,5 bilhões de anos no passado.[77]
  5,4 bilhões Com o suprimento de hidrogênio esgotado em seu núcleo, o Sol deixará a sequência principal e começará a evoluir numa gigante vermelha.[97]
  6,5 bilhões Marte terá a mesma irradiação solar que a Terra atualmente, depois do qual sofrerá um destino parecido com o que foi descrito acima para a Terra.[77]
  7,5 bilhões Terra e Marte se tornarão tidalmente bloqueados devido à expansão do Sol subgigante.[77]
  7,59 bilhões A Terra e a Lua serão provavelmente destruídas ao caírem no Sol, pouco antes do mesmo chegar no pico da fase Gigante Vermelha, tendo um raio máximo de 256 vezes o valor atual.[97][note 4] Antes da colisão final, a Lua possivelmente vai cair em espiral abaixo do limite de Roche terrestre, se tornando num anel de detritos, muitos dos quais cairão na superfície terrestre.[98]

Durante esse era, a lua Titã, de Saturno, pode atingir a temperatura necessária para suportar vida.[99]

  7,9 bilhões O Sol alcançará o máximo da fase gigante vermelho no diagrama Hertzsprung–Russell, alcançando seu raio máximo de 256 vezes o valor atual.[100] No processo, Mercúrio, Vênus e provavelmente a Terra serão destruídos.[97]
  8 bilhões O Sol se tornará uma anã branca de carbono e oxigênio com cerca de 54,05% de sua massa presente.[97][101][102][103] Nesse ponto, se a Terra sobreviver de alguma forma, a temperatura de sua superfície, junto dos planetas restantes, vão cair rapidamente, devido ao Sol anã branco emitir muito menos energia que hoje em dia.
  22 bilhões O fim do Universo no cenário Big Rip, assumindo um modelo de energia escura com um w = −1.5.[104] Se a densidade da energia escura foi menos que -1, então a expanção do Universo iria continuar a acelerar e o Universo observável continuaria a enccolher. Em cerca de 200 milhões de anos antes do rasgo, os aglomerados de galáxias iguais aos do Grupo Local ou do Grupo do Escultor seriam destruídos. 60 milhões de anos antes do rasgo, todas as galáxias começariam a perder estrelas em suas bordas e viriam a desintegrar-se completamente em outros 40 milhões de anos. Três meses antes do fim, todos os sistemas estelares de desconectariam gravitacionalmente e os planetas voariam ao Universo em expansão. 30 minutos antes do fim, planetas, estrelas, asteroides e até mesmo objetos extremos como estrelas de neutrons e buracos negros evaporariam em átomos. 10−19 seguntos antes do fim, os átomos se desfazeriam. Por fim, uma vez que o rasgo chegasse na escala de Planck, as cordas cósmicas se desintegrariam, tal como a pŕopria fábrica do espaço-tempo. O Universo entraria numa "singularidade do rasgo", quando todas as distancias se tornariam infinitamente grandes. Enquanto uma "singularidade da compressão" é toda a matéria infinitamente concentrada, em uma "singularidade do rasgo" toda a matéria é infinitamente espalhada.[105] Entretanto, as observações das velocidades do aglomerado de galáxias pelo Observatório de raios-X Chandra sugere que o verdadeiro valor de w é c. −0.991, significando que o Big Rip não ocorrerá.[106]
  50 bilhões Se a Terra e a Lua não forem engolidas pelo Sol, nessa época se tornarão bloqueadas tidalmente com cada uma mostrando a mesma face para a outra.[107][108] Depois disso, a ação tidal do Sol anão branco vai extrair o momento angular do sistema, causando o decaimento da órbita lunar e o aceleramento do giro da Terra.[109]
  65 bilhões A Lua poderá colidir com a Terra devido ao decaimento de sua órbita, assumindo que as mesmas não sejam destruídas quando o Sol foi um gigante vermelho.[110]
  100–150 bilhões A expansão do Universo fará com que todas as galáxias além do antigo Grupo Local da Via Láctea desapareçam além do Horizonte de Luz Cósmico, as removendo do Universo Observável.[111]
  150 bilhões A Radiação Cósmica de Fundo esfriará de sua temperatura atual de ~2,7 K para 0,3 K, tornando-a essencialmente indetectável com a tecnologia atual.[112]
  450 bilhões Ponto médio em que as c. ~47 galáxias[113] do Grupo Local vão se coalescer numa única grande galáxia.[4]
  800 bilhões Tempo esperado onde a emissão de luz de toda "Milkomeda" combinada começará a declinar, quando as anãs vermelhas passarem através do seu pico de luminosidade como anãs azuis.[114]
  1012 (1 trilhão) Menor tempo estimado até que a formação das estrelas chegue ao fim enquanto as galáxias perdem as nuvens de gás necessárias para a formação das mesmas.[4]

A expansão do universo, assumindo uma densidade da energia escura constante, multiplica a onda de luz da Radiação Cósmica de Fundo por 1029, excedendo a escala do horizonte de luz cósmico e tornando a evidência do Big Bang indetectável. Entretanto, ainda pode ser possível determinar a expansão do universo através do estudo de estrelas de hipervelocidade.[111]

  1011 – 1012 (100 bilhões – 1 trilhão) Tempo estimado até o Universo acabar num Big Crunch, assumindo um modelo "fechado". Dependendo de quão longa a fase da expansão seja, os eventos na fase da contração ocorrerão na ordem reversa.[115] Os superaglomerados de galáximas seriam os primeiros a se fundirem, seguidos pelos aglomerados de galáxias e então as galáxias. Eventualmente, as estrelas ficariam tão juntas que começariam a colidirem. Enquanto o Universo continuasse a se contrair, a temperatura da radiação cósmica de fundo em micro-ondas aumentará para além da temperatura da superfície de certas estrelas, significando que estas não serão mais capazes de expelir o calor interno, cozinhando lentamente até que explodam. Neste caso, deverá acontecer com anãs vermelhas de pouca massa uma vez que a RCFM atingir 2,130ºC, cerca de 500,000 anos antes do fim, seguida por estrelas tipo-K, tipo-G, tipo-F, ttipo-A, tipo-B e finalmente tipo-O, cerca de 100,000 anos antes do Big Crunch. Minutos antes do fim, a temperatura será tão alta que o núcleo atómico se disfará e as partículas seriam sugadas por buracos negros coalescentes. Finalmente, todos os buracos negros do Universo se uniriam em um contendo toda a matéria do universo, o qual então devoraria o Universo, incluindo a si mesmo.[115] Depois disso, é possível que um novo Big Bang se seguisse e criasse um novo Universo. As ações observadas da energia escura e o formato do Universo não apoiam esse cenário. É pensando que o Universo seja plano e por causa da energia escura, a expansão do universo irá acelerar; entretanto, as propriedades da mesma ainda são desconhecidas, por isso é possível que a energia escura possa se reverter em algum ponto do futuro

Também é possível que o Universo seja um "modelo fechado", mas que a curvatura seja tão pequena que não possamos detectá-la na distância do universo observável atual.[116]

  1,05×1012 (1,05 trilhão) Tempo estimado no qual o Universo terá expandido num fator de mais que 1026, reduzindo a densidade particular médica para menos que um por cento por volume do horizonte cosmológico. Além desse ponto, partículas de matéria intergaláctica desfeita estarão efetivamente isoladas, e as colisões entre as mesmas pararão de afetar o futuro do Universo.[117]
  2×1012 (2 trilhões) Tempo estimado no qual todos os objetos além do nosso Grupo Local estarão desviados para o vermelho num fator maior que 1053. Mesmo os raios gamas estarão desviados de tal forma que sua onda será maior que o diametro físico do horizonte.[118]
  4x1012 (4 trilhões) Tempo estimado até que a anã vermelha Proxima Centauri a estrela mais próxima do Sol a uma distância de 4,25 anos-luz, deixe a sequência principal e se torne uma anã branca.[119]
  1013 (10 trilhões) Tempo estimado para o pico de habitalidade do Universo, a não ser que a mesma ao redor de estrelas de menor massa seja suprimida.[120]
  1,2x1013 (12 trilhões) Tempo estimado até que a anã vermelha VB 10, como a estrela na sequência principal menos massiva com uma massa solar de 0,075 M☉, fique sem hidrogênio em seu núcleo e se torne uma anã branca.[121][122]
  3×1013 (30 trilhões) Tempo estimado para que as estrelas (incluindo o Sol), entrem num encontro próximo com outra estrela em sua vizinhança estelar local. Sempre que duas estrelas (ou restos estelares) passem próximo uma a outra, as órbitas de seus planetas podem ser perturbadas, potencialmente os ejetando do sistema. Em média, o mais próximo que a órbita de um planeta é de sua estrela, mais tempo é necessário para que seja ejetado dessa maneira, pois é gravitacionalmente mais ligado á estrela.[123]
  1014 (100 trilhão) Maior tempo estimado para que a formação estelar normal termine nas galáxias.[4] Isso marca a transição da era Estelar para a Degenerada; sem hidrogênio livre para a formação de novas estrelas, todas as restantes lentamente consomem seu combustível até morrererem.[3]
  1,1–1,2×1014 (110–120 trilhões) Tempo até que todas as estrelas no universo terão consumido seu combustível (as estrelas de maior vida, as anãs vermelhas de menor massa, tem um tempo de vida de aproximadamente 10-20 trilhões de anos).[4] Depois desse ponto, os objetos de massa estelar que sobrarem são estrelas compactas (anãs brancas, buracos negros e anãs marrons).

