Ludwig Binswanger

Ludwig Binswanger (Kreuzlingen, 13 de Abril de 1881Kreuzlingen, 5 de fevereiro de 1966) foi um psiquiatra suíço pioneiro na área da Psicologia fenomenológica-existencial. É um dos criadores da Daseinsanalyse.

Ludwig Binswanger
Nome completo Ludwig Binswanger
Nascimento 13 de abril de 1881
Kreuzlingen
Morte 5 de fevereiro de 1966 (84 anos)
Kreuzlingen
Nacionalidade suíço
Ocupação psiquiatra
Principais trabalhos Criador da Daseinsanalyse

BiografiaEditar

Nasceu em uma família de médicos famosos. Seu avô homônimo, Ludwig Binswanger der Ältere (1820 - 1880), foi o fundador do "Bellevue Sanatorium" em Kreuzlingen. Seu tio Otto Ludwig Binswanger (1852 - 1929) foi um famoso neurologista e psiquiatra suíço, professor de psiquiatria na Universidade de Jena.

Em 1907 Binswanger formou-se em medicina pela Universidade de Zurique e ainda jovem trabalhou e estudou com alguns dos psicólogos mais destacados de sua época, como Carl Jung, Eugen Bleuler e Sigmund Freud. Apesar de suas discordâncias em relação às teorias psiquiátricas de Freud, Binswanger manteve sua amizade com ele até sua morte em 1939.

De 1911 a 1956, Binswanger foi o diretor da área médica do Sanatório de Kreuzlingen.

Seu trabalho recebeu uma grande influência da filosofia existencial, especialmente das obras dos filósofos Martin Heidegger e Edmund Husserl. A partir de seus estudos sobre fenomenologia, Binswanger distanciou-se da psicanálise e deu início na década de 1930 a uma nova metodologia terapeutica. Em 22 de setembro de 1950 apresentou esta proposta com o nome de Daseinsanalyse no Primeiro Congresso Internacional de Psiquiatria realizado em Paris

Binswanger é considerado o primeiro médico a combinar psicoterapia com existencialismo, teoria que expôs em 1942 no livro Grundformen und Erkenntnis menschlichen Daseins.

ObrasEditar

  • 1922: Einführung in die Probleme der allgemeinen Psychologie. Berlin
  • 1928: Wandlungen in der Auffassung und Deutung des Traumes. Berlin
  • 1930: Traum und Existenz
  • 1933: Über Ideenflucht. Zurique
  • 1942: Grundformen und Erkenntnis menschlichen Daseins. Zurique
  • 1946: Über Sprache und Denken. Basel
  • 1949: Henrik Ibsen und das Problem der Selbstrealisation in der Kunst. Heidelberg
  • 1956: Erinnerungen an Sigmund Freud. Bern
  • 1956: Drei Formen missglückten Daseins. Verstiegenheit, Verschrobenheit, Manieriertheit. Tübingen
  • 1957: Schizophrenie. Pfullingen
  • 1957: Der Mensch in der Psychiatrie. Pfullingen
  • 1960: Melancholie und Manie. Phänomenologische Studien. Pfullingen
  • 1965: Wahn. Pfullingen

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

Ligações externasEditar