Abrir menu principal

Lista de países que não possuem forças armadas

artigo de lista da Wikimedia
Países sem forças armadas
  Sem qualquer tipo de força militar
  Com força militar limitada

Esta é uma lista de países que não possuem forças armadas. O termo "país" é usado neste artigo para designar Estados independentes, ou seja, é aplicado apenas para Estados soberanos e não para dependências (por exemplo Guam ou as Bermudas), cuja defesa está dependente de outro país ou outro tipo de força. O termo "forças armadas" refere-se a qualquer sistema de defesa armada financiada e mantida pelo Estado, que pode ser usada em operações internas ou externas, em nome do governo ou do Estado que defendem. Alguns dos países na lista, como a Islândia e o Mónaco, não têm forças armadas, contudo possuem forças militarizadas.[1][2][3]

Grande parte dos 21 países nesta lista tiveram algum tipo de acordo com outro país independente que os ocupava militarmente; um dos exemplos deste acordo é o que existe entre o Mónaco e a França, que tem sido responsável pela defesa do Mónaco durante os últimos 300 anos.[4][5] Alguns países do Tratado de Livre Associação, como é o caso das Ilhas Marshall, dos Estados Federados da Micronésia e de Palau, não têm qualquer poder de decisão nos assuntos de defesa do seu país, tendo até muito pouca influência a nível de relações internacionais.[6][7] Por exemplo, quando a Micronésia negociou o acordo de defesa com os Estados Unidos, fizeram-no a partir de uma posição muito fraca, pois o país dependia imenso da assistência norte-americana.[8] Andorra tem uma força militar extremamente pequena, e pode pedir assistência militar defensiva quando precisar,[9][10] enquanto a Islândia tinha um acordo único com os Estados Unidos que durou até 2006, que obrigava os norte-americanos a defender a Islândia sempre que necessário.[11][12]

Os restantes países são responsáveis pela sua própria defesa, que é efectuada com qualquer tipo de força armada ou então com uma muito limitada. Alguns dos países, como a Costa Rica, o Haiti ou Grenada, passaram por um processo de desmilitarização.[13][14][15] Outros foram formados sem forças armadas, como Samoa há 50 anos atrás;[16] a principal razão sendo que, no momento da sua criação, estavam sob a protecção de outro país. Todos os países nesta lista são considerados como estando numa situação de "não militarização".[17]

O Japão não se encontra incluído nesta lista porque, apesar de oficialmente não ter forças armadas (de acordo com o artigo 9.º da Constituição do Japão), possui uma força equivalente denominada Forças de Autodefesa do Japão. Enquanto é, oficialmente, apenas uma extensão da sua polícia,[18] é de facto uma força militar espalhada pelo território do Japão, responsável pela defesa do mesmo, que apenas pode sair para fora da fronteira do Japão se for para uma missão de paz das Nações Unidas.[19][20] Em 2015, a legislação em torno deste assunto foi alterada para permitir que as Forças de Autodefesa do Japão possam lutar ao lado das forças armadas de países aliados ao Japão, caso partilhem um inimigo comum.[18]