Colisões entre anãs marrons vão criar novas anãs vermelhas num nível marginal: em média, cerca de 100 estrelas estarão brilhando no que uma vez foi a Via Láctea. Colisões entre restos estelares vão criar supernovas ocasionais.[4]

  1015 (1 quadrilhão) Tempo estimado até que os encontros estelares removam todos os planetas em sistemas estelares (incluindo o Sistema Solar) de suas órbitas.[4]

Nessa época, o Sol terá esfriado até cinco graus acima do zero absoluto.[124]

  1019 a 1020
(10–100 quintilhões)
Tempo estimado até que 90%–99% das anãs marrons e restos de estrelas (incluindo o Sol) sejam ejetadas de suas galáxias. Quando dois objetos passam perto o suficiente um do outro, eles trocam energia orbital, com objetos de menos massa tendendo a ganhar energia. Através de encontros repetidos, os objetos de menor massa podem ganhar energia o suficiente dessa forma para ser ejetados de sua galáxia. Esse processo faz com eventualmente a Via Láctea ejete a meioria de suas anãs marrons e restos estelares.[4][125]
  1020 (100 quintilhões) Tempo estimado até que a Terra colida com o Sol anã negro devido ao decaimento de sua órbita via emissão de radiação gravitacional,[126] se a Terra não for ejetada de sua órbita devido a um encontro estelar ou engolida pelo Sol durante a fase gigante vermelho.[126]
  1030 Tempo estimado até que as estrelas não ejetadas de suas galáxias (1%–10%) caiam nos buraco negros centrais supermassivos. Nesse ponto, com as estrelas binárias tendo colidido entre si e os planetas tendo caído em suas estrelas, via transmissão de radiação gravitacional, apenas objetos solitários (restos estelares, anãs marrons, planetas ejetados, buracos negros) vão sobrar no universo.[4]
  2×1036 Tempo estimado para que os núcleons do universo observável decaiam, se a meia vida hipotética do próton leva o menos valor possível (8,2×1033 anos).[127][128][note 5]
  3×1043 Tempo estimado até que todos os nucleons do universo observável dacaiam, se a meia vida hipotética do próton leva o maior valor possível, 1041 anos,[4] assumindo que o Big Bang era inflacionário e o mesmo processo que fez os bárions predominarem sobre os anti bárions no Universo Inicial faça os prótons decaírem.[128][note 5] Nessa época, se os prótons decaem, a Era do Buraco Negro, onde os buracos negros são os únicos objetos celestiais restantes, começa.[3][4]
  1065 Assumindo que os prótons não decaem, é o tempo estimado para que objetos rígidos, desde rochas flutuando livres à planetas, criem um novo arranjamento de seus átomos e moléculas via tunelamento quântico. Nessa escala de tempo, qualquer corpo discreto de matéria "se comporta como um líquido" e se torna uma esfera suave devido á difusão e gravidade.[126]
  5.8×1068 Tempo estimado até que um buraco negro de massa estelar, com a 3 massa solares, decaia em partículas subatômicas via radiação Hawking.[129]
  6×1099 Tempo estimado até que o buraco negro supermassivo TON 618, em 2018 um dos mais massivos conhecidos, com uma massa de 66 bilhões de massas solares, dissipará via radiação Hawking,[129] assumindo um momento angular zero (que ele não rotacione).
  1,7×10106 Tempo estimado até que um buraco negro supermassivo com a massa de 20 trilhões de massas solares decaia através da radiação Hawking.[129] Isso marca o fim da Era do Buraco Negro. Além desse ponto, se os prótons decaem, o Universo entrará na Era Negra, em que todos os objetos físicos decaíram em partículas subatômicas, gradualmente diminuindo até seu estado final de energia na morte térmica do universo.[3][4]
  10139 Estimativa de 2018 da vida do Modelo Padrão antes do colapso de um falso vácuo; um intervalo de 95% de confiança é de 1058 para 10241 anos, devido, em parte, a incerteza sobre a maior massa dos quarks.[130]
  10200 Maior tempo estimado para que todos os nucleons do universo observável decaírem, se não o fizeram via o processo acima, através dos muitos mecanismos diferentes permitidos pela moderna física de partículas (processo de maior ordem da não conservação do bárion, buracos negros virtuais, sphalerons, etc) nessa escala de tempo de 1046 para 10200 anos.[3]
  101500 Assumindo que os prótons não decaiam, esse é o tempo estimado até que toda matéria bariônica em objetos de massa estelar tenha ou se fundido via fusão muon-catalítica para formarem ferro-56, ou decairam de um elemento de maior massa em ferro-56 para formarem uma estrela de ferro.[126]
   [note 6][note 7] Tempo estimado para que todas as estrelas de ferro entrem em colapso via tunelamento quântico e virem buraco negros, assumindo que não ocorra o decaimento do próton ou buraco negros virtuais.[126]

Nesta escala de tempo vastíssima, até estrelas de ferro ultra estáveis serão destruíddas pelo tunelamento quântico. Primeiro as estrelas de ferro de massa o suficiente (algo entre 0,2 M☉ e o limite de Chandrasekhar. Pois quando estrelas de forro tem 0,2 M☉ ou menos (estrelas de neutron por volta de 0,2 M☉ são estáveis), essas estrelas de ferro são energiticamente favoráveis para evitarem o colapso via tunelamento[131]) vão colapsar via tunelamento em estrelas de ferro. Subsequentemente, estrelas de neutron e quaisquer estrelas de ferro restantes maiores que o limite de Chandrasekhar colapsarão em buraco negros via tunelamento. A evaporação subsequente de cada buraco negro resultante em partículas subatômicas (um processo que dura aproximadamente 10100 anos) e a mudança subsequente para a Era Negra é basicamente instantanea nessas escalas temporais.

   [note 2][note 6][note 8] Tempo estimado até que um cérebro de Boltzmann apareça no vácuo via diminuição espontânea da entropia.[6]
   [note 6] Tempo estimado máximo até que toda matéria colapse em estrelas de nêutrons ou buracos negros, assumindo que o próton não decaia ou não tenha buracos negros virtuais,[126] que então (nessa escala de tempo) instantaneamente irá evaporar em partículas subatômicas.

Essa é a maior estimativa possível para a Era do Buraco Negro (e subsequentemente a Era Negra) começar. Além desse ponto, é quase certo que o Universo não conterá mais matéria bariônica e que o mesmo, após essa época, sera um vácuo quase puro (possivelmente acompanhado pela presença de um falso vácuo), caracteristico do Universo da Era negra até que ele atinja seu estado final de energia, assumindo que não ocorra antes disso.

   [note 6] Tempo estimado máximo para que o Universo alcance seu final estado de energia, mesmo na presença de um falso vácuo.[6]
   [note 2][note 6] Nessa visão temporal vasta, o tunelamento quântico em qualquer parte isolada do agora Universo vazio pode gerar novos eventos inflacionários, resultando em novos Big Bangs, dando vida a novos universos.[132]

Por causa do número total de formas em que todas as partículas subatômicas no universo observável podem ser combinadas é de  ,[133][134] um número que, quando multiplicado por  , desaparece num erro de arredondamento, também é o tempo necessário para um novo Big Bang gerado por um novo tunelamento quântico ou flutuação quântica produza um novo Universo idêntico ao nosso, assumindo que cada novo universo contenha, pelo menos, o mesmo número de partículas subatômicas e obedeça as leis da física dentro da paisagem predizida pela teoria das cordas..[135]

Futuro da humanidadeEditar

  Anos a partir de agora Evento
  10.000 Vida útil mais provável estimada para uma civilização tecnológica, de acordo com a formulação original de Frank Drake da equação de Drake.[136]
  10.000 Se a globalização acabar levando a uma panmixia, a variação do genoma humano não será mais regionalizado enquanto o tamanho efetivo da população vai se equalizar ao tamanho atual da população.[137]
  10.000 A Humanidade tem 95% de chance de ser extinta nessa data, de acordo com a formulação controversa de Brandon Carter para o Argumento do Fim do Mundo, que argumenta que metade dos humanos que deverão viver já devem ter nascido.[138]
  20.000 De acordo com o modelo linguístico de glotocronologia de Morris Swadesh, as linguagens futuras deverão reter apenas 1 dos 100 "vocabulários principais" das palavras da lista de Swadesh comparados com seus progenitores atuais.[139]
  +100.000 Tempo necessário para Terraformar Marte e o deixar com uma atmosfera respirável e rica em oxigênio, usando apenas plantas com eficiência solar comparada com a biosfera atualmente encontrada na Terra.[140]
  1 milhão Tempo mínimo estimado com que a Humanidade deverá colonizar toda Via Láctea e se tornar capaz de aproveitar toda a energia da Galáxia, assumindo uma velocidade de 10% da luz.[141]
  2 milhões Espécies vertebradas separadas por tanto tempo geralmente sofrem especiação alopátrica.[142] Biologista evolucionário James W. Valentine prediz que se a Humanidade já tenha se dispersado em colônias espaciais geneticamente isoladas nessa época, a galáxia vai abrigar uma radiação evolucionária de múltiplas espécies humanas com "uma diversidade de formas de adaptação que nos surpreenderia". [143] Isso acabará sendo um processo natural de civilizações isoladas, não relacionado com o uso deliberado de tecnologias para alteração genética.
  7.8 milhões A Humanidade tem 95% de probabilidade de ser extinta nessa data, de acordo com a formulação de J. Richard Gott para o controverso Argumento para o Fim do Mundo.[144]
  100 milhões Tempo de vida máximo estimado para uma civilização tecnológica, de acordo com a formulação original de Frank Drake para a Equação de Drake.[145]
  1 bilhão Tempo estimado para um projeto de astroengenharia para alterar a órbita da Terra, compensando o aumento do brilho do Sol e a migração da zona habitável, conquistada com a repetida assistência gravitacional com um asteroide.[146][147]

