Abrir menu principal

Lista de operadores do Saab JAS 39 Gripen

artigo de lista da Wikimedia
Ver artigo principal: Saab JAS 39 Gripen

Esta é a lista de países operadores do Saab JAS 39 Gripen, caça multiuso leve monomotor fabricado pela empresa aeroespacial Saab, da Suécia. O avião é o caça mais moderno produzido pela Saab, e foi desenvolvido para substituir o Saab 35 Draken e o Saab 37 Viggen. O avião possui seis versões: JAS-39A, um assento e configuração básica, JAS-39B, dois assentos e baseado na versão A, JAS-39C, um assento e adequado nas normas da Organização do Tratado do Atlântico Norte, JAS-39D, dois assentos e baseado na versão C, JAS-39E, um assento e modernizado e JAS-39F, dois assentos e baseado na versão F.[1] Além dos modelos que são produzidos, outras versões estão em desenvolvimento, como o Sea Gripen, com capacidade de operar a partir de porta-aviões, Gripen UCAV, proposta de veículo aéreo não tripulado e o Gripen EW, avião para utilização em guerra eletrônica.[2]

A Força Aérea da Suécia, país onde o avião é fabricado, opera um total de 98 aviões, sendo 74 do modelo C e 24 do modelo D,[3][4] além de ter mais sessenta aviões encomendados do modelo E. A Força Aérea da República Checa opera um total de quatorze aviões, sendo doze do modelo C, para combate, e dois do modelo D, para treinamento. A Força Aérea da Hungria opera um total de quatorze aviões, sendo doze do modelo C e dois do modelo D. A República Checa e a Hungria operam os aviões que são arrendados da Suécia. A Força Aérea da África do Sul opera 26 aviões, sendo dezessete aviões do modelo C e nove do modelo D. A Força Aérea Real Tailandesa opera doze aviões, sendo oito do modelo C e quatro do modelo D em operação, com mais seis aviões encomendados. A Empire Test Pilots School, do Reino Unido, opera apenas um avião do modelo D para treinamento. A Força Aérea Brasileira, após a escolha do Gripen pelo Projeto FX-2, encomendou 28 aviões do modelo E e oito do modelo F, além de outros 72 aviões, divididos em dois lotes de 36 aviões cada, que poderão ser encomendados.[5][6][7]

AtuaisEditar

SuéciaEditar

Inicialmente, a Força Aérea da Suécia fez um pedido para 204 aviões, divididos em três lotes.[8] A primeira entrega ocorreu em 8 de junho de 1993, quando o avião foi entregue à Flygvapnet durante uma cerimônia em Linköping.[9] A última entrega do primeiro lote ocorreu em 13 de dezembro de 1996. A primeira entrega do segundo lote foi em 19 de dezembro de 1996.[10]

O Gripen entrou em serviço com o esquadrão "F-7 Wing" (F-7 Skaraborgs Flygflottilj, em sueco) em 1 de novembro de 1997.[11][12] O último avião do terceiro lote foi entregue à Suécia em 26 de novembro de 2008, sendo o custo total 10% menor do que o acordado, colocando o valor da aeronave abaixo de trinta milhões de dólares. Este lote de aviões foi equipado para reabastecimento em voo, através dos Lockheed C-130 Hercules especialmente equipados.[13] Em 2007, um programa foi iniciado para atualizar 31 aviões dos modelos JAS 39A/B para os modelos JAS 39C/D.[14] A Suécia possuía 134 Gripens em serviço até janeiro de 2013.[15] Em março de 2015, a Suécia recebeu o seu último avião atualizado.[16]

Em 29 de março de 2011, o Parlamento da Suécia aprovou uma ação de três meses para apoiar a zona de exclusão aérea da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a Líbia. Foram enviados oito Gripens, dez pilotos e outros funcionários de solo no dia 2 de abril.[17] Em 8 de junho, o governo sueco anunciou um acordo para enviar mais cinco aviões.[18] Em outubro, o Gripen havia cumprido mais de 650 missões de combate, com quase duas mil horas de voo, e haviam sido entregues aproximadamente dois mil relatórios à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).[19] O jornalista Tim Hepher publicou que as operações na Líbia poderiam estimular as vendas do Gripen e de outras aeronaves envolvidas.[20]

 
Gripen sueco durante exercícios no Ártico em 2013.

Em novembro de 2012, o tenente-coronel Lars Helmrich da Força Aérea da Suécia encaminhou uma proposta ao parlamento referindo-se ao desenvolvimento do Gripen E. Afirmou que a versão atual do Gripen estaria desatualizada até 2020, e estabeleceu uma meta de sessenta aviões dos modelos E/F na Força Aérea Sueca até aquele ano.[21][22]

Em 25 de agosto de 2012, o governo sueco anunciou que estava sendo estudada a proposta de compra dos sessenta aviões dos modelos E/F até 2023.[23][24] Em 11 de dezembro de 2012, o Riksdag aprovou a compra de sessenta aviões dos modelos E/F, com uma opção para cancelar o pedido se ao menos vinte aeronaves não fossem encomendadas por outros países.[25] Em 17 de janeiro de 2013, o governo aprovou o acordo para compra destes aviões, a serem entregues entre 2018 e 2027.[26] Em 3 de março de 2014, o ministro da Defesa da Suécia declarou que outros dez aviões poderiam ser encomendados.[27][28]

República ChecaEditar

Quando a República Checa tornou-se um membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em 1999, foi necessário substituir os aviões Mikoyan-Gurevich MiG-21, construídos pela Soviete, por aviões compatíveis com os padrões da OTAN. Em 2000, a República Checa começou a avaliar uma série de aeronaves, incluindo o General Dynamics F-16, McDonnell Douglas F/A-18 Hornet, Dassault-Breguet Mirage 2000, Eurofighter Typhoon e o Gripen. Um dos principais critérios que foram avaliados era o de compensação industrial, fixado em 150% do valor de compra esperado.[29] Em dezembro de 2001, após ter sido influenciado pelo generoso programa de financiamento e compensação da Gripen International, o governo checo anunciou que o Gripen havia sido selecionado.[30] Em 2002, o acordo foi adiado até que as eleições parlamentares tivessem ocorrido. Meios alternativos de defesa aérea também foram estudados, incluindo o arrendamento de aviões.[31]

 
Dois Gripens checos, durante treinamento na Lituânia.

