Abrir menu principal

Linha do Porto à Póvoa e Famalicão

A Linha do Porto à Póvoa e Famalicão, igualmente conhecida como Linha do Litoral do Minho ou Linha da Póvoa, foi uma via-férrea de bitola estreita em Portugal, que ligava a cidade do Porto às localidades de Póvoa de Varzim e Famalicão. O primeiro troço, entre Porto-Boavista e Senhora da Hora, foi inaugurado em 1 de Outubro de 1875, tendo sido a primeira linha férrea pública de via estreita em Portugal.[1][2] A linha foi completada com a chegada a Famalicão, em 12 de Junho de 1881.[2] Nas décadas de 1920 e 1930 existiam planos para prolongar esta Linha desde a Póvoa de Varzim até Viana do Castelo e desde Famalicão até à projetada Linha do Ave (em Ronfe), assim como para prolongá-la ligeiramente dentro da cidade do Porto, desde a estação da Boavista até uma nova estação a construir na Trindade,[3] um local mais próximo do centro da cidade do Porto. Com exceção da construção da estação de Porto-Trindade, nenhum destes projetos acabou por avançar. O troço entre Porto-Boavista e Porto-Trindade foi aberto em 30 de outubro de 1938.[2]

Linha da Póvoa
Estação Ferroviária de Porto-Trindade, antes da renovação.
Bitola:Bitola estreita
Unknown route-map component "vCONTg-"
L.ª MinhoPorto S.B.
Unknown route-map component "vBHF-exKBHFa"
57,175 Famalicão
Unknown route-map component "xvSKRZ-G2u"
× Rua José Carvalho
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "vSTRr-exSHI1r"
L.ª MinhoMonção
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u"
× Rua Daniel Rodrigues
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u"
× Rua dos Serrões
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u"
× EN204 / Av. 9 de Julho
Unknown route-map component "exHST"
54,300 Barradas
Unknown route-map component "exHST"
52,099 Outiz
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u"
× Rua Primeiro de Maio
Unknown route-map component "exHST"
50,327 Cavalões(dem.)
Unknown route-map component "exWBRÜCKE1"
Unknown route-map component "exSKRZ-G4u"
× Av. de São Félix / EN206
Unknown route-map component "exHST"
48,094 Gondifelos
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u"
× Rua Fonte do Chão
Unknown route-map component "exHST"
44,899 Balazar
Unknown route-map component "exBHF"
43,508 Fontaínhas
Unknown route-map component "exHST"
41,500 Rates
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u"
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u"
× Rua Águas Férreas
Unknown route-map component "exHST"
36,500 Laundos(dem.)
Unknown route-map component "exHST"
35,133 S. Félix
Unknown route-map component "exHST"
31,634 Amorim(dem.)
Unknown route-map component "exHST"
30,700 Pisão(dem.)
Unknown route-map component "exSKRZ-G4u"
× A28 / IC1
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u"
× Av. 25 de Abril
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u"
× Via General Humberto Delgado
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u"
× Rua da Sacra Família
Unknown route-map component "exdCONTgq"
Unknown route-map component "exSHI1l" + Unknown route-map component "exv-STR+r"
Unknown route-map component "d"
Viana do Castelo(proj. abandonado)
Unknown route-map component "exvKBHFa-BHF"
27,933 Póvoa de Varzim
Unknown route-map component "exSPLe"
Unknown route-map component "exBHF"
24,601 Vila do Conde
Unknown route-map component "exHST"
22,715 Azurara-Árvore(ant. Azurara)
Unknown route-map component "exBHF"
19,623 Mindelo
Unknown route-map component "exHST"
17,015 Vila Chã
Unknown route-map component "exBHF"
15,676 Modivas
Unknown route-map component "exBHF"
13,92 Vilar do Pinheiro
Unknown route-map component "exBHF"
10,815 Pedras Rubras
Unknown route-map component "exHST"
09,194 Crestins
Unknown route-map component "exHST"
06,800 Santa Cruz
Unknown route-map component "exKDSTaq" Unknown route-map component "exABZg+r"
05,648 R. de Guifões→ G. O. Guifões
Unknown route-map component "exHST"
8 Custóias
Unknown route-map component "exvSHI1+l-STR+l" Unknown route-map component "exCONTfq"
L.ª Guimarães
Unknown route-map component "exCONTg" Unknown route-map component "exvSTR"
R. MatosinhosMatosinhos
Unknown route-map component "exSTR" Unknown route-map component "exvSTR" Unknown route-map component "exCONTg"
L. Pedreiras→ Pedreiras de S. Gens
Unknown route-map component "exSTRl"
Unknown route-map component "exBHFSPLe" + Unknown route-map component "exSTR+l" + Unknown route-map component "exSTRq" + Unknown route-map component "exv-STRl"
Unknown route-map component "exSTRr"
3,852 Senhora da Hora(ant. Vila de Bouças)
Unknown route-map component "exHST"
02,600 Circunvalação
Unknown route-map component "exHST"
01,900 Ramalde
Unknown route-map component "exHST"
00,990 Francos
Unknown route-map component "exKBHFaq" Unknown route-map component "exABZgr"
0,400 Porto-Boavista
Unknown route-map component "exHST"
02,100 Avenida de França
Unknown route-map component "exHST"
Cedofeita(proj. abd)
Unknown route-map component "exTUNNEL1"
Túnel da Trindade(488 m)
Unknown route-map component "exKBHFe"
0,000 Porto-Trindade

