Loránd Eötvös

físico húngaro

Loránd Eötvös (Buda (Hungria), 27 de julho de 1848Budapeste, 8 de abril de 1919) mais comumente chamado Baron Roland von Eötvös na literatura em Inglês,[1] foi um físico húngaro. É lembrado hoje em grande parte por seu trabalho sobre gravitação e tensão superficial, e a invenção do pêndulo de torção.

Loránd Eötvös
Loránd (Roland) Eötvös
Experimento de Eötvös
Nascimento 27 de julho de 1848
Buda (Hungria)
Morte 8 de abril de 1919 (70 anos)
Budapeste
Residência Hungria
Sepultamento Cemitério de Kerepesi
Nacionalidade húngaro
Cidadania Hungria
Progenitores
  • Josef von Eötvös
Filho(s) Ilona and Rolanda von Eötvös, Ilona von Eötvös, Rolanda von Eötvös
Alma mater Universidade de Heidelberg
Ocupação físico, matemático, professor universitário, académico, político, engenheiro, inventor
Empregador Universidade Eötvös Loránd
Orientador(es) Hermann von Helmholtz
Campo(s) física
Título barão

A Universidade Eötvös Loránd,[2] a Competição de Matemática Loránd Eötvös,[3] e a cratera Eötvös na lua[4] receberam o seu nome.

Balança de torçãoEditar

Uma variação da invenção anterior, a Balança de torção, o pêndulo de Eötvös, projetado pelo barão húngaro Loránd Eötvös, é um instrumento sensível para medir a densidade de estratos rochosos subjacentes. O dispositivo mede não apenas a direção da força da gravidade, mas a mudança na extensão da força da gravidade no plano horizontal. Ele determina a distribuição das massas na crosta terrestre. A balança de torção Eötvös, um importante instrumento de geodésia e geofísica em todo o mundo, estuda as propriedades físicas da Terra. É utilizado na exploração de minas e também na busca de minerais, como petróleo, carvão e minérios. O pêndulo de Eötvös nunca foi patenteado, mas após a demonstração de sua precisão e inúmeras visitas do exterior à Hungria, vários instrumentos foram exportados para o mundo todo e os mais ricos campos de petróleo dos Estados Unidos foram descobertos usando-o. O pêndulo de Eötvös foi usado para provar a equivalência da massa inercial e a massa gravitacional com precisão, em resposta à oferta de um prêmio. Essa equivalência foi usada mais tarde por Albert Einstein ao estabelecer a teoria da relatividade geral.[5][6]

É assim que Eötvös descreve seu equilíbrio:

Era apenas um bastão simples e reto que usei como instrumento, especialmente carregado nas duas pontas, envolto em uma bainha de metal para protegê-lo do vento e das mudanças de temperatura. Sobre este bastão, cada massa, perto ou longe, exerce uma força de direção; mas o fio sobre o qual está pendurado resiste e, embora resistindo, torce, com o grau dessa torção nos mostrando a magnitude exata das forças que atuam sobre o bastão. Este é um equilíbrio de Coulomb, e isso é tudo que há para fazer. É simples, como a flauta de Hamlet, você só tem que saber tocá-la, e assim como o músico que pode deliciar você com variações esplêndidas, o físico pode, neste equilíbrio, com não menos prazer determinar as variações mais finas. de gravidade. Desta forma, podemos perscrutar a profundidade da crosta terrestre, que nem os nossos olhos, nem nossos exercícios mais longos poderiam alcançar.

Um dos assistentes de Eötvös que mais tarde se tornou um famoso cientista foi Radó von Kövesligethy.[5][6]

Referências

  1. L. Bod, E. Fishbach, G. Marx, and Maria Náray-Ziegler: One hundred years of the Eötvös experiment, – Acta Physica Hungarica 69/3-4 (1991) 335–355
  2. Brief History of ELTE, Universidade Eötvös Loránd, consultado em 7 de maio de 2016, cópia arquivada em 7 de maio de 2016 
  3. Suppa, Ercole (13 de novembro de 2007), Eötvös-Kürschák Competitions (PDF), consultado em 7 de maio de 2016 
  4. Pickover, Clifford (2008), Archimedes to Hawking: Laws of Science and the Great Minds Behind Them, ISBN 9780199792689, Oxford University Press, p. 383 .
  5. a b Antall, J. (1971), "The Pest School of Medicine and the health policy of the Centralists. No centenário da morte de József Eötvös", Orvosi Hetilap (publicado em 9 de maio de 1971), 112 (19), pp. 1083 –9, PMID 4932574
  6. a b Lászlo Kovács: Eötvös Loránd, tudós-tanár. UP, Szombathely 2002, ISBN 963-9290-25-4

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre um(a) físico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.