Espaçonaves e exploração espacialEditar

Até a data, cinco espaçonaves (Voyager 1 e 2, Pionners 10 e 11 e a New Horizons) estão em trajetórias que irá levá-los para fora do Sistema Solar e para o espaço interestelar. Exceto por uma colisão improvável, a nave deve persistir indefinidamente.[148]

  Anos a partir de agora Evento
  16.900 Voyager 1 passará a cerca de 3,5 anos-luz da Próxima Centauri.[149]
  25.000 A Mensagem de Arecibo, uma coleção de dados transmitidos em 16 de novembro de 1974, atinge seu destino, o Aglomerado Globular Messier 13.[150] Essa é a única mensagem de rádio interestelar enviada para uma região tão distante da Galáxia. Terá uma diferença de 24 anos-luz na posição do aglomerado quando a mensagem chegar, mas já que o aglomerado de 168 anos-luz de diâmetro, a mensagem ainda atingirá seu destino. [151] Qualquer resposta demorará no mínimo outros 25.000 anos (assumindo que comunicação superlumínica seja impossível).
  18,500 Pioneer 11 passará em 3,4 anos-luz da Alpha Centauri.[149]
  20,300 Voyager 2 passará em 2,9 anos-luz de Alpha Centauri.[149]
  33,800 Pioneer 10 passará em 3,4 anos-luz da Ross 248.[149]
  34,400 Pioneer 10 passará em 3,4 anos-luz da Alpha Centauri.[149]
  42,200 Voyager 2 passará em 1,7 anos-luz da Ross 248.[149]
  44,100 Voyager 1 passará em 1,8 anos-luz da Gliese 445.[149]
  46,600 Pioneer 11 passará em 1,9 anos-luz da Gliese 445.[149]
  50,000 A cápsula do tempo espacial KEO, se lançada, deverá reentrar na atmosfera da Terra.[152]
  90,300 Pioneer 10 passará em 0,76 anos-luz da HIP 117795.[149]
  306,100 Voyager 1 passará em 1 ano-luz da TYC 3135-52-1.[149]
  492,300 Voyager 1 passará em 1,3 ano-luz da HD 28343.[149]
  800,000–8 milhões Menor tempo de vida estimado para que as inscrições da placa da Pionner 10 sejam destruídas por processos de erosão interestelar pouco entendidos.[153]
  1.2 milhões Pioneer 11 passará em 3 anos-luz da Delta Scuti.[149]
  1.3 milhões Pioneer 10 passará em 1,5 anos-luz da HD 52456.[149]
  2 milhões Pioneer 10 passará perto de Aldebaran.[154]
  4 milhões Pioneer 11 passará perto de uma das estrelas da constelação Aquila.[154]
  8 milhões A órbita dos satélites LAGEOS decairá e eles reentrarão na atmosfera da Terra, carregando uma mensagem para quaisquer descendentes da Humanidade e um mapa dos continentes de como eles deverão aparecer.[155]
  1 bilhão Tempo de vida estimado aos dois Voyager Golden Record, até que a informação armazenada neles fique irrecuperável.[156]
  1020 (100 quintilhões) Tempo estimado para que as Pioneer ou Voyagers colidam com uma estrela (ou resto estelar).[149]

Projetos tecnológicosEditar

  Anos a partir de agora Evento
  10.000 Tempo de vida planejado de vários projetos da Fundação Long Now incluindo o Relógio dos 10.000 anos conhecido como Relógio do Longo Agora, o Projeto Rosetta e o Projeto Long Bet.[157]

Tempo estimado do disco analógico HD-Rosetta, gravado num feixe de íons na placa de níquel, tecnologia desenvolvida pelo Los Alamos National Laboratory e, posteriormente comercializado. (O projeto Rosetta foi nomeado após usar esta tecnologia).

  10,000 Tempo de vida estimado do Svalbard Global Seed Vault na Noruega.[158]
  100.000 + Tempo de vida estimado do Memory of Mankind (MOM), repositório de estilo de auto-armazenamento numa mina de sal de Hallstatt na Áustria, que armazena informações em tabletes de cerâmica inscritos com laser.[159]
  1 milhão Tempo de vida planejado do Human Document Project sendo desenvolvido pela Universidade de Twente nos Países Baixos.[160]
  1 bilhão Tempo de vida estimado do "dispositivo de memória Nanoshuttle" usando nanopartículas de metal movidas como um botão molecular através de um nanotubo de carbono, uma tecnologia desenvolvida pela Universidade da Califórnia em Berkeley.[161]
  mais de 13 bilhões Tempo de vida estimado dos Cristais de memória do Superman, dispositivo de armazenamento que usa nanoestrutura de laser femtosecond em vidro, uma tecnologia desenvolvida pela Universidade de Southampton.[162][163]

Arquitetura humanaEditar

  Anos a partir de agora Evento
  50.000 Vida atmosférica estimada de tetrafluorometano, o gás de efeito estufa mais durável.[164]
  1 milhão Os objetos de vidro feitos hoje em dia já terão se decomposto no ambiente.[165]

Vários monumentos públicos, compostos de grafite terão erodido em um metro, em um clima moderado, assumindo o nível da unidade de 1 Bubnoff (1 mm / 1.000 ou ~ 1 centímetro / 10.000 anos).[166]

Sem manutenção, a Grande Pirâmide de Gizé vai erodir até ficar irreconhecível.[167]

Na Lua a pegada do "um pequeno passo" de Neil Armstrong na Base Tranquilidade estará erodida nesse tempo, junto com as deixadas pelos doze astronautas da Apollo, devido aos efeitos acumulados de micrometeoritos.[168][169] (Devido a quase total falta de atmosfera, não ocorre a mesma erosão que na Terra).

  7.2 milhões Sem manutenção, o Monte Rushmore terá erodido até ficar irreconhecível.[170]
  100 milhões Futuros arqueólogos devem ser capazes de identificar "Stratum Urbano" de grandes cidades costeiras fossilizadas, muitas através de restos de estruturas subterrâneas, fundações de edifícios e túneis de utilidade.[171]

Eventos astronômicosEditar

Eventos astronômicos raros vão começar a partir do décimo primeiro milênio depois de cristo (ano 10.001).

  Data / Anos a partir de agora Evento
  20 de agosto de 10,663 Um trânsito de Mercúrio e eclipse solar total simultâneos.[172]
  25 de agosto de 11,268 Um eclipse solar total e um trânsito com Mercúrio simultâneos.[172]
  28 de fevereiro de 11,575 Um eclipse solar anular e um trânsito de Mercúrio simultâneos.[172]
  17 de setembro de 13,425 Um trânsito de Vênus e Mercúrio quase simultâneos.[172]
  13,727 A precessão axial da Terra vai fazer com que a Vega seja a estrela polar norte.[173][174][175][176]
  13,000 anos Nessa hora, na metade do caminho do ciclo de precessão, a inclinação axial da Terra será revertida, fazendo com que o verão e o inverno ocorram em lados opostos da órbita terrestre. Isso significa que as estações do hemisfério norte, que experimentam uma variação de estações pronunciada devido a grande porcentagem de terra, será ainda mais extrema, enquanto estiver apontado para o Sol no periélio da Terra, e para longe do Sol no afélio.[174]
  5 de abril de 15,232 Um eclipse solar total e trânsito de Vênus simultâneos.[172]
  20 de abril de 15,790 Um eclipse solar anular simultaneamente com o trânsito de Mercúrio.[172]
  Entre 14,000 a 17,000 anos A precessão axial da Terra fará com que Canopus seja a Estrela do Sul, mas só em 10º do Polo Celestial Sul.[177]
  Ano 20,346 Thuban será a estrela polar norte.[178]
  27,800 Polaris voltará a ser a estrela polar norte.[179]
  27,000 anos A excentricidade orbital da Terra alcançará um mínimo de 0.00236 (é agora 0.01671).[180][181]
  Outubro de 38,172 Um trânsito de Urano a partir de Netuno, o mais raro dos trânsitos planetários.[182]
  26 de julho de 69,163 Um trânsito simultâneo de Vênus e Mercúrio.[172]
  70,000 O Cometa Hyakutake retornará ao Sistema Solar Interno, após viajar em sua órbita até seu afélio em 3,410 UA do Sol e retornar.[183]
  27 e 28 de março de 224,508 Respectivamente Vênus e então Mercúrio, transitarão o Sol.[172]
  571,741 Um trânsito simultâneo de Vênus e a Terra visto de Marte.[172]
  6 milhões de anos Cometa C/1999 F1 (Catalina), um dos cometas de período mais longo conhecido, retornará ao Sistema Solar Interno, após viajar em sua órbita na direção de seu afélio em 66,600 UA (1.05 anos-luz) a partir do Sol e retornar.[184]

Previsões do calendárioEditar

Assumindo que esses calendários continuem sendo usados, sem ajustes adicionais.

