Lista telefônica

Lista telefônica(pt-BR) ou lista telefónica(pt) é uma publicação destinada à divulgação de informações sobre assinantes do serviço de telefonia. Basicamente uma lista telefônica é composta de três seções principais: lista de assinantes (por ordem de nomes), lista classificada (por produtos e atividades) e lista de endereços (por logradouros).[2]

Símbolo internacional de identificação das listas telefônicas oficiais, adotado no Brasil em 1981.[1]

Surgimento da lista telefônicaEditar

 
Primeira lista telefônica do mundo (1878).

Inventado o telefone em 1876 e disseminado o seu uso, logo se fez sentir a necessidade por parte de quem o possuía da relação de quem também o possuísse.

Surgiu então a primeira lista telefônica do mundo, publicada em 21 de fevereiro de 1878 pela Connecticut District Telephone Company em New Haven, estado de Connecticut, nos Estados Unidos.[3] Ela possuía apenas 50 nomes de empresas, escritórios e demais assinantes que tinham um telefone. Esta lista não continha o número do telefone, mas somente a relação de assinantes.[4]

Foi em 1880 em Massachusetts que passou-se a identificar os assinantes pelos números de telefone. Em 1883, em Shian De Laomi, no oeste americano, foi editada a primeira lista em páginas amarelas, sendo que em 1886 foi editada pela R.H. Donnelley Company em Chicago a primeira lista classificada, contendo a relação de assinantes ordenados por atividade.[5]

E finalmente no ano de 1906 a Michigan State Telephone Company publicou um catálogo telefônico contendo a lista de assinantes impressa em papel branco e uma lista classificada, com publicidade dos assinantes, impressa em papel amarelo, formato esse consagrado com o tempo.[5]

Em 1938 a AT&T encomendou a criação de um novo tipo de fonte, conhecido como Bell Gothic, com o objetivo de ser legível em tamanhos de fonte muito pequenos quando impresso em papel de jornal onde pequenas imperfeições eram comuns.

História das listas no BrasilEditar

 
Exemplares de lista telefônica.

InícioEditar

A história das listas telefônicas no Brasil faz parte, naturalmente, da história da telefonia no país. Em janeiro de 1881 foi instalada à Rua da Quitanda, no Rio de Janeiro, a Brazilian Telephone Company (Companhia Telefônica do Brasil), a primeira empresa de serviço telefônico do país.[6] Nesta mesma ocasião, a companhia publicou aquela que seria a primeira lista telefônica do Brasil, numa das páginas do Jornal do Commercio da edição do dia 21 de agosto de 1881, cujo original está na Biblioteca Nacional e que o Museu das Telecomunicações tem microfilmada.[7]

Para procurar números de telefones, a população recorria aos anúncios dos jornais. A inclusão das informações dos novos proprietários de telefone saía nos jornais a cada início de mês, informando os números e endereços. Foi dessa forma que a Companhia de Telégrafos Urbanos (Ferdinand Rodde & Co.) publicou na edição do dia 8 de janeiro de 1884, no jornal A Província de S. Paulo, hoje O Estado de S. Paulo, a primeira lista telefônica da cidade de São Paulo, com 22 assinantes.[8]

Com o aumento do número de assinantes, as listas deixaram de ser publicadas nos jornais e passaram a ser impressas pelas próprias empresas telefônicas. Passaram a existir catálogos e outras publicações que continham os números dos telefones, como os almanaques.[9] A primeira lista em formato de catálogo foi editada em 1882 pela Brazilian Telephone Company com o título de "Guia do Viajante no Rio de Janeiro", com a relação dos então 414 assinantes.[10]

Já a primeira lista telefônica produzida pela Companhia Telefônica Brasileira data de 1918, quando ainda constituía a Rio de Janeiro and São Paulo Telephone Company.[11] As listas telefônicas continuaram a ser editadas pelas próprias concessionárias de serviços telefônicos até 1946, principalmente pela CTB, a maior empresa do Brasil na época.[12]