Em 14 de junho de 2004, foi anunciado que a República Checa iria arrendar catorze Gripens, modificados para cumprir os padrões da OTAN.[32] O acordo incluiu também o treinamento de pilotos e técnicos checos na Suécia. Os primeiros seis foram entregues em 18 de abril de 2005.[33] O arrendamento foi por um período de dez anos no valor de 780 milhões de euros. Os catorze aviões já haviam servido na Força Aérea da Suécia, sendo doze aviões monopostos e dois bipostos, estes últimos utilizados para treinamentos.[34][35] Em setembro de 2013, a Agência de Exportação de Defesa e Segurança anunciou que um acordo com a República Checa foi concluído para ampliar o contrato em catorze anos, até 2029. As aeronaves arrendadas também deveriam ser submetidas a um extenso processo de modernização, incluindo a adoção de novos recursos de dados.[36] O contrato também tinha opção de adquirir os aviões de forma definitiva.[35] Em 2014, o arrendamento foi prorrogado até 2027 e o contrato de serviço da Saab foi prorrogado até 2026.[37][38]

Em novembro de 2014, o comandante da Força Aérea da República Checa, Libor Štefánik, propôs o arrendamento de mais seis aviões, devido a uma suposta negação da Rússia de fornecer manutenção aos MiG-21 remanescentes.[39] Segundo o porta-voz do Ministério da Defesa, esta proposta era apenas uma visão pessoal do comandante e que a expansão da frota não estaria programada para os próximos anos.[40] No final de 2015, o governo decidiu atualizar sua frota para uma nova configuração de software e hardware, denominada MS20. A atualização custou 69,3 milhões de dólares e incluiu novos pod's de laser para indicação de alvos, armamentos de ataque "ar-superfície" e mísseis "ar-ar".[38]

HungriaEditar

Após a entrada da Hungria na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em 1999, o país foi obrigado a substituir seus aviões de combate para que se compatibilizasse com os padrões da OTAN. Foi considerado adquirir aviões usados, bem como substituir a frota MiG-29 do país. Em 2001, a Hungria recebeu ofertas de aeronaves novas e usadas de várias nações, incluindo a Suécia, Bélgica, Israel, Turquia e Estados Unidos.[41] Embora o governo húngaro inicialmente considerasse adquirir o General Dynamics F-16, em novembro de 2001 estava negociando um contrato de arrendamento de dez anos para doze aviões Gripen, com opção de compra dos aviões no final do contrato.[42][43]

 
Gripen da Força Aérea da Hungria durante um voo invertido.

Como parte dos acordos de aquisição, a Saab ofereceu um acordo de compensação avaliado em 110% do custo dos catorze aviões.[44] Inicialmente, a Hungria planejava arrendar vários aviões Batch II; No entanto, o avião não era equipado para reabastecimento aéreo e a maioria do armamento era incompatível.[45] O contrato foi renegociado e assinado em 2 de fevereiro de 2003 para um total de catorze aviões, inicialmente dos modelos A/B, porém passaram por um processo de atualização para os modelos C/D, compatível com os padrões da OTAN.[46] As últimas entregas de aeronaves ocorreram em dezembro de 2007.[47]

Em 2016, a Força Aérea da Hungria completou dez anos de operação da frota de Gripens sob contrato de arrendamento. O contrato foi renovado em 2012, estendendo o prazo até 2026.[48][49] Em 2011, o país demonstrou interesse em comprar esses aviões de forma definitiva.[50] No entanto, em janeiro de 2012, os governos húngaro e sueco concordaram em prolongar o prazo de arrendamento. De acordo com a ministra da Defesa da Hungria Csaba Hende, o acordo representou uma considerável redução de custos.[49]

Dois aviões foram perdidos em acidentes ocorridos em maio e junho de 2015,[51][52] deixando doze aviões em operação.[53] Em janeiro de 2016, foi assinado um contrato para a reposição das duas aeronaves perdidas, restabelecendo o total de catorze unidades na frota.[54]

África do SulEditar

Em 1999, a África do Sul assinou um contrato com a Saab para a aquisição de 26 aviões dos modelos C/D com algumas modificações para atender aos seus requisitos, com as entregas à Força Aérea da África do Sul iniciando em abril de 2008. [55][56] Em abril de 2011, dezoito aeronaves (nove de dois assentos e nove de um assento) foram entregues.[57] Embora estivesse em estudos o estabelecimento de uma escola de treinamento para pilotos do Gripen na base da Força Aérea de Overberg, em julho de 2013 a Saab descartou a opção por falta de apoio do governo para a iniciativa, considerando estabelecê-la na Tailândia, bem como na base aérea de Čáslav na República Checa.[58][59]

Entre abril e dezembro de 2013, os empresários sul-africanos assumiram a responsabilidade pelos trabalhos de manutenção da frota de Gripens, já que os contratos de suporte com a Saab já haviam expirado. Isto levou a rumores que a vida útil do avião não poderia ser aumentada devido à falta de manutenção adequada.[60] Em dezembro de 2013, a Armscor, agência responsável pela compra de equipamentos bélicos para a Força Nacional de Defesa da África do Sul, fechou com a Saab um contrato de suporte de longo prazo para que a empresa realizasse serviços de engenharia, manutenção e suporte em todos os aviões da frota até 2016.[61] Em março de 2013, a ministra da Defesa da África do Sul, Nosiviwe Mapisa-Nqakula, admitiu que doze Gripens, dos dezoito recebidos em 2011, ainda não haviam sido colocados em operação, e estavam armazenados, devido a um corte de gastos do governo, que impossibilitava a operação dos caças.[62] Em setembro, a ministra decidiu estabelecer um rodízio de aviões voando, para que a manutenção permanecesse constante. No mesmo mês, o brigadeiro-geral John Bayne afirmou que o Gripen havia cumprido os requisitos mínimos, já que o país não enfrentava ameaças militares.[63][64][49]

TailândiaEditar

Em 2007, o Assembleia Nacional da Tailândia autorizou a Força Aérea Real Tailandesa a gastar até 34 bilhões de bahts (1,1 bilhão de dólares) para substituir a frota de Northrop F-5E Tiger II utilizados. Em fevereiro de 2008, a Força Aérea da Tailândia encomendou seis Gripens (dois aviões do modelo C com um assento e quatro aviões do modelo D com dois lugares), com a primeira unidade entregue em 22 de fevereiro de 2011.[65][66] Mais seis aviões do modelo CA foram encomendados em novembro de 2010, com as entregas começando em 2013, havendo ainda um estudo para a encomenda de mais quarenta aviões.[67][68] Em 2010, o país anunciou a Base Aérea de Surat Thani como a principal base operacional do Gripen.[69]

A Saab entregou três aviões em abril de 2013 e mais três em setembro do mesmo ano.[70] No mesmo mês, o Marechal da Força Aérea, Prajin Jantong, afirmou que o país estaria estudando adquirir outras seis aeronaves, enquanto aguardava a aprovação do governo.[65][71] O comandante supremo das Forças Armadas, Thanasak Patimapragorn, declarou que a força aérea pretendia que os sistemas de informação do Gripen fossem integrados aos sistemas do Exército e da Marinha, já que as Forças Armadas iriam inaugurar oficialmente em 2014 o Sistema Integrado de Defesa Aérea.[72]

Reino UnidoEditar

 
Gripen da ETPS no Royal International Air Tattoo de 2008.

