Abrir menu principal
Manuel Duarte
Manuel Duarte
Presidente do Rio de Janeiro
Período 23 de dezembro de 1927
até 24 de outubro de 1930
Antecessor Feliciano Sodré
Sucessor Demócrito Barbosa
Dados pessoais
Nascimento 1 de novembro de 1877
Rio Bonito, Rio de Janeiro
Morte 14 de maio de 1944 (66 anos)
Rio das Flores, Rio de Janeiro
Partido PRF
Profissão jornalista

Manuel de Matos Duarte Silva ou simplesmente Manuel Duarte (Rio Bonito, 1 de novembro de 1877Rio das Flores, 14 de maio de 1944) foi um jornalista e político brasileiro.

BiografiaEditar

Filho do Cândido Alves Duarte Silva (Juiz Municipal de Saquarema e São Pedro da Aldeia) e de Henriqueta Augusta de Matos e Silva. Casou-se em primeiras núpcias com Jesuína Gertrudes de Andrade e em segundas núpcias, com Berenice César Vale.

Desde muito jovem, dedicou-se ao jornalismo, iniciando carreira no "Correio da Manhã" onde foi redator. Mas tarde foi fundador do jornal "Folha da Noite" e também colaborou no "O País", no "Século" e dirigiu "A Tribuna", a "Ilustração Brasileira", "O Malho" entre outros importantes periódicos fluminenses.

Como deputado estadual de 1911 a 1923, dirigiu a Assembleia Legislativa em agosto de 1922. No ano seguinte, foi novamente eleito deputado estadual com a ajuda de Nilo Peçanha, sendo apontado na época, como um dos principais candidatos à presidência do estado.

Foi eleito deputado federal em fevereiro de 1924, com uma das maiores votações do estado, ao que pleiteou, em abril, a liderança da bancada fluminense na Câmara dos Deputados. Como membro da Comissão Executiva do Partido Republicano Fluminense (PRF), começou a ser cotado, em junho de 1925, para concorrer à presidência do estado do Rio de Janeiro. Reelegeu-se líder dos republicanos fluminenses na Câmara dos Deputados, em maio de 1926, conquistando a presidência da Comissão Executiva do partido em 1927, chegando ao Senado Federal ainda naquele ano[1].

Indicado pela convenção do partido, elegeu-se presidente do Rio de Janeiro, administrando o Estado de 23 de dezembro de 1927 a 24 de outubro de 1930. Durante seu governo foi promulgada a segunda constituição estadual após a proclamação da República, em 1928. Deposto pela Revolução de 1930, foi intimado a deixar o governo, pelo tenente-coronel Demócrito Barbosa, por ordem da Junta Governativa Provisória constituída na antiga capital federal. Integrou depois o Conselho Administrativo do estado do Rio de Janeiro, quando da interventoria de Amaral Peixoto[2].

Também foi secretário do prefeito Carlos Sampaio na cidade do Rio de Janeiro, então capital federal.[3].

Referências

  1. Lacombe, Lourenço L.Os Chefes do Executivo Fluminense - Petrópolis. 1973. Pag. 76-77
  2. Grande Enciclopédia Delta Larousse - Rio de Janeiro: Ed. Delta S.A., 1970. Vol. V. Pag. 2286
  3. Catálogo biográfico dos Senadores brasileiros, de 1826 a 1986 / concepção, coordenação, organização editoração: Leonardo Leite Neto - Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1986.


Precedido por
Feliciano Sodré
Presidente do Rio de Janeiro
23 de dezembro de 192724 de outubro de 1930
Sucedido por
Demócrito Barbosa
  Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.