Abrir menu principal
Manuel Jardim
Nascimento 6 de novembro de 1884
Montemor-o-Velho
Morte 7 de junho de 1923 (38 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal portuguesa
Área Pintura

Manuel de Azambuja Leite Pereira Jardim (Montemor-o-Velho, 6 de novembro de 1884 — Lisboa, 7 de junho de 1923) foi um pintor português (Nota: a maioria das fontes consultadas indicam como data de nascimento 1884; talvez por lapso, a data indicada pela Infopédia é 1883).[1][2][3]

Biografia / ObraEditar

 
Manuel Jardim, Le dejeuner, 1911, óleo sobre tela, 142,8 x 175,5 cm

Originário da burguesia aristocrática de Coimbra, frequenta a Escola de Belas-Artes de Lisboa de 1903 a 1905, ano em que parte para Paris, com Manuel Bentes e Eduardo Viana.[2][3]

Estuda na Academia Julian, sob a tutela de Jean-Paul Laurens. Em 1911 é admitido pela primeira vez ao Salon parisiense com o quadro denominado Le Déjeuner, 1911 (exposto em 1919 na Sociedade Nacional de Belas-Artes com receção crítica adversa; defendido por Abel Manta). Durante esse período (1905-1914) mantém contactos frequentes com Portugal e realiza viagens à Alemanha, Itália e Espanha. Voltará a expor em Paris, em 1913, no Salon d’Automne.[4]

Regressa a Portugal em 1914, fixando-se em Coimbra, onde dirige uma academia particular. Colabora com José Pacheko na tentativa (frustrada) de criação da Sociedade Portuguesa de Arte Moderna. Regressa a Paris em 1920 mas um ano mais tarde fixa-se de novo em Portugal, morrendo com tuberculose em 1923.[3]

As suas opções iniciais, após a chegada a Paris, aproximam-no de Rodin e Carrière, sendo mais tarde marcado pela obra de Manet, como acontece em Le Dejeuner. Virado depois abertamente para o impressionismo, "Jardim levou os seus estudos e «pochades» a uma relativa violência expressionista, até que, no fim da vida, se desejava «a caminho de uma plástica mais pura», procurando a lição de Ingres, em severos desenhos de notável modulação".[3]

Afirmou-se também no plano da ilustração, tendo colaborado de 1922 a 1926 na revista Contemporânea[2]. Também se conhece colaboração sua na revista Serões[5] (1901-1911).

Em 1925 Eduardo Viana homenageou-o no Salão de outono da Sociedade Nacional de Belas-Artes, juntando obras de três artistas desaparecidos: Manuel Jardim, Amadeo de Souza-Cardoso e Santa-Rita Pintor.[2]

Em 1974 foi realizada, pela Secretaria de Estado da Informação e Turismo, uma retrospetiva da sua obra. E em 2011 o Museu Nacional de Machado de Castro organizou a exposição Manuel Jardim - Memória de um percurso inacabado.[1][6]

A maior parte da produção do artista conhecida em Portugal, em propriedade partilhada com a Universidade de Coimbra, encontra-se à guarda do Museu Nacional de Machado de Castro desde 1952. [7]

Algumas obrasEditar

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b Jardim, Manuel - Exposição Retrospectiva da Obra do Pintor Manuel Jardim. Lisboa: Secretaria de Estado da Informação e Turismo, 1974
  2. a b c d Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora (2003–2013). «Manuel Jardim». Consultado em 27 de abril de 2013 
  3. a b c d França, José Augusto - A Arte em Portugal no Século XX: 1911-1961 [1974]. Lisboa: Bertrand Editora, 1991, p. 177, 178
  4. Museu Nacional de Machado de Castro. «Manuel Jardim - Memória de um percurso inacabado». Consultado em 27 de abril de 2013 
  5. Rita Correia (24 de Abril de 2012). «Ficha histórica: Serões, Revista Mensal Ilustrada (1901-1911).» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de Setembro de 2014 
  6. Museu Nacional de Machado de Castro. «Manuel Jardim - Memória de um percurso inacabado». Consultado em 27 de abril de 2013 
  7. Museu Nacional de Machado de Castro. «Calendário 2009 - Manuel Jardim». Consultado em 27 de abril de 2013