Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Márcia Maria
A atriz, numa de suas últimas entrevistas.
Nome completo Márcia Maria Brisa
Nascimento 5 de fevereiro de 1944
Vitória, ES
Nacionalidade brasileira
Morte 8 de fevereiro de 2012 (68 anos)
São Paulo, SP
Ocupação Atriz
Atividade 1965—2005

Márcia Maria Brisa (Vitória, 5 de fevereiro de 1944 - São Paulo, 8 de fevereiro de 2012[1]) foi uma atriz brasileira.

Índice

BiografiaEditar

O inícioEditar

Márcia começou sua carreira como garota-propaganda na TV Record por volta de 1965, tornando-se depois apresentadora. Estreou como atriz em uma pequena participação na série Ceará Contra 007, escrita por Marcos César, vivendo a personagem Silvia, ao lado de comediantes como Ronald Golias, Durval de Souza, Jô Soares, Consuelo Leandro e Renato Corte Real.

Sua primeira telenovela foi A Última Testemunha, de Benedito Ruy Barbosa, que estreou em agosto de 1968, com direção de Walter Avancini.

No ano seguinte, Márcia ganhava sua primeira grande oportunidade como atriz em Algemas de Ouro, outro original de Benedito Ruy Barbosa, que estreou em março de 1969. A personagem Lene revelou a atriz para o público, e foi nessa telenovela que ela trabalhou, pela primeira vez, com o ator e diretor Adriano Stuart, que depois viria a ser seu marido.[2]

A consagraçãoEditar

O sucesso chegou para a atriz com a telenovela seguinte, As Pupilas do Senhor Reitor, adaptação de Lauro César Muniz para a obra do português Júlio Diniz, dirigida por Dionísio de Azevedo. Lançada em março de 1970 pela TV Record, a telenovela ficou quase um ano no ar, e foi um dos maiores sucessos da emissora no gênero segundo a revista InTerValo.

Em março de 1971, Márcia Maria teve um grande desafio: viver Veridiana, a protagonista feminina de Os Deuses Estão Mortos, telenovela também de Lauro César Muniz e que reunia um grande elenco.

Nessa época, a convite do diretor Fauzi Mansur, estreou no cinema, fazendo um dos principais papéis de Uma Verdadeira História de Amor, contracenando com o galã Francisco Di Franco.

Os Deuses Estão Mortos rendeu mais um folhetim para a TV Record, a continuação da história que levou o nome de Quarenta Anos Depois, e foi exibida a partir de dezembro de 1971. Márcia Maria ganhou um papel duplo: a avó Veridiana e a neta rebelde e alegre com o mesmo nome.

Em junho de 1972, a atriz estreava na TV Tupi São Paulo, onde rapidamente se transformaria também em uma das estrelas da casa. A primeira telenovela foi Bel-Ami, de Ody Fraga e Teixeira Filho.

Na TV Tupi ela participou dos teleteatros que compuseram o Estúdio A e em 1973 ela participaria, pela primeira vez, de um telenovela da autora Ivani Ribeiro: Mulheres de Areia, que ficou quase um ano no ar, vivendo a vilã Andrea.

No ano seguinte, Márcia fez parte do grande elenco de Os Inocentes, uma adaptação de Ivani Ribeiro para a TV Tupi da história clássica A Visita da Velha Senhora, vivendo o segundo papel feminino da história, Marina. Neste mesmo ano ela voltou ao cinema, protagonizando Gente Que Transa, de Sílvio de Abreu. ao lado de Adriano Reys e Carlos Eduardo Dolabella.

Entre 1975 e 1978, Márcia Maria se tornou a heroína das telenovelas de Geraldo Vietri para a TV Tupi. Sempre tendo como par romântico o ator Jonas Mello, os dois encabeçaram os elencos das tramas Meu Rico Português, Os Apóstolos de Judas e João Brasileiro, o Bom Baiano. Entre uma telenovela e outra, escrita por Vietri, ela ainda fez uma participação especial na primeira versão de A Viagem, de Ivani Ribeiro, entrando quase no final da trama. Nesse período, ela também fez um filme dirigido por Geraldo Vietri, Que Estranha Forma de Amar.

