Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A lista aberta é um sistema de votação de representação proporcional onde os eleitores votam em partidos e na ordem dos candidatos na lista desse partido.

No sistema de lista fechada, cada partido apresenta previamente uma lista de candidatos com o número correspondente ao círculo eleitoral, onde esses candidatos são colocados ordenados crescentemente. O eleitor vota na lista de um partido e o número de eleitos será proporcional ao número de votos que o partido obteve. Nesse sistema os candidatos no topo da lista tendem a se eleger com mais facilidade. No sistema de lista aberta, a lista só é definida após a apuração dos votos. Dessa forma, se um candidato específico obtiver um número de votos grande o suficiente, isso se refletirá em um maior número de cadeiras para seu partido e portanto possibilitará a entrada de outros candidatos desse partido mesmo que estes últimos tenham recebido poucos votos.

No Brasil, o cálculo do número de cadeiras que serão distribuídas entre cada partido após as eleições é feito com base no Método D'Hondt.

Índice

Lista de países com representação proporcional de lista abertaEditar

Note que alguns desses países podem usar outros sistemas além da lista aberta. Por exemplo, a lista aberta pode só ser utilizada em eleições da câmara baixa enquanto outro método é usado para a câmara alta, como é o caso do Brasil.

Outras eleiçõesEditar

Para eleições regionais nos estados de Bremen e Hamburgo, e eleições municipais em diversos estados

Para eleições do Parlamento Europeu, regionais e municipais; também em eleições para o parlamento nacional antes das reformas eleitorais.[6]

Referências

  1. a b c d e f g h «Electoral Systems in Europe: An Overview». European Parliament in Brussels: European Centre for Parliamentary Research and Documentation. Outubro de 2000. Consultado em 6 de Julho de 2012. Arquivado do original em 9 de maio de 2013 
  2. «Izborni zakon BiH, članovi 9.5 i 9.8» (PDF). Consultado em 2 de Setembro de 2012 
  3. a b c Mainwaring, Scott (1991). «Politicians, Parties, and Electoral Systems: Brazil in Comparative Perspective» (PDF). Comparative Politics. 24 (1): 21–43 
  4. Bruno, Greg (5 de fevereiro de 2009). «Reshuffling the Political Deck». Backgrounder: Iraq's Political Landscape. Council on Foreign Relations. Consultado em 8 de Julho de 2012 
  5. ja:非拘束名簿式
  6. Miriam A. Golden, Lucio Picci (2008). «Pork-Barrel Politics in Postwar Italy, 1953-94» (PDF). American Journal of Political Science. 52 (2) 
  1. «Country Profile: Colombia». 19 de junho de 2012. Consultado em 7 de agosto de 2012 
  2. «Country Profile: Estonia». 15 de abril de 2011. Consultado em 30 de junho de 2012 
  3. «Country Profile: Indonesia». 26 de novembro de 2010. Consultado em 30 de junho de 2012 
  4. «Country Profile: Latvia». 8 de maio de 2011. Consultado em 30 de junho de 2012 
  5. «Country Profile: Luxembourg». 2 de abril de 2010. Consultado em 7 de agosto de 2012 
  6. «Country Profile: Netherlands». 14 de outubro de 2010. Consultado em 30 de junho de 2012 
  7. «Country Profile: Norway». 18 de março de 2011. Consultado em 7 de agosto de 2012 
  8. «Country Profile: Slovakia». 2 de janeiro de 2012. Consultado em 30 de junho de 2012 
  9. «Country Profile: Slovenia». 28 de fevereiro de 2012. Consultado em 30 de junho de 2012 
  10. «Country Profile: Sri Lanka». 18 de fevereiro de 2010. Consultado em 30 de junho de 2012 
  11. «Country Profile: Sweden». ElectionGuide. Consortium for Elections and Political Process Strengthening. 8 de agosto de 2010. Consultado em 7 de agosto de 2012 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.