Macau (Rio Grande do Norte)

município brasileiro do estado do Rio Grande do Norte
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Macau, veja Macau (desambiguação).

Macau é um município brasileiro no estado do Rio Grande do Norte, localizado no Polo Costa Branca. De acordo com o IBGE, no ano 2018 sua população era estimada em 31.584 habitantes. Macau possui uma área territorial de 788 km² e está localizada a 175 km da capital do estado, Natal.

Macau
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Macau
Bandeira
Brasão de armas de Macau
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Terra do Sal"
Gentílico macauense
Localização
Localização de Macau no Rio Grande do Norte
Localização de Macau no Rio Grande do Norte
Mapa de Macau
Coordenadas 5° 06' 54" S 36° 38' 02" O
País Brasil
Unidade federativa Rio Grande do Norte
Região intermediária[1] Mossoró
Região imediata[1] Açu
Municípios limítrofes Guamaré (L), Porto do Mangue (NO), Afonso Bezerra (SO), Pedro Avelino (SE), Pendências (O).
Distância até a capital 175 km[2]
História
Fundação 1875
Aniversário 9 de setembro
Administração
Prefeito(a) Tulio Bezerra Lemos (PSD, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [3] 788,036 km²
População total (est. IBGE/2018[4]) 31 584 hab.
 • Posição RN: 17º
Densidade 40,1 hab./km²
Clima Semiárido (Bsh)
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[5]) 0,665 médio
 • Posição RN: 13°
PIB (IBGE/2012[6]) R$ 722,244,053 mil
PIB per capita (IBGE/2008[6]) R$ 16 684,81

O município está numa região produtora de sal marinho (uma das principais do Brasil), petróleo e de pescados, sendo um dos maiores produtores nacionais de sardinha. Macau é bastante conhecida na região por seu carnaval, o que atrai visitantes de quase todo o estado do Rio Grande do Norte.

HistóriaEditar

Macau tem suas origens no início do século XIX, quando ainda era conhecida por ilha de Manoel Gonçalves — região já colonizada para a produção de sal. Seu nome atual deriva de A-man-gao ("baía de Ama"), expressão chinesa que deu o nome à então colônia Portuguesa de Macau, hoje parte da China. Segundo Câmara Cascudo, Macau, no Rio Grande do Norte, tem este nome em razão das semelhanças geográficas com a ex-colônia portuguesa na China. Entretanto, há uma controvérsia em realização à origem do topônimo. Segundo Getúlio Moura, em seu livro "Um Rio Grande e Macau", o nome Macau tem origem nas araras vermelhas que habitavam a região do Vale do Açu, cujos habitantes indígenas chamavam de "Macaw". No livro de Getúlio Moura há mapas da região com figuras das citadas araras que originaram o nome atual do município.

GeografiaEditar

 
Rio Piranhas-Açu próximo à sua foz

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vigente desde 2017,[7] Macau pertence à região geográfica intermediária de Mossoró e à região imediata de Açu.[1] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, fazia parte da microrregião de Macau, que por sua vez estava incluída na mesorregião Central Potiguar.[8]

O município de Macau está distante 175 quilômetros de Natal, capital estadual,[2] e 2 086 quilômetros de Brasília, capital federal.[9] Ocupa uma área de 788,036 quilômetros quadrados,[3] integra o Polo Costa Branca e se limita com os municípios de Guamaré a leste; Afonso Bezerra, Pendências e Pedro Avelino a sul; Carnaubais, Porto do Mangue e Pendências a oeste, além de ser banhado pelo Oceano Atlântico a norte.[10]