Primeiras editorasEditar

A partir de 1947 as listas telefônicas passaram a ser publicadas mediante contratação de terceiros.[5] As listas tornaram-se mais sofisticadas e indispensáveis para os proprietários de linhas telefônicas. Até os móveis da época, como as mesinhas de telefone, tinham um compartimento para manter a lista sempre à mão. As listas já tinham algumas páginas coloridas, fotografias e muitos anúncios.[9]

Em vista disso no ano anterior (1946), com uma participação acionária de 25% da CTB, foi fundada a LTB-Listas Telefônicas Brasileiras pelo empresário G. J. Huber, antigo diretor do departamento de listas da CTB, que começou suas atividades como fornecedora dos guias telefônicos do Rio de Janeiro.[13] Nessa época G. J. Huber, em troca dos direitos exclusivos de vender anúncios, ofereceu-se para publicar gratuitamente a lista de assinantes e as Páginas Amarelas.[5]

Em 1954 a CTB vendeu suas ações na LTB para outra empresa, permitindo dessa forma que a LTB, livre do vínculo com a CTB, fizesse listas para outras concessionárias.[14] A partir de 1957, sob o comando de Gilberto Huber (filho do fundador), a empresa se expandiu notavelmente, produzindo guias para quase todo o país, além de editar publicações especializadas.[15]

Nesse período outras editoras entraram no mercado, como a LTP-Listas Telefônicas Paulista e a LTN-Lista Telefônica Nacional.[16][17][18] E já no início de 1970 a LTB-Listas Telefônicas Brasileiras muda sua razão social para Editora de Guias LTB.[19]

Regulamentação das listasEditar

Após a instituição do Código Brasileiro de Telecomunicações em 1962 foi transformado no país o cenário das telecomunicações.[20] A partir daí foram instituídas várias leis visando a regulamentação da publicação de listas telefônicas no país.

O Decreto 57.611/66 em seu art. 23 atribuiu novamente às concessionárias e permissionárias dos serviços de telefonia pública a responsabilidade para a organização, a publicação e a distribuição de listas telefônicas.[21]

Esse artigo seria ampliado com o Decreto 68.417/71 acrescentando as regras do jogo econômico do setor, podendo ou não ser contratadas editoras especializadas para a produção e comercialização de listas,[22] e posteriormente com o Decreto 73.380/73 definindo que as listas telefônicas deveriam conter lista de assinantes, lista classificada e facultativamente lista de endereços e outras de interesse geral, além de coibir a edição paralela de outras publicações com o mesmo fim.[23]

Com essas mudanças e também devido a problemas administrativos, além da visível queda na qualidade de suas publicações, a LTB teve dificuldade crescente de competir com outras editoras que operavam no mercado de listas telefônicas.[24]

A alegação de defasagem entre a inflação elevada e os valores dos contratos com a Telerj e a Telesp - sucessoras da CTB - levou Gilberto Huber a pedir ajuda aos Ministérios da Fazenda e das Comunicações para estudar uma forma de permitir ao Banco do Brasil assumir o seu controle, mas não obteve sucesso.[25][26] Dessa forma a empresa chegou a ser considerada virtualmente insolvente entre 1977 e 1978.[27][28]

Em 1979 haveria o ressurgimento de dificuldades de relacionamento entre a LTB, cuja participação no mercado tinha caído de 90% para 50%, e a Telebras, sendo a editora criticada severamente pelas demais concorrentes pelos privilégios que possuía.[29] No mesmo ano foi editada a Portaria 633/79, que entre outros itens obrigava as concessionárias a contratar com terceiros a produção e distribuição de listas, mas esses terceiros deveriam ser especializados na produção de listas e serem cadastrados na Telebras.[14]

LicitaçõesEditar

Mudanças profundas ocorreram a partir da Lei 6.874/80, onde as empresas exploradoras de serviços públicos de telecomunicações passaram a ser obrigadas a publicar periodicamente as listas, em condições definidas por regulamento, algo que até então não era obrigação.[30][31]

