Abrir menu principal

Márcio Vito (Rio de Janeiro, RJ, 21 de setembro de 1972) é autor, ator e diretor brasileiro.

Em teatro co-escreveu e atuou em “Antes que tudo acabe” co-produção NAI + National Theater of Scotland com direção de Renato Rocha e “O que eu gostaria de dizer” da Companhia Brasileira de Teatro com direção de Márcio Abreu; Atuou, entre outras peças, em “Eu, Moby Dick” de Pedro Kosovski com direção de Renato Rocha; “Incêndios” de Wajdi Mouawad com direção de Aderbal Freire-Filho; “O Livro de itens do paciente Estevão” da Sutil Companhia de Teatro com direção de Felipe Hirsch; “Two roses for Richard III” co-produção Cia Bufo Mecânica + Royal Shakespeare Company com direção de Fábio Ferreira e Cláudio Baltar; “Barba Azul, a esperança das mulheres” de Dea Loher com direção de Fábio Ferreira; “Criados em Cativeiro” de Nick Sylver com direção de Jefferson Miranda; “Um dia como os outros” e “Cozinha e dependências” de Jean-Pierre Bacri e Agnès Jaoui com direção de Bianca Byington e Leonardo Netto; “Histórias de Amor Líquido” de Walter Daguerre com direção de Paulo José; “A Sobrancelha é o Bigode do Olho – Uma Conferência do Barão de Itararé” de Ivan Jaf com direção de Nelson Xavier; “Herói” com texto e direção de Alessandra Vanucci; “A Geladeira” de Copi com direção de Thomas Quillardet; "Macbeth" com direção de Moacir Chaves; "Antônio e Cleópatra” com direção de Paulo José e “Avalanche” de David Rabe, com direção de Ivan Sugahara.

No cinema, foi premiado no FIC Brasília por sua atuação em “No Meu Lugar” de Eduardo Valente, e no Festival de Paulínia por sua atuação em “5x Favela”, produzido por Cacá Diegues, em episódio dirigido por Luciana Bezerra. Entre outras produções, integra o elenco dos filmes “A Vida Invisivel” de Karim Aïnouz; “Deslembro” de Flávia Castro; “Campo Grande” de Sandra Kogut; “Mormaço" de Marina Meliande; “Pendular" de Júlia Murat; “Homem Livre” de Alvaro Furloni; “A Alegria” de Marina Meliande e Felipe Bragança; “O Outro Lado da Rua” de Marcos Bernstein e “A Ostra e o Vento” de Walter Lima Jr.       

Em Televisão estreou na minissérie "Amazônia - de Galvez a Chico Mendes" de Glória Perez com direção de Marcos Schechtmann; as novelas em que atuou incluem também "Caminho das Índias”; "Cordel Encantado”; “Novo mundo” e “Orgulho & Paixão”; suas participações especiais em séries incluem “Tapas & Beijos” e “Carcereiros”; fez parte do elenco fixo do programa “Tá No Ar - A TV na TV” de Marcius Melhem e Marcelo Adnet co-idealizado e dirigido por Maurício Farias. Atualmente está no ar em “Filhos da Pátria” de Bruno Mazzeo com direção de Felipe Joffily.

Márcio Vito
Nome completo Márcio Vieira Souto
Outros nomes Vito
Nascimento 21 de setembro de 1972 (47 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação autor , ator e diretor
Cônjuge Aline
Outros prêmios
FIC Brasilia - Menção Honrosa - Ator / No Meu Lugar

Festival de Paulínia - Melhor Ator Coadjuvante / 5x Favela

[marciovito.com Página oficial]


Trabalhos na TelevisãoEditar

Trabalhos no CinemaEditar

Como AtorEditar

  • Um Animal Amarelo (post-production) - Carlos
  • A Vida Invisível - Osvaldo
  • Mormaço - Doutor Souza
  • Homem Livre - Miranda
  • Pendular - Rui
  • Campo Grande - Leonardo
  • Os Caras de Pau em O Misterioso Roubo do Anel - Diretor do Museu
  • Não Pare na Pista: A Melhor História de Paulo Coelho - Ator da peça O inventor
  • Para Sempre Nunca Mais - Oficial
  • A Alegria - César
  • 5x Favela, Agora por Nós Mesmos - Lopes
  • No Meu Lugar - José Maria
  • Meu Nome Não é Johnny - Rabino
  • Brasília 18% - Estuprador
  • Quase Dois Irmãos - Preso político
  • O Outro Lado da Rua - Walmir
  • Seja o Que Deus Quiser! - Taxista (as Márcio Vieira Souto)
  • A Ostra e o Vento - Carrera

Como Assistente de DireçãoEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.