O relevo do município, com altitudes inferior a cem metros, é formado pela planície costeira, que abrange terrenos alterados pela presença de dunas e ocorre no litoral, compreendendo praias limítrofes com o mar e os tabuleiros costeiros, também denominados "planaltos rebaixados", compostos por argila, próximo do litoral. Macau está situada em área de abrangência das rochas do Grupo Barreiras, provenientes da Idade Terciária, com idade aproximada de trinta milhões de anos. Na zona litorânea encontram-se as dunas, formadas pela ação dos ventos. No estuário do rio Piranhas/Açu situam-se os aluviões, na planície fluviomarinha, onde estão as áreas de extração de sal. Mais para sul, após o Grupo Barreiras, encontram-se as rochas pertencentes às formações Jandaíra e Tibau.[10]

Maiores acumulados de precipitação
em 24 horas registrados em Macau
por meses (INMET)[11]
Mês Acumulado Data
Janeiro 104 mm 22/01/2016
Fevereiro 71,5 mm 23/02/1964
Março 112,7 mm 16/03/1982
Abril 113,5 mm 03/04/2008
Maio 60,4 mm 15/05/2014
Junho 70 mm 19/06/1965
Julho 54 mm 16/07/2011
Agosto 29 mm 19/08/1969
Setembro 20,6 mm 18/09/1974
Outubro 5,4 mm 19/10/1965
Novembro 25,6 mm 30/11/1978
Dezembro 53,7 mm 30/12/1967
Período: 01/01/1961 a 31/12/1970, 01/05/1973 a
31/12/1984 e 07/01/1994-presente

Os tipos de solo predominantes são a areia quartzosa distrófica, caracterizado por seu baixo nível de fertilidade, textura formada por areia e drenagem excessiva; o solochak solonétzico, que possui alto grau de salinidade e drenagem imperfeita; e o latossolo vermelho amarelo eutrófico, com textura média, forte drenagem e fertilidade de média a alta. Há também as areias quartzosas marinhas, o solo bruno não cálcico vértico e o cambissolo.[10][12] Esses solos são cobertos por cinco tipos de vegetação diferentes: a caatinga hiperxerófila, o carnaubal, os manguezais, a restinga e a vegetação halófica. Macau abriga, junto com Guamaré, uma unidade de conservação ambiental, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Estadual Ponta do Tubarão, criado em julho de 2003 pela lei estadual 8 349, cobrindo uma área de 12 946,03 hectares (ha).[10]

Macau possui seu território situado na bacias hidrográfica do rio Piranhas/Açu e na faixa litorânea norte de escoamento difuso.[13] Os principais riachos são Água Vermelha, Lamarão, Taborda e do Sangue, e as principais lagoas são dos Cavalos, Grande e do Sítio. O principal reservatório é o Açude Bêbado, com capacidade para 108 mil metros cúbicos (m³) de água. Outros açudes importantes são Cana Brava e Jambeiro, ambos com capacidade para 100 000 m³.[10]

Mesmo localizado no litoral, o clima de Macau é semiárido, do tipo Bsh na classificação climática de Köppen-Geiger, com baixa amplitude térmica e temperaturas médias mensais em torno dos 28 °C. O índice pluviométrico é baixo, de pouco mais de 500 milímetros (mm) anuais, um dos menores do país, concentrados em poucos meses, sendo o pico observado em março e abril. O tempo de insolação é de aproximadamente 2 600 horas/ano.[14] Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 1970, 1973 a 1984 e a partir de 1994, a menor temperatura registrada em Macau foi de 17,3 °C em julho de 1964,[15] nos dias 16 e 17, e a maior atingiu 38,9 °C em 3 de março de 2013.[16][17] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi 113,5 mm em 3 de abril de 2008. Outros acumulados iguais ou superiores a 100 mm foram 112,7 mm em 16 de março de 1982, 105,8 mm em 31 de março de 1967, 104 mm em 22 de janeiro de 2016 e 100,8 mm em 13 de abril de 1964.[17][11] Abril de 2006, com 332,9 mm, foi o mês de maior precipitação.[18]

