Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para pela Acrocomia aculeata ou Acrocomia intumescens, veja Macaúba.

Macaíba é um município brasileiro, localizado na Região Metropolitana de Natal, no estado do Rio Grande do Norte, na Região Nordeste do país. Possui uma área territorial de aproximadamente 512,487 km².[6] É o quinto município mais populoso do estado, atrás apenas de Natal, Mossoró, Parnamirim e São Gonçalo do Amarante, com uma população estimada para o ano de 2018 em 79.743 habitantes, de acordo com dados oficiais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Município de Macaíba
No fundo, a Avenida Jundiaí, em seu cruzamento com a rodovia BR-304, na altura da 2º entrada da cidade, uma das principais vias do município.

No fundo, a Avenida Jundiaí, em seu cruzamento com a rodovia BR-304, na altura da 2º entrada da cidade, uma das principais vias do município.
Bandeira de Macaíba
Brasão de Macaíba
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 27 de outubro
Fundação 27 de outubro de 1877 (141 anos)
Gentílico macaibense
Prefeito(a) Fernando Cunha Lima Bezerra (PSD)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Macaíba
Localização de Macaíba no Rio Grande do Norte
Macaíba está localizado em: Brasil
Macaíba
Localização de Macaíba no Brasil
05° 51' 28" S 35° 21' 14" O05° 51' 28" S 35° 21' 14" O
Unidade federativa Rio Grande do Norte
Região intermediária

Natal IBGE/2017[1]

Região imediata

Natal IBGE/2017[1]

Região metropolitana Natal
Municípios limítrofes Natal, Parnamirim, São José de Mipibu, Vera Cruz, Bom Jesus, São Pedro, Ielmo Marinho, São Gonçalo do Amarante e Boa Saúde
Distância até a capital 27 km
Características geográficas
Área 512,487 km² [2]
População 79,743 hab. (RN: 5º) –  IBGE/2018[3]
Densidade 0,16 hab./km²
Clima Tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,64 (RN: 31°) – médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 608 621,296 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 9 311,69 IBGE/2008[5]
Página oficial
Prefeitura www.prefeiturademacaiba.com.br

Está localizado às margens do Rio Jundiaí, é uma cidade vizinha à capital, Natal, distanciando-se dessa em 27 km por estradas[7]. Devido à sua importância para a região, dispõe de uma ampla rede de serviços e de comércio, tendo agências do Banco do Nordeste (BNB),[8] Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Em 2016, de acordo com dados do IBGE, o salário médio mensal era de 1.8 salários mínimos[9].

O município destaca-se também por sua grande importância histórica, tendo como principal destino turístico, o Solar Ferreiro Torto, construído no ano de 1614, como o engenho Potengi, que em setembro de 1989, foi tombado, como patrimônio histórico, pelo Governo do Rio Grande do Norte. É terra natal de diversas personalidades brasileiras, entre elas, a poetista Auta de Sousa[10], o político, jornalista, inventor e aeronauta macaibense, Augusto Severo de Albuquerque Maranhão[11], o político e ex-ministro da Justiça e Negócios Interiores, no Governo Afonso Pena, Augusto Tavares de Lyra[12], bem como do advogado, político, escritor e educador Henrique Castriciano.

Outros destinos turísticos da cidade são a Matriz de Nossa Senhora da Conceição, a Capela de São José (mais antiga da cidade), o Solar da Madalena, a Capela da Soledade, a casa onde nasceu Henrique Castriciano, o Obelisco Augusto Severo, o Casarão dos Guararapes e o Solar Caxangá.

Índice

EtimologiaEditar

O termo Macaíba vem do tupi makaîuba "macaúba", referindo-se à palmeira Acrocomia intumescens.[13]

HistóriaEditar

O nome Macaíba foi dado por Fabrício Gomes Pedroza (fundador de Macaíba e detentor de uma das maiores fortunas do Rio Grande do Norte[14]) em 26 de outubro de 1855. Sua primeira denominação foi Coité, referência à predominância desse tipo de vegetação no local.[15] As boas condições do solo e o clima com pluviosidade favorável propiciaram o desenvolvimento da atividade agropecuária.[15]

Sua posição estratégica, a caminho de Natal, impulsionou o comércio. O posterior advento das linhas ferroviárias, no entanto, reduziu a importância de sua economia.

De seu território desmembraram-se os municípios de São Paulo do Potengi, São Gonçalo do Amarante e parte de São Tomé.[15]

GeografiaEditar

 
Macaíba e municípios limítrofes.