O troço Póvoa de Varzim–Famalicão foi encerrado em 1995 e foi abandonado à exploração ferroviária. Já o troço entre Porto e Póvoa de Varzim foi encerrado entre 2001 e 2002, mas de modo a ser convertido numa linha do Metro do Porto: o troço entre Porto-Trindade e Senhora da Hora encerrou em 28 de Abril de 2001, seguido do troço Senhora da Hora–Póvoa de Varzim em 24 de Fevereiro de 2002. A linha Porto–Póvoa de Varzim reabriu como linha do Metro do Porto (em via dupla e bitola padrão) entre 2002 e 2006.

CaracterizaçãoEditar

Descrição físicaEditar

Esta linha ligava a cidade do Porto a Famalicão, passando pela Póvoa de Varzim.[2] A principal interface desta linha era a estação terminal de Porto-Boavista[4], que foi substituída pela Estação de Porto-Trindade em 1932.[2] Na Estação de Senhora da Hora, havia um entroncamento com a Linha de Guimarães e o Ramal de Matosinhos.[5] Em Famalicão, onde era estabelecida a ligação com a Linha do Minho[2], existiam infra-estruturas próprias para servir a Linha da Póvoa.[4]

A bitola original era de 900 mm, mas a via foi completamente convertida, em 1930, para bitola métrica.[4]

Material circulante e sistemas de atrelagemEditar

As duas primeiras locomotivas na linha foram duas máquinas articuladas, do tipo sistema Fairlie[6], construídas pela Vulcan Foundry em 1875, que foram as únicas em Portugal com duplos comandos e uma cabine no centro.[7] Em 1897, encomendou duas locomotivas a vapor de rodado 0-3-1T, que receberam os números E61 e E62 quando foram integradas na Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses.[1] Também foram encomendadas três locomotivas à casa francesa Fives-Lille, que receberam os números 7 a 9, e que depois formaram a Série E31 a E33 da CP.[6] Pela Linha da Póvoa também passaram as locomotivas da Série E91 a E97[6] e Série E81 a E86 da CP[8]

Entre 1954 e 1955, começaram a ser utilizadas na Linha da Póvoa as automotoras da Série 9300[9], que seriam, posteriormente, substituídas por composições rebocadas pelas locomotivas da Série 9000 na Década de 1990.[10][11] Também circularam, nesta linha, as automotoras da Série 9600.[12]

Em 1982, circulavam, entre as Estações de Porto-Trindade e Póvoa de Varzim, composições rebocadas por locomotivas da Série 9020.[13]