Países sem forças armadasEditar

Países absolutamente sem forças armadas
País Notas Ref(s)
  Andorra Andorra não tem qualquer tipo de força armada, porém tem um pequeno exército voluntário cuja função é unicamente cerimonial. Esta força paramilitar, denominada GIPA (uma força treinada em antiterrorismo), faz parte da polícia nacional. A defesa do país em si é uma responsabilidade da Espanha e da França, dado o tratado de defesa existente entre Andorra e estes dois países. [21][22]
  Domínica Domínica não tem forças armadas desde 1981. A defesa do país é da responsabilidade do Sistema Regional de Segurança. [23]
  Granada Depois de ser invadida por uma coligação militar liderada pelos Estados Unidos, em 1983, Granada não possui desde então uma força armada. A Real Força Policial de Granada presta um serviço paramilitar de segurança interna do país. Já a defesa do país é actualmente da responsabilidade do Sistema Regional de Segurança. [13]
  Kiribati De acordo com a Constituição, a única força permitida no país é a polícia, que inclui uma unidade de vigilância marítima. Esta vigilância está equipada com armamento ligeiro e um navio de patrulha. A defesa militar do país é providenciada pela Austrália e Nova Zelândia, sob um acordo assinado pelos três países. [24][25]
  Liechtenstein Aboliu o seu exército em 1868 devido ao seu elevado custo de manutenção. A constituição de um exército apenas é permitida em tempo de guerra, porém esta situação nunca ocorreu desde então. Contudo, este país detém uma força policial e uma equipa SWAT, ambas armadas para executar tarefas de segurança interna. [26]
  Ilhas Marshall Desde a fundação do país, a única força permitida é uma força policial, que inclui uma Unidade de Vigilância Marítima. Esta unidade está equipada com armamento ligeiro e um navio patrulha. Sob o Tratado de Livre Associação, a defesa do país é da responsabilidade dos Estados Unidos da América. [6][27][28]
  Estados Federados da Micronésia Desde a fundação do país, nenhum tipo de força militar foi alguma vez criada. A única força permitida é a policial, que inclui uma Unidade de Vigilância Marítima, estando a mesma equipada com armamento ligeiro e um navio patrulha. A defesa do país está sob a responsabilidade dos Estados Unidos, através do Tratado de Livre Associação. [29][30]
  Nauru Apesar de se tratar de um acordo informal, a defesa deste país está sob a responsabilidade da Austrália. Contudo, Nauru detém uma força policial, juntamente com uma força policial auxiliar que trata da segurança interna. [31][32][33][34][35]
  Palau Desde a fundação do país, a única força permitida no país é a policial, que inclui uma Unidade de Vigilância Marítima composta por 30 pessoas, equipadas com armamento ligeiro e um navio patrulha. A defesa do país é da responsabilidade dos Estados Unidos, sob o Tratado de Livre Associação. [7][36][37]
  Santa Lúcia A Real Polícia de Santa Lúcia é composta por duas forças paramilitares, a Unidade de Serviços Especiais e a Guarda Costeira, que totalizam 116 efectivos. Estas duas forças são responsáveis pela segurança interna; em caso de conflito armado, a defesa do país é da responsabilidade do Sistema Regional de Segurança. [13][38][39]
  São Vicente e Granadinas A Real Força Policial de São Vicente e Granadinas é constituída por duas forças paramilitares, a Unidade de Serviços Especiais e a Guarda Costeira. A defesa do país em caso de conflito internacional é da responsabilidade do Sistema Regional de Segurança. [13][40]
  Samoa Nunca nenhuma força militar foi criada desde que o país foi fundado; contudo, existe uma pequena força policial e uma unidade de vigilância marítima. Esta unidade está equipada com armamento ligeiro e um navio de patrulha. De acordo com o Tratado de Amizade de 1962, a Nova Zelândia é responsável por assegurar a defesa militar do país. [41][42][43]
  Ilhas Salomão Actualmente sem nenhuma força militar (desde a ocorrência de um conflito étnico em que vários países tiveram que intervir para restaurar a paz e a ordem), detém uma força policial considerável e uma unidade de vigilância marítima, equipada com armamento ligeiro e dois navios patrulha. A defesa militar do país é da responsabilidade da Missão de Assistência Regional para as Ilhas Salomão. [44][45][46][47][48]
  Tuvalu Desde a sua fundação que nenhuma força militar é formada; contudo, existe uma pequena força policial e uma unidade de vigilância marítima, equipada com armamento ligeiro e um navio patrulha. [49]
  Vaticano O Estado do Vaticano detém uma força policial denominada Corpo da Gendarmaria. A famosa Guarda Suíça, apesar de ser uma unidade armada cuja missão é proteger o Papa, está oficialmente sob a autoridade da Santa Sé e não do Estado do Vaticano. Não existe qualquer tratado de defesa com a Itália, sendo que tal tratado violaria a política de neutralidade do Vaticano, porém informalmente as Forças Armadas Italianas ajudam no seu patrulhamento. A Guarda Palatina e a Guarda Nobre foram abolidas em 1970. [50][51][52]

