Mago (fantasia)

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Mago (desambiguação).

Um(a) mago(a), também conhecido como um mágico(a), magista, bruxo(a), encantador(a), encantante, feiticeiro(a), entre outros termos e, em inglês, warlock,[2] wizard/wizardess/wizarder/witch/witcher (pessoa sábia),[3] enchantress/encanter, sorcerer/sorceress e etc, é alguém que usa ou pratica magia derivada de fontes sobrenaturais, ocultas, ou arcanas.[4]:54 Os magos são figuras comuns em obras de fantasia, como literatura de fantasia e role-playing games, e desfrutam de uma rica história em mitologia, lendas, ficção e folclore.

O Jardim Encantado de Messer Ansaldo, de Marie Spartali Stillman (1889): Um mágico faz um jardim dar frutos e flores no inverno para Messer Ansaldo conquistar o coração de uma mulher casada.[1]

Arquétipos de personagensEditar

 
O Encantador Merlin, por Howard Pyle, de A História do Rei Arthur e Seus Cavaleiros (1903)

No romance medieval de cavalaria, o praticante de magia geralmente aparece como um velho sábio e atua como um mentor, como Merlin das histórias do Rei Arthur sendo um exemplo primordial.[5]:195 Alguns como Gandalf em O Senhor dos Anéis e Alvo Dumbledore de Harry Potter também são apresentados como mentores, e Merlin permanece proeminente como uma força tanto educativa quanto mentora nas obras modernas da Arturiana.[6]:637 [7] Outros, como Saruman de O Senhor dos Anéis ou Lord Voldemort de Harry Potter, podem aparecer como vilões hostis.[6]:193 Feiticeiros vilões eram tão cruciais para a fantasia pulp que o gênero em que apareceram foi apelidado de espada e feitiçaria.[6]:885

O Feiticeiro de Terramar, de Ursula K. Le Guin, explorou a questão de como os magos aprenderam sua arte, introduzindo na fantasia moderna o papel do mago como protagonista.[8] Este tema foi desenvolvido na fantasia moderna, muitas vezes levando os magos como heróis em suas próprias missões.[9] Tais heróis podem ter seu próprio mentor, um mago também.[6]:637

Os magos podem ser projetados de maneira semelhante ao professor distraído: sendo tolo e propenso a conjurar magias falhas. Eles também podem ser capazes de grande mágica, boa ou má.[4]:140–141 Até os bruxos cômicos costumam ter grandes feitos, como os de Miracle Max em A Princesa Prometida; embora ele seja um mago detonado demitido pelo vilão, ele salva o herói que está morrendo.[10]

AparênciaEditar

 
Assistente de cabelos brancos e barba branca com roupões e chapéu pontudo

Magos costumam ser retratados como pessoas velhas, de cabelos brancos, e longas barbas que, em geral, refletem sua idade. Essa representação é anterior ao gênero da fantasia moderna, derivada da imagem tradicional de sacerdotes do zoroastrismo influenciando personagens posteriores como Merlin.[7][11]Terry Pratchett descreveu as vestes como a maneira de um mago estabelecer com aqueles que eles encontram de que são capazes de praticar magia.[12]

Já bruxas, e feiticeiras quase sempre aparecem como velhas de aparência assustadora ou jovens tão mortais quanto sedutoras. Essas representações derivam respectivamente do imaginário medieval e da imagem das fadas e sereias.

LimitesEditar

Para introduzir conflito, os escritores de ficção de fantasia muitas vezes impõem limites às habilidades mágicas dos magistas para impedir que resolvam problemas com muita facilidade.[6]:616 Em The Magic Goes Away, de Larry Niven, quando a mana de uma área se esgota, ninguém pode usar magia.[6]:942 Um limite comum inventado por Jack Vance em sua série The Dying Earth, e mais tarde popularizado em role-playing games, é que um mago só pode lançar um número específico de feitiços em um dia.[6]:385

A magia também pode exigir vários sacrifícios ou o uso de certos materiais, como pedras preciosas, sangue ou sacrifício vivo. Mesmo que o mágico não tenha escrúpulos, a obtenção do material pode ser difícil.[13] 

