Abrir menu principal

Manzana Postobón Team

equipa ciclista profissional colombiana
Disambig grey.svg Nota: Para Equipa de ciclismo das décadas de 80 90, veja Postobón (equipa ciclista).
Manzana Postobón Team
5 Etapa-Vuelta a Colombia 2018-Ciclista en el Peloton 4.jpg
Informações
Estatuto
Clube de ciclismo (d) ()
continental (-)
continental pro ()
clube de ciclismo (d) ()
continental (-)
clube de ciclismo (d) ()
continental ()
continental pro (-)Visualizar e editar dados no Wikidata
Código UCI
- (), CEP (de a ), - (), CO4 (de a ), - () e MZN (de a )Visualizar e editar dados no Wikidata
Disciplina
País
Fundação
Extinção
Temporadas
8Visualizar e editar dados no Wikidata
Pessoas chave
Director geral
Luisa Fernanda Ríos (d) (-)Visualizar e editar dados no Wikidata
Director(s) desportivo(s)
Colômbia Luis Fernando Saldarriaga
Colômbia Óscar de J. Vargas
Colômbia Carlos Restrepo
Designações anteriores
-
Colombia es Pasión
-
Colombia es Pasión Coldeportes
Café de Colombia-Colombia es Pasión
Colombia es Pasión-Café de Colombia
4-72 Colombia es Pasión
-
472-Colombia
-
Manzana Postobón
Equipamento
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
título

A Manzana Postobón Team (Código UCI: MZN) é uma equipa ciclista profissional colombiana de categoria Profissional Continental a partir da temporada de 2017 baixo a direcção da corporação Pedaleamos por Colombia focado em concorrências internacionais, nacionais e regionais.

Índice

HistóriaEditar

Foi criado em 2007 como equipa Continental e com o nome de Colombia es Pasión Team[1] (e posteriormente chamado Colombia es Pasión-Coldeportes). No 2010 começou a ser também patrocinado por Café de Colombia (Café de Colombia es Pasión), com a intenção de rememorar sucessos passados.[2] No final de 2010 entrou como patrocinador 4-72 (rede postal da Colômbia) pelo que costumavam introduzir dito patrocinador no nome da equipa apesar de que oficialmente não fora assim, especialmente para as carreiras sulamericanas. Conseguiu adquirir a licença como equipa Profissional Continental a partir de 1 de janeiro de 2011, o que dar-lhe-ia acesso a correr o Tour de France, Giro d'Italia, a Volta a Espanha e as demais carreiras do UCI World Tour (máxima categoria do ciclismo de estrada, chamado anteriormente UCI World Calendar e UCI Pro Tour), ainda que finalmente só foi convidado à Volta à Catalunha.

No final de 2011 e depois do retiro do patrocinador Coldeportes, a equipa deixou de ser categoria profissional e focou-se na preparação de ciclistas sub-23, retornando à categoria Continental em 2013. Novamente no final do 2014 a junta directora da equipa confirmou que a equipa deixa de ser categoria Continental mas continuará com um elenco de corredores mais pequena focado especialmente na busca de novos jovens talentos.[3]

Em 2015 a equipa altera para um novo patrocinador da marca de bebidas gasosas Postobón, com o objectivo de retomar a grandeza que teve a equipa de ciclismo Manzana Postobón durante as décadas de 1980 e o voltar a converter no referente do ciclismo colombiano, com a sua nova dinâmica de apoio ao desporto da Corporação Pedaleamos por Colombia.[4]</ref>[5][6]

De novo na temporada de 2016 a equipa regressa à categoria Continental para forjar uma nova era do pedalismo nacional, e ganhar a experiência com novos corredores que lutem por esse objectivo e o sonho que vai para além, ser equipa profissional continental em 2017.[7]

Para 2017 a equipa foi aceitada pela UCI para ascender à categoria Profissional Continental, permitindo à equipa rosa aspirar a diferentes convites para participar nas principais carreiras do World Tour.[8] Assim a equipa foi convidada para participar na Volta a Espanha de 2017.

2007-2010: Modesta equipa ContinentalEditar

Nos primeiros anos estava registado na categoria Continental (terceira e última divisão) pelo que a maioria do seu calendário decorria na América do Sul a excepção de algumas "excursiões" por solo europeu (especialmente em Espanha) onde costumam ser os animadores dessas carreiras mostrando um grande nível nas provas montanhosas.

