Abrir menu principal
"Live to Tell"
Single de Madonna
do álbum True Blue
Lançamento 26 de março de 1986 (1986-03-26)
Formato(s)
Gênero(s) Pop
Duração 5:51
Idioma(s) inglês
Gravadora(s)
Composição
Produção
  • Madonna
  • Patrick Leonard
Cronologia de singles de Madonna
"Gambler"
(1985)
"Papa Don't Preach"
(1986)

"Live to Tell" é uma canção da cantora e compositora norte-americana Madonna, lançada como o primeiro single de seu terceiro álbum de estúdio, True Blue (1986), em 26 de março de 1986, pela Sire Records. Posteriormente, a canção foi incluída nas coletâneas The Immaculate Collection (1990), Something to Remember (1995) e Celebration (2009).

Originalmente composta por Patrick Leonard para a trilha sonora do filme Fire with Fire (1986), o instrumental da canção foi mostrado para Madonna, que decidiu usá-la para o filme do então marido Sean Penn, At Close Range (1986). Madonna escreveu toda a letra, co-compôs as melodias e co-produziu-a com Leonard.

Uma balada pop, a música inclui instrumentação de violões, teclados, bateria e um sintetizador, e sua letra lida sobre ser enganado, desconfiança e cicatrizes de infância. É também sobre ser forte, algo que Madonna recordou em uma entrevista, onde disse que pensou sobre seu relacionamento com seus pais enquanto escrevia a letra. O videoclipe, dirigido por James Foley, mostra a primeira transformação da imagem de Madonna, mostrando-a com um visual mais limpo, cabelo loiro dourado e ondulado, na altura dos ombros, figurino conservador e maquiagem sutil. Essa aparência loira mais suave foi inspirada em Marilyn Monroe, uma artista pela qual Madonna já havia sido influenciada anteriormente.

No geral, "Live to Tell" foi bem recebida pelos críticos de música, que freqüentemente se referiam a ela como a melhor balada de sua carreira. A canção também foi um sucesso comercial, tornando-se o terceiro single número um de Madonna na parada Billboard Hot 100, e seu primeiro número um na parada Adulto Contemporânea. A canção enfrentou controvérsia quando Madonna a apresentou em sua Confessions Tour, de 2006, usando uma coroa de espinhos e pendurada em uma gigante cruz espelhada. A apresentação no Estádio Olímpico de Roma foi condenada por líderes religiosos como um ato de hostilidade contra a Igreja Católica Romana.

Antecedentes e letraEditar

Após Madonna terminar a turnê The Virgin Tour, ela pediu aos produtores Patrick Leonard e Stephen Bray que escrevessem algumas canções com ela e produzirem seu terceiro álbum de estúdio, True Blue (1986). "Live to Tell" era originalmente uma canção instrumental composta por Leonard para a trilha sonora do filme de drama romântico da Paramount, Fire with Fire. "Meus empresários representavam o cara que estava dirigindo o filme; foi seu primeiro filme. Eu vi um pequeno pedaço do filme, e eu tinha o roteiro. Escrevi um tema e disse: 'E se eu conseguisse que Madonna escrevesse a letra pra ela?'", disse Leonard.[1]

No entanto, a Paramount rejeitou a faixa, acreditando que Leonard era incapaz de criar a trilha sonora para o filme. Mais tarde, Leonard apresentou o instrumental à Madonna,[1] que decidiu usá-la em At Close Range (1986), o novo filme estrelado pelo seu então marido, o ator Sean Penn. Madonna escreveu toda a letra, adicionou algumas melodias e compôs a ponte.[2] Ela gravou uma demo da canção em um cassete e apresentou-a ao diretor do filme, James Foley, que gostou e pediu a Leonard para compor a trilha sonora do filme, como sugerido por Madonna.[3]

Leonard estava trabalhando com Michael Jackson, em algumas transcrições para seu álbum Bad, quando Penn chamou-o para ir à casa de Foley. Lá ele perguntou a Leonard quem iria cantar a faixa, já que ela fora escrita sob a perspectiva de um homem. Leonard, embora inicialmente tivesse imaginado uma voz masculina interpretando a canção, decidiu usar Madonna como a vocalista principal e usou a versão demo como vocal principal e apenas a bateria como fundo. Mais tarde ele lembrou que a canção "era tão inocente e tão tímida. É tão ingênua, tão crua, quanto crua pode ser e isso é parte do que lhe deu todo o seu encanto."[3][4] Em uma entrevista, em 1986, Madonna disse que o clima da canção fora inspirado por uma faceta diferente da sua transformação de imagem e seu desejo de focar em algo diferente.[5]

VideoclipeEditar

Seguindo esta linha mais séria, o videoclipe, dirigido por James Foley (também diretor de At Close Range), apresenta cenas do filme intercaladas com cenas de Madonna usando vestido e cabelos sóbrios num fundo preto. Alegadamente, os vocais da canção foram gravados apenas uma vez; os engenheiros de som teriam ficado impressionados com a perfeição da voz da Madonna e resolveram usar a primeira gravação. Alguns fãs afirmam que é possível ouvir Madonna virando as páginas que tinham a letra da canção se a música for ouvida com atenção. Sua estréia mundial ocorreu em 27 de março de 1986 na MTV estadunidense.