A extensão do conhecimento de um mago é limitada a quais feitiços um mago conhece e pode lançar.[14] A magia também pode ser limitada por seu perigo; se um feitiço poderoso pode causar sérios danos se for mal interpretado, é provável que os magos sejam cautelosos ao usá-lo.[4]:142 Outras formas de magia são limitadas por consequências que, embora não sejam inerentemente perigosas, são pelo menos indesejáveis. Em A Wizard of Earthsea, todo ato de magia distorce o equilíbrio do mundo, o que, por sua vez, tem consequências de longo alcance que podem afetar o mundo inteiro e tudo o que nele existe. Como resultado, magos competentes não usam sua magia frivolamente.[14]

Nomes e terminologiaEditar

As pessoas que trabalham com magia são chamadas por vários nomes em obras de fantasia, e a terminologia difere amplamente de um mundo de fantasia para outro. Embora derivados do vocabulário do mundo real, os termos acólito(a), magista, assistente, bruxo(a), prestidigitador(a), feiticeiro(a), encantador(a), encantante/encantriz, druida/druidesa, mágico(a), mago(a), magus ou lançador(a)/conjurador(a) de feitiços/bruxedos/encantação/encantamentos/encantos/sortilégios/azarações/enguiços/charmes/enlevos e etc. têm significados diferentes, dependendo do contexto e da história em questão.[6]:619[2]

O termo arquimago(a) é usado em obras de fantasia como um título para um poderoso mago ou um líder de mágicos.[6]:1027

Razões para distinguir mágicosEditar

Nos jogos de interpretação de papéis, os tipos de usuários de mágica são mais delineados e são nomeados para que os jogadores e mestres do jogo possam saber quais regras se aplicam, como a divisão de "escolas de magia".[6]:385 Gary Gygax e Dave Arneson introduziram o termo "usuário de magia" no Dungeons & Dragons original como um termo genérico para um praticante de magia (para evitar as conotações de termos como wizard ou warlock); isso durou até a segunda edição de Advanced Dungeons & Dragons, onde foi substituída por mago (mais tarde, para se tornar wizard). As regras exatas variam de jogo para jogo. O wizard ou mago, como uma classe de personagem, se distingue pela capacidade de lançar certos tipos de magia, mas sendo fraco em combate; subclasses são distinguidas por pontos fortes em algumas áreas de magia e fraqueza em outras.[15] Os feiticeiros se distinguem dos bruxos por terem um dom inato com a magia, além de terem ascendência mística ou mágica.[16] Os bruxos se distinguem dos wizards por criar "pactos" proibidos com criaturas poderosas para aproveitar seus dons mágicos inatos.

Os encantadores costumam praticar um tipo de magia que não produz efeitos físicos em objetos ou pessoas, mas engana o observador ou o alvo através do uso de ilusões. As encantadoras em particular praticam essa forma de mágica, muitas vezes para seduzir.[6]:318 Por exemplo, a Dama do Vestido Verde em A Cadeira de Prata, de C. S. Lewis, encanta Rilian a esquecer seu pai e Nárnia; quando esse encantamento é quebrado, ela tenta encantá-lo com uma fumaça doce e um instrumento musical vibrante para confundir ele e seus salvadores a esquecê-los novamente.[17]

O termo feiticeiro é usado com mais frequência quando o mago em questão é mau. Isso pode derivar de seu uso em espada e feitiçaria, onde o herói seria o manejador de espadas, deixando a feitiçaria para o oponente.[6]:885

Bruxa também carrega conotações más. L. Frank Baum nomeou Glinda a "Boa Bruxa do sul" em O Maravilhoso Mágico de Oz. Na Terra Maravilhosa de Oz , ele a apelidou de "Glinda a Boa", e a partir desse momento e nos livros subsequentes Baum se referiu a ela como feiticeira e não como bruxa para evitar o termo que era mais considerado mau.[18]

Títulos baseados em gêneroEditar

Mago geralmente se refere a um homem, enquanto bruxa geralmente se refere a uma mulher. Em Harry Potter, homens com habilidades mágicas são chamados de bruxos e mulheres de bruxa. O termo mago é às vezes usado como um equivalente masculino de bruxa na ficção. No entanto, qualquer um dos termos pode ser usado de maneira unissex, caso em que haverá membros de ambos os sexos com esse título. Se os dois termos forem usados na mesma configuração, isso pode indicar um título baseado em gênero para praticantes de magia idêntica, como em Harry Potter, ou pode indicar que existem pessoas que praticam diferentes tipos de magia, como no Discworld.[6]:1027