A Empire Test Pilots School (ETPS) do Reino Unido utiliza o Gripen para treinamento avançado de pilotos em jatos supersônicos desde 1999, operando um avião do modelo D.[73][74]

FuturosEditar

BotswanaEditar

Botswana demonstrou interesse no Gripen, o que levou a Saab a abrir um escritório no país em 2014.[75][76] O país está interessado em comprar oito aviões dos modelos C/D, pedido que pode ser estendido para dezesseis. Os aviões iriam substituir os quatorze Canadair CF-5 que a Força Aérea de Botswana utilizava desde 1996, aviões com média de quarenta anos de uso.[77][78][79][80] Funcionários do governo afirmaram em junho de 2016, que a Força Aérea estaria prestes a fechar o contrato.[81][82]

BrasilEditar

 
Réplica do cockpit da versão brasileira do Gripen.

O Gripen NG concorreu na licitação para a modernização da Força Aérea Brasileira, conhecida como FX-2. Em 5 de janeiro de 2010, o relatório final de avaliação da FAB colocou o JAS-39 Gripen à frente dos outros dois candidatos. O fator decisivo foi, aparentemente, o custo global dos novos caças, tanto em termos de custo unitário como de operação e manutenção.[83][84]

Em 18 de dezembro de 2013, após mais de dez anos de discussão,[85] o governo brasileiro decidiu pela aquisição destes caças para a FAB. O pacote de 36 aviões teve uma previsão de custo de US$ 4,5 bilhões.[86][87] A nova aeronave será montada no Brasil a partir da quinta unidade, com outros seis países participando no fornecimento dos diversos componentes.[88]

Em outubro de 2014, foi assinado formalmente o contrato da Saab com o governo brasileiro. O fornecimento seria de 28 unidades do Gripen NG de apenas um assento e mais oito de dois assentos. O valor da transação ficou em torno de 5,4 bilhões de dólares (13,4 bilhões de reais), um acréscimo de um bilhão do que era previsto. O aumento foi justificado por componentes técnicos que os militares brasileiros exigiram. Cerca de quinze destas aeronaves seriam montadas no Brasil, mas brasileiros estariam envolvidos em todas as etapas da construção dos 36 caças.[89]

Em 22 de novembro de 2016, foi inaugurado o Centro de Projetos e Desenvolvimento, para a montagem e testes finais dos caças na unidade Embraer Defesa e Segurança, divisão da Embraer localizada na cidade de Gavião Peixoto. O projeto previu a montagem e testes de 36 aeronaves, entre 2019 e 2024.[90]

Segundo analistas internacionais, a produção do modelo no Brasil, que tem a designação FAB F-39, faz com que o país ingresse no restrito mercado de fabricantes de aeronaves de combate de alto desempenho, com o desenvolvimento tecnológico do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e de empresas como a Embraer Defesa e Segurança e a AEL, que produziu o WAD (Wide Area Display), console com uma tela de 16 polegadas, que equipa a versão brasileira.[91][92] Também somente a FAB especificou caças na versão "biposto", para treinamento e missões especializadas, em um total de oito aeronaves, sendo sete montadas no Brasil. Segundo os analistas, esse desenvolvimento faria com que, em uma década, a indústria aeroespacial brasileira esteja capacitada para desenvolver e produzir uma aeronave de combate com as mesmas características, disputando também o mercado internacional.[92]

BulgáriaEditar

Depois que a Força Aérea da Bulgária demonstrou interesse pelo Gripen, o primeiro-ministro Ognyan Gerdzhikov anunciou em 26 de abril de 2017 que uma comissão do governo escolheu o Gripen como o novo avião de combate para a Bulgária. Os oficiais búlgaros planejaram um lote inicial de oito aviões com um custo de 1,5 bilhão de levs (cerca de 745 milhões de euros), a serem entregues entre 2018 e 2020, quando planeja-se encomendar mais oito aviões. No processo de escolha, também foram analisados os General Dynamics F-16, remanescentes da Força Aérea dos Estados Unidos, que seriam remodelados e modernizados para o país pela Indústria Aeronáutica de Portugal, e os Eurofighter Typhoon remanescentes da Força Aérea Italiana.[93]

A comissão do governo foi composta por funcionários dos Ministérios da Defesa, Economia e Finanças e, de acordo com o Ministro da Defesa Stefan Yanev, os principais motivos para a escolha do Gripen foram os custos oferecidos pela Saab, a opção de leasing e os acordos de compensação. O avião sueco, que seria adquirido novo, teria um custo de 1,5 bilhão de levs,[94][95][96][97] enquanto a oferta norte-americana, de aviões usados, teria um valor de 2 bilhões de levs. A decisão está pendente da aprovação do próximo governo do país e do Parlamento da Bulgária. Os novos aviões irão substituir os Mikoyan-Gurevich MiG-29 da Base Aérea de Graf Ignatievo e os Sukhoi Su-25 da Base Aérea de Iambol.[98][99]

ColômbiaEditar

A Saab ofereceu os modelos C/D[100] para a Colômbia, com possíveis entregas entre 2018 e 2021, dependendo do modelo escolhido.[101][74]

FinlândiaEditar

Em junho de 2015, um grupo de trabalho criado pelo Ministério da Defesa da Finlândia propôs a criação de um programa para substituir a frota de McDonnell Douglas F/A-18 Hornet da Força Aérea da Finlândia. O grupo considerou cinco modelos, o Boeing F/A-18E/F Super Hornet, Dassault Rafale, Eurofighter Typhoon, Lockheed Martin F-35 e o Gripen.[102]

Em dezembro de 2015, o Ministério da Defesa do país enviou uma carta ao Reino Unido, França, Suécia e Estados Unidos, solicitando as ofertas de seus aviões. O projeto foi denominado como "HX Fighter Program".[103] As cinco respostas foram recebidas em novembro de 2016. O pedido oficial de cotação será enviado para todos os cinco fabricantes que forneceram respostas ao país na primavera de 2018. O objetivo é iniciar as escolhas em 2019.[104]

ÍndiaEditar

 
Gripen durante o Aero Índia em 2011.