Pelo Decreto 88.221/83, que regulamentou essa lei, foi definido a diferença técnica entre lista telefônica e outras publicações, devido aos questionamentos judiciais frequentes. O decreto também definiu que as listas telefônicas deveriam conter somente lista de assinantes e classificada, sendo que as listas de endereços deveriam ser publicadas a cada dois anos, separadamente, e somente para as principais cidades.[32]

Mas a principal mudança foi na forma de contratar as editoras, onde as concessionárias do sistema Telebras passaram a ser obrigadas a licitar a publicação de listas telefônicas.[33] Com isso houve uma ebulição no mercado de listas, com novas empresas entrando nele, entre elas a Listel e a OESP Gráfica, ambas fundadas em 1983.[34]

Enquanto isso o relacionamento da LTB com a Telerj e a Telesp deteriorava-se sobremaneira. A disputa culminaria com a LTB cancelando de forma unilateral em 1983 seus contratos com as concessionárias por considerá-los lesivos à empresa, embora tendo inúmeros privilégios que as outras editoras não tinham.[35][36][37][14]

Ao mesmo tempo a Ebid Editora Páginas Amarelas, outra empresa do Grupo Gilberto Huber, começou a publicar guias classificados sob a marca Páginas Amarelas, distribuindo-os paralelamente às listas telefônicas oficiais ou suprindo a falta destas nas principais cidades, surgindo uma longa disputa judicial com as concessionárias que permaneceu até o início da década de 90.[38]

Ainda em 1983 foi editada a Portaria 189, que regulamentava a edição de listas telefônicas.[34] Com base nessa portaria, procederam-se licitações no país a partir de 1984 visando a publicação das listas.[39] O ciclo de licitações teve início em São Paulo e Rio de Janeiro, áreas mais afetadas com a saída da LTB, mas em ambos os casos elas transcorreram com vários recursos judiciais, e as populações locais sofreram a falta das listas até a situação ser normalizada.[14][40][41][42]

Após todas as licitações serem realizadas e os problemas judiciais solucionados, as editoras oficiais do sistema Telebras passaram a ser: Listel (Grupo Abril), OESP Gráfica (Grupo Estado), TeleListas, Guiatel, ECTB, LTN, LTP (incorporada pela Listel)[43] e ABC-Sabe (Grupo Algar).[14][44][45]

LiberalizaçãoEditar

O Decreto 99.679/90, que deu nova regulamentação a Lei 6.874/80, fez parte do pacote de liberalização do setor de telecomunicações, acabando com a exclusividade de poucas empresas publicarem listas telefônicas.[46][47][48] Mas como a legislação permitia que os contratos com as editoras fossem renovados, não houve praticamente nenhuma mudança no quadro de editoras oficiais do sistema Telebras até o processo de privatização em 1998.[49]

A Lei 9.472/97 - Lei Geral das Telecomunicações - contém dispositivos que tratam sobre a edição de listas telefônicas, e a Anatel editou a Resolução 66/98, que aprovou o novo regulamento sobre divulgação, edição e distribuição de listas telefônicas, liberando a publicação de listas por qualquer agente privado.[2][50]

Com isso passaram a atuar no setor inúmeras editoras como EBID, Edesp, LC Arte, TPI, Minas Comunicação, Teleprint, BrasilListas, Guia Fácil, Guia Mais, ConsultList, Lista Telefônica Brasil, Lista Fácil entre outras, além das tradicionais Editel, Guiatel, Listel, OESP Mídia Direta, TeleListas, EPIL e SABE, mas a popularização da internet provocou um declínio acentuado do setor de guias impressos.[51][52]

Associação Brasileira de Listas TelefônicasEditar

No Brasil era função da ABL (Associação Brasileira de Listas Telefônicas) representar a categoria econômica das editoras de listas telefônicas em todo território nacional e defender os seus interesses como categoria.