Traços dos magosEditar

Um motivo comum na ficção é que a capacidade de usar magia é inata e geralmente rara, ou adquirida através de uma grande quantidade de estudos e práticas.[6]:616 Na Terra Média de J. R. R. Tolkien, ela se limita principalmente a não-humanos, embora algumas pessoas ganhem pequenas quantidades e se tornem conhecidas como feiticeiros (magos são espíritos poderosos). Em trabalhos de muitos escritores, é reservada para um grupo seleto de humanos e/ou a seres mágicos, como nos livros de Harry Potter, de J. K. Rowling

EducaçãoEditar

 
O Alquimista de William Fettes Douglas (1853): estudando pelo conhecimento arcano

Os mágicos normalmente aprendem feitiços lendo tomos antigos chamados grimórios, que podem ter suas próprias propriedades mágicas.[6]:126 Os feiticeiros de Conan, o Bárbaro, frequentemente obtinham poderes de tais livros, que são demarcados por suas estranhas ligações. Em mundos onde a magia não é uma característica inata, a escassez desses livros estranhos pode ser uma faceta da história; em A Midsummer Tempest, de Poul Anderson, o príncipe Rupert busca os livros do mágico Prospero para aprender magia.

Materiais mágicosEditar

 
A Bola de Cristal por John William Waterhouse (1902): usando material para fins mágicos; o cristal, um livro, uma caveira e uma varinha

Historicamente, muitos mágicos autoproclamados exigiam materiais raros e preciosos, tais como bolas de cristal, ervas raras (geralmente escolhidas por rituais prescritos) e produtos químicos, como mercúrio. Isso é menos comum na fantasia. Muitos mágicos não precisam de nenhum material;[6]:617 aqueles que o fazem podem exigir apenas materiais simples e facilmente obtidos.

Varinhas e cajados há muito tempo são usados como requisitos para o mago.[5]:152 A primeira varinha mágica foi apresentada na Odisséia, usada por Circe para transformar os homens de Odisseu em animais.[19] Os contos de fadas italianos colocam varinhas nas mãos de fadas poderosas no final da Idade Média. Hoje, varinhas mágicas são difundidas e são usadas do Mundo Bruxo a Harry Potter. Em O Senhor dos Anéis, Gandalf se recusa a entregar seu próprio cajado, quebrando o de Saruman, o que tira deste o seu poder. Essa dependência de um item mágico em particular é comum e necessária para limitar o poder do mago pelo bem da história - sem ele, os poderes do mago podem ser enfraquecidos ou ausentes por completo.[14] No universo de Harry Potter, um mago deve gastar muito mais esforço e concentração para usar a magia sem uma varinha, e apenas alguns podem controlar a magia sem uma varinha; tirar a varinha de um mago em batalha essencialmente o desarma.[20]

Uso de magiaEditar

No entanto, muitos mágicos vivem em ambientes pseudo-medievais nos quais sua magia não é posta em prática na sociedade; eles podem servir como mentores, atuar como companheiros de missão ou até fazer uma jornada eles próprios,[6]:1027 mas sua mágica não constrói estradas ou edifícios, fornece imunizações, constrói encanamento interno ou executa qualquer outra função servida por maquinaria; seus mundos permanecem em um nível medieval de tecnologia.[21]

Às vezes, isso é justificado pelo fato de os efeitos negativos da mágica superarem as possibilidades positivas.[4]:8 Em Windrose Chronicles, de Barbara Hambley, os magos estão precisamente comprometidos em não interferir por causa do terrível dano que podem causar. No Discworld, a importância dos magos é que eles não fazem mágica ativamente, porque quando os bruxos têm acesso a muita "energia taumatúrgica", eles desenvolvem muitos atributos psicóticos e podem eventualmente destruir o mundo. Isso pode ser um efeito direto ou o resultado de um feitiço conjurado erroneamente, causando estragos terríveis.[4]:142

Os poderes atribuídos aos mágicos geralmente afetam seus papéis na sociedade. Em termos práticos, seus poderes podem lhes dar autoridade; mágicos podem aconselhar reis, como Gandalf em O Senhor dos Anéis e Belgarath e Polgara, a Feiticeira, em The Belgariad, de David Eddings. Eles podem ser os próprios governantes, como em The Worm Ouroboros, de E. R. Eddison, em que tanto os heróis quanto os vilões, embora reis e senhores, suplementam seu poder físico com conhecimento mágico, ou como na Trilogia Bartimaeus, de Jonathan Stroud, onde os mágicos são a classe governante.[6]:1027 Por outro lado, os mágicos costumam viver como eremitas, isolados em suas torres e frequentemente no deserto, não trazendo mudanças para a sociedade. Em alguns trabalhos, como muitos de Barbara Hambly, eles são desprezados e excluídos especificamente por causa de seus conhecimentos e poderes.[6]:745