O Gripen concorreu na licitação indiana MRCA, para compra de 126 aviões de combate.[105] Em abril de 2008, a Gripen International ofereceu o Gripen para a licitação da Índia,[106] e abriu um escritório em Nova Deli para apoiar seus esforços no mercado indiano.[107] Em 4 de fevereiro de 2009, a Saab anunciou que havia se associado ao Grupo Tata, para desenvolver o avião com as especificações do país.[108]

A Força Aérea da Índia (IAF) realizou diversos ensaios de campo e avaliou o desempenho em voo do Gripen, a capacidade de logística, os sistemas de armas, sensores avançados e o poder bélico.[109] Em abril de 2011, a IAF rejeitou a proposta do Gripen, classificando o Eurofighter Typhoon e o Dassault Rafale.[110] Mesmo satisfeitos com o melhor desempenho do Gripen, identificaram sua alta dependência do hardware fornecido pelos Estados Unidos, incluindo eletrônicos, armamento e o motor, como fator que poderia dificultar sua exportação.[111]

Em 2015, depois que o pedido do Rafale foi reduzido a 36 aeronaves, a Saab indicou o interesse de criar uma produção conjunta do Gripen na Índia.[112] Em outubro de 2016, foi informado que a Saab, entre outros fabricantes, havia recebido uma proposta solicitando informações, para dar início a um novo processo de escolha de um caça para substituir o Mikoyan-Gurevich MiG-21 e o MiG-27.[113]

IndonésiaEditar

Em julho de 2016, a Saab confirmou a apresentação de uma proposta no início do ano, em resposta à exigência da Força Aérea da Indonésia. A proposta incluiu a aquisição de 16 aviões do modelo C/D por 1,5 bilhão de dólares, para substituir os Northrop F-5E Tiger II em serviço desde a década de 1980. A Saab anunciou que iria cumprir com a Lei Indonésia da Indústria,[114] que exige que funcionários estrangeiros trabalhem com a indústria local, colaborando na produção e compartilhamento de tecnologia. Eles também anunciaram que a oferta poderia substituir os modelos C/D pelo modelo E, caso o país estivesse disposto a aceitar um prazo de entrega mais longo. Os modelos também analisados foram o General Dynamics F-16, Sukhoi Su-35, Dassault Rafale e Eurofighter Typhoon.[115]

SuíçaEditar

Em janeiro de 2008, o Ministério da Defesa da Suíça solicitou à Gripen International que enviasse ofertas para substituir a frota de Northrop F-5E Tiger II e a Saab apresentou uma proposta inicial em 2 de julho de 2008.[23][116] Outros aviões analisados foram o Dassault Rafale e o Eurofighter Typhoon.[117] Em 30 de novembro de 2011, o governo suíço anunciou sua decisão de comprar 22 caças Gripen NG por 3,1 bilhões de francos suíços.[118][119] Em 2012, um relatório confidencial dos testes da Força Aérea da Suíça de 2009 foi vazado, classificando o Gripen como inferior ao Rafale e ao Eurofighter. O Gripen foi avaliado como satisfatório para missões de reconhecimento, mas insatisfatório para a patrulha aérea de combate.[120][121] Apenas as versões C/D foram avaliadas, enquanto o Gripen NG tinha sido apenas oferecido.[122] A comissão de segurança parlamentar descobriu que o Gripen ofereceu o maior risco, mas continuou no programa, pois era a opção mais barata.[123] A avaliação final, em maio de 2014, concluiu que o Gripen era operacionalmente satisfatório no seu desempenho geral.[124]

Em 25 de agosto de 2012, o pedido foi confirmado pelas autoridades suecas e suíças.[125] As entregas eram planejadas para ocorrer entre 2018 e 2021, com um preço fixo de 3,12 bilhões de francos suíços (3,27 bilhões de dólares) incluindo custos de desenvolvimento, sistemas de planejamento, peças iniciais e suporte, treinamento e certificação. O governo sueco também garantiu o preço, desempenho e adequação operacional. Oito aviões do modelo C e três aviões do modelo D seriam alugados de 2016 a 2020, para treinar pilotos suíços.[126][127] Em 2013, a Saab adequou-se para aumentar as compensações da indústria suíça acima de 100% do valor do acordo depois que o Parlamento da Suíça votou o financiamento do acordo.[128] Em 27 de agosto de 2013, o Conselho Nacional aprovou a compra,[129] seguido da aprovação final do parlamento em setembro de 2013.[130][131] Políticos de esquerda e de centro muitas vezes criticaram o Gripen como desnecessário e muito caro. Em 18 de maio de 2014, 53,4% dos eleitores suíços votaram contra a aquisição do avião em um referendo nacional.[132][133] Segundo a imprensa, os eleitores questionaram o papel do avião em geral e a relevância de alternativas como veículos aéreos não tripulados, mísseis terra-ar e capacidade de atuar em ciberguerras.[134]

Em abril de 2015, a Suíça estava preparada para reiniciar os esforços para a aquisição de um novo caça, depois que o Ministério da Defesa anunciou que estaria retirando de serviço um terço da frota de F-5E Tiger II, já obsoleta e apresentando muitos problemas. O então ministro da Defesa, Ueli Maurer, afirmou que a retirada de dez dos 32 F-5Es para reparos, e de um número relativamente pequeno de F/A-18 em serviço, deixariam a defesa aérea em uma posição "crítica".[135] Em um novo processo de compra, com previsão de ser lançado em 2017, o Gripen E/F era novamente considerado o favorito.[136]

OutrosEditar

Outros países que expressaram interesse no avião foram a Argentina (E/F, produzidos no Brasil), Áustria (C/D ou E/F),[100] Bélgica (E/F),[137] Canadá,[138] Equador[139] (C/D, ou E/F, produzidos no Brasil), Estônia,[140] Quênia (C/D),[100] Letônia,[140] Lituânia,[140] Malásia (C/D),[100] México (C/D, ou E/F, produzidos no Brasil),[141] Namíbia (C/D),[100] Peru (C/D, ou E/F, produzidos no Brasil),[140] Portugal (C/D),[140] Sérvia,[142] Eslovênia,[143] Uruguai (C/D, ou E/F, produzidos no Brasil)[100] e Vietnã.[144]

DesistênciasEditar

DinamarcaEditar

Em 2007, a Dinamarca demonstrou interesse em avaliar o Gripen como substituto de 46 aviões General Dynamics F-16, solicitando o desenvolvimento de modelos do avião com motores mais potentes, peso máximo de decolagem maior, alcance mais longo e aviónica adicional. Este pedido contribuiu para a decisão da Saab de prosseguir com o desenvolvimento dos modelos E/F.[145][146] O governo dinamarquês atrasou a decisão de compra, cujo processo foi retomado em 2009. Em 2013, a Saab anunciou que o modelo Gripen estava participando da avaliação pelo governo da Dinamarca, ao lado do Boeing F/A-18E/F Super Hornet, Lockheed Martin F-35 e Eurofighter Typhoon.[147][148] No entanto, o governo sueco anunciou em 21 de julho de 2014 a não participação do Gripen na licitação dinamarquesa, optando por não responder ao convite à apresentação de propostas, como resultado de uma "avaliação abrangente que o governo sueco e a indústria fizeram em conjunto".[149] A seleção final foi em 2015, tendo sido escolhido o Lockheed Martin F-35. Em 2016, foi firmado o contrato de aquisição de 27 caças, com a participação da Dinamarca no projeto, que ainda estava em fase de desenvolvimento. As entregas foram programadas para serem feitas entre 2021 e 2026.[150]