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vigente desde 2017,[16] a capital potiguar pertence às regiões geográficas intermediária e imediata de Natal.[1] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, fazia parte da microrregião de Macaíba, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Leste Potiguar.[17]

Com uma área territorial de 510,711 km²,[2] integra a Região Metropolitana de Natal, limitando-se com os municípios de São Gonçalo do Amarante e Ielmo Marinho a norte; Boa Saúde, Vera Cruz e São José de Mipibu a sul; Natal e Parnamirim a leste; Ielmo Marinho, São Pedro e Bom Jesus a oeste.[18]

O relevo de Macaíba, com altitudes inferiores a cem metros, está inserido na depressão sublitorânea, entre os tabuleiros costeiros e o Planalto da Borborema; na planície fluvial, situada nos vales do rios; e nos tabuleiros costeiros ou planaltos rebaixados. O município está situado em área de abrangência dos terrenos que compõem o embasamento cristalino, formados durante o período Pré-Cambriano médio, com idade entre um bilhão e 2,5 bilhões de anos, além do Grupo Barreiras, de Idade Terciária, há cerca de sete milhões de anos. Geomorfologicamente, predominam formas tabulares de relevos, separados por vales de fundo plano.[18]

O tipo de solo predominante é o latossolo vermelho-amarelo distrófico, de textura média pouco fértil, com alto grau de porosidade e grande profundidade, característico das áreas de relevo plano; e o argissolo, mais especificamente o solo podzólico vermelho amarelo, semelhante ao latossolo, mas com um grau de drenagem menor, de imperfeito a moderado.[18] Há também os neossolos (areias quartzosas), planossolos e os solos indiscriminados de mangue.[19]

Macaíba possui grande parte do seu território inserido na bacia hidrográfica do rio Potenji, além da bacia do rio Piranji, sendo cortado pelos rios Grande e Jundiaí. Também passam pelo território municipal os riachos Água Vermelha, Lamarão, Taborda e do Sangue. As principais lagoas são: dos Cavalos, Grande e do Sítio. Os principais reservatórios, com capacidade igual ou superior a 100 000 m³ de água, são Bêbado (108 000 m³), Cana Brava (100 000 m³) e Jambeiro (100 000 m³). A vegetação é formada pela floresta subcaducifólia, cujas espécies ficam sem folhas no período da estação seca, além dos manguezais, com espécies adaptadas a solos permanentemente inundados.[18]

ClimaEditar

O clima macaibense é o tropical chuvoso, do tipo Aw na classificação climática de Köppen-Geiger). A temperatura média anual é de aproximadamente 26 °C (média máxima de 31 °C e mínima de 21 °C), chegando a 32 °C nos meses mais quentes e podendo cair até para abaixo de 20 °C nos meses mais frios. As precipitações ocorrem sob a forma de chuva, concentradas entre os meses de março e julho, com índice pluviométrico médio de 1 134 milímetros (mm) por ano, sendo abril o mês de maior precipitação (194 mm).[20] O tempo aproximado de insolação é de 2 700 horas/ano,[18] com umidade relativa do ar média de 74%.[21] Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), entre 1961 e 1963 a menor temperatura registrada em Macaíba foi de 16 °C em 12 de agosto de 1961,[22] e a maior atingiu 34,7 °C em 11 de janeiro de 1963;[23] o índice mais baixo de umidade relativa do ar ocorreu na tarde em 12 de dezembro de 1962, de 44%.[24]

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas registrados
em Macaíba por meses (EMPARN, 1912-presente)[25]
Mês Acumulado Data Ref Mês Acumulado Data Ref
Janeiro 125,4 mm 26/01/2004 [26] Julho 155,4 mm 01/07/2000 [27]
Fevereiro 112,4 mm 28/02/1917 [28] Agosto 121,8 mm 08/08/2008 [29]
Março 104,6 mm 08/03/2002 [30] Setembro 82,3 mm 04/09/2013 [31]
Abril 168 mm 03/04/1997 [32] Outubro 50 mm 25/10/1955 [33]
Maio 166,8 mm 15/05/2013 [31] Novembro 42 mm 16/11/2006 [34]
Junho 185,5 mm 09/06/2008 [35] Dezembro 50 mm 21/12/1943 [36]