Dados climatológicos para Macau
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 37 37,9 38,9 36,8 37,1 36,9 36,3 37 37,8 37,8 38 37,9 38,9
Temperatura máxima média (°C) 31,8 32,1 32 32,2 32,3 32 32,1 32,8 33,1 32,6 32,3 32 32,3
Temperatura mínima média (°C) 24,7 24,9 25 24,7 24,5 23,4 22,8 22,6 23,1 23,6 24,2 24,4 24
Temperatura mínima recorde (°C) 19,3 18 19,8 20,1 19,2 18 17,3 18 17,9 18,2 18,5 19,4 17,3
Precipitação (mm) 44,6 58,6 126,5 135,9 73,2 34,6 22,9 10,4 2,2 0,9 2,2 6,4 518,4
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 4 5 10 11 7 6 3 2 1 1 0 1 51
Umidade relativa compensada (%) 73,3 75,5 77,2 78,5 75,2 73,6 68,9 67,5 66,7 67,4 69,8 70,9 72
Horas de sol 221,3 187,2 189,3 178,6 177,5 175,7 183,5 229,8 251,6 271,4 273,6 243,9 2 583,4
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[14] recordes de temperatura: 01/01/1961 a 31/12/1970, 01/05/1973 a 31/12/1984 e 07/01/1994-presente)[17][15][16]

Feriados municipaisEditar

Os seguintes dias são feriados no município de Macau[19]:

  • 15 de Agosto – Dia de N. S. dos Navegantes
  • 09 de Setembro – Emancipação Política do Município Cível
  • 08 de Dezembro – Padroeira Nossa Sra. da Conceição

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. a b «Distância entre Natal - Rio Grande do Norte, Brasil e Macau - Rio Grande do Norte, Brasil». Consultado em 13 de junho de 2014 
  3. a b IBGE (15 de janeiro de 2013). «Área territorial oficial - consulta por município». Resolução da Presidência do IBGE de n° 1 de 15 de janeiro de 2013. Consultado em 13 de junho de 2014 
  4. IBGE (1 de julho de 2018). «IBGE Cidades. Estimativa populacional de 2018». Consultado em 1 de agosto de 2019 
  5. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Consultado em 6 de agosto de 2013 
  6. a b IBGE. «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Consultado em 11 dez. 2010 
  7. IBGE (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 29 de março de 2019. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2017 
  8. IBGE (2016). «Divisão Territorial Brasileira 2016». Consultado em 29 de março de 2019 
  9. «Distância entre Macau - Rio Grande do Norte, Brasil e Brasília - Distrito Federal, Brasil». Consultado em 13 de junho de 2014 
  10. a b c d e Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente (IDEMA-RN) (2008). «MACAU» (PDF). Consultado em 13 de junho de 2014 
  11. a b Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Macau». Consultado em 13 de junho de 2014 
  12. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). «Mapa Exploratório-Reconhecimento de solos do município de Macau, RN» (PDF). Consultado em 13 de junho de 2014 
  13. Secretaria de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH-RN). «Bacias hidrográficas». Consultado em 13 de junho de 2014 
  14. a b INMET. «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Consultado em 24 de março de 2018 
  15. a b INMET. «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Macau». Consultado em 13 de junho de 2014 
  16. a b INMET. «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Macau». Consultado em 13 de junho de 2014 
  17. a b c INMET. «Estação: MACAU (A317)». Consultado em 15 de julho de 2020 
  18. INMET. «Banco de Dados Meteorológicos». Consultado em 15 de julho de 2020 
  19. Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte (TJRN). «Feriados municipais das comaras do RN». Consultado em 24 de junho de 2015 

BibliografiaEditar

  • AVELINO, Gilberto, SEREJO, Vicente. Poetas de Macau. Academia Norte-Riograndense de Letras
  • MOURA, Getúlio. Um Rio Grande e Macau: cronologia da História Geral. Fundação José Augusto (RN).

Ligações externasEditar

Ver tambémEditar