NoruegaEditar

Em 18 de janeiro de 2008, o Ministério da Defesa da Noruega solicitou mais informações sobre o Gripen para a Saab,[151] que emitiu uma oferta para 48 aviões em abril de 2008.[152][153] Em 20 de novembro de 2008, foi anunciada a seleção do Lockheed Martin F-35 para a Força Aérea da Noruega, afirmando que o F-35 era o único avião capaz de atender a todos os requisitos operacionais.[154] A imprensa alegou que a decisão pode ter sido favorecida pela Lockheed Martin.[155] A Saab e o ministro da Defesa da Suécia Sten Tolgfors declararam que os cálculos de custos da Noruega eram falhos e que as projeções de custos não consideraram os custos operacionais do Gripen, além de que a decisão da Noruega havia dificultado as exportações do avião.[156][157][158]

Em dezembro de 2010, diplomatas dos Estados Unidos revelaram que o país atrasou propositalmente o pedido da Suécia pelo radar do Gripen até depois da escolha da Noruega. Os diplomatas também admitiram que a Força Aérea da Noruega teve preferência pelo Gripen, porém escolheu o F-35 devido a pressões políticas do governo.[159]

Países BaixosEditar

Em julho de 2008, os Países Baixos anunciaram que avaliariam o Gripen NG, juntamente com outros quatro aviões. Em resposta, a Saab ofereceu 85 aviões para a Real Força Aérea Neerlandesa em agosto de 2008.[160][161] Em 18 de dezembro de 2008, foi anunciado que os Países Baixos avaliaram o Lockheed Martin F-35 com uma relação entre desempenho e preço melhor que o Gripen NG.[162][163] Em 13 de janeiro de 2009, o jornal neerlandês NRC Handelsblad informou que, de acordo com fontes suecas, a Saab ofereceu 85 aviões por 4,8 bilhões de euros aos Países Baixos, cerca de 1 bilhão de euros mais barato do que o previsto para o F-35.[164]

PolôniaEditar

O Gripen C/D foi oferecido para a Força Aérea da Polônia em 2001, em uma oferta de 48 aviões. Em 27 de dezembro de 2002, o Ministro da Defesa da Polônia Stephen Larrabee anunciou a seleção do General Dynamics F-16.[165] De acordo com Larrabee, a escolha foi influenciada pelo contrato de compensação lucrativo da Lockheed Martin (totalizando 3.5 bilhões de euros e 170% de compensação, contra os 3.2 bilhões de euros e com 146% de compensação do Gripen), e por uma ênfase política no relacionamento estratégico da Polônia com os Estados Unidos.[45] A Gripen International e a Dassault Aviation (que ofereceu o Dassault Mirage 2000) classificaram a decisão como política.[166] De acordo com um ex-ministro da defesa polonesa, a proposta do Gripen foi a melhor em termos financeiros e de performance.[167]