Em 1979, já em crise, a TV Tupi ainda encontraria fôlego para produzir a telenovela Dinheiro Vivo de Mário Prata, uma história que falava sobre os programas de televisão com perguntas e respostas que valiam prêmios para os inscritos. Márcia Maria interpretava a personagem feminina central, Flávia. Neste mesmo ano, fez mais uma incursão no cinema, em As Amantes de um Homem Proibido, de José Miziara, ao lado de Nuno Leal Maia, mas sem grande repercussão.

A década de 1980Editar

A década de 1980, começa com sua participação no filme As Intimidades de Analu e Fernanda, dirigida por José Miziara, ao lado de Ênio Gonçalves e Helena Ramos. O filme é até hoje um dos preferidos na programação do Canal Brasil. Na TV Bandeirantes, Márcia viveu Sofia na nova versão de A Deusa Vencida, de Ivani Ribeiro, novamente dirigida por Walter Avancini, um dos diretores com quem mais a atriz trabalhou na televisão. A telenovela chegou a ser reprisada em duas oportunidades pela emissora.

Em 1982, ela viveu Dora na telenovela Campeão, exibida pela TV Bandeirantes, escrita por Jayme Camargo e Marcos Caruso, onde reproduziu a cena de Anita Ekberg no filme de Federico Fellini La dolce vita, banhando-se em uma fonte. Depois da telenovela, se dedicou ao teatro e apresentou um programa feminino nas tardes da TV Record, o A Mulher dá o Recado, que ficou mais de três anos no ar.

A década de 1990Editar

Ela só voltou às telenovelas em Brasileiras e Brasileiros, pelo SBT, em 1990, dirigida mais uma vez por Avancini. Sua personagem era Leonor, a dama de companhia da atormentada mulher de Ramiro, personagem vivido por Rubens de Falco.

Ainda na década de 1990, apresentou o programa Festa Baile com Agnaldo Rayol, na TV Cultura. Fez teatro e gravou três telenovelas: Por Amor e Ódio, na TV Record, em 1997, como a mãe de Isabela (Luciene Adami); O Direito de Nascer, exibida pelo SBT apenas em 2001, como a madre Teresa que cuida da personagem Maria Helena (Guilhermina Guinle) quando ela vai para o convento e Amor e Ódio, também em 2001 no SBT, vivendo uma fofoqueira, a Rosinha.

Em 2005, Márcia Maria esteve na série Senta que Lá Vem Comédia da TV Cultura, participando do teleteatro Casa de Orates, dirigida pelo ex-marido Adriano Stuart ao lado de Kito Junqueira e Cassiano Ricardo. Foi a última participação da atriz em teledramaturgia.

Márcia Maria morreu em São Paulo em 8 de fevereiro de 2012, aos 68 anos, em consequência de uma queda, em seu apartamento, causada por um acidente vascular cerebral.[1]

TrabalhosEditar

Na Televisão

Ano Título Personagem
2005 Senta que Lá Vem Comédia
2001 O Direito de Nascer Madre Teresa
Amor e Ódio Rosinha
1997 Por Amor e Ódio Mãe de Isabela
1990 Brasileiras e Brasileiros Dona Leonor
1983 Fernando da Gata
Campeão Dora
1980 A Deusa Vencida Sofia
1979 Dinheiro Vivo Flávia
1978 João Brasileiro, o Bom Baiano Julia
1976 Os Apóstolos de Judas Marina
1975 A Viagem Carlota
1975 - Meu Rico Português Walquiria
1974 Os Inocentes Marina
1973 Mulheres de Areia Andréa
Bel-Ami Hilda
1971 Quarenta Anos Depois Veridiana
Os Deuses Estão Mortos Veridiana
1970 As Pupilas do Senhor Reitor Margarida
1969 Algemas de Ouro Lene
1968 A Última Testemunha Anita
1965 Ceará contra 007 Sílvia

Cinema

Ano Título Personagem
1983 As Amantes de um Homem Proibido Flávia
1980 As Intimidades de Analu e Fernanda Fernanda
1977 Que Estranha Forma de Amar Eulália
1974 Gente Que Transa Denise
1971 Uma Verdadeira História de Amor A Noiva [3]

Referências

  1. a b Redação O Fuxico (9 de fevereiro de 2012). «Morre a atriz Márcia Maria, aos 68 anos». O Fuxico. Consultado em 1 de fevereiro de 2012 
  2. Folha de S.Paulo
  3. «Uma Verdadeira História de Amor». Cinemateca Brasileira 
  Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.