Abrir menu principal

Mário Cal Brandão

político português (1910-1996)

Mário Cal Brandão (Porto, 25 de março de 1910Porto, 21 de outubro de 1996) foi um advogado e político português.

Destacado resistente antifascista, de ideais republicanos e socialistas. Foi iniciado em 1928 na Loja maçónica 'A Revolta', de Coimbra. Teve um longo percurso maçónico. Em 1980, foi candidato a Grão-mestre do Grande Oriente Lusitano. Tinha então o grau 33º do REAA.

Foi no escritório dos maçons Mário Cal Brandão e de António Macedo [1],conhecido como "A Toca", que o Partido Popular Democrático também tem, em parte, a sua génese, nos meios republicanos do Porto, alguns maçons, como Artur Santos Silva (pai), e outros republicanos mas sem serem maçons, como Mário Montalvão Machado, defendiam a ideia de criar um partido social-democrata de tipo europeu.[2]

Foi agraciado com os graus de Grande-Oficial da Ordem da Liberdade (30 de outubro de 1987) e de Grande-Oficial da Ordem Militar de Cristo (10 de junho de 1991).[3]

Referências

  1. «Perfil de Mário Cal Brandão». Jornal de Notícias. Jn.pt 
  2. Mário Montalvão Machado, Francisco Sá Carneiro - 20 Anos depois, Lisboa, Gradiva Publicações, 2001 e Passos da vida: recordações, pessoas, histórias, tribunais, política, Porto, M. M. Machado, 2003, 370 pp.
  3. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Mário Manuel Cal Brandão". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 11 de julho de 2019 
  Este artigo sobre Personalidades, integrado no Projecto Grande Porto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.