Inicialmente, foi utilizada uma atrelagem em tulipa, que seria progressivamente substituída na Década de 1930, após a união entre as Companhias da Póvoa e de Guimarães, pelo sistema de tampão central com tensor lateral; nos primeiros anos após a fusão, o tampão era obliterado verticalmente, para obter compatibilidade com o sistema de cutelo que ser anteriormente utilizado na Linha de Guimarães.[14]

HistóriaEditar

Planeamento, construção e inauguraçãoEditar

Em 19 de Junho de 1873, o Barão de Kessler e Temple Ellicot foram autorizados a construir e explorar uma ligação ferroviária, com bitola de 900 milímetros, entre as cidades do Porto e da Póvoa de Varzim, sem quaisquer apoios do estado.[1][2] Um despacho de 30 de Dezembro de 1873 deferiu o trespasse da concessão para a Companhia do Caminho de Ferro do Porto à Póvoa, que foi formada expressamente para aquele fim, tendo uma portaria de 9 de Abril de 1874 validado o processo.[1][2] O principal motivo para a utilização desta bitola foi o facto dos capitais serem maioritariamente de origem britânica, e as primeiras locomotivas serem fornecidas pela casa inglesa Fairlie Engine Co..[1]

As obras decorreram sem grandes problemas, tendo o primeiro troço, entre Boavista e Póvoa de Varzim, sido inaugurado no dia 1 de Outubro de 1875.[2][15][1] Como previsto, a linha foi construída numa bitola de 900 milímetros, tendo esta sido a primeira linha pública de via estreita em Portugal[4][1], fazendo parte do chamado primeiro grupo de caminhos de ferro de via estreita de interesse geral, que também incluiu as Linhas de Guimarães e do Tua, e o Ramal de Matosinhos.[6]

A Companhia obteve, em Agosto de 1875 e em 19 de Dezembro de 1876, a autorização para construir um novo troço, com cerca de 29 km de comprimento, entre a Póvoa de Varzim e Famalicão, aonde se iria ligar à Linha do Minho[1][2]; a construção não sofreu quaisquer incidentes, tendo a linha chegado às Fontainhas em 7 de Agosto de 1878, e até Famalicão em 12 de Junho de 1881.[2][1]

Formação da Companhia do Norte e alteração de bitolaEditar

Desde cedo que o Estado Português reconheceu que nem a Companhia da Póvoa nem a sua congénere de Guimarães possuíam condições para sobreviver separadamente[1]; Assim, uma lei de de 20 de Junho de 1912 estabeleceu as condições para autorizar a fusão entre ambas as Companhias, tendo um dos vários pontos referido-se ao alargamento da bitola na Linha do Porto à Póvoa e Famalicão, para 1 metro.[16] O processo de fusão foi atrasado por vários problemas, incluindo o despontar da Primeira Guerra Mundial, tendo ambas as companhias sido fundidas, em 14 de Janeiro de 1927, na Companhia dos Caminhos de Ferro do Norte de Portugal; o novo contrato, assinado em 8 de Agosto do mesmo ano, estabeleceu a alteração da bitola nesta Linha, como tinha sido, anteriormente, acordado.[2] As obras de alargamento da via, terminadas em 1930[4], foram efectuadas de forma célere e eficaz, não se tendo verificado interrupções na circulação ferroviária.[2]

Ligação à Trofa e continuação da Linha da Póvoa até à TrindadeEditar

Outra das condições para a fusão entre as duas companhias, conforme ordenado pela lei de 20 de Junho de 1912, era a construção de um ramal, entre as estações de Mindelo, na Linha da Póvoa, e Lousado, na Linha de Guimarães, de forma a unir as duas redes[16]; as empresas pediram, no entanto, que o traçado fosse modificado, de forma a se iniciar no tramo entre as Estações de Senhora da Hora e Pedras Rubras da Linha da Póvoa, e a terminar na Trofa, passando por São Pedro de Avioso, o que foi aceite pelo decreto 12568, de 26 de Outubro de 1926.[17] Esta linha entrou ao serviço em 14 de Março de 1932.[2]

