Abrir menu principal

María Corina Machado

política venezuelana
María Corina Machado Parisca
Machado em 2014
Período 5 de Janeiro de 2011 - 21 de Março de 2014 (cassada).
Dados pessoais
Nascimento 7 de outubro de 1967 (51 anos)
Caracas
Partido Vente Venezuela
Profissão Engenheira industrial
linkWP:PPO#Venezuela

María Corina Machado (Caracas, 7 de Outubro de 1967)[1] também conhecida como MCM, foi uma integrante eleita da Assembleia Nacional da Venezuela. Fundadora, ex-vice-presidente e ex-presidente da organização civil Súmate,[2] juntamente com Alejandro Plaz[3]

Juntamente com otros integrantes do Súmate, foi acusada de conspiração para fundos recebidos do NED (National Endowment for Democracy), provocando a condenação do governo de Hugo Chávez por grupos de defesa dos direitos humanos.

Durante os protestos na Venezuela em 2014, foi uma das principais organizadoras das manifestações contra o presidente Nicolás Maduro.[4]

Índice

Vida pessoalEditar

Nascida em 7 de Outubro de 1967,[1] como "mais velha de quatro filhas de um empresário do ramo do aço e de uma psicóloga formada."[3] Reconhece que sua infância foi "protegida do contato com a realidade" numa família "conservadora e católica fervorosa", que incluía o ensino em escolas particulares na Venezuela, internatos nos EUA e várias viagens para a Europa.[5] Entre seus antepassados inclui-se Eduardo Blanco, autor do clássico de 1881 Venezuela Heroica e um parente morto durante o um levante contra a ditadura de Juan Vicente Gómez.[5]

É formada em engenharia industrial pela Universidade Católica Andrés Bello e possui mestrado em finanças pelo Instituto de Estudios Superiores de Administración (IESA, escola de negócios) de Caracas.[3][6][7]

Em 1992, já mãe de três filhos, criou a Fundación Atenea, para ajudar com doações privadas, órfãos e crianças carentes de caracas. Foi também presidente da fundação Oportunitas.[6][7] Depois de trabalhar na indústria automobilística em Valencia, mudou-se em 1993 para Caracas.[3] Por seu papel na Súmate abandonou a organização para não politiza-la.[6]

SúmateEditar

 
George W. Bush recebendo María Corina Machado no Salão Oval (31 de Maio de 2005).

De acordo com o The Washington Post, a fundação da organização voluntária da sociedade civil venezuelana, Súmate, resultou de um encontro correu entre Machado e Alejandro Plaz no saguão de um hotel em 2001, onde compartilharam sua preocupação sobre o curso que estava sendo moldado para Venezuela. Machado disse:

"Algo despertou. Eu tinha essa sensação perturbadora de que não podia ficar em casa assistindo o país polarizar-se e entrar em colapso... Tivemos que manter o processo eleitoral, mas mudar o curso, para dar aos venezuelanos a oportunidade de contar com si mesmos, para dissipar as tensões que eles criaram. Foi a escolha das cédulas sobre as balas."[3]

Em 2004, a Súmate fez uma petição que levou ao referendo de 2004 na Venezuela, que sugeria a interrupção do mandato de Hugo Chávez. De acordo com a CBS News, Chávez descreveu os líderes da Súmate como "conspiradores", "golpistas" e "lacaios" do governo dos EUA.[8] Após o referendo, os membros da Súmate foram acusados de traição e conspiração, nos termos do artigo 132 do Código Penal venezuelano,[9] por receber do NED, apoio financeiro para as suas atividades.

Em 2005, o The Wall Street Journal, noticiou que Machado enfrentou acusação de conspiração por ter recebido do NED uma doação de US$ 31.000,00 para "trabalho educativo apolítico".[6] Naquele mesmo ano, o The New York Times definindo-a como a "adversária mais detestada do governo venezuelano, uma jovem mulher com um a velocidad de uma metralhadora giratória, que muitas vezes aparece em Washington ou Madrid para denunciar o que ela chama a erosão da democracia no governo do presidente Hugo Chávez", e diz que o governo venezuelano considera-a "um membro de uma elite corrupta vendida ao tão difamado governo Bush".[5]