Durante estes anos os corredores mais destacados foram: Luis Felipe Laverde (que já vinha com experiência de correr em equipas italianas), Sergio Henao (esteve dois anos) e Fabio Duarte (que em 2011 alinhou pela Team Geox-TMC) e Nairo Alexander Quintana.

2010: Vitórias importantes em EuropaEditar

Em 2010, depois de obter bons resultados na Europa nos que destacaram a vitória no Tour de l'Avenir e Circuito Montanhês, além de bons resultados em carreiras de uma categoria superior às anteriores como a Subida ao Naranco e Volta das Astúrias, teve rumores de um possível convite à Volta a Espanha feito que era inviável já que a equipa colombiana não cumpria os requisitos.[9]

Por isso, face à seguinte temporada, decidiram pedir licença para competir numa categoria superior, Profissional Continental, o que lhe dava acesso a correr todas as carreiras de máximo nível, incluídas as Grandes Voltas, ainda que para isso devessem renunciar às carreiras de última categoria fora do seu país. Depois de uns pequenos problemas como o Governo da Colômbia não podia pôr como aval dinheiro não orçado conseguiram dita ascensão de categoria.[10]

2011: Profissional ContinentalEditar

A expectativa ante a ascensão de categoria, finalmente não se viu do todo refletida quanto à participação da equipa nas carreiras de máxima categoria (UCI World Tour). Das 27 provas que integraram o calendário, à única que foi convidado foi à Volta à Catalunha. Nessa competição conseguiu uma meritória participação, já que Nairo Quintana ganhou a classificação da montanha[11] e por equipas localizou-se 7º (adiante de equipas como Saxo Bank Sungard, Astana, Liquigas, Leopard-Trek). Também participou de várias competições do UCI Europe Tour como a Settimana Coppi e Bartali, o Giro dos Apeninos e o Giro do Trentino em Itália, a Volta a Castela e Leão, a Volta a Burgos ou a Klasika Primavera em Espanha e o Tour de Limousin, Tour de Poitou-Charentes na França entre outros. Mas não conseguiu vitórias destacadas até setembro quando Esteban Chaves ganhou o Tour de l'Avenir revalidando o título obtido em 2010[12][13][14]

Pouco depois desse triunfo, um dos principais patrocinadores (Coldeportes), anunciou que deixava à equipa devido aos baixos resultados da Colombia es pasión para formar outro de categoria continental profissional, a Colombia-Coldeportes. Isto levou a que o orçamento se reduzisse e que não pudesse manter a categoria para 2012 e que grande parte do elenco assinasse contrato com a nova equipa. Num princípio anunciou-se que a equipa continuaria, mas descendo à categoria continental e focado em ciclistas sub-23,[15] mas finalmente confirmou-se que para 2012 deixava de ser equipa profissional passando a ser aficionado baixo o nome de 4-72 Colombia es pasión.[16]

2015Editar

Neste ano a equipa desce a categoria amador ao não conseguir conseguir o orçamento suficiente para se manter como profissional. No mês de fevereiro a corporação Pedaleamos por Colombia, entidade que desde à 10 anos trabalha na direcção da equipa, consegue conseguir um novo patrocinador principal baixo a marca de bebidas gasosas Postobón, com o objectivo de retomar a grandeza que teve a equipa de ciclismo Manzana Postobón durante a década de 1980 e o voltar a converter no referente do ciclismo colombiano, tendo como base à anterior equipa de ciclismo 4-72.[4]

2016Editar

Novamente a equipa regressa à categoria Continental onde dedica os seus esforços em forjar uma nova era do pedalismo nacional e internacional e o espaço perfeito para lutar por objectivos maiores, com uma nómina de ciclistas mais versátil e compacto na montanha, com a ideia de conseguir protagonismo nas carreiras da europa.[17]

Sobre o final de temporada anunciou-se que a equipa aplicou e foi aceite ante a UCI para subir à categoria Profissional Continental para 2017, este seria o regresso de uma equipa colombiana à segunda divisão do ciclismo.[18][19]

Adicionalmente, a partir do ano 2017 a equipa contasse com um grupo de ciclistas alternados para correr no calendário nacional, esta equipa converte-se numa espécie de sub equipa para a esquadra principal que focasse toda a concentração e esforço ao calendário das principais carreiras do ciclismo mundial.[20]