Países com força militar limitadaEditar

Países sem forças armadas, porém com força militar limitada
País Notas Ref(s)
  Costa Rica A constituição da Costa Rica proíbe, desde 1949, a formação de um exército regular. Contudo, o país tem uma força de segurança pública, responsável por fazer cumprir a lei e cuidar da segurança interna. Por este motivo, a Costa Rica é o país-sede da Corte Interamericana de Direitos Humanos e da Universidade para a Paz das Nações Unidas. [15][53]
  Haiti As Forças Armadas do Haiti foram dissolvidas em Junho de 1995, porém várias forças rebeldes têm exigido o seu regresso. A Policia Nacional do Haiti, composta por cerca de 12 mil efectivos, detém várias unidades paramilitares e uma guarda costeira; estas unidades são maiores do que o que seria necessário, considerando que vários países vizinhos têm forças armadas com um menor número de efectivos. Em grande parte devido ao esforços do ex-presidente do Haiti Michel Martelly, desde 2011 que têm vindo a ser feito esforços para reestabelecer as forças armadas. [54][55]
  Islândia Apesar de não ter uma força armada desde 1869, é um membro da NATO. Anteriormente havia um acordo de defesa com os Estados Unidos, que deteve uma base militar entre 1951 e 2006; contudo, o acordo foi alterado, tendo os Estados Unidos se comprometido em assegurar a defesa armada (através da Força de Defesa da Islândia) sem ter uma força militar permanentemente estacionada no país. Apesar de não ter um exército, a Islândia possui uma força militar expedicionária voluntária, um sistema de defesa aérea, uma guarda costeira militarizada e uma força especial dentro da polícia. Além disto, a Islândia detém vários acordos de segurança e defesa com a Noruega, a Dinamarca, e outros países NATO. [11][56][57][58][59]
  Maurícia Maurícia não detém uma força armada desde 1968. A segurança interna é da responsabilidade da polícia, que possui uma unidade especial e uma guarda costeira, ambos paramilitares, equipados com armamento ligeiro. [60][61]
  Mónaco Desistiu de investir nas suas forças armadas durante o século XVII, devido aos avanços tecnológicos no armamento militar que faziam com que as defesas do Estado se tornassem fúteis; porém, ainda detém uma força armada limitada. Embora a defesa do país seja da responsabilidade da França, duas pequenas unidades militares continuam a existir, uma responsável por proteger o Príncipe e o aparelho judicial e a outra pela defesa civil e desempenhar funções de bombeiros. Ambas são bem treinadas e possuem armamento ligeiro. A par destas duas unidades, uma força policial mantém a ordem nas ruas. [4][62]
  Panamá Aboliu as suas forças armadas em 1990, acto confirmado através do voto unânime do parlamento em 1994 que alterou a constituição. As Forças Públicas do Panamá inclui a polícia, um serviço de patrulhamento das fronteiras, um serviço aeronaval e um serviço de protecção institucional, que detém alguma capacidade bélica. [63][64]
  Vanuatu A Força Policial de Vanuatu tem uma unidade paramilitar, denominada Força Móvel de Vanuatu, responsável por missões de segurança interna. Esta força é composta por quase 300 elementos, homens e mulheres, bem equipados com armamento ligeiro. [65][66][67]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «The Defence Act | Defence and Security Affairs | Subjects | Ministry for Foreign Affairs» (em inglês). Mfa.is. Consultado em 24 de junho de 2016 
  2. «Direction de la Sûreté Publique / Département de l'Intérieur / Le Gouvernement / Gouvernement et Institutions / Portail du Gouvernement - Monaco» (em francês). Gouv.mc. Consultado em 24 de junho de 2016 
  3. «Comparative Criminology | Europe - Monaco» (em inglês). Rohan.sdsu.edu. 1 de janeiro de 2002. Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original em 30 de abril de 2012 
  4. a b «Monaco signs new treaty with France» (em inglês). Monaco Consulate. Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original em 21 de outubro de 2007 
  5. «CIA - The World Factbook» (em inglês). Cia.gov. Consultado em 24 de junho de 2016 
  6. a b «Background Note: Marshall Islands» (em inglês). United States Department of State. Consultado em 24 de junho de 2016 
  7. a b «PALAU» (em inglês). Encyclopedia of the Nations. Consultado em 24 de junho de 2016 
  8. Hara, Kimie. «Micronesia and the Postwar Remaking of the Asia Pacific: "An American Lake"» (em inglês). Japan Focus. Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2008 
  9. «Documento BOE-A-1993-16868» (PDF) (em espanhol). BOE.es. 30 de junho de 1993. Consultado em 23 de junho de 2016 
  10. «Andorra Defense Forces - 1990» (em inglês). CIA World Factbook. 1990. Consultado em 24 de junho de 2016 
  11. a b «Iceland Defense Force» (em inglês). Global Security. Consultado em 24 de junho de 2016 
  12. «U.S. Military Forces Leaving Iceland» (em inglês). Usmilitary.about.com. Consultado em 24 de junho de 2016 
  13. a b c d «Treaty Establishing the Regional Security System (1996)» (em inglês). United States Department of State. Consultado em 24 de junho de 2016 
  14. Schanche, Don A. (17 de março de 1990). «Breakup of Palace Guard Helps to Demilitarize Haiti - Los Angeles Times» (em inglês). Articles.latimes.com. Consultado em 24 de junho de 2016 
  15. a b «Costa Rica». World Desk Reference. Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2008 
  16. «Top 10 Countries Without Military Forces | Top 10 Lists» (em inglês). TopTenz.net. 20 de maio de 2010. Consultado em 24 de junho de 2016 
  17. «Non-militarization» (em inglês). Demilitarization. Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original em 25 de dezembro de 2007 
  18. a b «What specifically is the difference between the Japan Self-Defense Forces and any other military national force in the world? - Quora». www.quora.com (em inglês). Consultado em 24 de junho de 2016 
  19. «ASIA-PACIFIC | Q&A: Japan's Self Defence Force». BBC News. 24 de junho de 2016. Consultado em 24 de junho de 2016 
  20. «Japan's About-Face ~ Video: Full Episode | Wide Angle». PBS. 8 de julho de 2008. Consultado em 24 de junho de 2016 
  21. «CIA - The World Factbook». Cia.gov. Consultado em 24 de junho de 2016 
  22. «El Sometent | Tourism». Turisme.andorralavella.ad. 17 de maio de 2011. Consultado em 24 de junho de 2016 
  23. «Overview. 26 countries without armies» (em inglês). APRED. Consultado em 24 de junho de 2016 
  24. «Kiribati Defense Forces - 1991». CIA World Factbook. Consultado em 24 de junho de 2016 
  25. Australian Government, Department of Defence (20 de novembro de 1943). «Operation KIRIBATI ASSIST - Department of Defence». Defence.gov.au. Consultado em 24 de junho de 2016 
  26. «Imagebroschuere_LP_e.indd» (PDF). Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original (PDF) em 16 de maio de 2013 
  27. Marshall Islands | Freedom House
  28. «Top 10 Countries Without Military Forces | Top 10 Lists». TopTenz.net. Consultado em 24 de junho de 2016 
  29. «CIA - The World Factbook». Cia.gov. Consultado em 24 de junho de 2016 
  30. Micronesia | Freedom House
  31. «Nauru». The World Factbook. Consultado em 24 de junho de 2016 
  32. «Guns in Nauru: Facts, Figures and Firearm Law». Gunpolicy.org. Consultado em 24 de junho de 2016 
  33. «CIA - The World Factbook». Cia.gov. Consultado em 24 de junho de 2016 
  34. «Comparative Criminology | Asia - Nauru». Rohan.sdsu.edu. Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original em 21 de novembro de 2015 
  35. «Nauru». Freedom House. Consultado em 24 de junho de 2016 
  36. «Palau» (em inglês). Freedom House. Consultado em 24 de junho de 2016 
  37. «Palau» (em inglês). State.gov. 7 de fevereiro de 2012. Consultado em 24 de junho de 2016 
  38. «Royal Saint Lucia Police Force». Rslpf.com. 4 de novembro de 1961. Consultado em 24 de junho de 2016 
  39. «Saint Lucian Military statistics, definitions and sources». Nationmaster.com. Consultado em 24 de junho de 2016 
  40. «Comparative Criminology | North America - Saint Vincent and the Grenadines». Rohan.sdsu.edu. 27 de outubro de 1979. Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original em 22 de junho de 2015 
  41. «Samoa». The World Factbook. Consultado em 24 de junho de 2016 
  42. «Samoa». State.gov. 1 de fevereiro de 2012. Consultado em 24 de junho de 2016 
  43. «Samoa». Freedom House. Consultado em 24 de junho de 2016 
  44. «Australian defence presence in solomon islands». Australian Government Department of Defense. Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original em 17 de agosto de 2008 
  45. The Solomons Islands 1998-2003 Arquivado em 9 de maio de 2012, no Wayback Machine., britains-smallwars.com/.
  46. «Solomon Islands». Freedom House. Consultado em 24 de junho de 2016 
  47. «CIA - The World Factbook». Cia.gov. Consultado em 24 de junho de 2016 
  48. «Regional Assistance Mission to Solomon Islands - Home». RAMSI. 26 de abril de 2012. Consultado em 24 de junho de 2016 
  49. «Country Context». World Health Organization. Consultado em 24 de junho de 2016 
  50. http://www.miwsr.com/2012/downloads/2012-008.pdf
  51. «CIA - The World Factbook». Cia.gov. Consultado em 24 de junho de 2016 
  52. «The Pope's Soldiers: A Military History of the Modern Vatican Modern War Studies: Amazon.co.uk: David Alvarez: Books». Amazon.co.uk. Consultado em 24 de junho de 2016 
  53. El Espíritu del 48. «Abolición del Ejército». Consultado em 24 de junho de 2016  (Spanish)
  54. «Haiti». World Desk Reference. Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original em 18 de agosto de 2007 
  55. Norby, Michael; Brian, Fitzpatrick (1 de maio de 2012). «Haiti's former soldiers demand reinstatement of army | World news | guardian.co.uk». Guardian. London. Consultado em 24 de junho de 2016 
  56. «U.S. Department of State: Iceland». State.gov. 8 de novembro de 2011. Consultado em 24 de junho de 2016 
  57. «A press release from the Norwegian Ministry of Foreign Affairs». Regjeringen.no. 26 de abril de 2007. Consultado em 24 de junho de 2016 
  58. «An English translation of the Norwegian-Icelandic MoU at the website of the Norwegian Ministry of Foreign Affairs.» (PDF). Consultado em 24 de junho de 2016 
  59. «Danmarks Radio». Dr.dk. 26 de abril de 2007. Consultado em 24 de junho de 2016 
  60. «Background Note: Mauritius». United States Department of State. Consultado em 24 de junho de 2016 
  61. «Mauritian Military Data». Nationmaster.com. Consultado em 24 de junho de 2016 
  62. «La Compagnie des Carabiniers de S.A.S. le Prince - Palais Princier de Monaco». Palais.mc. Consultado em 24 de junho de 2016 
  63. «CIA - The World Factbook». Cia.gov. Consultado em 24 de junho de 2016 
  64. «Panama military - Flags, Maps, Economy, Geography, Climate, Natural Resources, Current Issues, International Agreements, Population, Social Statistics, Political System». Photius.com. Consultado em 24 de junho de 2016 
  65. «Vanuatu». Freedom House. Consultado em 24 de junho de 2016 
  66. «The Vanuatu Police Force». Epress.anu.edu.au. Consultado em 24 de junho de 2016. Arquivado do original em 19 de abril de 2012 
  67. «CIA - The World Factbook». Cia.gov. Consultado em 24 de junho de 2016 

BibliografiaEditar