  Anos a partir de agora Quando Evento
  10,000
O Calendário Gregoriano ficara com cerca de 10 dias fora de sincronia com as estações do ano.[185]
  10 872 10 de junho de 12,892 O Calendário Hebraico, devido a um deslize gradual com o ano solar, Pessach cairá no Solstício de Junho (historicamente caiu no equinócio da primavera).[186]
  18,854 20,874 O calendário lunar usado no calendário islâmico e o calendário solar usado no calendário gregoriano vão dividir o mesmo número de ano. Após isso, o calendário islâmico vai lentamente ultrapassar o gregoriano.[187]
  25,000
O calendário Islâmico tabular vai ficar lentamente em 10 dias fora de sincronia com as fases da Lua.[188]
  46,881 1 de março de 48.901[note 9] O Calendário Juliano (365.25 dias) e o Calendário Gregoriano (365.2425 dias) vão ter um ano de diferença.[189]
O dia Juliano (medida usada por astrônomos) no Greenwich significa que a meia noite (começo do dia) é 19 581 842.5 para as duas datas.

Energia nuclearEditar

  Anos a partir de agora Evento
  10.000 O Waste Isolation Pilot Plant, para os resíduos de armas nucleares, deverá estar protegido até essa época tempo, com um sistema de "Marcação Permanente" projetado para avisar os visitantes, tanto através de múltiplos idiomas (seis idiomas das Nações Unidas e Navajo) e através de pictogramas.[190] (O Human Interference Task Force forneceu a base teórica para que os Estados Unidos planejem futuras nuclear semiotics).
  20.000 Os 2600 km2 da Zona de Exclusão de Chernobly que ocupa a Ucrânia e Belarus, deixado deserto em 1986 por causa do desastre de Chernobly, voltará a ter níveis normais de radiação.[191]
  30.000 Tempo de vida estimado para os suprimentos do reator baseado em fissão Breeder, usando fontes conhecidas, assumindo o consumo de energia mundial de 2009.[192]
  60.000 Tempo de vida estimado para as reservas dos reatores térmicos, se for possível extrair todo o Urânio da água, assumindo o consumo de energia mundial de 2009.[192]
  211.000 Meia vida do technetium-99, o produto de longa duração de fissão mais importante do lixo nuclear derivado de urânio.
  250,000 Tempo mínimo estimado para que o plutônio armazenado no Waste Isolation Pilot Plant do Novo México deixar de ser letal para os humanos.[193]
  15,7 milhões Meia vida do Iodo-129, o produto de fissão mais durável do lixo nuclear derivado de urânio.
  60 milhões Tempo estimado que o suprimento de fusão nuclear reserva, se for possível extrair todo o lítio do nível da água, assumindo o consumo de energia mundial de 1995.[194]
  5 bilhões Tempo de vida estimado do reator baseado em fusão Breeder, se for possível extrair todo o Urânio do nível da água, assumindo o consumo de energia mundial de 1983.[195]
  150 bilhões Tempo de vida estimado do suprimento de fusão nuclear, se for possível extrair todo o deutério do nível da água, assumindo o consumo de energia mundial de 1995.[194]

NotasEditar

  1. O ponto preciso de início é 0:00 de 1 janeiro de 10,001.
  2. a b c d e f g h i j k l m n Representa a época no qual o evento provavelmente já terá ocorrido. Pode ocorrer de forma aleatória em qualquer época a partir do presente.
  3. Unidades estão em escala curta
  4. Essa já tem sido uma pergunta difícil tem um tempo; veja o artigo de 2001 por Rybicki, K. R. e Denis, C. Entretanto, de acordo com os últimos cálculos, isso deverá acontecer com uma grande percentagem de certeza.
  5. a b Cerca de 264 meia-vidas. Tyson et al. colocam a computação com um valor diferente para uma meia-vida.
  6. a b c d e Apesar de estar listado em anos por conviniencia, os númeors além desse ponto são tão vastos que os seus digitos ficariam sem mudança, sem importar quais digitos convencionais estejam listados, sejam em nanosegundos ou vidas estelares.
  7.   é seguido por 1 seguido por 1026 (100 septilhões) de zeros
  8.  é 1 seguido por 1050 (100 quindecilhões) de zeros
  9. Calculado de forma manual do fato de que os calendários estavam com 10 dias de diferença em 1582 e se separam 3 dias a cada 400 anos. Tanto 1 de março de 48900 (Juliano) e 1 de março de 48901 (Gregoriano) são quinta-feira.