Segundo as normas da ABL, para ser considerada editora de listas telefônicas a pessoa jurídica deveria executar, por si ou por terceiros, a produção, editoração, comercialização de inserções e anúncios para publicação nas listas telefônicas e ou guias informativos e distribuição dos exemplares.[53]

Listas impressasEditar

Sistema TelebrasEditar

 
Página da lista de assinantes da Lista Telefônica Telesp 138, editada pela Listel.

CaracterísticasEditar

Todas as características das listas impressas do sistema Telebras eram regulamentadas por normas, aprovadas através de portarias expedidas pelo Ministério das Comunicações.[54][55]

As listas eram compostas de três seções principais:

  • Lista de assinantes - lista telefônica obrigatória organizada por ordem alfabética de nomes;
  • Lista classificada - lista telefônica obrigatória organizada por ordem alfabética de títulos de atividades econômicas;
  • Lista de endereços - lista telefônica obrigatória para as localidades com mais de 500 mil habitantes, organizada por ordem alfabética de logradouros, sendo editadas separadamente a partir de 1983.

Entre as diversas especificações técnicas exigidas, deveriam constar na capa e no dorso o título da lista (área de abrangência), o tipo de lista (assinantes, classificada ou endereços), o ano de vigência da publicação, os logotipos da concessionária e da editora, a marca registrada das listas oficiais (utilizada a partir da edição 82)[1] e o código numérico nacional da Telebras (utilizado a partir da edição 78).[56]

No verso da capa eram publicados os códigos especiais de serviço da concessionária telefônica, além dos códigos especiais de serviços públicos e de emergência, relacionados por localidade abrangida pela lista.[57] Já na lista de assinantes, cada localidade abrangida por ela deveria ser precedida de uma "abertura de localidades", com dados sobre os telefones de emergência e de serviços públicos essenciais.[55]

Como as listas telefônicas oficiais de todo o país foram padronizadas, cada uma com área de abrangência (definida pelas concessionárias) e código numérico específico, em junho de 1981 foi lançada a Lisbrás, um dicionário para as listas telefônicas, disponibilizada nos postos de serviços para possibilitar aos usuários encontrar em qual lista telefônica se encontrava a relação de assinantes da localidade desejada.[58]

EditorasEditar

As editoras oficiais do sistema Telebras eram as seguintes:[49]

  • Editel Listas Telefônicas (antiga ECTB - Editora de Catálogos Telefônicos do Brasil): editora oficial da Telest, Telepar, Sercomtel, Telebahia, Telergipe e Telasa (16 listas telefônicas)[59]
  • Listel Listas Telefônicas (Grupo Abril): editora oficial de 20 concessionárias e de um lote de listas da Telesp (87 listas telefônicas)[60][61]
  • TeleListas Editora: editora oficial de um lote de listas da Telerj (5 listas telefônicas)[62]
  • Guiatel - Editores de Guias Telefônicos: editora oficial da Telemig (41 listas telefônicas)[63]
  • EPIL - Editora Pesquisa e Indústria (antiga LTN - Editora Lista Telefônica Nacional): editora oficial da Ceterp e de um lote de listas da Telesp (13 listas telefônicas)[64]
  • OESP Gráfica (Grupo Estado): editora oficial de um lote de listas da Telesp e de um lote de listas da Telerj (21 listas telefônicas)[65]
  • SABE - Sociedade Administradora Brasileira de Empreendimentos (Grupo Algar): editora oficial da CTBC-Telecom (6 listas telefônicas)[66]

Listas oficiaisEditar

Relação das listas telefônicas oficiais (assinantes/classificada, exceto endereços) do sistema Telebras:[49]

