Márcio Meirelles

diretor de teatro, dramaturgo e político baiano
Marcio Meirelles
Nascimento 26 de maio de 1954 (65 anos)
Salvador, Bahia  Brasil
Nacionalidade Brasileiro
Ocupação Diretor teatral, dramaturgo e gestor cultural
Cônjuge Cristina Castro
Página oficial

Marcio Meirelles (26 de maio de 1954), é um encenador, dramaturgo e gestor cultural brasileiro. Criador do Bando de Teatro Olodum (1990), diretor do Teatro Vila Velha. Foi Secretário de Cultura do Estado da Bahia de 2007 a 2011.

BiografiaEditar

Inicialmente ligado às áreas de arquitetura e artes visuais, Márcio Meirelles entrou para o teatro em 1972. Desde então, atua como diretor teatral, cenógrafo e figurinista[1] sendo, também, gestor cultural e tendo passado pela política ocupando o cargo de Secretário de Cultura do Estado da Bahia (2007 - 2011)[2].

Fundou o grupo Avelãz y Avestruz (1976-1989), e em 1982 criou e dirigiu o espaço cultural A Fábrica. Durante os anos de 1985 e 1986, assumiu a chefia dos núcleos de cenografia e figurino e de direção e elenco da TV Educativa da Bahia. No mesmo período, criou o Projeto Teatro para a Fundação Gregório de Mattos (1986). Entre 1987 e 1991, foi diretor do maior complexo cultural do Norte/Nordeste do Brasil – o Teatro Castro Alves, em Salvador/BA.

Ganhou diversos prêmios como diretor, cenógrafo e figurinista e fez estágio na Circle Repertory Company (Nova Iorque)A convite do Instituto Goethe, participou como palestrante do Coloquio Brasil-Alemanha de Teatro. Ao lado de Werner Herzog, co-dirigiu O Sonho de Uma Noite de Verão. Dirigiu Zumbi em Londres com o Black Theatre Co-op, como parte do Lift Festival (London International Festival of Theatre). Em 2013, dirigiu para o Teatro Viriato (Viseu/Portugal) o espetáculo Sempre em frente até amanhecer e em 2014 dirigiu o espetáculo Em defesa das causas perdidas – uma carta para Dom Quixote, para o Centro Cultural Português/Instituto Camões (Mindelo/Cabo Verde). Participa de projetos de colaboração internacional com a CenaLusófona (Portugal) e  instituições de outros países.

Ao longo de sua carreira dirigiu vários shows de música, comemorativos, de lançamento de projetos e de premiação, com artistas nacionais e internacionais.

Em 1990, juntamente com Chica Carelli, criou o Bando de Teatro Olodum[3], que dirige até hoje e para os quais criou espetáculos como os da Trilogia do Pelô (1991/1994)[4], Cabaré da Rrrrraça (1997) e Bença (2010)[5]. Em 2007 a Trilogia do Pelô iria basear o roteiro do filme e série televisiva Ó paí, ó!, da Rede Globo. O elenco do Bando de Teatro Olodum participou de ambos os projetos audiovisuais.

Marcio Meirelles foi condecorado como Cavaleiro da Ordem do Mérito da Bahia em 1990, homenageado pelo Troféu Copene de Teatro pelo conjunto de seu trabalho em 1999 e indicado para o Prêmio Shell, no Rio de Janeiro, pela direção de Candaces – a reconstrução do Fogo, em 2003.

No ano de 1994, coordenou o projeto de reforma e revitalização do Teatro Vila Velha e foi diretor artístico do espaço até 1998 e, até 2006, na nova forma institucional que propôs, fez parte do colegiado gestor do teatro. Assume novamente a direção artística do Teatro Vila Velha em julho de 2011 e cria, em 2013, para a formação de artistas alinhados com a estética, os processos e a política construídos e praticados no teatro, a Universidade Livre de Teatro Vila Velha[6]. Na Universidade Livre já foram montados, até o momento, vários espetáculos com os participantes que se envolvem em produção, divulgação, gestão, técnica, atendimento ao público e atuação. Entre eles a estreia nacional do texto de Matéi Visniec Por que Hécuba e a montagem de Jango – uma tragegya, de Glauber Rocha, celebrando os 50 anos do Teatro Vila Velha.