Conforme dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), desde 1912 o maior acumulado de precipitação em 24 horas registrado em Macaíba foi de 185,5 mm em 9 de junho de 2008.[35] Outros grandes acumulados foram 182 mm em 24 de junho de 1912,[37] 168 mm em 3 de abril de 1997,[32] 166,8 mm em 15 de maio de 2013,[31] 156 mm em 16 de junho de 2008,[35] 155,4 mm em 1° de julho de 2000,[27] 143,5 mm em 2 de julho de 2008,[35] 138,2 mm em 13 de maio de 1961,[38] 135,2 mm em 26 de junho de 2012,[39] 134,5 mm em 22 de maio de 1935,[40] 134 mm em 2 de maio de 1997,[32] 125,4 mm em 26 de janeiro de 2004,[26] 121,8 mm em 8 de agosto de 2008,[29] 121 mm em 17 de janeiro de 2009,[41] 120 mm em 7 de abril de 1985,[42] 117,6 mm em 13 de junho de 1913,[43] 112,4 mm nos dias 28 de fevereiro de 1917[28] e 18 de maio de 2013,[31] 110 mm em 17 de junho de 1986,[44] 108,7 mm em 15 de junho de 2014,[45] 104,6 mm em 8 de março de 2002,[30] 103,5 mm em 26 de agosto de 2009,[46] 102,5 mm em 14 de abril de 1986[47] e 100,8 mm em 6 de março de 1960[48] e 100 mm em 27 de março de 1960.[48]

Dados climatológicos para Macaíba
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 34,7 34,4 34,5 34,3 33,5 32,9 33 33,7 34,3 31,9 34,3 33,5 34,7
Temperatura máxima média (°C) 32,2 32,2 31,7 31 30,1 29,1 28,5 28,9 30 31,2 31,8 31,9 30,7
Temperatura média (°C) 27 27,1 26,9 26,5 25,8 24,9 24,2 24,2 24,9 25,7 26,3 26,7 25,8
Temperatura mínima média (°C) 21,9 22,1 22,2 22 21,5 20,7 19,9 19,5 19,9 20,3 20,8 21,5 21
Temperatura mínima recorde (°C) 18,6 19,9 19,9 20,2 19,3 18,6 17,3 16 17,1 18,9 17,9 16,7 16
Precipitação (mm) 46 80 165 194 165 177 144 75 35 16 15 22 1 134
Umidade relativa (%) 69,2 70,2 74 78 79 81,4 79,6 76,3 72,2 67,8 67,3 68,4 73,6
Fonte: Climate Data (médias de temperatura e precipitação)[20] e Departamento de Ciências Atmosféricas da UFCG (umidade relativa).[21]
Fonte #2: Instituto Nacional de Meteorologia (recordes de temperatura: 01/01/1961 a 30/11/1963).[22][23]

PolíticaEditar

 
Prefeitura de Macaíba, a sede do poder executivo municipal.

O poder executivo do município de Macaíba é representado pelo prefeito e seu gabinete de secretários, em conformidade ao modelo proposto pela Constituição Federal.[49] O primeiro chefe do executivo macaibense (na época denominado "intendente municipal") foi o coronel Prudente Gabriel da Costa Alecrim, de setembro de 1914 e setembro de 1916,[50] e o atual é Fernando Cunha Lima Bezerra (PROS), eleito em 2012 (na época filiado ao PMN) com 52,53% dos votos válidos, tendo como vice Olímpio Maciel.[51][52]

O poder legislativo é composto pela câmara municipal, localizada no Palácio Alfredo Mesquita Filho e formada por treze vereadores eleitos para mandatos de quatro anos. Entre as atribuições da casa legislativa estão elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento municipal (conhecido como Lei de Diretrizes Orçamentárias).[49]

Em complementação ao processo legislativo e ao trabalho das secretarias, também existem alguns conselhos municipais em atividade: Assistência Social,[53] Direitos da Criança e do Adolescente,[54] Direitos do Idoso,[54] Direitos da Mulher,[55] Educação,[56] Saúde[57] e Tutelar.[58] O município abriga uma comarca do poder judiciário, de segunda entrância, cujos termos são os municípios de Bom Jesus e Ielmo Marinho.[59] De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Macaíba pertence à 5ª Zona Eleitoral do Rio Grande do Norte[60] e possuía 46 231 eleitores em dezembro de 2014, totalizando 1,987% do eleitorado potiguar.[61]

