Lista do Patrimônio Mundial no Bahrein

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) propôs um plano de proteção aos bens culturais do mundo, através do Comité sobre a Proteção do Património Mundial Cultural e Natural, aprovado em 1972.[1] Esta é uma lista do Patrimônio Mundial existente no Bahrein, especificamente classificada pela UNESCO e elaborada de acordo com dez principais critérios cujos pontos são julgados por especialistas na área. O Bahrein, pequeno país insular do Golfo Pérsico e uma das mais relevantes nações do mundo árabe contemporâneo, ratificou a convenção em 28 de maio de 1991, tornando seus locais históricos elegíveis para inclusão na lista.[2]

O sítio Qal'at al-Bahrain - Antigo Porto e Capital de Dilmum foi o primeiro local do Bahrein incluído na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO por ocasião da 29ª Sessão do Comitè do Património Mundial, realizada em Durban (África do Sul) em 2005.[3] Desde a mais recente adesão à lista, o Bahrein totaliza 3 sítios classificados como Patrimônio da Humanidade, sendo todos eles de classificação cultural.

Bens culturais e naturaisEditar

O Bahrein conta atualmente com os seguintes lugares declarados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO:

  Qal'at al-Bahrain - Antigo Porto e Capital de Dilmum
Bem cultural inscrito em 2005, estendido em 2008 e 2014.
Localização: Jidd Hafs
Qal'at al-Bahrain é um típico "tell", ou seja, uma colina artificial com estratos formados por sucessivos assentamentos humanos. A estratigrafia deste monte de 300 x 600 metros atesta a presença humana ininterrupta desde 2.300 anos AC. Até o século XVI da nossa era. Foram realizadas escavações arqueológicas em 25% da superfície do local, o que permitiu descobrir estruturas de construção de vários tipos: residenciais, públicas, comerciais, religiosas e militares. Todos eles testemunham a importação deste porto comercial ao longo dos séculos. No topo da colina de 12 metros de altura ergue-se uma impressionante fortaleza ("qal'a" em árabe) construída pelos portugueses, que deu o nome ao local. A capital Dilmum, país onde floresceu uma das mais importantes civilizações antigas da região, floresceu neste "contar". Nele estão os mais abundantes e valiosos vestígios dessa civilização descobertos até hoje, que até as escavações contemporâneas só eram conhecidos por alusões em fontes escritas sumérias. (UNESCO/BPI)
  Indústria perlífera tradicional, testemunho de uma economia insular
Bem cultural inscrito em 2012.
Localização: Al Manamah / Al Muharraq
O local compreende dezessete edifícios na cidade de Muharraq, três margens marinhas de ostras, uma área litorânea e a fortaleza Qal'at Bu Mahir, localizada no extremo sul da ilha de Muharraq, de onde os navios partiam para as margens dos ostras. Este local é o último vestígio cultural completo da tradicional indústria de pérolas que foi uma importante fonte de prosperidade para a região do Golfo entre o século 2 e o início do século 20, até que o Japão começou a desenvolver o cultivo de ostras de pérolas. O local é também um exemplo notável da tradicional exploração dos recursos marinhos, bem como da interação entre o homem e o meio ambiente que moldou a economia e a identidade cultural da sociedade da ilha. (UNESCO/BPI)
  Túmulos da Cultura Dilmum
Bem cultural inscrito em 2019.
Localização: Al Mintaqah al Gharbiyah / Ar Rifa'wa al Mintaqah al Janubiyah
Construídas no período de 2200-1750 aC, as tumbas da cultura Dilmun abrangem um total de 21 sítios arqueológicos localizados na parte oeste da ilha principal deste país. Seis desses locais são necrópoles que abrigam entre algumas dezenas e vários milhares de túmulos, totalizando 11.774 sepulturas cujas construções originais tinham a forma de baixas torres cilíndricas. Os quinze locais restantes contêm 17 tumbas reais construídas na forma de torres de duas camadas. Todas essas tumbas são um testemunho da civilização Dilmun primitiva que floresceu por volta do segundo milênio aC, uma época em que o Bahrein se tornou uma próspera encruzilhada comercial, levando ao surgimento de um complexo sistema tradicional de sepultamento para toda a sua população. Devido ao seu número, densidade e magnitude, bem como à existência de peculiares câmaras mortuárias equipadas com nichos, esses túmulos apresentam características únicas do gênero no mundo. (UNESCO/BPI)

Lista IndicativaEditar

Em adição aos sítios inscritos na Lista do Patrimônio Mundial, os Estados-membros podem manter uma lista de sítios que pretendam nomear para a Lista de Patrimônio Mundial, sendo somente aceitas as candidaturas de locais que já constarem desta lista.[4] Desde 2019, o Bahrein possui 6 locais na sua Lista Indicativa.[5]

Sítio Imagem Localização Ano Dados UNESCO Descrição
Túmulos de Hamad   Al Hadad 2001 Cultural

Ligações externasEditar

Referências