ReferênciasEditar

  1. Rescher, Nicholas (1998). Predicting the future: An introduction to the theory of forecasting. [S.l.]: State University of New York Press. ISBN 978-0791435533 
  2. Nave, C.R. «Second Law of Thermodynamics». Georgia State University. Consultado em 3 de dezembro de 2011 
  3. a b c d e Adams, Fred; Laughlin, Greg (1999). The Five Ages of the Universe. New York: The Free Press. ISBN 978-0684854229 
  4. a b c d e f g h i j k l Adams, Fred C.; Laughlin, Gregory (1997). «A dying universe: the long-term fate and evolution of astrophysical objects». Reviews of Modern Physics. 69 (2): 337–372. Bibcode:1997RvMP...69..337A. arXiv:astro-ph/9701131 . doi:10.1103/RevModPhys.69.337 
  5. Komatsu, E.; Smith, K. M.; Dunkley, J.; et al. (2011). «Seven-Year Wilkinson Microwave Anisotropy Probe (WMAP) Observations: Cosmological Interpretation». The Astrophysical Journal Supplement Series. 192 (2): 18. Bibcode:2011ApJS..192...19W. arXiv:1001.4731 . doi:10.1088/0067-0049/192/2/18 
  6. a b c Linde, Andrei. (2007). «Sinks in the Landscape, Boltzmann Brains and the Cosmological Constant Problem». Journal of Cosmology and Astroparticle Physics. 2007 (1): 022. Bibcode:2007JCAP...01..022L. CiteSeerX 10.1.1.266.8334 . arXiv:hep-th/0611043 . doi:10.1088/1475-7516/2007/01/022 
  7. Mengel, M.; A. Levermann (4 de maio de 2014). «Ice plug prevents irreversible discharge from East Antarctica». Nature Climate Change. 4 (6): 451–455. Bibcode:2014NatCC...4..451M. doi:10.1038/nclimate2226 
  8. Hockey, T.; Trimble, V. (2010). «Public reaction to a V = −12.5 supernova». The Observatory. 130 (3): 167. Bibcode:2010Obs...130..167H 
  9. Mowat, Laura (14 de julho de 2017). «Africa's desert to become lush green tropics as monsoons MOVE to Sahara, scientists say». Express.co.uk (em inglês). Consultado em 23 de março de 2018 
  10. «Orbit: Earth's Extraordinary Journey». ExptU. 23 de dezembro de 2015. Consultado em 23 de março de 2018. Arquivado do original em 14 de julho de 2018 
  11. Schorghofer, Norbert (23 de setembro de 2008). «Temperature response of Mars to Milankovitch cycles» (PDF). Geophysical Research Letters. 35 (18): L18201. Bibcode:2008GeoRL..3518201S. doi:10.1029/2008GL034954. Arquivado do original (PDF) em 19 de setembro de 2009 
  12. Beech, Martin (2009). Terraforming: The Creating of Habitable Worlds. [S.l.]: Springer. pp. 138–142. Bibcode:2009tchw.book.....B 
  13. a b Matthews, R. A. J. (1994). «The Close Approach of Stars in the Solar Neighborhood». Quarterly Journal of the Royal Astronomical Society. 35 (1): 1. Bibcode:1994QJRAS..35....1M 
  14. Berger, A & Loutre, MF (2002). «Climate: an exceptionally long interglacial ahead?». Science. 297 (5585): 1287–1288. PMID 12193773. doi:10.1126/science.1076120 
  15. «Niagara Falls Geology Facts & Figures». Niagara Parks. Consultado em 29 de abril de 2011. Arquivado do original em 19 de julho de 2011 
  16. Bastedo, Jamie (1994). Shield Country: The Life and Times of the Oldest Piece of the Planet. Col: Komatik Series, ISSN 0840-4488. 4. [S.l.]: Arctic Institute of North America of the University of Calgary. p. 202. ISBN 9780919034792 
  17. Finkleman, David; Allen, Steve; Seago, John; Seaman, Rob; Seidelmann, P. Kenneth (Junho de 2011). «The Future of Time: UTC and the Leap Second». American Scientist, July–August , V N4 P312. 2011 (99). Bibcode:2011arXiv1106.3141F. arXiv:1106.3141  
  18. Tapping, Ken (2005). «The Unfixed Stars». National Research Council Canada. Consultado em 29 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 8 de julho de 2011 
  19. Monnier, J. D.; Tuthill, P.; Lopez, GB; et al. (1999). «The Last Gasps of VY Canis Majoris: Aperture Synthesis and Adaptive Optics Imagery». The Astrophysical Journal. 512 (1): 351–361. Bibcode:1999ApJ...512..351M. arXiv:astro-ph/9810024 . doi:10.1086/306761 
  20. a b «Super-eruptions: Global effects and future threats». The Geological Society. Consultado em 25 de maio de 2012 
  21. Schaetzl, Randall J.; Anderson, Sharon (2005). Soils: Genesis and Geomorphology. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 105. ISBN 9781139443463 
  22. David Archer (2009). The Long Thaw: How Humans Are Changing the Next 100,000 Years of Earth's Climate. [S.l.]: Princeton University Press. p. 123. ISBN 978-0-691-13654-7 
  23. «Frequently Asked Questions». Hawai'i Volcanoes National Park. 2011. Consultado em 22 de outubro de 2011 
  24. Tuthill, Peter; Monnier, John; Lawrance, Nicholas; Danchi, William; Owocki, Stan; Gayley, Kenneth (2008). «The Prototype Colliding-Wind Pinwheel WR 104». The Astrophysical Journal. 675 (1): 698–710. Bibcode:2008ApJ...675..698T. arXiv:0712.2111 . doi:10.1086/527286 
  25. Tuthill, Peter. «WR 104: Technical Questions». Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  26. Bostrom, Nick (Março de 2002). «Existential Risks: Analyzing Human Extinction Scenarios and Related Hazards». Journal of Evolution and Technology. 9 (1). Consultado em 10 de setembro de 2012 
  27. «Badlands National Park – Nature & Science – Geologic Formations» 
  28. Landstreet, John D. (2003). Physical Processes in the Solar System: An introduction to the physics of asteroids, comets, moons and planets. [S.l.]: Keenan & Darlington. p. 121. ISBN 9780973205107 
  29. Sessions, Larry (29 de julho de 2009). «Betelgeuse will explode someday». EarthSky Communications, Inc. Consultado em 16 de novembro de 2010 
  30. «A giant star is acting strange, and astronomers are buzzing». National Geographic (em inglês). 26 de dezembro de 2019. Consultado em 15 de março de 2020 
  31. a b «Uranus's colliding moons». astronomy.com. 2017. Consultado em 23 de setembro de 2017 
  32. Filip Berski and Piotr A. Dybczyński (25 de outubro de 2016). «Gliese 710 will pass the Sun even closer». Astronomy and Astrophysics. 595 (L10): L10. Bibcode:2016A&A...595L..10B. doi:10.1051/0004-6361/201629835 
  33. Goldstein, Natalie (2009). Global Warming. [S.l.]: Infobase Publishing. p. 53. ISBN 9780816067695. The last time acidification on this scale occurred (about 65 mya) it took more than 2 million years for corals and other marine organisms to recover; some scientists today believe, optimistically, that it could take tens of thousands of years for the ocean to regain the chemistry it had in preindustrial times. 
  34. «Grand Canyon – Geology – A dynamic place». Views of the National Parks. National Park Service 
  35. Horner, J.; Evans, N.W.; Bailey, M. E. (2004). «Simulations of the Population of Centaurs I: The Bulk Statistics». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 354 (3): 798–810. Bibcode:2004MNRAS.354..798H. arXiv:astro-ph/0407400 . doi:10.1111/j.1365-2966.2004.08240.x 
  36. Haddok, Eitan (29 de setembro de 2008). «Birth of an Ocean: The Evolution of Ethiopia's Afar Depression». Scientific American. Consultado em 27 de dezembro de 2010 
  37. Kirchner, James W.; Weil, Anne (9 de março de 2000). «Delayed biological recovery from extinctions throughout the fossil record». Nature. 404 (6774): 177–180. Bibcode:2000Natur.404..177K. PMID 10724168. doi:10.1038/35004564 
  38. Wilson, Edward O. (1999). The Diversity of Life. [S.l.]: W.W. Norton & Company. p. 216. ISBN 9780393319408 
  39. Wilson, Edward Osborne (1992). «The Human Impact». The Diversity of Life. London: Penguin UK (publicado em 2001). ISBN 9780141931739. Consultado em 15 de março de 2020 
  40. a b c d e Scotese, Christopher R. «Pangea Ultima will form 250 million years in the Future». Paleomap Project. Consultado em 13 de março de 2006 
  41. Bills, Bruce G.; Gregory A. Neumann; David E. Smith; Maria T. Zuber (2005). «Improved estimate of tidal dissipation within Mars from MOLA observations of the shadow of Phobos» (PDF). Journal of Geophysical Research. 110 (E07004): E07004. Bibcode:2005JGRE..110.7004B. doi:10.1029/2004je002376. Consultado em 16 de setembro de 2015. Arquivado do original (PDF) em 25 de maio de 2017 
  42. Garrison, Tom (2009). Essentials of Oceanography 5 ed. [S.l.]: Brooks/Cole. p. 62 [Falta ISBN]
  43. «Continents in Collision: Pangea Ultima». NASA. 2000. Consultado em 29 de dezembro de 2010 
  44. «Geology». Encyclopedia of Appalachia. University of Tennessee Press. 2011. Consultado em 21 de maio de 2014. Arquivado do original em 21 de maio de 2014 
  45. Hancock, Gregory; Kirwan, Matthew (Janeiro de 2007). «Summit erosion rates deduced from 10Be: Implications for relief production in the central Appalachians» (PDF). Geology. 35 (1): 89. Bibcode:2007Geo....35...89H. doi:10.1130/g23147a.1 
  46. Yorath, C. J. (2017). Of rocks, mountains and Jasper: a visitor's guide to the geology of Jasper National Park. [S.l.]: Dundurn Press. p. 30. ISBN 9781459736122. [...] 'How long will the Rockies last?' [...] The numbers suggest that in about 50 to 60 million years the remaining mountains will be gone, and the park will be reduced to a rolling plain much like the Canadian prairies. 
  47. Dethier, David P.; Ouimet, W.; Bierman, P. R.; Rood, D. H.; et al. (2014). «Basins and bedrock: Spatial variation in 10Be erosion rates and increasing relief in the southern Rocky Mountains, USA» (PDF). Geology. 42 (2): 167–170. Bibcode:2014Geo....42..167D. doi:10.1130/G34922.1 
