Abrir menu principal
Manuel Pereira de Sampaio
Manuel Pereira de Sampaio.png
Modelo, em terracota policromada, do monumento fúnebre a Manuel Pereira de Sampaio concebido por Filippo della Valle na Igreja de Santo António dos Portugueses, em Roma. Este modelo encontra-se no Museu de Lisboa.
Conhecido(a) por Embaixador de D. João V de Portugal na corte papal em Roma.
Nascimento 1692
Lagos, Reino de Portugal Portugal
Morte Fevereiro de 1750
Roma, Estados Papais Estados Papais
Nacionalidade Reino de Portugal Portuguesa

Manuel Pereira de Sampaio (Lagos, 1692 - Roma, Fevereiro de 1750), foi um embaixador português. Na posição de embaixador de D. João V na Santa Sé, devem-se a este diplomata as negociações para a atribuição do título "Sua Majestade Fidelíssima" e a execução do que actualmente se conhece como "Álbum Weale", inventariando as encomendas artísticas destinadas ao Complexo Palaciano da Ribeira (Basílica Patriarcal de Lisboa) e à Igreja de São Roque (Capela de São João Baptista).

Manuel Pereira de Sampaio nasceu em Lagos, em 1692, e era o filho bastardo de um pequeno fidalgo do Algarve. As suas origens, acopladas ao prestígio do cargo para o qual foi nomeado, incomodavam a nobreza lisboeta. Sabe-se apenas que foi governador da Igreja de Santo António dos Portugueses, em Roma, e que os meios culturais romanos lhe eram familiares. A sua competência, os elogios que lhe faz Papa Bento XIV ao rei, e a relação de proximidade entre Pereira de Sampaio e o padre jesuíta e astrónomo João Baptista Carbone (o secretário pessoal de D. João V), terão sido factores determinantes para a sua nomeação enquanto embaixador.[1]

Manuel Pereira de Sampaio morre, provavelmente com um ataque de asma, em Fevereiro de 1750, quando estava no porto de Civitavecchia a acompanhar a expedição para Lisboa de algumas das obras de arte destinadas à Basílica Patriarcal de Lisboa. Encontra-se sepultado na Igreja de Santo António dos Portugueses, em Roma, numa magnífica capela projectada por Luigi Vanvitelli e com a componente escultórica a cargo de Filippo della Valle e Gaspare Sibilla.[2]

Referências

  1. Canelas, Lucinda (23 de Julho de 2015). «Este álbum de desenhos é uma viagem e uma declaração de inocência». Público. Consultado em 1 de Novembro de 2015 
  2. Vale, Teresa Leonor (2006). «Obras do escultor Filippo della Valle (Florença, 1698 – Roma, 1768) realizadas para Portugal ou para portugueses» (PDF). Revista da Faculdade de Letras - CIÊNCIAS E TÉCNICAS DO PATRIMÓNIO. I. V–VI: 601-614. Consultado em 1 de Novembro de 2015 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
José Maria da Fonseca de Évora
Embaixador de Portugal à Santa Sé
1740 — 1750
Sucedido por
António Cabral