Abrir menu principal
Magnêncio
Usurpador do Império Romano
Double Centenionalis Magnentius-XR-s4017.jpg
Centenional com efígie de Magnêncio. Embora tenha restaurado alguns direitos dos pagãos, o reverso desta moeda leva o lábaro cristão.
Reinado 18 de janeiro de 35011 de agosto de 353
Consorte Justina
Antecessor(a) Constante I
Sucessor(a) Constâncio II
Nome completo
Flavius Magnus Magnentius
Nascimento 303
  Samarobriva, Gália
Morte 11 de agosto de 353 (50 anos)
  Monte Seleuco

Flávio Magno Magnêncio (em latim: Flavius Magnus Magnentius) foi um usurpador romano contra os imperadores Constante I e Constâncio II entre 350 e 353.

Índice

CarreiraEditar

Nascido em Samarobriva (Amiens, na Gália), Magnêncio era o comandante dos hercúleos e jupiterianos, as unidades responsáveis pela proteção do imperial.[1] Quando a insatisfação contra o imperador Constante I tornou-se insuportável, o exército romano em Autun proclamou Magnêncio imperador em 18 de janeiro de 350. Constante foi abandonado por virtualmente todas as suas forças e ele acabou assassinado por um grupamento de cavalaria leve perto dos Pirenéus.

Magnêncio rapidamente arregimentou a lealdade das províncias da Britânia, Gália e Hispânia, em parte por que ele se mostrou ser muito mais tolerante tanto com os cristãos quanto com os pagãos. Seu controle sobre Itália e África foi exercido através da eleição de alguns de seus homens para os cargos mais importantes. Porém, a breve revolta de Nepociano, um membro da dinastia constantiniana, mostrou a Magnêncio que sua posição precisava ser consolidada frente aos membros da família do grande Constantino.

Ele tentou em seguida reforçar seu controle sobre os territórios controlados pelo finado Constante e marchou para o Danúbio. Vetrânio, comandante das legiões da Panônia, havia sido proclamado augusto por suas tropas em Mursa (Osijek, na Hungria) em 1 de março. Esta revolta tinha um verniz legalista, pois Vetrânio tinha o apoio de Constância, e o próprio Constâncio II o reconheceu enviando-lhe o diadema imperial.

DerrocadaEditar

O último imperador da família de Constantino, Constâncio II, interrompeu sua campanha na Síria contra os persas sassânidas e marchou para o ocidente. Apesar dos esforços de Magnêncio para atrair Vetrânio para sua causa, o velho general alcançou Constâncio com seu exército e abdicou.

Depois de fazer de Decêncio Magno (provavelmente seu irmão) um césar e de alistar tantos soldados quanto possível, os exércitos de Magnêncio e Constâncio se enfrentaram na Batalha de Mursa Maior em 351. Magnêncio liderou suas tropas pessoalmente enquanto Constâncio passou o dia rezando numa igreja próxima. Apesar do heroísmo de Magnêncio, seu exército foi derrotado e teve que recuar para a Gália.

Por causa da derrota de Magnêncio, a Itália expulsou suas tropas e se juntou à causa legalista. Magnêncio tentou resistir em 353 na Batalha do Monte Seleuco, mas, derrotado, suicidou-se caindo sobre sua espada.

Depois que a revolta de Magnêncio foi sufocada, Constâncio iniciou uma investigação para descobrir quem eram seus aliados. O mais notório dentre eles era o primicério dos notários Paulo Catena.

Algumas fontes afirmam que o pai de Magnêncio era um britônico e sua mãe, uma franca.[2]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Zósimo, ii.58
  2. Drinkwater pp.131–59. Fontes primárias: Aurélio Vítor, Sobre os Césares 42.7; Zósimo. HN 2.46.3, 54.1; Zonar. 13.6.1.

BibliografiaEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Magnêncio
  • Cameron, Averil, and Peter Garnsey ed., The Cambridge Ancient History, Vol XIII, Cambridge University Press, 1988.
  • Drinkwater, J.F. (2000). «The revolt and ethnic origin of the usurper Magnentius (350–53), and the rebellion of Vetranio (350)». Chiron (30)