A continuação da Linha até à Trindade, na cidade do Porto, foi autorizada à Companhia do Caminho de Ferro do Porto à Póvoa e Famalicão em 20 de Janeiro de 1913, com uma garantia de juro de 9 %[2], que foi, posteriormente, reduzida para 7,5%, pelo Decreto n.º 12988; este documento também autorizou a Companhia a construir ligações até Braga, Esposende e Barcelos.[18] A abertura à exploração da Estação da Trindade só se efectuou, no entanto, em 30 de Outubro de 1938, devido a vários incidentes, que atrasaram as obras.[2] Devido aos elevados custos envolvidos nesta obra, a Companhia do Norte foi forçada a vender capital à divisão do Minho e Douro da Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses.[14]

Década de 1960Editar

 
Automotora da série 9300 na estação de Porto-Trindade, em 1965.

A partir da Década de 1960, esta linha conheceu um aumento inesperado no movimento de passageiros, fruto do crescimento urbano da zona metropolitana do Porto; este acréscimo abrupto na procura revelou-se, no entanto, insustentável para os recursos existentes.[19]

Desastre Ferroviário de CustóiasEditar

 Ver artigo principal: Desastre Ferroviário de Custóias

Em 26 de Julho de 1964, uma automotora da Série 9300 descarrilou na zona de Custóias, provocando 90 mortos.[20][10] Na altura, foi o mais grave acidente ferroviário ocorrido em Portugal, e atualmente apenas é ultrapassado pelo desastre ferroviário de Moimenta-Alcafache, ocorrido 21 anos depois.

Década de 1990Editar

Projecto de electrificação e alteração nos horáriosEditar

 
Automotoras da série 9600 na estação de Porto-Trindade, em 1990.

Em 1991, existia um projecto de electrificação para esta linha, razão pela qual as automotoras da Série 9630, que entraram ao serviço nesse ano com vista a reforçar a oferta, vieram desde logo preparadas para a sua adaptação à tracção eléctrica.[11]

Na Década de 1990, foram introduzidos novos horários, que melhoraram consideravelmente a qualidade dos serviços, ao agrupá-los em famílias com destinos, frequências e paragens diferentes; isto resultou numa optimização do material circulante disponível e dos recursos humanos.[21]

Desastre Ferroviário de RatesEditar

 Ver artigo principal: Desastre Ferroviário de Rates

Em 29 de Maio de 1994, uma automotora da série 9600 colidiu com um autocarro numa passagem-de-nível em Rates, provocado a morte de 5 pessoas.

Encerramento do troço Póvoa–FamalicãoEditar

O troço entre Póvoa de Varzim e Famalicão "escapou" à vaga de encerramentos de linhas férreas ocorrida em finais da década de 1980 e inícios da década de 1990. Contudo, o seu encerramento continuou a ser considerado pela CP nos anos seguintes e acabou por ocorrer em 1995.

Este troço encontra-se a ser convertido numa ciclovia. O percurso entre Gondifelos e Famalicão está em funcionamento, enquanto que a transformação do troço entre a Póvoa de Varzim e Balazar já se encontrava aprovada em Agosto de 2009.[22]

Encerramento do troço Porto–Póvoa de Varzim e conversão em Metro do PortoEditar

 
Uma composição do Metro do Porto na antiga estação ferroviária de Pedras Rubras (muito próxima da equivalente estação de Metro), em 2012.

