Abrir menu principal

Lista de reis da Galiza

artigo de lista da Wikimedia
Armas do Reino da Galiza.

O reino da Galiza, ou unidade administrativa da Galiza, de jure dependente do reino das Astúrias (até depois do séxulo X) ou de Leão[1], surgiu como reino de facto na primeira divisão das Astúrias por testamento de Afonso III, o Casto entre os seus três filhos (a saber: Garcia I de Leão, Ordonho II de Galiza e Fruela II das Astúrias). Tornando ora a anexar-se, ora a <<independer>> por curto período (não em sentido de autonomia permanente ou de esforços com fins de indepedência), a Galiza, não obstante a emancipassem politicamente testamentos e desavenças internas, consistiu, até Garcia II (1065-1071), numa dentre as três grandes unidades para fins de organização administrativa das Astúrias que esporadicamente se <<independeu>> (demais unidades: Astúrias, propriamente dita, Castela, Leão e, pelos fins do século IX, Portucale)[1]. Deste marco em diante, não se lhe havendo mais conferido independência política, governou-se-a unicamente como território de jure[2] dos sucessivos e absorvidos reinos Leão (até 1230) e Castela (até 1516) pelo vindouro (e hodierno) de Espanha, porquanto o termo Galiza constituísse mero "título" agregado aos das respectivas e sucessivas coroas. Durante breve espaço de tempo, os reis portugueses Fernando I e Afonso V também consideraram-se reis da Galiza (bem como reis de Castela e Leão), por via matrimonial. Oficialmente, a Galiza manteve-se como <<reino>> até 1833, ano em que foi dividida conforme suas quatro actuais províncias. Em 1837, a denominação foi extinguida da intitulação régia, supondo-se-a sob o termo geral de Reino de Espanha.

Índice

Reis da GalizaEditar

Dinastia SuevaEditar

Primeira Dinastia Real (409–456)

Reis durante a Guerra Civil Sueva (457–469) Nota: a guerra civil dividiu o reino e vários reis governaram porções menores da galiza.

Período obscuro (469–550)

Período final dos Suevos (550–585)

Dinastia Asturo-LeonesaEditar

# Nome Início do governo Fim do governo Cognome(s) Notas
1 Afonso III   866 10 de Dezembro de 910 o Grande também rei da Astúrias
2 Ordonho II   10 de Dezembro de 910 924 Também rei de Leão (914-924)[2]; o seu domínio estende-se pelos antigos conventii de Lugo e Braga.
3 Fruela II   924 925 também rei das Astúrias
4 Afonso Froilaz 925 926 o Corcunda Filho de Fruela II
5 Sancho Ordonhes 926 929 filho de Ordonho II[2].
6 Afonso IV   929 931 o Monge Morre em 933
7 Ramiro II   931 951
8 Ordonho III   951 956 o Grande
9 Sancho I   956 958 o Gordo
10 Ordonho IV   958 960 o Mau
9 Sancho I   960 966 o Gordo
11 Ramiro III   966 982
12 Bermudo II   982 999 o Gotoso
13 Afonso V   999 1028 o Nobre
14 Bermudo III   1028 4 de Setembro de 1037

Dinastia JiménezEditar

# Nome Início do governo Fim do governo Cognome(s) Notas
16 Fernando I   1037 27 de Dezembro de 1065 o Grande primeiro rei de Castela
17 Garcia II 1037 1071
18 Sancho II   1071 7 de Outubro de 1072 o Forte Também rei de Castela (1065-1072), irmão de Afonso VI.
19 Afonso VI   7 de Outubro de 1072 1 de Julho de 1109 o Bravo Também rei de Leão e de Castela (1065-1109), utilizando o título de imperador a partir de 1073
20 Urraca I   1 de Julho de 1109 1111 casada com Raimundo da Borgonha (m. 1107) e depois com Afonso I de Aragão, o Batalhador, rei-consorte, não de jure

Dinastia da BorgonhaEditar

Depois da morte de Afonso VII, o reino foi repartido pelos seus dois filhos, Fernando (Leão) e Sancho (Castela e Toledo).

# Nome Início do governo Fim do governo Cognome(s) Notas
21 Afonso VII   1111 21 de Agosto de 1157 o Imperador usando o título de imperador.
22 Fernando II   1157 1188
23 Afonso IX   1188 1230 o Baboso Devido a Afonso VIII de Castela, Afonso tomou o número IX. Foi casado com Berengária de Castela.
24 São Fernando III   1230 30 de Maio de 1252 o Santo também rei de Castela.

A lista prossegue com Lista de reis de Castela.

Portugueses que reclamaram posse da GalizaEditar

Dinastia de BorgonhaEditar

Dinastia de AvisEditar

Referências

  1. a b OLIVEIRA MARQUES, A. H. de. História de Portugal. 11ª ed. Lisboa: Palas, 1983. Vol. I , p. 55.
  2. a b c OLIVEIRA MARQUES, A. H. de. Op. cit., p. 57.