Abrir menu principal

Lista de aglomerados subnormais de Coronel Fabriciano

artigo de lista da Wikimedia
Vista parcial do Morro do Carmo, um dos aglomerados subnormais de Coronel Fabriciano.

Aqui são listados os aglomerados subnormais de Coronel Fabriciano, município brasileiro localizado no interior do estado de Minas Gerais. O conceito de aglomerado subnormal é utilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para se referir a um conjunto constituído por no mínimo 51 unidades habitacionais que ocupam terreno de propriedade alheia (pública ou particular) e estão dispostas, em geral, de forma desordenada e densa; carentes, em sua maioria, de serviços públicos e essenciais. De maneira geral o termo refere-se às favelas.[1]

Na época da implantação das grandes siderúrgicas na cidade houve um grande crescimento populacional desordenado na região e em 1964 os municípios de Ipatinga e Timóteo se desmembraram, o que incluiu os territórios das indústrias.[2] Vários trabalhadores dessas empresas, entretanto, foram morar em Coronel Fabriciano, enquanto as receitas tributárias e a maior parte das ações sociais promovidas pelas indústrias foram destinadas às cidades vizinhas, que as sediavam.[2] A partir disso, Fabriciano ficou carente de recursos e estrutura para promover as políticas públicas necessárias.[3] O crescimento urbano do município não foi acompanhado pelo desenvolvimento econômico e social que fosse capaz de suprir às necessidades da população, sendo essa uma das principais razões para a evolução das favelas no município.[4]

Segundo o IBGE, no ano de 2010 a cidade era composta por 20 aglomerados subnormais, onde residiam 21 005 habitantes (19,7% da população municipal), fazendo de Coronel Fabriciano o município com a maior porcentagem de pessoas residindo em favelas no estado de Minas Gerais.[5][6] O mais populoso era o Morada do Vale (situado no bairro homônimo, com 3 609 habitantes), seguido do Morro do Carmo (bairros Nossa Senhora do Carmo e Nossa Senhora da Penha), com 3 496 pessoas.[7]

Aglomerados subnormaisEditar

Aglomerado[7] Habitantes Domicílios particulares permanentes Bairro(s) abrangente(s)[6]
Homens Mulheres Total Atendidos pela rede geral de água Atendidos por rede de esgoto Atendidos por coleta de lixo Atendidos por energia elétrica Total
Alto Caladinho 367 398 765 54,0% 98,7% 98,7% 99,5% 246 Caladinho
Alto Ponte Nova 391 425 816 100% 74,4% 92,6% 100% 219 Ponte Nova
Alto Santa Terezinha 581 580 1 161 95,4% 90,6% 99,7% 99,7% 354 Morada do Vale e Santa Terezinha II
APP Córrego Caladão 581 581 1 162 90,7% 71,7% 100% 100% 379 Melo Viana e Júlia Kubitschek
Caladão 273 292 565 95,3% 28,0% 97,6% 100% 171 Caladão
Contente (expansão) 366 421 787 78,4% 80,6% 99,5% 100% 232 Contente
Frederico Ozanan 389 392 781 100% 62,9% 100% 100% 213 Frederico Ozanan
Manoel Domingos 309 390 699 97,0% 63,4% 99,5% 100% 235 Manoel Domingos
Morada do Vale 1 780 1 829 3 609 85,8% 73,5% 98,0% 99,8% 1 044 Morada do Vale
Morro do Carmo 1 599 1 897 3 496 99,0% 99,5% 99,7% 99,8% 1 047 N. S. do Carmo e N. S. da Penha
Morro Padre Rocha 485 461 946 98,4% 86,3% 94,9% 98,4% 256 São Domingos
Pedreira 529 550 1 079 66,0% 57,8% 98,1% 100% 318 Pedreira
Potyra (expansão) 236 231 467 99,2% 85,2% 100% 98,5% 136 Potyra
Prainha 158 168 326 100% 88,7% 100% 100% 98 Centro
Santa Luzia 246 227 473 66,3% 63,1% 81,1% 100% 122 Santa Luzia
Santa Rita 346 347 693 75,6% 57,3% 90,2% 100% 185 Santa Rita
São Geraldo 727 798 1 525 72,8% 98,7% 98,5% 99,7% 479 São Geraldo, Santa Inês e Tranquilão
Serra Pelada 292 305 597 97,6% 76,6% 84,2% 98,2% 171 Caladinho
Surinan 209 238 447 81,8% 29,3% 97,9% 100% 143 Surinan e São Geraldo
Vila São Francisco 300 311 611 76,1% 94,7% 99,4% 99,4% 189 Caladinho

ImagensEditar

Vista panorâmica do Morro do Carmo (bairro Nossa Senhora do Carmo) a partir do Centro de Fabriciano.
Rua Caramuru no Pedreira
Vista da Prainha, próxima ao Centro de Fabriciano.
Vista parcial do bairro Santa Luzia
Entrada do bairro Santa Rita

Ver tambémEditar

Referências

  1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Glossário». Consultado em 1º de março de 2013. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2013 
  2. a b Plox (20 de janeiro de 2010). «Vereador quer alterar nome de avenida em Fabriciano». Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  3. Jornal Vale do Aço (5 de junho de 2007). «Comitiva fabricianense discute com Usiminas os reflexos da expansão». Consultado em 1º de março de 2013. Arquivado do original em 22 de setembro de 2011 
  4. Marcos da Luz (21 de janeiro de 2011). «Hora de estruturar a cidade para o futuro». Diário Popular. Consultado em 1º de março de 2013. Arquivado do original em 13 de outubro de 2011 
  5. Jornal Vale do Aço (22 de dezembro de 2011). «Fabriciano: maior número de moradores em favelas». Consultado em 1º de março de 2013. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2011 
  6. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (21 de dezembro de 2011). «Aglomerados subnormais - População residente». Consultado em 1º de março de 2013 
  7. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (21 de dezembro de 2011). «Unidades territoriais do nível Aglomerado Subnormal». Consultado em 1º de março de 2013 

Ligações externasEditar