Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Brilho ou lustre é um termo que descreve o modo como a luz é reflectida pela superfície de um mineral, ou qualquer outra superfície polida.

A reflectividade de uma substância é dada pela razão entre a quantidade de luz reflectida e a quantidade de luz incidente. Em geral, o brilho é proporcional ao índice de refracção, mas em larga medida independente da cor.

De um modo geral consideram-se três grupos principais de brilho:

  • brilho metálico: caracterizado por uma grande reflectividade da superfície (0,4 a 0,6) e por um elevado grau de absorção de luz no volume do mineral. O índice de refracção é maior ou igual a 3. Minerais opacos: metais nativos, sulfuretos e sulfossais e alguns óxidos metálicos.
  • brilho submetálico: é o brilho característico de certas espécies minerais que não reflectem a totalidade da luz incidente e em que o índice de refracção se situa entre 2,6 e 3. Exemplos: cuprite, cinábrio, hematite.
  • brilho não metálico: característico dos minerais transparentes. É subdividido em vários:

Termos comunsEditar

Brilho adamantinoEditar

Adamantine minerais possuem um brilho superlativo, que é mais notavelmente visto em diamante.[1] Esses minerais são transparentes ou translúcidos e têm um alto índice de refração (de 1,9 ou mais).[2] Minerais com um verdadeiro brilho adamantino são incomuns, com exemplos sendo cerussita e zircônia cúbica.[2]

Minerais com um grau menor (mas ainda relativamente alto) de brilho são chamados de subadamantina, com alguns exemplos sendo granada e corindo.[1]

Referências

  1. a b GIA Gem Reference Guide. [S.l.]: Gemological Institute of America. 1995. ISBN 0-87311-019-6 
  2. a b Duda, Rudolf & Rejl, Lubos (1990). Minerals of the World. [S.l.]: Arch Cape Press. ISBN 0-517-68030-0