  48. Patzek, Tad W. (2008). «Can the Earth Deliver the Biomass-for-Fuel we Demand?». In: Pimentel, David. Biofuels, Solar and Wind as Renewable Energy Systems: Benefits and Risks. [S.l.]: Springer. ISBN 9781402086533 
  49. Perlman, David (14 de outubro de 2006). «Kiss that Hawaiian timeshare goodbye / Islands will sink in 80 million years». San Francisco Chronicle 
  50. Nelson, Stephen A. «Meteorites, Impacts, and Mass Extinction». Tulane University. Consultado em 13 de janeiro de 2011 
  51. Lang, Kenneth R. (2003). The Cambridge Guide to the Solar System. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 329. ISBN 9780521813068. [...] all the rings should collapse [...] in about 100 million years. 
  52. Schröder, K.-P.; Connon Smith, Robert (2008). «Distant future of the Sun and Earth revisited». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 386 (1): 155–63. Bibcode:2008MNRAS.386..155S. arXiv:0801.4031 . doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13022.x 
  53. Jillian Scudder. «How Long Until The Moon Slows The Earth to a 25 Hour Day?». Forbes. Consultado em 30 de maio de 2017 
  54. Hayes, Wayne B. (2007). «Is the Outer Solar System Chaotic?». Nature Physics. 3 (10): 689–691. Bibcode:2007NatPh...3..689H. CiteSeerX 10.1.1.337.7948 . arXiv:astro-ph/0702179 . doi:10.1038/nphys728 
  55. Leong, Stacy (2002). «Period of the Sun's Orbit Around the Galaxy (Cosmic Year)». The Physics Factbook. Consultado em 2 de abril de 2007 
  56. a b c Williams, Caroline; Nield, Ted (20 de outubro de 2007). «Pangaea, the comeback». New Scientist. Consultado em 2 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 13 de abril de 2008 
  57. Calkin and Young in 1996 on pages 9–75
  58. a b c Thompson and Perry in 1997 on pages 127–28
  59. O'Donoghue, James; Moore, Luke; Connerney, Jack; Melin, Henrik; Stallard, Tom S.; Miller, Steve; Baines, Kevin H. (1 de abril de 2019). «Observations of the chemical and thermal response of 'ring rain' on Saturn's ionosphere». Icarus. 322: 251–260. Bibcode:2019Icar..322..251O. ISSN 0019-1035. doi:10.1016/j.icarus.2018.10.027. hdl:2381/43180 
  60. Strom, Robert G.; Schaber, Gerald G.; Dawson, Douglas D. (25 de maio de 1994). «The global resurfacing of Venus». Journal of Geophysical Research. 99 (E5): 10899–10926. Bibcode:1994JGR....9910899S. doi:10.1029/94JE00388 
  61. Nield in 2007 on pages 20–21
  62. Hoffman in 1992 on pages 323–27
  63. Minard, Anne (2009). «Gamma-Ray Burst Caused Mass Extinction?». National Geographic News. Consultado em 27 de agosto de 2012 
  64. «Questions Frequently Asked by the Public About Eclipses». NASA. Consultado em 7 de março de 2010. Cópia arquivada em 12 de março de 2010 
  65. a b c O'Malley-James, Jack T.; Greaves, Jane S.; Raven, John A.; Cockell, Charles S. (2012). «Swansong Biospheres: Refuges for life and novel microbial biospheres on terrestrial planets near the end of their habitable lifetimes». International Journal of Astrobiology. 12 (2): 99–112. Bibcode:2013IJAsB..12...99O. arXiv:1210.5721 . doi:10.1017/S147355041200047X 
  66. a b Heath, Martin J.; Doyle, Laurance R. (2009). «Circumstellar Habitable Zones to Ecodynamic Domains: A Preliminary Review and Suggested Future Directions». arXiv:0912.2482  [astro-ph.EP] 
  67. a b Ward & Brownlee in 2003 on pages 117-28
  68. a b c d Franck, S.; Bounama, C.; Von Bloh, W. (Novembro de 2005). «Causes and timing of future biosphere extinction» (PDF). Biogeosciences Discussions. 2 (6): 1665–1679. Bibcode:2005BGD.....2.1665F. doi:10.5194/bgd-2-1665-2005 
  69. Bounama, Christine; Franck, S.; Von Bloh, David (2001). «The fate of Earth's ocean». Hydrology and Earth System Sciences. 5 (4): 569–575. Bibcode:2001HESS....5..569B. doi:10.5194/hess-5-569-2001 
  70. a b Schröder, K.-P.; Connon Smith, Robert (1 de maio de 2008). «Distant future of the Sun and Earth revisited». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 386 (1): 155–163. Bibcode:2008MNRAS.386..155S. arXiv:0801.4031 . doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13022.x 
  71. a b Brownlee 2010, p. 95.
  72. Brownlee, Donald E. (2010). «Planetary habitability on astronomical time scales». In: Schrijver, Carolus J.; Siscoe, George L. Heliophysics: Evolving Solar Activity and the Climates of Space and Earth. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0521112949 
  73. Li King-Fai; Pahlevan, Kaveh; Kirschvink, Joseph L.; Yung, Luk L. (2009). «Atmospheric pressure as a natural climate regulator for a terrestrial planet with a biosphere». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 106 (24): 9576–9579. Bibcode:2009PNAS..106.9576L. PMC 2701016 . PMID 19487662. doi:10.1073/pnas.0809436106 
  74. Caldeira, Ken; Kasting, James F (1992). «The life span of the biosphere revisited». Nature. 360 (6406): 721–23. Bibcode:1992Natur.360..721C. PMID 11536510. doi:10.1038/360721a0 
  75. Franck, S. (2000). «Reduction of biosphere life span as a consequence of geodynamics». Tellus B. 52 (1): 94–107. Bibcode:2000TellB..52...94F. doi:10.1034/j.1600-0889.2000.00898.x 
  76. Timothy M, von Bloh; Werner (2001). «Biotic feedback extends the life span of the biosphere». Geophysical Research Letters. 28 (9): 1715–18. Bibcode:2001GeoRL..28.1715L. doi:10.1029/2000GL012198 
  77. a b c d Kargel, Jeffrey Stuart (2004). Mars: A Warmer, Wetter Planet. [S.l.]: Springer. p. 509. ISBN 978-1852335687. Consultado em 29 de outubro de 2007 
  78. a b Li, King-Fai; Pahlevan, Kaveh; Kirschvink, Joseph L.; Yung, Yuk L. (16 de junho de 2009). «Atmospheric pressure as a natural climate regulator for a terrestrial planet with a biosphere». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 106 (24): 9576–9579. Bibcode:2009PNAS..106.9576L. PMC 2701016 . PMID 19487662. doi:10.1073/pnas.0809436106 
  79. Waszek, Lauren; Irving, Jessica; Deuss, Arwen (20 de fevereiro de 2011). «Reconciling the Hemispherical Structure of Earth's Inner Core With its Super-Rotation». Nature Geoscience. 4 (4): 264–267. Bibcode:2011NatGe...4..264W. doi:10.1038/ngeo1083 
  80. McDonough, W. F. (2004). Compositional Model for the Earth's Core. Treatise on Geochemistry. 2. [S.l.: s.n.] pp. 547–568. Bibcode:2003TrGeo...2..547M. ISBN 978-0080437514. doi:10.1016/B0-08-043751-6/02015-6 
  81. Luhmann, J. G.; Johnson, R. E.; Zhang, M. H. G. (1992). «Evolutionary impact of sputtering of the Martian atmosphere by O+ pickup ions». Geophysical Research Letters. 19 (21): 2151–2154. Bibcode:1992GeoRL..19.2151L. doi:10.1029/92GL02485 
  82. Quirin Shlermeler (3 de março de 2005). «Solar wind hammers the ozone layer». News@nature. doi:10.1038/news050228-12 
  83. Adams, Fred C. (2008). «Long-term astrophysicial processes». In: Bostrom, Nick; Cirkovic, Milan M. Global Catastrophic Risks. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 33–47 [Falta ISBN]
  84. Adams 2008, pp. 33–44.
  85. Neron de Surgey, O.; Laskar, J. (1996). «On the Long Term Evolution of the Spin of the Earth». Astronomy and Astrophysics. 318: 975. Bibcode:1997A&A...318..975N 
  86. «Study: Earth May Collide With Another Planet». Fox News. 11 de junho de 2009. Consultado em 8 de setembro de 2011. Arquivado do original em 4 de novembro de 2012 
  87. Guinan, E. F.; Ribas, I. (2002). Montesinos, Benjamin; Gimenez, Alvaro; Guinan, Edward F., eds. «Our Changing Sun: The Role of Solar Nuclear Evolution and Magnetic Activity on Earth's Atmosphere and Climate». ASP Conference Proceedings. 269: 85–106. Bibcode:2002ASPC..269...85G 
  88. Kasting, J. F. (Junho de 1988). «Runaway and moist greenhouse atmospheres and the evolution of earth and Venus». Icarus. 74 (3): 472–494. Bibcode:1988Icar...74..472K. PMID 11538226. doi:10.1016/0019-1035(88)90116-9 
  89. Hecht, Jeff (2 abril de 1994). «Science: Fiery Future for Planet Earth». New Scientist (1919). p. 14. Consultado em 29 de outubro de 2007 
  90. Chyba, C. F.; Jankowski, D. G.; Nicholson, P. D. (1989). «Tidal Evolution in the Neptune-Triton System». Astronomy and Astrophysics. 219 (1–2): 23. Bibcode:1989A&A...219L..23C 
  91. Cox, J. T.; Loeb, Abraham (2007). «The Collision Between The Milky Way And Andromeda». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 386 (1): 461–474. Bibcode:2008MNRAS.386..461C. arXiv:0705.1170 . doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13048.x 
  92. Cain, Fraser (2007). «When Our Galaxy Smashes Into Andromeda, What Happens to the Sun?». Universe Today. Consultado em 16 de maio de 2007. Cópia arquivada em 17 de maio de 2007 
  93. Cox, T. J.; Loeb, Abraham (2008). «The Collision Between The Milky Way And Andromeda». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 386 (1): 461–474. Bibcode:2008MNRAS.386..461C. arXiv:0705.1170 . doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13048.x 
  94. NASA (31 de maio de 2012). «NASA's Hubble Shows Milky Way is Destined for Head-On Collision». NASA. Consultado em 13 de outubro de 2012 
  95. Dowd, Maureen (29 de maio de 2012). «Andromeda Is Coming!». The New York Times. Consultado em 9 de janeiro de 2014. [NASA's David Morrison] explained that the Andromeda-Milky Way collision would just be two great big fuzzy balls of stars and mostly empty space passing through each other harmlessly over the course of millions of years. 