Código nacional / Título da lista Editora Operadora
100 - São Paulo - Assinantes Empresariais OESP Telesp
102 - São Paulo - Assinantes Residenciais
104 - São Paulo - Classificada Consumidor
105 - São Paulo - Classificada Empresa
107 - Guarulhos
110 - Grande ABC Listel CTBC
122 - Mogi das Cruzes e Região
115 - Osasco EPIL Telesp
124 - Barueri, São Roque e Região
125 - Cotia, Itapecerica da Serra e Região
132 - Baixada Santista Listel Telesp
133 - Litoral Sul e Vale do Ribeira
136 - Litoral Norte
137 - Alto Vale do Paraíba
138 - Vale do Paraíba e Região Serrana
140 - Campinas e Região
145 - Rio Claro e Região
150 - Piracicaba e Região
155 - Jundiaí e Região
160 - Bauru e Região
165 - Marília e Região
170 - Sorocaba e Região EPIL Telesp
173 - Região Sul Paulista
175 - Araçatuba e Região
176 - Presidente Prudente e Região
180 - São José do Rio Preto e Região
181 - Noroeste Paulista
182 - Barretos, Bebedouro, Catanduva e Região
185 - Araraquara e Região
190 - Ribeirão Preto EPIL Ceterp
195 - Mogiana e Alta Mogiana SABE CTBC Telecom
201 - RioListas - Assinantes TeleListas Telerj
205 - RioListas - Amarelas
210 - Baixada Fluminense OESP Telerj
220 - Região Leste Fluminense
230 - Região Serrana Fluminense
240 - Região Norte Fluminense
250 - Região Sul Fluminense
270 - Espírito Santo Editel Telest
300 - Belo Horizonte e Contagem Guiatel Telemig
301 - Região de Expansão Industrial Metropolitana
302 - Estrada dos Inconfidentes
303 - Médio Paraopeba
304 - Nova Lima, Raposos e Rio Acima
310 - Região Centro
312 - Centro-Leste de Minas
315 - Zona da Mata Norte
318 - Vale do Aço
320 - Zona da Mata Sul Guiatel Telemig
322 - Campos da Mantiqueira
323 - Microrregião de Ubá
325 - Microrregião de Muriaé
326 - Zona da Mata Leste
327 - Araguarí e Microrregião do Alto Paranaíba
332 - Vale do Rio Doce
333 - Sete Lagoas e Microrregião do Alto Rio das Velhas
334 - Centro Nordeste de Minas
335 - Vale do Mucuri
337 - Vale do Jequitinhonha
339 - Vertente Ocidental do Caparaó
342 - Planalto de Araxá
343 - Serrana do Alto Paranaíba
350 - Sudoeste de Minas Guiatel Telemig
351 - Sul de Minas Planalto de Poços de Caldas
352 - Sul de Minas Vale do Sapucaí
353 - Sul de Minas Circuito das Águas
354 - Sul de Minas Circuito dos Lagos
355 - Sul de Minas Vale do Rio Grande
370 - Centro-Oeste de Minas Vale do Pará
371 - Centro-Oeste de Minas Cabeceira do São Francisco
372 - Centro-Oeste de Minas Alto São Francisco
380 - Microrregião de Montes Claros e Mineradora do Alto Jequitinhonha
381 - Microrregião da Serra Geral de Minas e do Alto Rio Pardo
382 - Microrregião Sanfranciscana de Januária
383 - Microrregião do Médio Rio das Velhas e Três Marias
384 - Microrregião do Alto Médio São Francisco
385 - Microrregião Mineradora de Diamantina
390 - Pontal do Triângulo Mineiro SABE CTBC Telecom
391 - Uberaba
392 - Uberlândia
393 - Vale do Rio Grande
394 - Alto Paranaíba
400 - Curitiba e Região Metropolitana Editel Telepar
416 - Paraná Litoral
422 - Paraná Sul
432 - Paraná Norte
442 - Paraná Noroeste
452 - Paraná Sudoeste
470 - Vale do Itajaí e Norte Catarinense Listel Telesc
482 - Grande Florianópolis e Sul Catarinense
490 - Oeste Catarinense
500 - Porto Alegre Listel CRT
510 - Região Metropolitana de Porto Alegre
511 - Vale dos Sinos
525 - Litoral Norte do RS
530 - Região Centro do RS
535 - Região Sul do RS
538 - Região da Fronteira Oeste do RS
540 - Região Norte do RS
550 - Região Oeste do RS
555 - Região Nordeste do RS
560 - Pelotas, Capão do Leão e Morro Redondo Listel CTMR
610 - Distrito Federal Listel Telebrasília
615 - Região Geoeconômica de Brasília
621 - Goiânia e Região Metropolitana Listel Telegoiás
623 - Anápolis e Região, Vale do São Patrício e Norte Goiano
624 - Centro-Oeste Goiano
626 - Sul e Sudoeste Goiano
627 - Tocantins
650 - Mato Grosso Listel Telemat
670 - Mato Grosso do Sul Listel Telems
680 - Acre Listel Teleacre
690 - Rondônia Listel Teleron
710 - Salvador e Região Metropolitana Editel Telebahia
730 - Sul e Sudoeste da Bahia
750 - Feira de Santana e Recôncavo Baiano
790 - Sergipe Editel Telergipe
800 - Região Metropolitana do Recife Listel Telpe
811 - Sertão de Pernambuco
812 - Litoral, Zona da Mata e Agreste
820 - Alagoas Editel Telasa
830 - Paraíba Listel Telpa
840 - Rio Grande do Norte Listel Telern
850 - Fortaleza e Região Metropolitana Listel Teleceará
855 - Centro do Ceará
857 - Sul do Ceará
860 - Piauí Listel Telepisa
900 - Belém e Litoral Listel Telepará
915 - Leste, Norte e Sul do Pará
917 - Oeste do Pará
920 - Amazonas Listel Telamazon
950 - Roraima Listel Telaima
960 - Amapá Listel Teleamapá
980 - Maranhão Listel Telma