2017Editar

Inicia a temporada na segunda divisão de categoria Profissional Continental onde tem sido reconhecido sempre por ser uma equipa de processos. Baseado na sua filosofia de trabalho com os corredores juvenis tem conseguido escalar no ciclismo nacional e internacional, obtendo em pouco tempo o visto bom da União Ciclista Internacional para ir ascendendo de categoria. O calendário da temporada de 2017 já tem as carreiras que dar-lhe-ão o ponto de partida ao Manzana Postobón Team, entre as quais se encontram a Volta ao Algarve e a Volta ao Alentejo em Portugal, bem como a sua primeira carreira UCI World Tour com a Volta à Catalunha em Espanha..[21] A equipa também participa na Volta a Espanha de 2017.

2018Editar

A equipa teve várias mudanças a nível administrativo como desportivos. Anuncia-se a saída de Luisa Fernanda Rios como gerente da equipa, quem durante 10 anos permaneceu à frente da equipa, em seu lugar chegou Alejandro Restrepo como substituição para gerente da equipa rosa. Adicionalmente, a equipa definiu a nómina para levar a temporada de 2018 com 17 ciclistas (13 elite e 4 sub-23), quem são os encarregados de representar a cor rosa da equipa nas diferentes concorrências nas que participem. A novidade mais importante é a reincorporação do ciclista Fabio Duarte, quem já esteve a competir durante a temporada de 2010 com o Café de Colombia-Colombia es Pasión. Em 2018 se rencontrará de novo com Luis Fernando Saldarriaga no Manzana Postobón, em onde procurará retomar esse grande nível que mostrou em temporadas anteriores.[22]

Corredor melhor classificado nas Grandes VoltasEditar

Ano Giro d'Italia   Tour de France   Volta a Espanha  
2007 - - -
2008 - - -
2009 - - -
2010 - - -
2011 - - -
2012 Não é uma equipa profissional
2013 - - -
2014 - - -
2015 Não é uma equipa profissional
2016 - - -
2017 - - 37.º

  Hernán Aguirre

2018 - - -

Material ciclistaEditar

A equipa utiliza bicicletas da marca Gios, equipadas com grupos e rodas Shimano Dura-Ace, SRM Power Controle, capacetes Catlike e equipamento desportivo Suarez Clothing.[23]

SedeEditar

A equipa tem duas sedes, a principal está em Medellín (Rua 42 #63C-60, Bairro Conquistadores) e outra em Bogotá (Carreira 21 #39A-69 Escritório 403, Bairro A Solidão)[24]

Classificações UCIEditar

A partir de 2005 a UCI instaurou os Circuitos Continentais UCI, onde a equipa está desde que se criou em 2007, registado dentro do UCI America Tour. Estando nas classificações do UCI America Tour Ranking e UCI Europe Tour Ranking. As classificações da equipa e de sua ciclista mais destacado são as seguintes:[25]

Temporada Classificação por equipas Melhor corredor na classificação individual Posição
2006-2007
(America Tour)
12º   Wilson Marentes 74º
2006-2007
(Europe Tour)
125º   Óscar Eduardo Sánchez 967º
2007-2008
(America Tour)
  Fabio Duarte 18º
2007-2008
(Europe Tour)
95º   Jarlinson Pantano 378º
2008-2009
(America Tour)
  Sergio Henao 31º
2008-2009
(Europe Tour)
55º   Sergio Henao 150º
2009-2010
(America Tour)
19º   Camilo Suárez 92º
2009-2010
(Europe Tour)
44º   Fabio Duarte 86º
2010-2011
(America Tour)
19º   Luis Felipe Laverde 63º
2010-2011
(Europe Tour)
55º   Robinson Chalapud 276º
2012-2013
(America Tour)
12º   Edson Calderón 37º
2012-2013
(Europe Tour)
58º   Juan Ernesto Chamorro 282º
2013-2014
(America Tour)
13º   Juan Pablo Villegas 21º
2013-2014
(Europe Tour)
89º   Bernardo Suaza 214º
2015
(America Tour)
-   Wilmar Paredes 150º
2016
(America Tour)
40º   Juan Sebastián Molano 316º
2016
(Europe Tour)
90º   Aldemar Reis Ortega 661º
2017
(America Tour)
12º   Juan Sebastián Molano 18º
2017
(Europe Tour)
35º   Juan Sebastián Molano 275º
2018
(America Tour)
10º   Juan Sebastián Molano
2018
(Ásia Tour)
  Hernán Aguirre
2018
(Europe Tour)
54º   Wilmar Paredes 271º

