Mafrense

Transportadora rodoviária portuguesa

A Mafrense é uma empresa de transportes rodóviários de passageiros, sediada em Mafra, Portugal. Remonta aos anos 1920, quando foi fundada como Empresa Viação Mafrense (EVM; por vezes apresentada anacronicamente como Empreza Viação Mafrense), fazendo parte do Grupo Barraqueiro desde 1996. Opera 33 carreiras regulares de autocarro que servem o concelho de Mafra (e, liminarmente, alguns concelhos próximos: Sintra, Torres Vedras, Loures, e Lisboa), com 360 circulações diárias e 90 viaturas a elas adstritas,[1] e dedica-se também ao aluguer de autocarros, tanto em regime fixo como ocasional,[2] para o que dispõe de 70 viaturas adicionais, com capacidades que variam de 15 a 101 lugares.[1]

Mafrense
Privada (alvará n.º 200113)
Fundação aprox. 1920 (há 100 anos)
Sede Av. Dr. Francisco Sá Carneiro,

Núcleo Empresarial de Mafra:
Rua 6, pav. 2
PT-2640-486 MAFRA

Área(s) servida(s)
Empresa-mãe Barraqueiro Transportes
Website oficial https://www.mafrense.pt/
Autocarro da Mafrense na Ericeira em 2016, alugado por excusionistas do Web Summit.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a histórica empresa rodoviária de Mafra, Portugal. Para o desbravador do Piauí, veja Domingos Afonso Mafrense. Para o clube brasileiro historicamente chamado Operários Mafrenses, veja Esporte Clube Operário de Mafra. Para o bairro de Teresina, Brasil, veja Lista de bairros de Teresina § Zona Norte.

HistóriaEditar

 
Sardinha Dias com um dos primeiros veículos da frota, junto ao Convento de Mafra, anos 1930.

João Sardinha Dias, que viria a fundar a empresa, operava um serviço de passageiros a tração animal (diligências) em finais da década de 1910,[3] que, já no início da década seguinte, ligava em carreiras regulares Mafra a Sintra e a Mafra-Gare.[1] Tais trajetos existiam já em 1913, pelo menos,[4] mas Sardinha Dias foi pioneiro na transição para a tecnologia automóvel, introduzindo autocarros em meados da década de 1920,[3] alargando o raio de acção da empresa.[1]

Em 1929 é criada a carreira MafraLisboa[1] (atual 208), logo estendida à Ericeira, e é aberto um escritório na capital, ao Martim Moniz.[3] A ligação a Mafra-Gare (sem equivalente direto atual) é relançada em autocarro em Agosto de 1930, em coordenação com os horários da Linha do Oeste, seguindo-se a ligação MafraSintra (atual 220), em Julho de 1937.[3]

 
Martim Moniz em 1968, ainda o terminal lisboeta de várias empresas rodoviárias suburbanas, como a Mafrense

Inicia-se um período de expansão nas décadas seguintes, com a criação de novas carreiras que servem cada vez mais densamente o concelho e o interligam aos concelhos limítrofes (Torres Vedras e Sintra), e a ampliação e renovação da frota.[1] Em 1941 é inaugurada a estação-garagem da Rua da Madeira, em Mafra — até então a empresa tinha instalações na Rua Almirante Reis.[3] Em 1954 a Empresa Viação Mafrense torna-se na João Sardinha Dias, L.da, uma sociedade por quotas; e em 26 de Agosto de 1959 abre uma central de camionagem em Mafra (na atual Av. 25 de Abril),[1] com capacidade para 60 autocarros (numa altura em que a empresa tinha uma frota de 35 veículos, usados em catorze carreiras), instalações de apoio ao passageiro, e espaços comerciais anexos.[3] João Sardinha Dias falece em Novembro de 1963, após ter passado a gerência da empresa para o genro, Joaquim Silveira Lima Costa.[3]

 
Autocarros frente ao Convento de Mafra, em 1967.

Apesar de não ter sido incorporada na Rodoviária Nacional em 1975[3], fruto da sua reduzida dimensão (menos de 100 viaturas)[carece de fontes?] o crescimento que sofreu na década seguinte ditou a sua absorção pelo Grupo Barraqueiro (aquisição formalizada a 19 de Fevereiro de 1996),[1] que manteve a marca "Mafrense"[3] como uma das suas Zonas Operacionais.[1] Nesta, às operações já detidas pela firma João Sardinha Dias, L.da foram adicionadas também as carreiras nos concelhos de Sintra e Mafra da Rodoviária da Estremadura, também adquirida pelo Grupo Barraqueiro.[1] No último dia de 1998 dá-se a dissolução formal da João Sardinha Dias, L.da na Rodoviária da Estremadura, S.A., que por sua vez em 16 de Novembro de 2001 se funde a várias outras empresas para formar a Barraqueiro Transportes, S.A.[1]

 
Praça fronteira ao Convento de Mafra, em 2016.