Listas eletrônicasEditar

VideotextoEditar

 
Exemplo de videotexto.
 Ver artigo principal: Teletexto

O Videotexto foi um serviço inaugurado em São Paulo em dezembro de 1982 pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP) e depois disponibilizado para o resto do país, onde o usuário podia fazer diversos tipos de consultas por meio eletrônico. Nesse serviço estava disponível a primeira versão eletrônica de lista telefônica do Brasil, mas apesar do avanço tecnológico o uso do Videotexto foi bem restrito.[67][68]

AplicativosEditar

Softwares e aplicativos de listas telefônicas são disponibilizados para instalação e utilização nas mais variadas e diversas plataformas como computadores, tablets ou celulares, necessitando-se ou não de Internet para realizar uma procura. As buscas são feitas através de uma pesquisa que faz a filtragem em um banco de dados contendo informações e principalmente o número de telefone procurado.

Inicialmente era utilizado CD-ROM para instalação das listas telefônicas nos computadores, mas atualmente são usados aplicativos para Android, IOS e WindowsPhone, os quais possuem cadastros telefônicos da maior parte do país.

Versão on-lineEditar

As versões on-line das tradicionais listas impressas são produzidas por editoras especializadas em todo o mundo. As funcionalidades das listas on-line são semelhantes às tradicionais, incluem listagens alfabéticas de empresas que podem ser pesquisas por nome da empresa, tipo de atividade, produto ou serviço.

Diferentemente das listas impressas limitadas por espaço físico, as versões on-line permitem através de um único meio (Internet) obter informações sobre centenas de milhares de empresas ao redor do mundo, bem como obter informações adicionais sobre o perfil das empresas e seus produtos e serviços.

Uma das vantagens das versões on-line é que elas são atualizadas diariamente, permitindo maior precisão das listagens já que informações podem ser alteradas a qualquer momento.

GaleriaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b «O Estado de S. Paulo - 08 DE NOVEMBRO DE 1981». Acervo. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  2. a b «ABL - Legislação brasileira que trata sobre a edição de listas telefônicas». web.archive.org. 1 de abril de 2015. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  3. «Sino Azul (RJ) - Ano 1930\Edição 00035». memoria.bn.br. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  4. Jason Zasky. «The Phone Book». Failure Magazine. Consultado em 22 de setembro de 2011 
  5. a b c d «Page 57 - Telebrasil - Janeiro/Fevereiro 1981». mfpaper.com.br. Consultado em 5 de dezembro de 2020 
  6. «Sino Azul (RJ) - Ano 1934\Edição 00080». memoria.bn.br. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  7. «Primeira Lista Telefônica no Brasil». ABL - Associação Brasileira de Listas Telefônicas 
  8. «Primeira lista telefônica da cidade de São Paulo». Estadão - Acervo. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  9. a b «Como era São Paulo sem lista telefônica - noticias - Estadao.com.br - Acervo». Estadão - Acervo. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  10. «Sino Azul (RJ) - Ano 1982\Edição 00402». memoria.bn.br. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  11. «Sino Azul (RJ) - Ano 1978\Edição 00393». memoria.bn.br. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  12. «Listas Telefônicas». oifuturo. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  13. «Sino Azul (RJ) - Ano 1950\Edição 00247». memoria.bn.br. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  14. a b c d e «Page 14 - Telebrasil - Janeiro/Fevereiro 1986». mfpaper.com.br. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  15. Jornal do Brasil, 7 de janeiro de 1970
  16. «O Estado de S. Paulo - 04 DE AGOSTO DE 1956». Acervo. Consultado em 11 de setembro de 2022 
  17. «O Estado de S. Paulo - 28 DE JUNHO DE 1967». Acervo. Consultado em 11 de setembro de 2022 
  18. «O Estado de S. Paulo - 11 DE JULHO DE 1967». Acervo. Consultado em 11 de setembro de 2022 
  19. «O Estado de S. Paulo - 07 DE ABRIL DE 1970». Acervo. Consultado em 8 de dezembro de 2021 
  20. «LEI Nº 4.117, DE 27 DE AGOSTO DE 1962». www.planalto.gov.br. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  21. «Decreto nº 57.611 de 07/01/1966». legis.senado.leg.br. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  22. «Decreto nº 68.417 de 24/03/1971». legis.senado.leg.br. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  23. «Decreto nº 73.380 de 27/12/1973». legis.senado.leg.br. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  24. «Page 64 - Telebrasil - Maio/Junho 1981». mfpaper.com.br. Consultado em 10 de agosto de 2021 
  25. «O Estado de S. Paulo - 13 DE OUTUBRO DE 1976». Acervo. Consultado em 11 de setembro de 2022 
  26. «Page 53 - Telebrasil - Janeiro/Fevereiro 1977». mfpaper.com.br. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  27. «O caso LTB». Veja. 137 páginas. 12 de outubro de 1977 
  28. «O Estado de S. Paulo - 05 DE FEVEREIRO DE 1978». Acervo. Consultado em 11 de setembro de 2022 
  29. «O Estado de S. Paulo - 01 DE JULHO DE 1979». Acervo. Consultado em 11 de setembro de 2022 
  30. «PL 1286/1975 - ATRIBUI A TELEBRAS OU SUAS SUBSIDIARIAS A INCUMBENCIA DE ELABORAR AS LISTAS TELEFONICAS». www.camara.leg.br. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  31. «Lei nº 6.874 de 03/12/1980». www2.camara.leg.br. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  32. «Decreto nº 88.221 de 07/04/1983». legis.senado.leg.br. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  33. «O Estado de S. Paulo - 15 DE OUTUBRO DE 1983». Acervo. Consultado em 18 de agosto de 2022 
  34. a b «Telebrasil - Maio/Junho 1984». mfpaper.com.br. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  35. «O Estado de S. Paulo - 09 DE OUTUBRO DE 1983». Acervo. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  36. «O Estado de S. Paulo - 12 DE OUTUBRO DE 1983». Acervo. Consultado em 11 de setembro de 2022 
