Abrir menu principal

Corte de PilatosEditar

 
"Queremos Barrabás!" (1910), gravura em The Bible and its Story Taught by One Thousand Picture Lessons.
 
"Jesus flagelado contemplado por uma alma cristã".
1629. Por Diego Velásquez.
 Ver artigo principal: Corte de Pilatos
 
Cristo perante Pôncio Pilatos.
1881. Por Mihály Munkácsy, atualmente no Museu d'Orsay, em Paris.

Este episódio trata do julgamento de Jesus no pretório perante Pôncio Pilatos e que foi precedido pelo julgamento de Jesus no Sinédrio. Aparece em Marcos 15 Marcos 15:1-21, Mateus 27 Mateus 27:1-26, João 18 João 18:28-40 e Lucas 23:1-25. Neste trecho amplo estão vários outros episódios conhecidos, alguns exclusivos de Lucas, como Jesus na corte de Herodes, e outros que só aparecem em outros evangelhos, como a Flagelação de Jesus, o Ecce Homo e Pilatos lavando as mãos.

Corte de HerodesEditar

 Ver artigo principal: Jesus na corte de Herodes

É apenas em Lucas que Jesus é enviado para a corte de Herodes Antipas (Lucas 23:6-12)[3][4][5][6]. Após ter sido julgado pelo Sinédrio, Jesus é enviado para o governador romano Pôncio Pilatos que, ao saber que ele era galileu, entendeu que o caso estaria sob a jurisdição de Herodes Antipas[7]. É um evento que é parte da chamada Corte de Pilatos.

BarrabásEditar

 Ver artigo principal: Barrabás

Depois de concluir que nem ele e nem Herodes viram motivos para condenar Jesus à morte, Pôncio Pilatos afirma que irá soltá-lo depois de castigá-lo. Porém a multidão começou a gritar e a exigir que Jesus fosse morto e que Barrabás fosse solto, como era o costume. Apesar dos apelos, o grito predominante era: «Crucifica-o! crucifica-o!» (Lucas 23:21) Depois de uma última tentativa, o clamor popular prevaleceu e Pilatos cedeu: «soltou aquele que havia sido preso por causa da sedição e do homicídio, a quem eles pediam, mas entregou a Jesus à vontade deles.» (Lucas 23:25).

Versículo 17Editar

O versículo 17 não aparece em todas as versões modernas da Bíblia ou, quando aparece (como é caso em Lucas 23:17, na Tradução Brasileira da Bíblia) está entre chaves.

Crucificação de JesusEditar

 Ver artigo principal: Crucificação de Jesus

No início do relato sobre a crucificação, Lucas conta que Simão Cireneu foi escolhido para carregar a cruz de Jesus e que atrás deles vinha uma grande multidão que se lamentava. Em algum ponto, Jesus falou para as "Filhas de Jerusalém":

«...não choreis por mim; mas chorai por vós mesmas e por vossos filhos, porque dias virão, em que se dirá: Bem-aventuradas as estéreis, e os ventres que nunca geraram, e os peitos que nunca amamentaram. Então começarão a dizer aos montes: Cai sobre nós, e aos outeiros: Cobri-nos, porque se isto se faz no lenho verde, que se fará no seco?» (Lucas 23:28-31)
 
Ecce homo, a imagem de Jesus depois de castigado por Pilatos.
Escultura em Villandro, na Itália.

Seguiam junto no cortejo os dois ladrões que foram crucificados, um de cada lado de Jesus. Enquanto os soldados dividiam na sorte as vestes de Jesus, ele os perdoou. Depois foi zombado, escarnecido e zombado. É em Lucas que Jesus conversa com os dois ladrões (o bom ladrão e o ladrão impenitente) e salva um deles por sua fé. Estes episódios são narrados ainda em Mateus 27 (Mateus 27:33-44) e Marcos 15 (Marcos 15:22-32) e o trecho entre João 18:38 e João 19 (João 19:1-16).

Morte de JesusEditar

«Era já quase a hora sexta e, escurecendo-se o sol, houve trevas sobre toda a terra até a hora nona; e rasgou-se pelo meio o véu do santuário. Jesus, clamando em alta voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. Tendo dito isto, expirou. Vendo o centurião o que acontecera, deu glória a Deus, dizendo: Realmente este homem era justo. Toda a multidão que se reunira para presenciar este espetáculo, vendo o que acontecera, retirava-se, batendo nos peitos. Mas todos os conhecidos de Jesus e as mulheres que o tinham seguido desde a Galileia, conservavam-se de longe, contemplando estas coisas.» (Lucas 23:44-49)

O centurião citado é tradicionalmente reconhecido como sendo São Longino. A morte de Jesus foi relatada também em Mateus 27 (Mateus 27:45-46) e Marcos 15 (Marcos 15:33-41) e João 19 (João 19:28-30).

Sepultamento de JesusEditar

 Ver artigos principais: Deposição da cruz e Sepultamento de Jesus

Lucas conta que José de Arimateia, membro do Sinédrio, esteve com Pilatos e pediu-lhe o corpo de Jesus. Depois de ser retirado da cruz, o corpo foi envolvido em linho e depositado num túmulo novo aberto na rocha. Segundo ele, era a parasceve e ia começar o sabá ("sábado"). Ele termina o capítulo informando que as mulheres que seguiam Jesus desde a Galileia prepararam aromas e bálsamos, mas descansaram no sabá como era a Lei. Há paralelos em Mateus 27 (Mateus 27:57-61) e Marcos 15 (Marcos 15:42-47) e João 19 (João 19:38-42).

TextoEditar

O texto original deste evangelho foi escrito em grego koiné e alguns dos manuscritos antigos que contém este capítulo, dividido em 56 versículos, são:

Ver tambémEditar


Precedido por:
Lucas 22
Capítulos do Novo Testamento
Evangelho de Lucas
Sucedido por:
Lucas 24

Referências

  1. Halley, Henry H. Halley's Bible Handbook: an abbreviated Bible commentary. 23rd edition. Zondervan Publishing House. 1962. (em inglês)
  2. Holman Illustrated Bible Handbook. Holman Bible Publishers, Nashville, Tennessee. 2012. (em inglês)
  3. The Synoptics: Matthew, Mark, Luke by Ján Majerník, Joseph Ponessa 2005 ISBN 1-931018-31-6 p. 181 (em inglês)
  4. The Gospel according to Luke by Michael Patella 2005 ISBN 0-8146-2862-1 p. 16 (em inglês)
  5. Luke: The Gospel of Amazement by Michael Card 2011 ISBN 978-0-8308-3835-6 p. 251 (em inglês)
  6. Bible Study Workshop - Lesson 228 (em inglês)
  7. New Testament History by Richard L. Niswonger 1992 ISBN 0-310-31201-9 p 172 (em inglês)

BibliografiaEditar