Em 2019, encenou o espetáculo Embarque Imediato que estreou na Sala do Coro do Teatro Castro Alves como homenagem aos 80 anos do ator ícone do Cinema Novo, Antônio Pitanga. Com texto do dramaturgo Aldri Anunciação (Prêmio Jabuti de Literatura 2013), a montagem teve no elenco o filho do octagenário, Rocco Pitanga e participações especiais gravadas de Camila Pitanga.

CarreiraEditar

Teatro - EncenadorEditar

Ano Título Dramaturgo Nota(s)
2019 Embarque Imediato Aldri Anunciação Espetáculo em comemoração aos 80 anos do ator Antônio Pitanga. [7]
2014 Por que Hécuba? Matei Visniec
2017 Campo de Batalha Aldri Anunciação
2017 Hamlet William Shakespeare Encenado com alunos da Universidade Livre do Teatro Vila Velha
2014 Tróilus e Créssida William Shakespeare Espetáculo montado com alunos formandos do Curso Livre de Teatro da UFBA sob a coordenação da professora Deolinda Vilhena.[8]
2013 Jango – uma tragegya Glauber Rocha Encenado com alunos da Universidade Livre do Teatro Vila Velha
2012 Drácula
2014 Esperando Godot Samuel Beckett
2013 7 Contra Tebas Ésquilo Encenado com alunos da Universidade Livre do Teatro Vila Velha[9]
2010 Bença Encenado com o Bando de Teatro Olodum[10]
2006 Sonho de Uma Noite de Verão William Shakespeare Encenado com o Bando de Teatro Olodum
2004 Auto-retrato aos 40
2004 O Muro Cacilda Povoas
2003 Candaces – a reconstrução do Fogo
2003 Oxente, cordel de novo?
2002 Relato de uma guerre que (não) acabou. Márcio Meirelles Co-direção de Chica Carelli
2001 Material Fatzer Bertold Brecht/Heiner Müller
1999 Fausto Zero[11] Johann Wolfgang von Goethe
1999 Já fui! Márcio Meirelles/Bando de Teatro Olodum
1999 Sonho de uma noite de verão William Shakespeare Encenado com o Bando de Teatro Olodum
1998 Ópera de 3 Reais Bertold Brecht Encenado com o Bando de Teatro Olodum
1997 Cabaré da RRRaça Márcio Meirelles/Bando de Teatro Olodum Encenado com o Bando de Teatro Olodum
1991 - 1994 Trilogia do Pelô Márcio Meirelles/Bando de Teatro Olodum
1996 Ópera de Três Mirréis Bertold Brecht Co-direção de Chica Carelli
1996 Erê pra toda vida * xirê Márcio Meirelles Co-direção de Chica Carelli
1995 Zumbi está vivo

e continua lutando

Márcio Meirelles, Aninha Franco e Bando de Teatro Olodum Encenado com o Bando de Teatro Olodum
1995 Zumbi Márcio Meirelles, Aninha Franco e Bando de Teatro Olodum Encenado com o Bando de Teatro Olodum
1994 Bai bai Pelô Márcio Meirelles e Bando de Teatro Olodum Encenado com o Bando de Teatro Olodum
1993 Medeia Material Heiner Müller
1993 Woyséck Georg Büchner Co-direção de Chica Carelli
1992 Ó Paí, Ó Márcio Meirelles e Bando de Teatro Olodum
1992 A volta por cima Márcio Meirelles e Bando de Teatro Olodum
1991 O novo mundo Márcio Meirelles e Bando de Teatro Olodum
1991 Essa é nossa praia Márcio Meirelles e Bando de Teatro Olodum
1977 A Rainha Márcio Meirelles Grupo Avelãs e Avestruz
1976 Rapunzel Márcio Meirelles Grupo Avelãs e Avestruz

