Livraria Martins Editora

A Livraria Martins Editora foi uma editora brasileira fundada em 1937 por José de Barros Martins.

Livraria Martins Editora
Editora
Fundação 1937 (como livraria)
1940 (como editora)
Fundador(es) José de Barros Martins
Encerramento 1974
Sede São Paulo
Produtos Livros

HistóricoEditar

 
José de Barros Martins, Guilherme de Almeida, Carlos Ribeiro, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade, em 1959.

José de Barros Martins era escriturário em uma agência do Banco do Brasil, em São Paulo, quando , em 5 de abril de 1937, resolveu abandonar o emprego para abrir uma livraria numa pequena sala do primeiro andar de um edifício na Rua da Quitanda, em São Paulo.[1]

Martins especializou-se em livros importados, mas com o início da Segunda Guerra Mundial, já não poderia sobreviver com os importados, e organizou seu próprio departamento editorial, sob a direção de Edgard Cavalheiro. O 1º título de Martins, no início de 1940, foi “Direito Social Brasileiro”, de Antonio Ferreira Cesarino Júnior.

Martins publicou a Biblioteca Histórica Brasileira, sob a supervisão de Rubens Borba de Moraes, que posteriormente dirigiu a Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, e depois a Biblioteca das Nações Unidas.

Durante o primeiro ano de José Martins como editor, foram publicadas a obra de Manuel Antônio de Almeida, “Memórias de um Sargento de Milícias”, e Iracema, de José de Alencar, esta com 12 ilustrações de Anita Malfatti, ambos fazendo parte da coleção Biblioteca de “Literatura Brasileira”. Havia também a coleção “Biblioteca do Pensamento Vivo”, com antologias críticas de autores como Rousseau, Montaigne, Voltaire, Emerson, entre outros. Em 1943, a Martins iniciou-se a “Coleção Mosaico”, composta de obras contemporâneas brasileiras.

Durante a era Vargas, houve alguns conflitos com o governo. Quando resolveu publicar o “ABC de Castro Alves”, um trabalho de críticaliterária de Jorge Amado, na ocasião um autor proscrito, houve problemas com a censura, mas a obra acabou sendo publicada.

Durante 32 anos a editora teve a exclusividade das obras de Jorge Amado, com exceção de apenas 3 títulos: “O Mundo da Paz”, de 1951, “Cavaleiro da Esperança”, ambos publicados pela Editora Vitória, e “A Morte e a Morte de Quincas Berro d'Água", de 1962, pela Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil.

Martins promoveu, voluntariamente, a liquidação de sua companhia em 1974, mas procurou manter-se no ramo, negociando os mais valiosos contratos de publicação com a Editora Record[2].

Nos anos 2000, em homenagem à Livraria Martins Editora de José de Barros Martins, Evandro Martins Fontes fundou a editora Martins Fontes - selo Martins.[3]

ColeçõesEditar

  • Biblioteca de Ciências Sociais
  • Biblioteca de Literatura Brasileira
  • Biblioteca do Pensamento Vivo
  • Biblioteca Histórica Brasileira
  • Coleção Mosaico

Biblioteca Histórica Brasileira [4]Editar

Os nomes dos autores foram deixados como encontrados nas obras. São 19 títulos e 23 volumes, por alguns terem dois tomos.

  • 1 - Viagem pitoresca através do Brasil, João Maurício Rugendas
  • 2 - Viagem à provincia de São Paulo e resumo das viagens ao Brasil, provincia Cisplatina e missões do Paraguai, Auguste de Saint-Hilaire
  • 3 - Reminiscências de viagens e permanência no Brasil - compreendendo notícias históricas e geográficas do império e de diversas províncias (Rio de Janeiro e província de São Paulo), Daniel P. Kidder(*)
  • 4 - Viagem pitoresca e histórica ao Brasil, Tomos 1 e 2, Jean Baptiste Debret
  • 5 - Memórias de um colono no Brasil (1850), Thomas Davatz
  • 6 - Brasil pitoresco, Tomos 1 e 2, Charles Ribeyrolles
  • 7 - Viagem à terra do Brasil, Jean de Léry
  • 8 - Dez anos no Brasil, Carl Seidler
  • 9 - Memorável viagem marítima e terrestre ao Brasil, Joan Nieuhof
  • 10- Notas sôbre o Rio-de-Janeiro e partes meridionais do Brasil, tomadas durante uma estada de dez anos nesse país, de 1808 a 1818, John Luccock
  • 11- Viagem às missões jesuíticas e trabalhos apostólicos, Antonio Sepp
  • 12- Reminiscencias de viagens e permanencia no Brasil - compreendendo notícias históricas e geográficas do império e de diversas províncias, Daniel P. Kidder(*)
  • 13- Imagens do Brasil, Carl von Koseritz
  • 14- Os caduveo, Guido Boggiani
  • 15- História da missão dos padres capuchinhos na Ilha do Maranhão e terras circunvizinhas, Claude D'Abbeville
  • 16- Notícia do Brasil, Tomos 1 e 2, Gabriel Soares de Sousa
  • 17- Contribuições para a história da guerra entre o Brasil e Buenos Aires, Rubens Borba de Moraes
  • 18- Galeria dos Brasileiros ilustres, Tomos 1 e 2, Sisson Sebastião Augusto
  • 19- Viagem ao Brasil através das províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais: Visando especialmente a história natural dos Distritos Auri-diamantíferos, Hermann Burmeister

(*) Os títulos 3 e 12, ambos de Daniel P. Kidder, parecem referir-se aos dois tomos em que a obra está publicada pelo editor original, Sorin & Ball, em 1845[5].

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil: sua história. São Paulo: EdUSP, 2005, p. 413
  2. Hallewell, p. 429
  3. Catálogo Martins Editora, lançamento da Martins Fontes em tributo à Livraria Martins Editora
  4. LibraryThing Relação das 19 obras publicadas, consultada em 2017-10-25
  5. Senado Federal, Biblioteca Digital HathiTrust, Digital Library catálogos dessa obra de Daniel P. Kidder nas bibliotecas

Referências bibliográficasEditar

Ligações externasEditar