  96. Braine, J.; Lisenfeld, U.; Duc, P. A.; et al. (2004). «Colliding molecular clouds in head-on galaxy collisions». Astronomy and Astrophysics. 418 (2): 419–428. Bibcode:2004A&A...418..419B. arXiv:astro-ph/0402148 . doi:10.1051/0004-6361:20035732 
  97. a b c d Schroder, K. P.; Connon Smith, Robert (2008). «Distant Future of the Sun and Earth Revisited». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 386 (1): 155–163. Bibcode:2008MNRAS.386..155S. arXiv:0801.4031 . doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13022.x 
  98. Powell, David (22 de janeiro de 2007). «Earth's Moon Destined to Disintegrate». Space.com. Tech Media Network. Consultado em 1 de junho de 2010 
  99. Lorenz, Ralph D.; Lunine, Jonathan I.; McKay, Christopher P. (1997). «Titan under a red giant sun: A new kind of "habitable" moon» (PDF). Geophysical Research Letters. 24 (22): 2905–2908. Bibcode:1997GeoRL..24.2905L. CiteSeerX 10.1.1.683.8827 . PMID 11542268. doi:10.1029/97GL52843. Consultado em 21 de março de 2008 
  100. Rybicki, K. R.; Denis, C. (2001). «On the Final Destiny of the Earth and the Solar System». Icarus. 151 (1): 130–137. Bibcode:2001Icar..151..130R. doi:10.1006/icar.2001.6591 
  101. Balick, Bruce. «Planetary Nebulae and the Future of the Solar System». University of Washington. Consultado em 23 de junho de 2006. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2008 
  102. Kalirai, Jasonjot S.; et al. (Março de 2008). «The Initial-Final Mass Relation: Direct Constraints at the Low-Mass End». The Astrophysical Journal. 676 (1): 594–609. Bibcode:2008ApJ...676..594K. arXiv:0706.3894 . doi:10.1086/527028 
  103. Com base nos mínimos quadrados ponderados mais adequados na p. 16 de Kalirai et al. com a massa inicial igual a uma massa solar.
  104. «Universe May End in a Big Rip». CERN Courier. 1 de maio de 2003. Consultado em 22 de julho de 2011 
  105. Caldwell, Robert R.; Kamionkowski, Marc; Weinberg, Nevin N. (2003). «Phantom Energy and Cosmic Doomsday». Physical Review Letters. 91 (7). 071301 páginas. Bibcode:2003PhRvL..91g1301C. PMID 12935004. arXiv:astro-ph/0302506 . doi:10.1103/PhysRevLett.91.071301 
  106. Vikhlinin, A.; Kravtsov, A.V.; Burenin, R.A.; et al. (2009). «Chandra Cluster Cosmology Project III: Cosmological Parameter Constraints». The Astrophysical Journal. 692 (2): 1060–1074. Bibcode:2009ApJ...692.1060V. arXiv:0812.2720 . doi:10.1088/0004-637X/692/2/1060 
  107. Murray, C.D. & Dermott, S.F. (1999). Solar System Dynamics. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 184. ISBN 978-0-521-57295-8 
  108. Dickinson, Terence (1993). From the Big Bang to Planet X. Camden East, Ontario: Camden House. pp. 79–81. ISBN 978-0-921820-71-0 
  109. Canup, Robin M.; Righter, Kevin (2000). Origin of the Earth and Moon. Col: The University of Arizona space science series. 30. [S.l.]: University of Arizona Press. pp. 176–177. ISBN 978-0-8165-2073-2 
  110. Bruce Dorminey (31 de janeiro de 2017). «Earth and Moon May Be on Long-Term Collision Course». Forbes. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  111. a b Loeb, Abraham (2011). «Cosmology with Hypervelocity Stars». Harvard University. 2011 (4): 023. Bibcode:2011JCAP...04..023L. arXiv:1102.0007 . doi:10.1088/1475-7516/2011/04/023 
  112. Chown, Marcus (1996). Afterglow of Creation. [S.l.]: University Science Books. p. 210 [Falta ISBN]
  113. «The Local Group of Galaxies». University of Arizona. Students for the Exploration and Development of Space. Consultado em 2 de outubro de 2009 
  114. Adams, F. C.; Graves, G. J. M.; Laughlin, G. (Dezembro de 2004). García-Segura, G.; Tenorio-Tagle, G.; Franco, J.; Yorke, H. W., eds. «Gravitational Collapse: From Massive Stars to Planets. / First Astrophysics meeting of the Observatorio Astronomico Nacional. / A meeting to celebrate Peter Bodenheimer for his outstanding contributions to Astrophysics: Red Dwarfs and the End of the Main Sequence». Revista Mexicana de Astronomía y Astrofísica (Serie de Conferencias). 22: 46–49. Bibcode:2004RMxAC..22...46A  See Fig. 3.
  115. a b Davies, Paul (1997). The Last Three Minutes: Conjectures About The Ultimate Fate of the Universe. [S.l.]: Basic Books. ISBN 978-0-465-03851-0 
  116. Fraser Cain (17 de outubro de 2013). «How Will The Universe End?». Consultado em 13 de junho de 2016 
  117. Busha, Michael T.; Adams, Fred C.; Wechsler, Risa H.; Evrard, August E. (20 de outubro de 2003). «Future Evolution of Structure in an Accelerating Universe». The Astrophysical Journal. 596 (2): 713–724. ISSN 0004-637X. arXiv:astro-ph/0305211 . doi:10.1086/378043 
  118. Krauss, Lawrence M.; Starkman, Glenn D. (Março de 2000). «Life, The Universe, and Nothing: Life and Death in an Ever-Expanding Universe». The Astrophysical Journal. 531 (1): 22–30. Bibcode:2000ApJ...531...22K. ISSN 0004-637X. arXiv:astro-ph/9902189 . doi:10.1086/308434 
  119. Fred C. Adams; Gregory Laughlin; Genevieve J. M. Graves (2004). «RED Dwarfs and the End of The Main Sequence» (PDF). Revista Mexicana de Astronomía y Astrofísica, Serie de Conferencias. 22: 46–49 
  120. Loeb, Abraham; Batista, Rafael; Sloan, W. (2016). «Relative Likelihood for Life as a Function of Cosmic Time». Journal of Cosmology and Astroparticle Physics. 2016 (8). 040 páginas. Bibcode:2016JCAP...08..040L. arXiv:1606.08448 . doi:10.1088/1475-7516/2016/08/040 
  121. «Why the Smallest Stars Stay Small». Sky & Telescope (22). Novembro de 1997 
  122. Adams, F. C.; P. Bodenheimer; G. Laughlin (2005). «M dwarfs: planet formation and long term evolution». Astronomische Nachrichten. 326 (10): 913–919. Bibcode:2005AN....326..913A. doi:10.1002/asna.200510440 
  123. Tayler, Roger John (1993). Galaxies, Structure and Evolution 2 ed. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 92. ISBN 978-0521367103 
  124. Barrow, John D.; Tipler, Frank J. (19 de maio de 1988). The Anthropic Cosmological Principle. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0192821478. LC 87-28148 
  125. Adams, Fred; Laughlin, Greg (1999). The Five Ages of the Universe. New York: The Free Press. pp. 85–87. ISBN 978-0684854229 
  126. a b c d e f Dyson, Freeman J. (1979). «Time Without End: Physics and Biology in an Open Universe». Reviews of Modern Physics. 51 (3): 447–460. Bibcode:1979RvMP...51..447D. doi:10.1103/RevModPhys.51.447. Consultado em 5 de julho de 2008 
  127. Nishino, Super-K Collaboration, et al. (2009). «Search for Proton Decay via p+ → e+ π0 and p+ → μ+ π0 in a Large Water Cherenkov Detector». Physical Review Letters. 102 (14): 141801. Bibcode:2009PhRvL.102n1801N. PMID 19392425. arXiv:0903.0676 . doi:10.1103/PhysRevLett.102.141801 
  128. a b Tyson, Neil de Grasse; Tsun-Chu Liu, Charles; Irion, Robert (2000). One Universe: At Home in the Cosmos. [S.l.]: Joseph Henry Press. ISBN 978-0309064880 
  129. a b c Page, Don N. (1976). «Particle Emission Rates from a Black Hole: Massless Particles from an Uncharged, Nonrotating Hole». Physical Review D. 13 (2): 198–206. Bibcode:1976PhRvD..13..198P. doi:10.1103/PhysRevD.13.198  See in particular equation (27).
  130. Andreassen, Anders; Frost, William; Schwartz, Matthew D. (12 de março de 2018). «Scale-invariant instantons and the complete lifetime of the standard model». Physical Review D. 97 (5): 056006. Bibcode:2018PhRvD..97e6006A. arXiv:1707.08124 . doi:10.1103/PhysRevD.97.056006 
  131. K. Sumiyoshi, S. Yamada, H. Suzuki, W. Hillebrandt (21 de julho de 1997). «The fate of a neutron star just below the minimum mass: does it explode?». Astronomy and Astrophysics. 334. 159 páginas. Bibcode:1998A&A...334..159S. arXiv:astro-ph/9707230 . Given this assumption... the minimum possible mass of a neutron star is 0.189 
  132. Carroll, Sean M.; Chen, Jennifer (27 de outubro de 2004). «Spontaneous Inflation and the Origin of the Arrow of Time». arXiv:hep-th/0410270  
  133. Tegmark, M (Maio de 2003). «Parallel universes. Not just a staple of science fiction, other universes are a direct implication of cosmological observations». Sci. Am. 288 (5): 40–51. Bibcode:2003SciAm.288e..40T. PMID 12701329. arXiv:astro-ph/0302131 . doi:10.1038/scientificamerican0503-40 
  134. Max Tegmark (2003). «Parallel Universes». In "Science and Ultimate Reality: From Quantum to Cosmos", Honoring John Wheeler's 90th Birthday. J. D. Barrow, P.C.W. Davies, & C.L. Harper Eds. 288 (5): 40–51. Bibcode:2003SciAm.288e..40T. PMID 12701329. arXiv:astro-ph/0302131 . doi:10.1038/scientificamerican0503-40 
  135. M. Douglas, "The statistics of string / M theory vacua", JHEP 0305, 46 (2003). Arxiv; S. Ashok and M. Douglas, "Counting flux vacua", JHEP 0401, 060 (2004).
  136. Smith, Cameron; Davies, Evan T. (2012). Emigrating Beyond Earth: Human Adaptation and Space Colonization. [S.l.]: Springer. p. 258 [Falta ISBN]
  137. Klein, Jan; Takahata, Naoyuki (2002). Where Do We Come From?: The Molecular Evidence for Human Descent. [S.l.]: Springer. p. 395 [Falta ISBN]
  138. Carter, Brandon; McCrea, W. H. (1983). «The anthropic principle and its implications for biological evolution». Philosophical Transactions of the Royal Society of London. A310 (1512): 347–363. Bibcode:1983RSPTA.310..347C. doi:10.1098/rsta.1983.0096 
  139. Greenberg, Joseph (1987). Language in the Americas. [S.l.]: Stanford University Press. pp. 341–342 [Falta ISBN]