OutrosEditar

O Gripen foi um dos candidatos para substituir o Saab 35 Draken da Força Aérea da Áustria, porém o Eurofighter Typhoon foi selecionado em 2003,[168] mas foi considerado novamente devido aos custos elevados.[100] O governo sueco decidiu não oferecer o avião à Bélgica.[137] Omã analisou o avião para substituir o Eurofighter Typhoon.[169][170] A Romênia decidiu adquirir os General Dynamics F-16 usados.[171]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Klart för nya Super-Gripen» (em sueco). E24 Näringsliv. 17 de abril de 2007. Arquivado do original em 29 de março de 2012 
  2. «Saab shifts Gripen M focus from Brazil to India». IHS Janes. 15 de março de 2017. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 15 de abril de 2017  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  3. «Picture: Swedish air force receives its last Gripen C». FlightGlobal. 25 de março de 2015. Consultado em 28 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 5 de junho de 2016 
  4. «Why Is Sweden Destroying 96 Powerful Fighter Jets That Could Deter Russia?». The National Interest. 7 de dezembro de 2016. Consultado em 28 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2017 
  5. «Após mais de dez anos, Dilma escolhe caças suecos para a FAB». Folha de S.Paulo. 18 de dezembro de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2017 
  6. «15 caças Gripen serão montados no Brasil, diz executivo da Saab». Portal G1 Economia. 27 de outubro de 2014. Consultado em 27 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2017 
  7. «FAB negocia outros dois lotes de Gripen E». Poder Aéreo. 20 de maio de 2016. Consultado em 28 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2016 
  8. «Gripen uses Dubai as launchpad for world sales». Flightglobal. 7 de dezembro de 2003. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2017 
  9. Elliott 1993, p. 30.
  10. Keijsper 2003, p. 30.
  11. Eden 2004, p. 390.
  12. Spick 2000, p. 431.
  13. Bjarke, Louise Wileen (27 de novembro de 2008). «Stark milstolpe av Gripenprojektet» (em sueco). Swedish Defence Materiel Administration. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 6 de maio de 2017  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  14. «Contract Finalized on Gripen's Future» (Nota de imprensa). Saab. 17 de outubro de 2007. Arquivado do original em 3 de novembro de 2013 
  15. «World Military Aircraft Inventory». Nova Iorque: Penton Media. Janeiro de 2013. ISSN 0005-2175 
  16. Hoyle, Craig (25 de março de 2015). «Swedish air force receives its last Gripen C». Londres: Flightglobal. Arquivado do original em 5 de junho de 2016 [ligação inativa]
  17. Hoyle, Craig (4 de abril de 2011). «Libya: Sweden sends Gripens to join Unified Protector». Flightglobal. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2013 
  18. «Sweden reaches new deal on Libya mission». Suécia: The Local. 8 de junho de 2011. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2013 
  19. Silwer, Anders (24 de outubro de 2011). «Sista uppdraget över Libyen» (em sueco). Suécia: Flygvapenbloggen. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2013 
  20. Hepher, Tim (4 de abril de 2011). «How Libya is a showcase in the new arms race». Reuters. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2013 
  21. Kleja, Monica (8 de novembro de 2013). «"Gripen måste moderniseras för att klara flygstrider"» (em sueco). Ny Teknik. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2014 
  22. «Öppen utfrågning om nästa generation JAS Gripen» (em sueco). Suécia: Riksdagen. 8 de novembro de 2012. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2015 
  23. a b «Switzerland Replacing Old F-5 Fighters with New Gripen». Defense Industry Daily. 12 de setembro de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  24. «Det här tjänar skattebetalarna på» (em sueco). Suécia: SVT. 28 de agosto de 2012. Arquivado do original em 3 de novembro de 2013 
  25. «Swedish jet fighter maker Saab receives order to upgrade jets». Europe Online. 15 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 17 de dezembro de 2013 
  26. Hoyle, Craig (17 de janeiro de 2013). Swedish government approves 60-aircraft Gripen E programme. [S.l.]: Flightglobal. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  27. Försvarsministern vill miljardsatsa på flygvapnet (em sueco), Suécia: SVT, 2014, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2017 
  28. Rosén, Hans (22 de abril de 2014), Så vill regeringen stärka försvaret (em sueco), Suécia: DN, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  29. «Tjeckien tar in JAS-offert» (em sueco). Dagens Industri. 17 de outubro de 2000. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 19 de abril de 2016 
  30. Spreen 2007, p. 77.
  31. «Tjeckien stoppar Jas-köp» (em sueco). Dagens Industri. 13 de setembro de 2002. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 19 de abril de 2016 
  32. «Tjeckien leasar Jas» (em sueco). Dagens Industr. 16 de junho de 2004. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 22 de março de 2016 
  33. Bjarke, Louise Wileen (31 de agosto de 2005). «Gripenleverans klar på rekordtid» (em sueco). Defence Materiel Administration. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2017  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  34. «Czechs to extend Swedish Gripen fighter jet lease». Google. 26 de agosto de 2013. Consultado em 27 de agosto de 2017. Arquivado do original em 3 de março de 2014 
  35. a b «The Gripen Family». Shepperton, Middlesex: Ian Allan. Dezembro de 2010 
  36. «Tjeckien: Ja till Gripen» (em sueco). Ny Teknik. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2014 
  37. Hoyle, Craig (19 de maio de 2014). «Czech government signs Gripen lease extension». Flightglobal. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 11 de março de 2017 
  38. a b Hoyle, Craig (12 de maio de 2015). «Czech air force looks to the future with enhanced Gripens». Flightglobal. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 13 de maio de 2015 
  39. Czech military wants to raise number of Gripen fighters (em checo), Praga: Ceské noviny, 11 de novembro de 2014, arquivado do original em 12 de novembro de 2014 
  40. «Armáda chce více gripenu. Kvuli bezpecnosti v Evrope» (em checo). Aktuálne. 11 de novembro de 2014. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 22 de novembro de 2015 
  41. «Ungern på väg rata JAS» (em sueco). Dagens Industri. 28 de agosto de 2001. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 19 de abril de 2016 
  42. «Jas-avtalet värt 5 mdr» (em sueco). Dagens Industri. 12 de novembro de 2011. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 19 de abril de 2016 
  43. Larrabee 2003, p. 24.
  44. Stohl & Grillot 2009, p. 46.
  45. a b Larrabee 2003, p. 25.
  46. «Stridsflygplan JAS 39 C/D» (em sueco). Försvarsmakten. 21 de março de 2011. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 4 de julho de 2017 
  47. «Gripen överlämnad till Ungern» (em sueco). Hallekis-Kuriren. 30 de março de 2006. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 15 de maio de 2008 
  48. «Hungary marks first 10 years of Gripen operations» (em inglês). SAAB. 7 de março de 2016. Consultado em 28 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 20 de julho de 2017 
  49. a b c «Indien vill inte ha Gripen» (em sueco). Svenska Dagbladet. 28 de abril de 2011. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 7 de janeiro de 2014 
  50. «Sweden approves 10-year extension of Hungary Gripen lease». Hungria: BBJ. 24 de janeiro de 2012. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2017 
  51. Hungary: Pilot stable after crash landing Gripen fighter jet, The Big Story, consultado em 26 de agosto de 2017, arquivado do original em 3 de março de 2016 
  52. Örökre búcsút mondhatunk a Gripennek? (em húngaro), Magyar Nemzet Online, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  53. Dull, Szabolcs; Spirk, Jozsef; Botös, Botond; Kolbert, András (19 de maio de 2014), Lezuhant egy magyar Gripen Csehorszagban (em húngaro), Hungria: Index, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 14 de março de 2017 .
  54. «Hungary will sign agreement covering loss of two JAS 39 Gripens». Jane’s. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 8 de junho de 2016 
  55. Eliasson 2010.
  56. Wingrin, Dean (10 de abril de 2011). «SAAF takes delivery of three more Gripens». África do Sul: Defence Web. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  57. Jennings, Gareth (17 de julho de 2013). «Lack of 'positive response' forces Saab to axe South Africa-based Gripen school». Jane's Information Group. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 22 de julho de 2013 