PrêmiosEditar

Ano Premiação Categoria Trabalho Resultado
2019 Doutor Honoris Causa - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Reconhecimento Venceu [12]
2019 Prêmio Braskem de Teatro Melhor Direção Espetáculo Por que Hécuba? Indicado
2015 Prêmio Braskem de Teatro Melhor Direção Espetáculo Hamlet Indicado [13]
2003 Prêmio Shell Melhor Direção Candaces - a reconstrução do fogo Indicado [14]
1999 Troféu Copene Homenageado Conjunto da obra Venceu [15]
1990 Cavaleiro da Ordem do Mérito da Bahia Medália Venceu


Ligações ExternasEditar

Teatro Vila Velha

Bando de Teatro Olodum

Márcio Meirelles (Página Oficial)


Referências

  1. «Márcio Meirelles | Produção Cultural no Brasil». producaocultural.procomum.org. Consultado em 21 de junho de 2019 
  2. Branco, Governo da Bahia Secretaria de Cultura Palácio Rio; Souza, Praça Thomé de; Brasil, s/n-Centro CEP 40 020-010- Salvador- Bahia3103-3400 Horário de funcionamento: 8h30 às 17h30 Localização Exerça sua cidadania Fale com a Ouvidoria Todo o conteúdo desse site está publicado sob a licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações 3 0. «Secretaria de Cultura faz Balanço das Ações em 2010». SecultBA - Secretaria de Cultura - Governo do Estado da Bahia. Consultado em 21 de junho de 2019 
  3. «Bando de Teatro Olodum - Literatura Afro-Brasileira». www.letras.ufmg.br. Consultado em 21 de junho de 2019 
  4. «vem_aí: Globo lança Luz, Câmera 50 anos, em janeiro, com projeto inédito». redeglobo.globo.com. Consultado em 21 de junho de 2019 
  5. «Bando de Teatro Olodum». www.teatrovilavelha.com.br. Consultado em 21 de junho de 2019 
  6. «Com quase meio século, Teatro Vila Velha tem a mesma energia desde que nasceu». Jornal CORREIO | Notícias e opiniões que a Bahia quer saber. 18 de agosto de 2013. Consultado em 21 de junho de 2019 
  7. Moreira, Marília (3 de maio de 2019). «Prestes a completar 80 anos, Antonio Pitanga estrela Embarque Imediato». Jornal CORREIO | Notícias e opiniões que a Bahia quer saber. Consultado em 23 de junho de 2019 
  8. iBahia, Redação (3 de janeiro de 2014). «Formandos do Curso Livre de Teatro da Ufba montam Shakespeare no Vila Velha». iBahia. Consultado em 23 de junho de 2019 
  9. Branco, Governo da Bahia Secretaria de Cultura Palácio Rio; Souza, Praça Thomé de; Brasil, s/n-Centro CEP 40 020-010- Salvador- Bahia3103-3400 Horário de funcionamento: 8h30 às 17h30 Localização Exerça sua cidadania Fale com a Ouvidoria Todo o conteúdo desse site está publicado sob a licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações 3 0. «Tragédia grega "7 contra Tebas" abre 13ª edição do Amostrão Vila Verão». SecultBA - Secretaria de Cultura - Governo do Estado da Bahia. Consultado em 23 de junho de 2019 
  10. Redator (19 de outubro de 2016). «ESPETÁCULO BENÇA». Revista Raça Brasil. Consultado em 23 de junho de 2019 
  11. «Folha de S.Paulo - Bahia abençoa os 250 anos de Goethe - 19/07/99». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 23 de junho de 2019 
  12. «Márcio Meirelles recebe título de Doutor Honoris Causa da UFRB e faz aula magna». ufrb.edu.br. Consultado em 21 de junho de 2019 
  13. Moreira, Marília (13 de abril de 2016). «Prêmio Braskem de Teatro premia hoje melhores espetáculos baianos de 2015». Jornal CORREIO | Notícias e opiniões que a Bahia quer saber. Consultado em 22 de junho de 2019 
  14. «Prêmio Shell de Teatro divulga candidatos do Rio - Cultura». Estadão. Consultado em 21 de junho de 2019 
  15. «Márcio Meirelles | Produção Cultural no Brasil». producaocultural.procomum.org. Consultado em 23 de junho de 2019