Recentemente[quando?], as instalações da Mafrense foram transferidas da histórica central de camionagem para o Núcleo Empresarial de Mafra, mais desafogado[1] e afastado do centro da localidade. A empresa criou também um balcão de atendimento ao público na praça fonteira ao Convento de Mafra.[1]

Em 2015 a Mafrense lançou, em colaboração com a Câmara Municipal de Mafra e das juntas de freguesia da Ericeira e da Carvoeira, uma nova carreira sazonal especializada, a 248, que liga Mafra às praias da Foz do Lizandro e de Ribeira d’Ilhas — a Ericeira Beach Bus, assegurada por veículos de tipo minibus, com janelas panorâmicas e equipados com atrelado de carga vocacionado para o transporte de pranchas de surf; este serviço tem um tarifário próprio (1,00 € por viagem, com desconto para assinaturas e pré-comprados) e não se integra na bilhética das demais carreiras.[5][6]

Na sequência da criação do passe Navegante em abril de 2019, foi noticiada a preocupação de passageiros da Mafrense com uma possível rotura da oferta da empresa, face ao aumento esperado da procura.[7] Em Outubro a empresa registava efetivamente aumentos significativos na procura, com as carreiras diretas para Lisboa (200, 207, 209, e 229) a necessitar de desdobramentos para dar vazão a mais do dobro da média de passageiros dos anos anteriores.[8]

Em junho de 2019, foi lançado experimentalmente pela Câmara Municipal de Mafra um serviço de transporte rodoviário a pedido nas freguesias de Igreja Nova e Cheleiros, com a colaboração da Mafrense, que fornece a frota e a infraestrutura.[9]

CarreirasEditar

As carreiras da Mafrense distinguem-se em dois tipos — um vocacionado para o serviço das áreas rurais, com paragens mais interdistantes e cadências de passagem mais esparsas, outro adaptado ao serviço urbano em vilas e cidades, com cadências elevadas e paragens concentradas.[2] Em dados de 2020, opera as seguintes carreiras:[1]:

Notas:

  • Das 33 carreiras referidas no comunicado oficial,[1] apenas 22 são listadas na app oficial (marcadas com "M"),[10][11] enquanto que a app independente Moovit mostra 38 (marcadas com " ❗︎ ")[12]
  • Várias das catorze carreiras existentes em 1959 (Lisboa ⇆ Encarnação; Lisboa ⇆ Ericeira; Encarnação ⇆ Torres Vedras; Mafra ⇆ Sintra; Ericeira ⇆ Pero Negro; Mafra ⇆ Mafra (gare); Barril ⇆ Torres Vedras; Mafra ⇆ Santa Cruz; Azenha Velha ⇆ Coutada; Mafra ⇆ Turcifal; Livramento ⇆ Mafra; Mafra ⇆ Carvalhal; Pêro Pinheiro ⇆ Sintra (estação); Ericeira ⇆ Malveira (estação))[3] persistem na rede atual, algumas exatamente (marcadas com "59"), outras aproximadamente (marcadas com "59"); excetuam-se percursos que deixaram de ser servidos por carreiras diretas, mas passíveis de percorrer com recurso a transbordo, nomeadamente MafraMafra-Gare e Azenha Velha ⇆ Coutada, e os percursos destinados a Santa Cruz, Livramento, e Turcifal, já que estes destinos deixaram de ser servidos pela Mafrense.[11][12]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o «A Empresa». Consultado em 26 de junho de 2020 
  2. a b «Serviços». Consultado em 26 de junho de 2020  (saite oficial)
  3. a b c d e f g h i j José Luís Covita: “A “Empresa de Viação Mafrense” de João Sardinha Dias: 75 anos de autocarrosTransportes em Revista 34 (2005.12)
  4. «Serviço de Diligencias». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. 39 (168). Outubro de 1913. p. 152-155. Consultado em 7 de Março de 2018 
  5. a b Carlos Moura: “Com transporte de pranchas : Mafrense lança serviço regular Ericeira Beach BusTransportes em Revista (2015.07.03)
  6. a b J.M.: “Ericeira : Horários do Ericeira Beach BusJornal de Mafra (2019.06.23)
  7. Jéssica Sousa: “Passageiros da Mafrense receiam falta de autocarrosJornal Económico (2019.04.05)
  8. J.M.: “…E os problemas na Mafrense continuamJornal de Mafra (2019.10.01)
  9. Pedro Venâncio: “Mobus : Mafra com transporte a pedido a partir de junhoTransportes em Revista 34 (2019.05.31)
  10. «Horários Mafrense». Consultado em 6 de julho de 2020 
  11. a b «Horários Mafrense». Consultado em 6 de julho de 2020 
  12. a b «Mafrense: Lisboa - Todos Autocarro rotas». Consultado em 26 de junho de 2020 

Ligações externasEditar