SucessoEditar

Entrou no topo da Billboard Hot 100 na semana do dia 7 de junho de 1986 e ficou somente uma semana, mas essa música foi a primeira de Madonna a ficar em primeiro lugar na Eurochart, passando 2 semanas em primeiro lugar. Também atingiu o topo das paradas no Canadá, no Chile, na Itália e no Japão. Atingiu a posição de número dois na parada oficial britânica e irlandesa.

Controvérsia vinte anos após seu lançamentoEditar

Em 2006, a performance da canção na turnê Confessions, onde Madonna interpretava-a em cima de um grande crucifixo espelhado usando uma coroa de espinhos, causou enorme controvérsia. A performance, condenada por membros da Igreja Católica em todo o mundo, tinha a intenção de chamar atenção para a pandemia de AIDS na África mas, de acordo com a cantora, foi mal-interpretada.

Apresentações em turnêsEditar

CoversEditar

Vários artistas já fizeram covers de "Live to Tell". Em 1992, o guitarrista americano Bill Frisell fez um cover da canção em seu quarto álbum, " Have a Little Faith."[6] A cantora italiana Lucrezia fez uma versão uptempo da música, que foi remixada por David Morales. Essa versão alcançou o segundo lugar da tabela Hot Dance Club Songs da Billboard por duas semanas[7] e foi incluída no álbum Logic Pride, Vol. 4, de 2001.[8] Carol Welsman, cantora canadense de jazz, fez um cover da canção em seu álbum homônimo.[9]

Em 1999, a banda Berlin fez um cover da canção para o álbum Virgin Voices: A Tribute to Madonna, Vol. 1.[10] Em uma entrevista para a CNN, Terri Nunn, vocalista da banda Berlin, disse que o tributo era necessário, comentando que "ela[Madonna] influenciou muitas pessoas" e que "Live to Tell era a única canção de Madonna que ela tocaria".[11] Outros covers da canção em álbuns de tributo incluem o de Semi Moore em The Material Girl: A Tribute to Madonna, lançado em 2000,[12] uma versão instrumental no álbum The String Quartet Tribute to Madonna, lançado em 2002,[13] uma versão folk por Winter Flowers no álbum de 2007 Through the Wilderness,[14] e uma versão Hi-NRG por Melissa Totten em seu álbum de 2008, Forever Madonna.[15]

A banda italiana Lacuna Coil lançou seu oitavo álbum de estúdio "Delirium" em abril de 2016. Na sua versão "deluxe" há três músicas bônus, sendo uma delas "Live to Tell".

Versões oficiaisEditar

  • "Live To Tell" – 05:53 (versão do álbum True Blue)
  • "Live To Tell" – 04:37 (versão editada para as estações de rádio)
  • "Live To Tell" – 05:49 (versão instrumental)
  • "Live To Tell" – 05:19 (versão do álbum The Immaculate Collection)
  • "Live To Tell" – 18:59 (versão demo estendida)

Referências

  1. a b Fred Bronson (2003). The Billboard Book of Number 1 Hits (em inglês) ilustrada, revisada ed. E.U.A.: Billboard Books. p. 637. ISBN 9780823076772 
  2. Patrick Leonard (2001). Patrick Leonard Interview: Madonna Collaborations (Transcrição televisiva) (entrevista) (em sueco). Estados Unidos: Sveriges Television 
  3. a b Marco Antonio Perdomo (6 de junho de 2003). «Vivir para contarlo Madonna». Diario Co Latino (em espanhol). Consultado em 1 de julho de 2019 
  4. Rikky Rooksby (2004). Madonna: The Complete Guide to her Music. Col: Complete Guide to the Music of (em inglês) ilustrada, revisada ed. Reino Unido: Omnibus. p. 23. ISBN 9780711998834 
  5. Carol Benson, Allan Metz (1999). The Madonna Companion: Two Decades of Commentary. Col: Complete Guide to the Music of (em inglês) ilustrada, revisada ed. Universidade da Califórnia: Schirmer Books. p. 69. ISBN 9780028649726 
  6. Yanow, Scott. «Have a Little Faith > Overview». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 12 de fevereiro de 2013 
  7. «Hot Dance Club Play: Week Ending August 04, 2001». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. 4 de agosto de 2001. Consultado em 18 de março de 2009 
  8. «Logic Pride, Vol. 4 > Overview». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 12 de fevereiro de 2013 
  9. Henderson, Alex. «Carol Welsman > Overview». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 12 de fevereiri de 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  10. Huey, Steve. «Virgin Voices: A Tribute to Madonna, Vol. 1 > Overview». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 12 de fevereiro de 2013 
  11. Allen, Jamie (7 de abril de 1999). «Justify my tribute: Madonna honored with 'Virgin Voices'». CNN(Turner Broadcasting System). Consultado em 12 de fevereiro de 2013 
  12. Campbell, Al. «The Material Girl: A Tribute to Madonna > Overview». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 12 de fevereiro de 2013 
  13. Loftus, Johnny. «The String Quartet Tribute to Madonna > Overview». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 12 de fevereiro de 2013 
  14. «Through the Wilderness: A Tribute to Madonna > Overview». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 12 de fevereiro de 2013 
  15. «Forever Madonna > Overview». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 12 de fevereiro de 2013