  58. Burger, Marcel (11 de maio de 2015). «Czechs to train future international Gripen pilots». Air heads fly. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 25 de março de 2016  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  59. Martin, Guy (17 de julho de 2013). «SAAF has no Gripen support contract». Defence Web. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 17 de dezembro de 2013  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  60. SAAF receives Gripen support contract, África do Sul: Defence Web, 20 de dezembro de 2013, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 22 de março de 2016 
  61. Hartley, Wyndham (13 de março de 2013). «Almost Half of SA's Gripens 'in Storage'». África do Sul: Business Day. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  62. «12 Gripen Fighter Jets In Long-term Storage Is A Massive Indictment Of The Arms Deal» (em inglês). Democratic Aliance. 12 de março de 2013. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2017 
  63. Heitman, Helmoed-Römer (5 de setembro de 2013). «SAAF to rotate Gripens». Jane's. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 9 de setembro de 2013 
  64. «Arms Deal Commission hears fighter jets met Air Force requirements». África do Sul: South African Broadcasting Corporation. 2 de setembro de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  65. a b Keck, Zackary (13 de setembro de 2013). «Thailand's Air Force: A Leading Power in ASEAN?». The Diplomat. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2014 
  66. Hoyle, Craig (15 de fevereiro de 2008). «Thailand signs contract for six Saab Gripen fighters». Flightglobal. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2013 
  67. Hoyle, Craig (23 de novembro de 2010). «Thailand signs for more Gripen fighters, anti-ship missiles». Flightglobal. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2013 
  68. Acharya 2009, p. 163.
  69. «Signing of Gripen 39 C/D Purchase Agreement» (PDF). Royal Thai Air Force. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original (PDF) em 15 de agosto de 2010  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  70. Waldron, Greg (23 de fevereiro de 2011). «Thailand's primeiro six Gripens arrive in Asia». Flightglobal. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2013 
  71. «Thailand vill köpa fler Gripen» (em sueco). Suécia: Svenska Dagbladet. 22 de outubro de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2013 
  72. «Gripenplan träffades av blixtnedslag» (em sueco). Suécia: Dagens Nyheter. 5 de setembro de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2013 
  73. «Gripen for ETPS, Partnership for Excellence». Saab. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 3 de novembro de 2013  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  74. a b Cavas 2015.
  75. «Saab expands its African footprint». Saab. Março de 2014. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2017 
  76. Martin, Guy (13 de março de 2014). «Saab opens Botswana office». África do Sul: Defence Web. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2017 
  77. «Botswana to buy 16 Saab JAS-39C/D Gripen multirole fighters». Defence Blog. 14 de maio de 2016. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 12 de julho de 2017 
  78. «Eventuell Gripen-affär med Botswana» (em sueco). Suécia: Sydsvenskan. 13 de maio de 2016. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2017 
  79. «Botswana to Acquire 16 Saab JAS-39C/D Gripen Multirole Fighters». Strategic Intelligence Service. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2017 
  80. «Botswana may buy 8 Saab JAS-39C/D Gripen». Quwa. 23 de maio de 2016. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 9 de junho de 2017 
  81. Motlogelwa, Tshireletso (10 de junho de 2016). «Drama of the Gripen jet». Botswana: Business Weekly & Review. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 18 de setembro de 2016  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  82. Helfrich, Kim (20 de junho de 2016). «Botswana going for Gripen». Defence Web. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2017 
  83. «FAB prefere caça sueco a francês». Folha de S Paulo. Folha da manhã. Consultado em 26 de agosto de 2017 
  84. «Gripen favorit i Brasilien». Dagens Nyheter (em sueco). SE. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 7 de janeiro de 2010 
  85. «Cronologia: a compra dos caças, uma negociação de 18 anos». Estadão. OESP. Consultado em 26 de agosto de 2017 
  86. «Governo brasileiro 'esnobou' Boeing na escolha por caça sueco, avalia a imprensa internacional». O Globo. Globo. Consultado em 26 de agosto de 2017 
  87. «Gripen for Brazil» (em inglês). Saab. Consultado em 27 de agosto de 2017 [ligação inativa] 
  88. Gielow, Igor; Odília, Fernanda. «Caça sueco será montado na Embraer, diz FAB». Folha de S.Paulo. Folha da Manhã. Consultado em 27 de agosto de 2017 
  89. "15 caças Gripen serão montados no Brasil, diz executivo da Saab". Consultado em 27 de agosto de 2017.
  90. «Ministro da Defesa inaugura centro que vai produzir caças Gripen NG». Portal G1. 22 de novembro de 2016. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 1 de abril de 2017 
  91. Nelson Düring (3 de setembro de 2015). «WAD – AEL Sistemas e SAAB avançam no Desenvolvimento». DefesaNet. Consultado em 26 de agosto de 2017 
  92. a b Roberto Godoy (2 de julho de 2017). «Novo caça brasileiro começa a alçar voo
    ». O Estado de S.Paulo. Consultado em 26 de agosto de 2017 
  93. Официално: България избра Gripen (em búlgaro), Aeropress, 26 de abril de 2017, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 17 de julho de 2017 
  94. Tsolova, Tsvetelia; Krasimirov, Angel (26 de abril de 2017). «Bulgaria opts for Swedish Gripen combat jets». Sofia: Defense News. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 29 de abril de 2017 
  95. Jennings, Gareth (26 de abril de 2017). «Bulgaria opts for Gripen». Londres: IHS Jane's 360. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 29 de abril de 2017 
  96. «Bulgaria selects Saab Gripen». AirHeads Fly. 26 de abril de 2017. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 26 de abril de 2017  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  97. Tsolova, Tsvetelia; Krasimirov, Angel; Mahlich, Greg (26 de abril de 2017). «Bulgaria opts for Swedish Gripen combat jets». Reuters. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 29 de abril de 2017 
  98. Цветанов: ГЕРБ не участва в задкулисни преговори за изтребителите "Грипен" (em búlgaro), 24 Цаса, 27 de abril de 2017, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 19 de maio de 2017 
  99. Правителството прие като най-изгодна офертата за шведските изтребители "Грипен" (em búlgaro), Дневник, 26 de abril de 2017, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 5 de julho de 2017 
  100. a b c d e f g Jennings 2015.
  101. Saumeth, Esthefan (24 de maio de 2016). «Saab está en disposición de sumministrar su Gripen C/D a Colombia en 18 meses» (em espanhol). Info defensa. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2016 
  102. «Working group proposes multi-role fighters to relocal F/A-18 aircraft». Def Min. 11 de junho de 2015. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2017 
  103. «Requests for Quotation for the HX Programme will be sent to all candidatas». Força Aérea da Finlândia. 24 de abril de 2017. Consultado em 27 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2017 
  104. «The Finnish Defence Forces' Logistics Command received responses concerning the relocalment of the Hornet aircraft». Ministry of Defence. 22 de novembro de 2016. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2017 
  105. «Gripen not on the shortlist for the Indian MMRCA programme» (Nota de imprensa). Saab. 27 de abril de 2011. Cópia arquivada em 28 de março de 2012 
  106. «Saab Offers Gripen to the Indian Air Force» (Nota de imprensa). Saab. 28 de abril de 2008. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  107. «Saab Opens Office in India». Aerospace.com. 28 de janeiro de 2009. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2017 
  108. «Saab and TCS sign Letter of Intent in India» (Nota de imprensa). Saab. 10 de setembro de 2008. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  109. «Gripen Arrives for MMRCA Field Trials» (Nota de imprensa). Free Press Release. 10 de março de 2010. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2012 
  110. «Europeans ahead in $10bn race for jets». The Times of India. 28 de abril de 2011. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2014 
  111. Shukla, Ajai (3 de abril de 2010). «Air Force gives Gripen fighter a second chance». Business Standard. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2014 
  112. Ali, Idrees (18 de abril de 2015). «India Looks to Become Arms Supplier Instead of Buyer». The Voice of America. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2016 
  113. Shukla, Ajai (8 de outubro de 2016). «IAF kicks off contest to make single-engine fighters in India». Business Standard. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2017 
  114. «Indonesia emerging defence economy» (PDF). RSIA. Julho de 2014. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original (PDF) em 24 de janeiro de 2017 