  37. «O Estado de S. Paulo - 21 DE OUTUBRO DE 1983». Acervo. Consultado em 11 de setembro de 2022 
  38. «Justiça garante direito das Páginas Amarelas». Jornal do Brasil. 1º Caderno. 13 páginas. Julho de 1991. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  39. «O Estado de S. Paulo - 08 DE ABRIL DE 1984». Acervo. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  40. «O Estado de S. Paulo - 11 DE DEZEMBRO DE 1984». Acervo. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  41. «Page 54 - Telebrasil - Setembro/Outubro 1987». mfpaper.com.br. Consultado em 18 de janeiro de 2021 
  42. «Sino Azul (RJ) - Ano 1987\Edição 00409». memoria.bn.br. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  43. «A Tribuna (SP) - Ano 1988\Edição 00208». memoria.bn.br. Consultado em 5 de dezembro de 2021 
  44. «Page 26 - Telebrasil - Novembro/Dezembro 1987». mfpaper.com.br. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  45. «Folha de S.Paulo - 28.jul.1991». Acervo Digital - Folha de S.Paulo. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  46. «Page 8 - Telebrasil - Novembro/Dezembro 1990». mfpaper.com.br. Consultado em 5 de dezembro de 2020 
  47. «Página 40 do Diário Oficial da União - Seção 1, número 234, de 07/12/1990 - Imprensa Nacional». pesquisa.in.gov.br. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  48. «Page 12 - Telebrasil - Março/Abril 1991». mfpaper.com.br. Consultado em 5 de dezembro de 2020 
  49. a b c «Page 12 - Telebrasil - Novembro/Dezembro 1996». mfpaper.com.br. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  50. «Anatel - Resolução nº 66, de 9 de novembro de 1998». www.anatel.gov.br. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  51. «Page 24 - Telebrasil - Janeiro/Fevereiro 2001». www.mfpaper.com.br. Consultado em 21 de dezembro de 2021 
  52. «ABL - Associadas». web.archive.org. 27 de maio de 2014. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  53. «ABL - Associação Brasileira de Listas Telefônicas». web.archive.org. 27 de maio de 2014. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  54. «Página 45 do Diário Oficial da União - Seção 1, número 216, de 12/11/1990 - Imprensa Nacional». pesquisa.in.gov.br. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  55. a b «Página 47 do Diário Oficial da União - Seção 1, número 235, de 10/12/1990 - Imprensa Nacional». pesquisa.in.gov.br. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  56. «Diário da Noite (SP) - 1978 - edição 15990». memoria.bn.br. Consultado em 22 de novembro de 2020 
  57. «O Estado de S. Paulo - 21 DE JANEIRO DE 1979». Acervo. Consultado em 4 de dezembro de 2021 
  58. «Page 54 - Telebrasil - Março/Abril 1983». mfpaper.com.br. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  59. «Editel Listas Telefônicas S.A.». web.archive.org. 13 de junho de 2000. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  60. «Listel - Companhias Telefônicas». web.archive.org. 8 de abril de 1997. Consultado em 7 de dezembro de 2020 
  61. «Listel - Estados: Produtos e Serviços». web.archive.org. 8 de abril de 1997. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  62. «TeleListas - Listas Telefônicas de cada região e as cidades abrangentes.». rjbr.org. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  63. «Guiatel - Cobertura Geográfica das Listas Telefônicas». web.archive.org. 21 de dezembro de 1997. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  64. «Epil Listas Telefônicas». web.archive.org. Consultado em 7 de dezembro de 2020 
  65. «OESP Mídia - Produtos OESP». web.archive.org. 17 de outubro de 2000. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  66. Martins, Yuri (26 de março de 2020). «Algar 90 anos - De 1960 a 1969». Algar 90 anos. Consultado em 7 de dezembro de 2020 
  67. «Telesp - Relatório Anual de 1982» (PDF). D.O.E. São Paulo 
  68. «Page 45 - Telebrasil - Novembro/Dezembro 1982». mfpaper.com.br. Consultado em 25 de novembro de 2020 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Lista telefônica