  140. McKay, Christopher P.; Toon, Owen B.; Kasting, James F. (8 de agosto de 1991). «Making Mars habitable». Nature. 352 (6335): 489–496. Bibcode:1991Natur.352..489M. PMID 11538095. doi:10.1038/352489a0 
  141. Kaku, Michio (2010). «The Physics of Interstellar Travel: To one day, reach the stars». mkaku.org. Consultado em 29 de agosto de 2010 
  142. Avise, John; D. Walker; G. C. Johns (22 de setembro de 1998). «Speciation durations and Pleistocene effects on vertebrate phylogeography». Philosophical Transactions of the Royal Society B. 265 (1407): 1707–1712. PMC 1689361 . PMID 9787467. doi:10.1098/rspb.1998.0492 
  143. Valentine, James W. (1985). «The Origins of Evolutionary Novelty And Galactic Colonization». In: Finney, Ben R.; Jones, Eric M. Interstellar Migration and the Human Experience. [S.l.]: University of California Press. p. 274 [Falta ISBN]
  144. J. Richard Gott, III (1993). «Implications of the Copernican principle for our future prospects». Nature. 363 (6427): 315–319. Bibcode:1993Natur.363..315G. doi:10.1038/363315a0 
  145. Bignami, Giovanni F.; Sommariva, Andrea (2013). A Scenario for Interstellar Exploration and Its Financing. [S.l.]: Springer. p. 23. Bibcode:2013sief.book.....B [Falta ISBN]
  146. Korycansky, D. G.; Laughlin, Gregory; Adams, Fred C. (2001). «Astronomical engineering: a strategy for modifying planetary orbits». Astrophysics and Space Science. 275 (4): 349–366. Bibcode:2001Ap&SS.275..349K. arXiv:astro-ph/0102126 . doi:10.1023/A:1002790227314. hdl:2027.42/41972. Astrophys.Space Sci.275:349-366,2001 
  147. Korycansky, D. G. (2004). «Astroengineering, or how to save the Earth in only one billion years» (PDF). Revista Mexicana de Astronomía y Astrofísica. 22: 117–120. Bibcode:2004RMxAC..22..117K 
  148. «Hurtling Through the Void». Time. 20 de junho de 1983. Consultado em 5 de setembro de 2011 
  149. a b c d e f g h i j k l m n Coryn A.L. Bailer-Jones, Davide Farnocchia (3 de abril de 2019). «Future stellar flybys of the Voyager and Pioneer spacecraft». Research Notes of the American Astronomical Society. 3 (59). 59 páginas. Bibcode:2019RNAAS...3...59B. arXiv:1912.03503 . doi:10.3847/2515-5172/ab158e 
  150. «Cornell News: "It's the 25th Anniversary of Earth's First (and only) Attempt to Phone E.T."». Cornell University. 12 de novembro de 1999. Consultado em 29 de março de 2008. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2008 
  151. Dave Deamer. «In regard to the email from». Science 2.0. Consultado em 14 de novembro de 2014 
  152. «KEO FAQ». keo.org. Consultado em 14 de outubro de 2011 
  153. Lasher, Lawrence. «Pioneer Mission Status». NASA. Arquivado do original em 8 de abril de 2000. [Pioneer's speed is] about 12 km/s... [the plate etching] should survive recognizable at least to a distance ≈10 parsecs, and most probably to 100 parsecs. 
  154. a b «The Pioneer Missions». NASA. Consultado em 5 de setembro de 2011 
  155. «LAGEOS 1, 2». NASA. Consultado em 21 de julho de 2012 
  156. Jad Abumrad and Robert Krulwich (12 de fevereiro de 2010). Carl Sagan And Ann Druyan's Ultimate Mix Tape (Radio). National Public Radio 
  157. «The Long Now Foundation». The Long Now Foundation. 2011. Consultado em 21 de setembro de 2011 
  158. «A Visit to the Doomsday Vault». CBS News. 20 de março de 2008 
  159. «Memory of Mankind». Consultado em 4 de março de 2019 
  160. «Human Document Project 2014» 
  161. Begtrup, G. E.; Gannett, W.; Yuzvinsky, T. D.; Crespi, V. H.; et al. (13 de maio de 2009). «Nanoscale Reversible Mass Transport for Archival Memory» (PDF). Nano Letters. 9 (5): 1835–1838. Bibcode:2009NanoL...9.1835B. CiteSeerX 10.1.1.534.8855 . PMID 19400579. doi:10.1021/nl803800c. Arquivado do original (PDF) em 22 de junho de 2010 
  162. Zhang, J.; Gecevičius, M.; Beresna, M.; Kazansky, P. G. (2014). «Seemingly unlimited lifetime data storage in nanostructured glass». Phys. Rev. Lett. 112 (3): 033901. Bibcode:2014PhRvL.112c3901Z. PMID 24484138. doi:10.1103/PhysRevLett.112.033901 
  163. Zhang, J.; Gecevičius, M.; Beresna, M.; Kazansky, P. G. (Junho de 2013). «5D Data Storage by Ultrafast Laser Nanostructuring in Glass» (PDF). CLEO: Science and Innovations: CTh5D–9. Arquivado do original (PDF) em 6 de setembro de 2014 
  164. «Tetrafluoromethane». Toxicology Data Network (TOXNET). United States National Library of Medicine. Consultado em 4 de setembro de 2014 
  165. «Time it takes for garbage to decompose in the environment» (PDF). New Hampshire Department of Environmental Services. Consultado em 23 de maio de 2014. Arquivado do original (PDF) em 9 de junho de 2014 
  166. Lyle, Paul (2010). Between Rocks And Hard Places: Discovering Ireland's Northern Landscapes. [S.l.]: Geological Survey of Northern Ireland [Falta ISBN]
  167. Weisman, Alan (10 de julho de 2007). The World Without Us. New York: Thomas Dunne Books/St. Martin's Press. pp. 171–172. ISBN 978-0-312-34729-1. OCLC 122261590 
  168. «Apollo 11 – First Footprint on the Moon». Student Features. NASA 
  169. Meadows, A. J. (2007). The Future of the Universe. [S.l.]: Springer. pp. 81–83 [Falta ISBN]
  170. Weisman, Alan (10 de julho de 2007). The World Without Us. New York: Thomas Dunne Books/St. Martin's Press. p. 182. ISBN 978-0-312-34729-1. OCLC 122261590 
  171. Zalasiewicz, Jan (25 de setembro de 2008), The Earth After Us: What legacy will humans leave in the rocks?, Oxford University Press , Review in Stanford Archaeolog
  172. a b c d e f g h i Meeus, J. & Vitagliano, A. (2004). «Simultaneous Transits» (PDF). Journal of the British Astronomical Association. 114 (3). Consultado em 7 de setembro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 15 de junho de 2006 
  173. «Why is Polaris the North Star?». NASA. Consultado em 10 de abril de 2011. Cópia arquivada em 25 de julho de 2011 
  174. a b Plait, Phil (2002). Bad Astronomy: Misconceptions and Misuses Revealed, from Astrology to the Moon Landing "Hoax". [S.l.]: John Wiley and Sons. pp. 55–56 [Falta ISBN]
  175. Falkner, David E. (2011). The Mythology of the Night Sky. Col: Patrick Moore's Practical Astronomy Series. [S.l.]: Springer. p. 116. Bibcode:2011mns..book.....F. ISBN 978-1-4614-0136-0. doi:10.1007/978-1-4614-0137-7 
  176. «Calculation by the Stellarium application version 0.10.2». Consultado em 28 de julho de 2009 
  177. Kieron Taylor (1 de março de 1994). «Precession». Sheffield Astronomical Society. Consultado em 6 de agosto de 2013 
  178. Falkner, David E. (2011). The Mythology of the Night Sky. Col: Patrick Moore's Practical Astronomy Series. [S.l.]: Springer. p. 102. Bibcode:2011mns..book.....F. ISBN 978-1-4614-0136-0. doi:10.1007/978-1-4614-0137-7 
  179. Komzsik, Louis (2010). Wheels in the Sky: Keep on Turning. [S.l.]: Trafford Publishing. p. 140 [Falta ISBN]
  180. Laskar, J.; et al. (1993). «Orbital, Precessional, and Insolation Quantities for the Earth From ?20 Myr to +10 Myr». Astronomy and Astrophysics. 270: 522–533. Bibcode:1993A&A...270..522L 
  181. Laskar; et al. «Astronomical Solutions for Earth Paleoclimates». Institut de mécanique céleste et de calcul des éphémérides. Consultado em 20 de julho de 2012 
  182. Aldo Vitagliano (2011). «The Solex page». University degli Studi di Napoli Federico II. Consultado em 20 de julho de 2012. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2008 
  183. James, N.D (1998). «Comet C/1996 B2 (Hyakutake): The Great Comet of 1996». Journal of the British Astronomical Association. 108: 157. Bibcode:1998JBAA..108..157J 
  184. Horizons output. «Barycentric Osculating Orbital Elements for Comet C/1999 F1 (Catalina)». Consultado em 7 de março de 2011 
  185. Borkowski, K.M. (1991). «The Tropical Calendar and Solar Year». J. Royal Astronomical Soc. Of Canada. 85 (3): 121–130. Bibcode:1991JRASC..85..121B 
  186. Bromberg, Irv. «The Rectified Hebrew Calendar» 
  187. Strous, Louis (2010). «Astronomy Answers: Modern Calendars». University of Utrecht. Consultado em 14 de setembro de 2011 
  188. Richards, Edward Graham (1998). Mapping time: the calendar and its history. [S.l.]: Oxford University Press. p. 93 [Falta ISBN]
  189. «Julian Date Converter». US Naval Observatory. Consultado em 20 de julho de 2012 
  190. «Permanent Markers Implementation Plan» (PDF). Departamento de Energia dos Estados Unidos. 30 de agosto de 2004. Arquivado do original (PDF) em 28 de setembro de 2006 
  191. Time: Disasters that Shook the World. New York City: Time Home Entertainment. 2012. ISBN 978-1-60320-247-3 
  192. a b Fetter, Steve (Março de 2009). «How long will the world's uranium supplies last?» 
  193. Biello, David (28 de janeiro de 2009). «Spent Nuclear Fuel: A Trash Heap Deadly for 250,000 Years or a Renewable Energy Source?». Scientific American 
  194. a b Ongena, J; G. Van Oost (2004). «Energy for future centuries – Will fusion be an inexhaustible, safe and clean energy source?» (PDF). Fusion Science and Technology. 2004. 45 (2T): 3–14. doi:10.13182/FST04-A464 
  195. Cohen, Bernard L. (Janeiro de 1983). «Breeder Reactors: A Renewable Energy Source» (PDF). American Journal of Physics. 51 (1): 75. Bibcode:2005BGD.....2.1665F. doi:10.1119/1.13440 

BibliografiaEditar

Ligação externaEditar