PalmarésEditar

ElencosEditar

Para anos anteriores, veja-se Elencos da Manzana Postobón Team

Elenco de 2019Editar

Corredor[26] Nascimento Nacionalidade Equipa de 2018
Juan José Amador 20/04/1998   Colômbia Manzana Postobón
Luis Carlos Chía 18/02/1997   Colômbia Neoprofissional
Jhojan García 10/01/1998   Colômbia Manzana Postobón
Bryan Gómez 19/11/1994   Colômbia Holowesko Citadel
Daniel Jaramillo 15/01/1991   Colômbia UnitedHealthcare
Omar Mendoza 25/11/1989   Colômbia Medellín
Diego Ochoa 05/06/1993   Colômbia EPM
Juan Felipe Osorio 30/01/1995   Colômbia Manzana Postobón
Wilmar Paredes[2019 1] 05/09/1996   Colômbia Manzana Postobón
Jordan Parra 19/04/1994   Colômbia Manzana Postobón
Carlos Quintero 05/03/1986   Colômbia Orgulho Paisa
Jhonatan Restrepo 28/11/1994   Colômbia Team Katusha-Alpecin
Aldemar Reis Ortega 22/04/1995   Colômbia Manzana Postobón
Nicolas Sáenz 07/08/1997   Colômbia Neoprofissional
Yecid Arturo Sierra 16/08/1994   Colômbia Manzana Postobón
Bernardo Suaza 28/11/1992   Colômbia Manzana Postobón

  1. Até 5 de abril.

2

  1. «História - Equipo de ciclismo Colômbia é Paixão». colombiaespasion.com. Consultado em 12 de agosto de 2009 
  2. «O ex ciclista Herrera, figura em apresentação de nova equipa colombiana». Agência EFE. 22 de abril de 2009. Consultado em 12 de agosto de 2009 
  3. O futuro do 4-72. Entrevista a Ignacio Vélez larutadelescarabajo.com
  4. a b Comunicado de imprensa Team Manzana Postobón postobon.com
  5. Team Manzana Postobón es una realidad Arquivado em 25 de fevereiro de 2015, no Wayback Machine. ligapostobon.com.co
  6. Colombia tiene un nuevo equipo de ciclismo Team Manzana Postobón elespectador.com
  7. Manzana Postobón Team regresa a profissional biciciclismo.com
  8. «É oficial: O Manzana Postobón será Continental Profissional para o 2017»  manzanapostobonteam.com
  9. Colômbia é Paixão – Café de Colômbia procura Licença Continental Profissional. minuto30.com
  10. O Colômbia é Paixão entrega um aval bancário e cumpre todos os requisitos da UCI
  11. Nairo Quintana, ganhou o prêmio da montanha na Volta à Catalunha elespectador.com
  12. O ciclista colombiano Esteban Chaves, campeão do Tour de L'Avenir eltiempo.com
  13. Calendário de concorrências 2011
  14. Colombia es Pasión retomará a competição com a Volta a Colômbia e regressará a Europa
  15. Seguirão rondando elperiodicodeportivo.com.co
  16. A equipa 4-72 Colombia es pasión estará na temporada de 2012 Federação Colombiana de Ciclismo
  17. Manzana Postobón Team de ciclismo agora será uma equipa continental lafm.com.co
  18. «2017 Team Registration Process» 
  19. «Equipas World Tour e Profissionais 2017 inscriptos pela UCI, com a inclusão de Manzana Postobón»  ciclismointernacional.com
  20. «manzanapostobonteam.com/el-manzana-postobon-team-contara-con-otro-equipo-para-el-calendario-nacional/8076»  manzanapostobonteam.com
  21. «O Team Manzana Postobón continuará seu processo nas "grandes unes" do ciclismo» (em espanhol)  elmundo.com
  22. «Temporada 18 serão 17 corredores os que levassem a cor rosa por Europa e Colômbia» 
  23. Implementação Desportiva da Equipa Team Manzana Postobón
  24. Sedes da Equipa Team Manzana Postobón pedaleamosporcolombia.com
  25. UCI Road Cycling Ranking
  26. Modelo Manzana Postobón Team 2019 - PROFCONT2019 procyclingstats.com

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Manzana Postobón Team