Lomboque

(Redirecionado de Lombok)

Lomboque[1] (Lombok) é uma ilha da Indonésia, separada de Bali a oeste pelo estreito de Lomboque, e de Sumbava a leste pelo estreito de Alas. A sua capital é a cidade de Mataram. Pertence à Província das Pequenas Ilhas de Sonda Ocidental e tem cerca de 3,3 milhões de habitantes (2014). Situa-se do "lado insular" da linha de Wallace e tem frequentes ligações marítimas a Bali.

Lombok
Praia de Senggigi, em Lombok
Lombok está localizado em: Indonésia
Lombok
Localização na Indonésia
Coordenadas: 8° 34' S 116° 20' E
ID - Lombok.PNG
Localização na Indonésia
Geografia física
País Indonésia
Arquipélago Pequenas Ilhas da Sonda
Área 4 514  km²
Geografia humana
População 3 311 044 (2014)
Densidade 733,5  hab./km²
Principal povoação Mataram
Gunung Rinjani from Gili Trawangan 1.jpg
Panorama da ilha

HistóriaEditar

 
Mapa topográfico da ilha de Lomboque
 
Mapa da Indonésia com a localização de Lomboque

Uma equipa internacional[2] identificou o vulcão nesta ilha como responsável por uma das mais enormes explosões vulcânicas dos últimos 7000 anos, ocorrida em 1257. Este é o vulcão Samalas, cuja erupção é evocada no Babad Lombok ("Lombok Chronicle")[3][4].

O Nagarakertagama, um poema épico escrito em 1365 durante o reinado (1350-1389) do rei Hayam Wuruk do Império de Majapait em Java Oriental, cita Lombok entre as "terras dependentes" deste reino. De acordo com as lendas locais, duas das aldeias mais antigas de Lombok, Bayan e Sembalun, foram fundadas por um príncipe de Majapait. As referências a uma origem majapait são comuns em Lombok e na ilha vizinha de Bali. Elementos javaneses podem ser encontrados na língua sasak de Lombok.

O Islão só apareceu em Lombok na primeira metade do século XVII. A tradição diz que um certo Sunan Prapen, filho de Susuhunan Ratu de Giri, é o primeiro a espalhar a nova fé. Um manuscrito sobre a folha de palmeira lontar, o Babad Lombok ("Crónica de Lombok"), conta que Sunan Prapen foi enviado pelo seu pai para uma expedição militar a Lombok e Sumbawa para converter a população. Outro manuscrito sobre o lontar, o Petung Bayan, diz que o primeiro rei a converter-se é o Rei de Bayan. No entanto, estes dois manuscritos não podem ser considerados fontes históricas fiáveis. Em todo o caso, parece que desde o início, a nova religião adquire um carácter sincrético, misturando os elementos animistas, hindu-budistas e islâmicos.

Na década de 1630, o Dewa Agung (Rei) do Gelgel de Bali liderou campanhas de conquista em Lombok e Sumbawa, onde encontrou a expansão do Sultanato de Gowa ao sul de Sulawesi. No final do século XVIII, os soldados Bugis e Makassar, fugindo do autoritarismo do seu soberano, percorreram os mares do arquipélago e desmantelaram-se em Lombok.

Os holandeses surgiram em Lombok em 1674. Instalaram-se na parte oriental da ilha, com os reis balineses de Karangasem a reivindicarem a soberania sobre a parte ocidental.

Em 1740, Lombok estava firmemente sob o controlo de Karangasem. No início do século XIX, a relação foi invertida e foi o rei balinesa de Lombok que foi governante de Karangasem. Lombok apoia a campanha holandesa contra Karangasem.

Mas os holandeses queriam controlar Lombok. Em 1891, o rei balinesa de Lombok levantou tropas entre os seus súbditos muçulmanos sasak para fazer campanha em Bali. O evento desencadeou uma revolta, liderada por um mestre religioso. Os holandeses tornaram-no um pretexto para a intervenção, e desembarcaram em Lombok em 1894. Uma primeira expedição foi encaminhada por tropas balinesas. Mas os holandeses acabaram por conquistar a capital. A invasão do último reduto dos balineses levou-os a cometer o puputan, uma batalha até à morte. A Guerra de Lombok tinha acabado. Os holandeses ocuparam a ilha de 1894 a 1942.

Nos tempos coloniais, Lombok foi, juntamente com Ambon, Gorontalo e Minahasa, uma das quatro regiões orientais das Índias Holandesas a estar sob administração direta.[5]

Em 2018 vários sismos fortes atingiram a ilha.

Referências

  1. EBM 1967, p. 157.
  2. «Source of the great A.D. 1257 mystery eruption unveiled, Samalas volcano, Rinjani Volcanic Complex, Indonesia» (PDF). pnas.org (em inglês). 30 de setembro de 2013. Consultado em 2 de outubro de 2013 
  3. «Supporting Information» (PDF). pnas.org (em inglês). 30 de setembro de 2013. Consultado em 2 de outubro de 2013 
  4. Pierre Barthélémy (1 de outubro de 2013). «Le mystère de la plus grande éruption volcanique du dernier millénaire est résolu». passeurdesciences.blog.lemonde.fr. Le Monde. Consultado em 2 de outubro de 2013 
  5. John D. Legge, Problems of Regional Autonomy in Contemporary Indonesia, Equinox Publishing, Singapura (2009), p. 65

BibliografiaEditar

  • Enciclopédia Brasileira Mérito (EBM) Vol. XI. São Paulo: Mérito S. A. 1967 
  Este artigo sobre Geografia da Indonésia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.