Mônica de Hipona

Disambig grey.svg Nota: "Santa Mônica" e "Santa Mónica" redirecionam a este artigo. Para outros significados, veja Santa Mônica (desambiguação).

Santa Mônica (português brasileiro) ou Santa Mónica (português europeu) (331387) é a mãe de Santo Agostinho de Hipona e uma santa cristã. A sua festa realiza-se em 27 de agosto.[1]

Santa Mônica
Santa Mônica e Santo Agostinho
Modelo de Mãe e Esposa
Nascimento Tagaste (atual Souk Ahras 
331
Morte Óstia 
387 (56 anos)
Veneração por Igrejas católica e ortodoxa
Beatificação
Canonização
Festa litúrgica 27 de agosto (Missa do Vaticano II ),

4 de maio (Missa Tridentina)

Gloriole.svg Portal dos Santos

BiografiaEditar

Esta santa nasceu em 331, em Tagaste (atual Souk Ahras, na Argélia), mas há controvérsias acerca dessa data. Foi, segundo as tradições católicas, criada por uma dada, ou seja, uma escrava que cuidava dos filhos dos senhores, dessa senhora recebeu "educação e rígidos ensinamentos religiosos".[1]

Casou-se aos dezessete ou dezoito anos com Patrício. O casal ocupava razoável posição social, mas apesar disso Mônica não era feliz no casamento, pois sofria com a infidelidade do marido. Por isso começou a atingir o ideal cristão de boa esposa e mãe, já que nunca criou discórdia embora sofresse.[2]

Foi mãe de Santo Agostinho, também Doutor da Igreja. E, segundo ele o seu alicerce espiritual que o conduziu em direção à "fé verdadeira", já que o converteu ao cristianismo. Ele julgava ser a mãe a "intermediária" entre ele e Deus. Durante a adolescência de Agostinho até ao seu batismo, Mônica vivia entre lágrimas, lamentando a "vida de heresias" do filho, e orava fervorosamente para que ele encontrasse a "verdadeira ".[3]

Agostinho atribuiu a um sonho de sua mãe o passo definitivo para sua conversão e a "confirmação" de sua vocação religiosa, desse modo Mônica se torna responsável pelo destino cristão do filho.[4]

A partir disso o filho vê a mãe de forma santificadora, mas reconhece o fardo feminino que ela carrega, já que nos primórdios da cristandade, a mulher era vista entre dois extremos, o da exaltação e da condenação. A parte "boa" do sexo feminino era representada por Maria e a parte "ruim", que se entrega à tentação, representada por Eva. Foi dessa forma que Mônica foi vista por seu filho e pela Igreja.[3]

Morte e veneraçãoEditar

Morreu aos 56 anos, no ano de 387, em Óstia na Itália, mesmo ano da conversão de seu filho. Seu corpo foi "descoberto" em 1430 e transferido para a Basílica de Santo Agostinho, em Roma. Mônica foi canonizada não por ter operado milagres, mas sim por ter sido a "responsável pela conversão de seu filho", mostrando empenho em ensinar condutas cristãs como moral, pudor e mansidão, mostrando a intervenção feminina no interior da família, pois foi o meio, através da oração, que contribuiu para a vida religiosa do filho.[3]

Referências

  1. a b «Conheça Santa Mônica, a mãe de Santo Agostinho». Santo do Dia. Consultado em 25 de junho de 2021 
  2. «Santa Mónica (332-387) [Relations to actor] :: museum-digital:bremen». bremen.museum-digital.de. Consultado em 25 de junho de 2021 
  3. a b c «Santa Mônica - A criação do ideal da mãe cristã». Idade Média - Prof. Dr. Ricardo da Costa. 22 de junho de 2012. Consultado em 25 de junho de 2021 
  4. «Santa Mônica». Aleteia: vida plena com valor. Consultado em 25 de junho de 2021 
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Mônica de Hipona
  Este artigo sobre a biografia de um(a) santo(a) ou um(a) beato(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.