  115. Grevatt, Jon (27 de julho de 2016). «Saab bids in Indonesian fighter contest with Gripen». IHS Jane's 
  116. Tran, Pierre (14 de julho de 2008). «Saab's Gripen Flies Out for Swiss Trials». Springfield: Gannett Government Media. ISSN 0884-139X 
  117. Wall, Robert (11 de novembro de 2009). «Updatad Swiss Fighter Bids Are In». New York: Penton Media. ISSN 0005-2175 
  118. «Schweiz köper 22 Jas Gripen» (em sueco). Suécia: Sveriges Television. 30 de novembro de 2011. Consultado em 27 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2011 
  119. «Sweden to buy 40–60 next generation Saab Gripen jets». Reuters. 25 de agosto de 2012. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  120. Oppliger, Joseph (novembro de 2009). «SAF/OT&E Flight Test Effectiveness Report NFA Evaluation 2008/2009» (PDF). Suíça: SAF. Consultado em 26 de agosto de 2017 
  121. Plattner, Titus (12 de fevereiro de 2012). «Ce qu'Ueli Maurer a caché» (em francês). Le Matin. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  122. «Switzerland Puts Gripen To The Test». Space War. 14 de agosto de 2008. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2012 
  123. «Swiss Fighter Jet Purchase to Go Ahead Despite Criticism». Springfield: Defense News. 21 de agosto de 2012. ISSN 0884-139X. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2013 
  124. «Final verdict Swiss Eval 2012». Fevereiro de 2012. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 20 de julho de 2017 
  125. «Schweiz vidare med Gripen-affär» (em sueco). Suécia: Svenska Dagbladet. 25 de agosto de 2012. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  126. «Sweden to lend Gripen fighters to Switzerland». Suécia: The Local. 29 de junho de 2012. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  127. «Die Schweiz entscheidet sich für einen Schweden» (em alemão). Neue Zürcher Zeitung. 30 de novembro de 2011. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  128. «Saab pledges Swiss production as eyes fighter jet deal». Estocolmo: Reuters. 2 de abril de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  129. «Nationalratskommission sagt Ja zum Gripen» (em alemão). Tages-Anzeiger. 27 de agosto de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  130. «Der Gripen gewinnt an Flughöh» (em alemão). Schweizer Radio und Fernsehen. 11 de setembro de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  131. «Le Conseil national accepte de libérer 3 milliards pour le Gripen» (em francês). RTS Info. 11 de setembro de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2014 
  132. «Eidgenössische Abstimmungen: Das Volk will den Gripen nicht» (em alemão). NZZ. 18 de maio de 2014. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  133. Hoyos, Carola (29 de setembro de 2013). «Saab chief says low price tag makes Gripen jets stand out from rivals». The Financial Times. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  134. «Gripen-Nein: So reagiert die Presse» (em alemão). SRF. 19 de maio de 2014. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2017 
  135. «Switzerland prepares for next attempt at fighter replacement». Flightglobal. 26 de fevereiro de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 2 de julho de 2017 
  136. Lagneau, Laurent (24 de abril de 2015), La Suisse relancera le processus d'acquisition d'avions de combat en 2017 (em francês), Opex 360, consultado em 27 de agosto de 2017, cópia arquivada em 8 de junho de 2017 
  137. a b Insinna 2017.
  138. Augustsson, Tomas (13 de julho de 2013), Saab försöker sälja Gripen till Kanada – igen (em sueco), SvD, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 24 de janeiro de 2017 
  139. Argentina compraría cazas Gripen NG a Brasil (em espanhol), Taringa, 22 de outubro de 2014, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2017 
  140. a b c d e Jennings 2014.
  141. Jasper & Rolander 2014.
  142. Vasovic, Aleksandar; Fletcher, Philippa (16 de dezembro de 2011). «Serb air force seeks new fighter jets». Reuters. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2014 
  143. Kucic, Dino (27 de outubro de 2010). «Croatia, Slovenia to pursue joint fighter deal». Flightglobal. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  144. Phong, Dao (25 de agosto de 2013), Việt Nam sẽ thay thế toàn bộ Mig-21 bằng JAS-39 Gripen (em vietnamita), Người đưa tin, consultado em 27 de agosto de 2017, cópia arquivada em 21 de março de 2017 
  145. «Gripen – A Catalyst for Danish Industry» (Nota de imprensa). Saab. 4 de dezembro de 2007. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 29 de março de 2012 
  146. «New Gripen variants studied by Saab». Flightglobal. 27 de junho de 2006. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  147. «Fighter jet decision postponed – again». The Copenhagen Post. 22 de outubro de 2009. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 23 de outubro de 2009 
  148. «Saab says Gripen in running for Danish fighter deal». The Economic Times. 15 de março de 2013. Consultado em 27 de agosto de 2017. Arquivado do original em 18 de março de 2013 
  149. Stevenson, Beth (23 de julho de 2014), Gripen will not compete in Danish fighter competition, Flight global, consultado em 27 de agosto de 2017, cópia arquivada em 17 de julho de 2015 
  150. «Aftale om anskaffelse af nye kampfly» Acordo sobre a aplicação da nova campanha (PDF) (em dinamarquês). Ministério da Defesa. 9 de junho de 2016. Consultado em 3 de setembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 18 de outubro de 2016 
  151. «Both Switzerland and Norway shows Interest in Gripen» (Nota de imprensa). Saab. 18 de janeiro de 2008. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  152. «Gripen proposal to Norway delivered» (Nota de imprensa). Saab. 28 de abril de 2008. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  153. «WikiLeaks, Weaklings and Weasel». Aviation Week. 3 de dezembro de 2010. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2011 
  154. «Går inn for Joint Strike Fighter» (Nota de imprensa) (em norueguês). Prime Minister's Office. 20 de novembro de 2008. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2014 
  155. Acher, John; Solem, Richard (21 de dezembro de 2007). «Eurofighter suspends Norway, Denmark sale efforts». Reuters. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2013 
  156. Hoyle, Craig (10 de dezembro de 2008). «Saab launches attack on Norway's 'faulty' fighter analysis». Flightglobal. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2014 
  157. «Norge räknade fel i Gripenaffär» (em Swedish). SVT. 10 de fevereiro de 2009. Consultado em 27 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 12 de junho de 2011 
  158. «Gripen passer ikke for Norge» (em norueguês). E24 Näringsliv. 20 de fevereiro de 2009. Consultado em 27 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2011 
  159. «Sweden 'tricked' in failed Norway Gripen bid». The Local. 3 de dezembro de 2010. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  160. «Holland utvärderar Gripen» (em sueco). Dagens Industri. 7 de julho de 2008. Consultado em 27 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2009 
  161. «The Netherlands shows interest in Gripen» (Nota de imprensa). Saab. 25 de agosto de 2008. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  162. Trimble, Stephen (19 de dezembro de 2008). «Dutch military report ranks F-35 superior to rivals». Flightglobal. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  163. «De Vries: JSF is beter dan Gripen» (em alemão). Nederlandse Omroep Stichting. 18 de dezembro de 2008. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2009 
  164. «Saab verrast met prijs opvolger F-16» (em alemão). NRC Handelsblad. 13 de janeiro de 2009. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2013 
  165. «Polish F‐16 cz I» (em polaco). Ministertwo Obrony Narodowej. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 1 de setembro de 2012  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  166. «Dlaczego kupiliśmy F-16, choć Gripen dawał lepszy offset?» (em polaco). Bankier. 12 de abril de 2009. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  167. Chadzynzki, Marek. «Dlaczego kupiliśmy F-16, choć Gripen dawał lepszy offset?» (em polaco). Konflikty. Consultado em 26 de agosto de 2017. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2014  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  168. Cancelled Orders, F-16.net, cópia arquivada em 13 de julho de 2017 
  169. BAe offers Gripen to Oman to replace Jaguar, FlightGlobal, 1 de abril de 1997, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  170. Chuter, Andrew; Mehta, Aaron; Tran, Pierre (4 de janeiro de 2014), Trouble for the twin engine giants?, Defense news, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 22 de outubro de 2014 
  171. Nothing but Netz: Used F-16s for Romania, Defense Industry Daily, 11 de novembro de 2003, consultado em 26 de agosto de 2017, cópia arquivada em 1 de julho de 2017 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar