Abrir menu principal

República (1889-)Editar

Pós-redemocratização (1985-)Editar

Nome Data(s) ou período Local Quantidade de manifestantes Imagem
Greve geral no Brasil em 2019 14 de junho de 2019 Indeterminado.  
Atos Pró-Bolsonaro 26 de maio e 30 de junho de 2019 Indeterminado.
Protestos estudantis em 2019 15 de maio, 30 de maio, 13 de agosto e 7 de Setembro de 2019 1 500 000 (segundo os organizadores) no dia 15 de maio, 2 000 000 (segundo os organizadores) no dia 30 de maio, 1 500 000 (segundo os organizadores) no dia 13 de agosto.  
Movimento Ele Não 29 de setembro de 2018 500 mil manifestantes no Largo da Batata, São Paulo (segundo os organizadores).[1]  
Greve dos caminhoneiros em 2018 de 21 de maio até 30 de maio de 2018 Indeterminado
Greve geral no Brasil em 2017 28 de abril de 2017 Indeterminado. Segundo organizadores, greve teve adesão de 40 000 000 de trabalhadores.  
Fora Temer 2016 e 2017 48 000 segundo policiais militares, 746 000 segundo organizadores.  
Mobilização estudantil em 2016 2016  
Protestos contra o governo Dilma Rousseff 15 de março, 12 de abril, 16 de agosto e 13 de dezembro de 2015 e março, abril e julho de 2016 2 400 000 — 3 000 000[2][2][3] em 15 de março de 2015  
Mobilização estudantil em São Paulo 2015 São Paulo (estado)  
Protestos contra a Copa do Mundo de 2014 Junho de 2013 – Julho de 2014[4]  
Jornadas de Junho abril de 2013 – julho de 2013 Entre 1,25 milhão[5] e 1,55 milhão de manifestantes no dia 20 de junho  
Marcha pela Reforma Antimanicomial 30 de setembro de 2009 Brasília 2300 pessoas
Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros 2007 São Paulo Maior ato, em 17 de agosto de 2007, reuniu cerca de 5 mil pessoas
Marcha dos 100 mil de Brasília 26 de agosto de 1999 Brasília Impreciso. Os organizadores do evento disseram à imprensa que a manifestação reuniu mais de 100 mil pessoas. Porém, o governo do Distrito Federal calculou pouco mais de 40 mil. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, com base em fotos aéreas, haveria 75 mil manifestantes.[6]
Greve dos caminhoneiros em 1999 julho de 1999 700 mil caminhoneiros
Grito dos Excluídos desde 1995 Indeterminado  
Caras-pintadas Ao longo de 1992  
Greve na CSN em Volta Redonda Novembro de 1988 Volta Redonda

Ditadura militar (1964-1985)Editar

Nome Data(s) ou período Local Quantidade de manifestantes Imagem
Diretas Já março de 1983 - abril de 1984 O primeiro ato público ocorreu na Região Metropolitana do Recife, envolvendo cerca de cem pessoas. Seguiram-se comícios nos mais distintos municípios brasileiros, os maiores deles ocorridos em abril de 1984: na Candelária, no Rio de Janeiro, com cerca de 1 milhão de pessoas, e no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, com aproximadamente 1,5 milhão.[7][8]  
Novembrada 30 de novembro de 1979 Florianópolis Cerca de 4 mil pessoas.
Greve da Meia Passagem entre 14 de setembro e 22 de setembro de 1979 São Luís, Maranhão Um ato público na Praça Deodoro reuniu 15 mil pessoas no dia 17.
Greves de 1978-1980 no ABC Paulista 1978-1980 Região do Grande ABC 170 mil operários no auge das greves.  
Marcha da Vitória 22 de abril de 1964 Rio de Janeiro Uma continuação da Marcha da Família com Deus Pela Liberdade, reuniu 1 milhão de pessoas no Rio de Janeiro.[9]
Passeata dos Cem Mil 26 de junho de 1968 Rio de Janeiro Cerca de 100 000  
Marcha contra a Guitarra Elétrica 17 de julho de 1967 São Paulo De 300 a 400 pessoas

Período populista (1946-1964)Editar

Nome Data(s) ou período Quantidade de manifestantes Imagem
Marcha da Família com Deus pela Liberdade entre 19 de março e 8 de junho de 1964 A primeira das 49 marchas aconteceu no dia 19 de março em São Paulo e congregou entre 300 e 500 mil pessoas.[10][11][12]  

Era Vargas (1930-1946)Editar

Nome Período Local Número de manifestantes Imagem
Marcha de 23 de maio 23 de maio de 1932 São Paulo  

Primeira República (1889-1930)Editar

Nome Data(s) ou período Local Quantidade de manifestantes Imagem
Greve geral em 1917 julho de 1917 Cerca de 50.000 pessoas. A greve de 1917 fez parte das mais amplas greves operárias no Brasil no início do século.  
Revolta dos 18 do Forte de Copacabana 5 e 6 de julho de 1922 Rio de Janeiro 18 pessoas  
Revolta da Vacina Entre 10 de novembro e 16 de novembro de 1904 Rio de Janeiro  

Império (1822-1889)Editar

 
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.

Período colonial (1500-1822)Editar

 
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Atos de mulheres contra Bolsonaro se tornam o maior dessas eleições». Universa. UOL. 29 de setembro de 2018 
  2. a b «Mapa das manifestações no Brasil neste domingo, 15». G1. 15 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  3. Miguel Martins (15 de março de 2015). «Brasil vive dia de protestos massivos contra Dilma». Carta Capital. Consultado em 16 de março de 2015 
  4. «Folha de S.Paulo - New York Times - 'Não vai ter Copa' - 29/04/2014». Folha online 
  5. «Protestos pelo pais tem 125 milhão de pessoas um morto e confrontos». 21 de junho de 2013 
  6. «PT quer reeditar "Marcha dos 100 mil" para protestar contra corrupção». Folha Online. 15 de Maio de 2001. Consultado em 15 de abril de 2010 
  7. «Votação da emenda da Diretas Já completa 30 anos». G1. Consultado em 11 de junho de 2019 
  8. «Manifestações do passado: quando o povo foi para a rua». Gazeta do Povo. Consultado em 11 de junho de 2019 
  9. «O golpe militar e a marcha da vitória». Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro. Consultado em 24 janeiro 2013. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  10. Folha de S. Paulo (20 de março de 1964). «"São Paulo parou ontem para defender o regime"». Folha de S.Paulo. Consultado em 15 de março de 2014 
  11. «Marcha da Familia com Deus pela Liberdade completa 47 anos». Jornal do Brasil. 20 de março de 2011. Consultado em 9 de maio de 2013 
  12. KIYOMORI MORI (20 de janeiro de 2004). «Marcha serviu de aval para ação dos militares em 64». Folha de Sao Paulo. Consultado em 9 de maio de 2013