Na década de 1990 ganhou força a ideia de construir uma rede de metro ligeiro na área metropolitana do Porto. Em 1989, a STCP realizou um estudo onde propunha a construção de uma rede de metropolitano ligeiro para resolver os problemas de mobilidade da área metropolitana do Porto,[23][24] ideia que foi fortemente apoiada pelo Presidente da Câmara Municipal do Porto Fernando Gomes.[25] Os planos iniciais baseavam-se apenas numa ligação entre Matosinhos, Porto e Vila Nova de Gaia, mas a partir de 1992 começou a ser planeada a inclusão de municípios mais afastados do Porto na futura rede de metropolitano, entre os quais Vila do Conde e Póvoa de Varzim.[23] Em março de 1993 foi criada a empresa Metro do Porto S.A., que se destinava a projetar, construir e explorar a futura rede de metropolitano[24][23] e em dezembro de 1994 foi aberto o concurso público para escolher o empreiteiro[26] que construiria e exploraria a rede.[24] O projeto final do Metro do Porto foi apresentado em janeiro de 1996.[27] O projeto consistia na construção de uma rede de 70 km dividida em quatro linhas.[27] Dos 70 km da rede, 50 km seriam construídos através da conversão de linhas ferroviárias pesadas em linhas de metro.[28] As linhas a converter seriam a Linha da Póvoa entre o Porto e Póvoa de Varzim, e a Linha de Guimarães entre o Porto e a Trofa, ambas linhas de bitola métrica não-eletrificada.[28] O consórcio de empresas privadas Normetro foi o vencedor do concurso público e em dezembro de 1998 foi assinado o contrato de concessão para a construção e exploração da rede do Metro do Porto.[27]

Em 2001 iniciou-se o processo de encerramento do troço Porto–Póvoa de Varzim, com vista à sua transformação numa linha do Metro do Porto.[29] O primeiro troço, da Trindade à Senhora da Hora, foi encerrado em 28 de Abril.[29] A circulação no troço seguinte, da Senhora da Hora à Póvoa de Varzim, foi oficialmente suspensa à meia-noite do dia 24 de Fevereiro de 2002.[30]