BibliografiaEditar

  • IBGE Cidades . Acesso em 1° de agosto de 2004.
  • MINEIRO, Fernando. Natal em Perfil 1998. 2ª ed. rev. e atual. Natal: 1998.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 29 de março de 2019 
  2. a b IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NO BRASIL E UNIDADES DA FEDERAÇÃO COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1 DE JULHO DE 2018» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2014. Consultado em 6 de julho de 2015 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. «Brasil | Cidades e Estados | IBGE». www.ibge.gov.br. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  7. «Distância entre Natal - RN e Macaíba - RN». www.distanciaentreascidades.com.br. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  8. «Rede Agencias RN - Banco do Nordeste». www.bnb.gov.br. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  9. cidades.ibge.gov.br https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rn/macaiba/panorama. Consultado em 30 de janeiro de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  10. «Centro Espírita - Escola da Alma». ocentroespirita.com. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  11. «Quem é o Augusto Severo? Por que ele foi nome de aeroporto? • Brechando». Brechando. 22 de setembro de 2015. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  12. «Ministério da Justiça e Negócios Interiores (1889-1930)». mapa.an.gov.br. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  13. Navarro, Eduardo de Almeida (2013). Dicionário Tupi Antigo. A língua indígena clássica do Brasil. São Paulo: Global Editora. ISBN 978-85-260-1933-1 
  14. http://cpdoc.fgv.br. «VELHO, Pedro» (PDF) 
  15. a b c Adm. do site (2008). «História de Macaíba». Prefeitura de Macaíba – RN. Consultado em 28 de abril de 2013. Arquivado do original em 14 de julho de 2013 
  16. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 29 de março de 2019. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2017 
  17. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2016). «Divisão Territorial Brasileira 2016». Consultado em 29 de março de 2019 
  18. a b c d e «Perfil do seu município: Macaíba» (PDF). Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente. 2013. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 7 de julho de 2015 
  19. «Mapa Exploratório-Reconhecimento de solos do município de Macaíba, RN» (PDF). Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 7 de julho de 2015 
  20. a b «Clima: Macaíba». Climate Data. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 7 de julho de 2015 
  21. a b «UMIDADE RELATIVA DO AR». Universidade Federal de Campina Grande. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  22. a b «Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (°C) - Macaíba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 28 de julho de 2015 
  23. a b «Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (°C) - Macaíba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 28 de julho de 2015 
  24. «Série Histórica - Dados Diários - Umidade Relativa (%) - Macaíba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 28 de julho de 2015 
  25. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Estação: PIRIPIRI». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015 
  26. a b «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2004 - Posto: Macaíba (Piripiri)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2004. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  27. a b «Ocorrência de Chuvas (mm) - 1998 - Posto: Parnamirim (EMATER)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 1998. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  28. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 2/1917 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  29. a b «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2008 - Posto: Macaíba (Piripiri)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2008. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  30. a b «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2002 - Posto: Parnamirim (EMATER)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2002. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  31. a b c d «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2013 - Posto: Macaíba (Piripiri)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2013. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  32. a b c «Ocorrência de Chuvas (mm) - 1997 - Posto: Macaíba (Piripiri)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 1997. Consultado em 8 de julho de 2015 
  33. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 10/1955 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  34. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2006 - Posto: Macaíba (Cia. de Polícia)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2008. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  35. a b c d «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2008 - Posto: Macaíba (Cia. de Polícia)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2008. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  36. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 12/1943 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  37. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 6/1912 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  38. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 5/1961 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  39. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2012 - Posto: Macaíba (Piripiri)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2012. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2012 
  40. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 5/1935 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  41. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2008 - Posto: Macaíba (Cia. de Polícia)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2009. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  42. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 4/1985 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  43. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 6/1913 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  44. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 6/1986 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  45. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2014 - Posto: Macaíba (Piripiri)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2014. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  46. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2009 - Posto: Macaíba (Piripiri)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2009. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  47. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 4/1986 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  48. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. «Chuvas - médias diárias - 3/1960 - Estação: Macaíba (Piripiri)». Agência Nacional de Águas. Consultado em 8 de julho de 2015. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  49. a b «LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE MACAÍBA» (PDF). Câmara Municipal de Macaíba. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 7 de julho de 2015 
  50. «FOTOS EX-PREFEITOS». Prefeitura de Macaíba. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 7 de julho de 2015 
  51. «Dr. Fernando 33». Portal Eleições 2012. 2012. Consultado em 7 de julho de 2015 
  52. «Prefeitos do Pros e PSB com Robinson». Gazeta do Oeste. 15 de julho de 2014. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 7 de julho de 2015 
  53. «7.4. Apoio técnico, plano, conselho e fundo municipal de assistência social». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 7 de julho de 2015 
  54. a b «9.3. Conselhos». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 7 de julho de 2015 
  55. «14.3. Conselho municipal de direitos da mulher». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2009. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 7 de julho de 2015 
  56. «3.3. Conselho e fundo municipal de educação». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2011. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 7 de julho de 2015 
  57. «6.2. Conselho, fundo e plano municipal de saúde». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 7 de julho de 2015 
  58. «13.5. Conselhos e fundos municipais». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2009. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 7 de julho de 2015 
  59. «LEI COMPLEMENTAR Nº 165, DE 28 DE ABRIL DE 1999». Ministério Público do Rio Grande do Norte. Consultado em 7 de julho de 2015 
  60. «Eleitor / Estatísticas de eleitorado / Consulta por Município/Zona». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 7 de julho de 2015 
  61. «Eleitor / Estatísticas de eleitorado / Consulta Quantitativo». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 7 de julho de 2015 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Macaíba
 A Wikipédia possui o Portal do Rio Grande do Norte. Artigos sobre história, cultura, atrações, personalidades e geografia.