Ver tambémEditar

Referências

  1. «The Enchanted Garden of Messer Ansaldo by Marie Spartali Stillman». ArtMagick. Cópia arquivada em 8 de março de 2016 
  2. a b Russell, Jeffrey B.; Alexander, Brooks; Lagos, William (15 de abril de 2019). História da Bruxaria: Feiticeiras, hereges e pagãs (em inglês). [S.l.]: Editora Aleph 
  3. Gonçalves, Giuliane M.  Santos, Jháred B. Marins, Liliam C. Boito, Fernanda S. Marins, Liliam Cristina Marins; "Shakespeare no meio do quê?". In Olher, Rosa Maria (6 de junho de 2018). Da Torre de Babel à Sociedade Tecnológica. [S.l.]: Clube de Autores
  4. a b c d e Martin, Philip (2002). The Writer's Guide to Fantasy Literature: From Dragon's Lair to Hero's Quest: How to Write Fantasy Stories of Lasting Value. Writer Books 1st ed. Waukesha, Wisconsin: [s.n.] ISBN 0871161958 
  5. a b Frye, Northrop (1971). Anatomy of Criticism; Four Essays. Princeton University Press 2nd ed. Princeton: [s.n.] ISBN 0691012989 
  6. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s Clute, John; Westfahl (1999). The Encyclopedia of Fantasy. St. Martin's Griffin 1st ed. New York: [s.n.] ISBN 0312198698 
  7. a b Driver, Martha W. (2004). The Medieval Hero on Screen: Representations from Beowulf to Buffy. McFarland. Jefferson, North Carolina: [s.n.] pp. 167–191. ISBN 0786419261 
  8. Wood, Susan (1982). The Language of the Night: Essays On Fantasy and Science Fiction. Berkley Books Reprinted ed. New York: [s.n.] ISBN 0425052052 
  9. Fike, Justin. «The Role of Wizards in Fantasy Literature». The Victorian Web 
  10. Card, Orson Scott (1999). Characters and Viewpoint. Writer's Digest Books 1st ed. Cincinnati, Ohio: [s.n.] ISBN 0898799279 
  11. Colbert, David (2001). The Magical Worlds of Harry Potter: A Treasury of Myths, Legends, and Fascinating Facts 1st ed. Wrightsville Beach, North Carolina: Lumina Press. p. 70. ISBN 0970844204 
  12. Marcio, Kneidinger (28 de abril de 1948). «Analysis». Terry Pratchett's Discworld. L-Space Web. Consultado em 16 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 7 de junho de 2013 
  13. Card, Orson Scott (1990). How to Write Science Fiction and Fantasy 1st ed. Cincinnati, Ohio: Writer's Digest Books. pp. 47–49. ISBN 0898794161 
  14. a b c Kern, Michael. «The Limits of Magic». The Victorian Web. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2013 
  15. Cook, David "Zed" (1989). Advanced Dungeons & Dragons Player's Handbook 2nd ed. Lake Geneva, Wisconsin: TSR. pp. 30–31. ISBN 0880387165 
  16. Williams, Skip (2003). Dungeons & Dragons Player's Handbook Special ed. Renton, Washington: Wizards of the Coast. p. 51. ISBN 0786928867 
  17. Bassham, Gregory (2005). The Chronicles of Narnia and Philosophy: the Lion, the Witch, and the Worldview 1st ed. Chicago: Open Court. p. 171. ISBN 0812695887 
  18. Riley, Michael O. (1997). Oz and Beyond: The Fantasy World of L. Frank Baum. Lawrence, Kansas: University Press of Kansas. p. 104. ISBN 070060832X 
  19. Benvenuto, Raffaella (2006). «Italian Faries: Fate, Folletti, and Other Creatures of Legend». Journal of Mythic Arts. Endicott Studio. Consultado em 16 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2013 
  20. «Comic Relief live chat transcript, March 2001». Accio Quote!. Consultado em 16 de outubro de 2013 
  21. Brin, David (1994). Otherness. Bantam Books. New York: [s.n.] ISBN 0553295284