O primeiro troço convertido para o Metro do Porto, entre Trindade e Senhora da Hora, foi inaugurado em 7 de Dezembro de 2002.[31][32] O troço Senhora da HoraPedras Rubras abriu em 13 de Março de 2005[33] e o troço Pedras RubrasPóvoa de Varzim em 18 de Março de 2006.[34] A linha do Metro do Porto é uma linha em bitola padrão, eletrificada e em via dupla.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g h i j NUNES, Nuno Miguel (2005). «Locomotivas da série E 61 a E 62». O Foguete. 4 (13). Entroncamento: Associação de Amigos do Museu Nacional Ferroviário. p. 11, 12. ISSN 124550 Verifique |issn= (ajuda) 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p TORRES, Carlos Manitto (16 de Março de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 71 (1686). p. 136, 137. Consultado em 25 de Janeiro de 2015 
  3. «Decreto n.º 18 190». Diário do Governo — I série. 10 de abril de 1930. Consultado em 10 de junho de 2019 
  4. a b c d e REIS et al, 2006:26
  5. REIS et al, 2006:83, 102
  6. a b c d TÃO, Manuel Margarido (2005). «150 Anos de Material Motor Francês em Portugal». O Foguete. 4 (15). Entroncamento: Associação de Amigos do Museu Nacional Ferroviário. p. 13-19. ISSN 124550 Verifique |issn= (ajuda) 
  7. REIS et al, 2006:40
  8. NUNES, Nuno Miguel (2005). «Locomotivas da série E81 a E86». O Foguete. 4 (15). Entroncamento: Associação de Amigos do Museu Nacional Ferroviário. p. 32-34. ISSN 124550 Verifique |issn= (ajuda) 
  9. REIS et al, 2006:122
  10. a b AMARO, Jaime (2005). «Automotoras Allan de Via Estreita - Meio Século de Existência». O Foguete. 4 (13). Entroncamento: Associação de Amigos do Museu Nacional Ferroviário. p. 8, 10. ISSN 124550 Verifique |issn= (ajuda) 
  11. a b «El Ferrocarril del Tajuña». Maquetren (em espanhol). 5 (42). 1996. p. 15, 18 
  12. REIS et al, 2006:159
  13. «FEVE 1600». Carril (em espanhol). 1 (1). Barcelona: Associació d'Amics del Ferrocarril-Barcelona. Setembro de 1982. p. 16, 20 
  14. a b TÃO, Manuel Margarido (2005). «Atrelagens: Uma Breve Abordagem Histórica». O Foguete. 4 (13). Entroncamento: Associação de Amigos do Museu Nacional Ferroviário. p. 30-38. ISSN 124550 Verifique |issn= (ajuda) 
  15. REIS et al, 2006:12
  16. a b PORTUGAL. Lei sem número, de 20 de Junho de 1912. Ministério do Fomento - Secretaria Geral. Paços do Governo da República. Publicado no Diário da República n.º 149, Série I, de 27 de Junho de 1912
  17. PORTUGAL. Decreto n.º 12:568, de 26 de Outubro de 1926. Direcção Geral de Caminhos de Ferro - Divisão Central e de Estudos. Paços do Governo da República. Publicado no Diário da República n.º 242, Série I, de 29 de Outubro de 1926
  18. PORTUGAL. Decreto n.º 12:988, de 23 de Dezembro de 1926. Direcção Geral de Caminhos de Ferro - Divisão Central e de Estudos. Paços do Governo da República. Publicado no Diário da República n.º 4, Série I, de 6 de Janeiro de 1927
  19. MARTINS et al, 1996:66
  20. «Não chegou a atingir a centena o número de mortos». Diário de Notícias (14324). New Bedford, Massachusetts. 31 de Julho de 1964. p. 6 
  21. REIS et al, 2006:188
  22. «Antiga linha de comboio vai ser ecopista». Jornal de Notícias. 21 de Agosto de 2009. Consultado em 23 de Outubro de 2009 
  23. a b c Gonçalves, António (7 de dezembro de 2012). «10 anos do Metro do Porto: Uma década de história». JPN. Consultado em 10 de junho de 2019 
  24. a b c Relatório de Sustentabilidade 2007 (PDF) (Relatório). Metro do Porto S.A. 2008. p. 5. Consultado em 2 de abril de 2019 
  25. «"Pai" do Metro do Porto elogia "revolução" mas lamenta falta de ligação à Trofa». Notícias da Trofa. 6 de dezembro de 2012. Consultado em 2 de abril de 2019 
  26. «Atraso da Obra Já Vai em Dois Anos». Público. 18 de dezembro de 2000. Consultado em 2 de abril de 2019. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2000 
  27. a b c «História». Metro do Porto. Consultado em 2 de abril de 2019 
  28. a b «Metro do Porto a marcar passo». Expresso. 14 de março de 1998. Consultado em 2 de abril de 2019. Cópia arquivada em 29 de agosto de 1999 
  29. a b SIZA, Rita (29 de Abril de 2001). «Fim de semana complicado na Estação de Senhora da Hora». Público. 12 (4058). Lisboa: Público - Comunicação Social, S. A. p. 54 
  30. «Fim dos comboios na linha da Póvoa e da Trofa a 24 de Fevereiro». Público. 7 de Fevereiro de 2002. Consultado em 14 de Abril de 2012 [ligação inativa]
  31. Moura, António (8 de dezembro de 2002). «Metro a sério no Porto a partir de hoje». Público. Consultado em 10 de junho de 2019 
  32. «História > 2002». Metro do Porto. Consultado em 10 de junho de 2019 
  33. «História > 2005». Metro do Porto. Consultado em 10 de junho de 2019 
  34. «História > 2006». Metro do Porto. Consultado em 10 de junho de 2019 

BibliografiaEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Linha do Porto à Póvoa e Famalicão
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 
  • MARTINS, João Paulo, BRION, Madalena, SOUSA, Miguel de, LEVY, Maurício, AMORIM, Óscar (1996). O Caminho de Ferro Revisitado. O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • SILVA, José Ribeiro da, e RIBEIRO, Manuel (2008). Os Comboios em Portugal. do vapor à electricidade. II. Lisboa: Edições Terramar 

Ligações externasEditar