O porta-voz do departamento de Estado dos Estados Unidos declarou que a decisão de processar-la era "parte da campanha do presidente Hugo Chávez... para intimidar os membros sociedade civil e impedi-los de exercer os seus direitos democráticos", acrescentando que a administração Bush estava "seriamente preocupada" com a decisão do Supremo Tribunal de Justiça venezuelano.[10] As acusações criminais desencadearam condenações da Human Rights Watch e grupos democratas,[11][12] da Embaixada dos EUA na Venezuela,[13] e de uma coalizão de líderes mundiais.[14]

Machado reconheceu, em 2005, o apoio dos venezuelanos a Chávez, dizendo "nós temos que reconhecer as coisas positivas que têm sido feitas", mas que o presidente é "cada vez mais intolerante".[5]

Machado e Plaz foram convidados a se reunir com os legisladores da Assembleia Nacional em agosto de 2006 para uma investigação sobre o financiamento da Súmate, mas tiveram seu acesso à audiência, embora tenham afirmado que receberam cartas solicitando a sua presença.[15]

De acordo com o The Christian Science Monitor, ela também enfrenta acusações de traição por ter assinado o decreto Carmona durante a tentativa de golpe de Estado na Venezuela de 2002.[5][16] Alegou que escreveu seu nome no que acreditava ser uma lista de presença, enquanto visitava o palácio presidencial[5][16] As ações prevêem penas de mais de uma década na prisão; o julgamento foi suspenso em Fevereiro de 2006 por causa de violações ao devido processo legal por parte do juiz de primeira instância, e foi adiado várias vezes.[17]

Assembleia NacionalEditar

Em 2011, Machado anunciou o lançamento de sua pré-candidatura para a eleição presidencial da Venezuela em 2012.[2]

De acordo com o Los Angeles Times, "Machado e Mendoza já estão falando como potenciais candidatos à presidência em dois anos."[18] Michael Shifter disse que Machado é uma futura candidata presidencial "que pode, efetivamente, transmitir a visão de uma Venezuela pós-Chávez que pode apelar adequadamente aos simpatizantes de Chávez."[19] De acordo com o Financial Times, "Machado está sendo apelidada de o novo rosto da oposição... Até mesmo o presidente Hugo Chávez tem falado de confrontá-la nas eleições presidenciais de 2012."[20]

Em 13 de janeiro de 2012, durante o discurso anual de Chávez à Assembleia Nacional venezuelana, Machado confrontou-o sobre a escassez de produtos básicos, a criminalidade e as nacionalizações das indústrias de base: "Como você pode dizer que protege a propriedade privada quando pequenas empresas foram expropriadas? Expropriação sem indenização é roubo."[21]

Henrique Capriles Radonski foi o vencedor das primárias 12 de Fevereiro de 2012 para ser o candidato da oposição contra Chávez na eleição presidencial de Outubro; de acordo com a Associated Press, Machado "admitiu a derrota antes do anúncio dos resultados, dizendo que também irá apoiar ativamente Capriles".[22]

CandidaturaEditar

Em Fevereiro de 2010, Machado demitiu-se Súmate[2] e anunciou sua candidatura para a Assembleia Nacional da Venezuela, representando o estado de Miranda (Chacao, Baruta, El Hatillo e a freguesia de Leoncio Martínez de Sucre)[23] pelo Primeira Justiça (Primera Justicia) partido membro da coligação Mesa da Unidade Democrática (Mesa de la Unidad Democrática, MUD) em oposição ao partido de Chávez, Partido Socialista Unido da Venezuela (Partido Socialista Unido de Venezuela, PSUV).[24] Ao anunciar sua candidatura, disse que os venezuelanos são bons, decentes e livres e que não querem viver com violência ou ódio; prometeu defender o direito dos venezuelanos de pensar livremente e viver sem medo.[25] Disse que espera construir um "governo responsável", reformando as instituições públicas, especialmente o Conselho Nacional Eleitoral[26] Em Abril de 2010, ganhou a primária, prosseguindo com sua candidatura.[27]

Machado fez campanha ativamente nas favelas, "uma vez vistos como território sólidos pró-Chávez", na tentativa de "capitalizar sobre problemas domésticos, incluindo o crime violento generalizado, a falta de energia em algumas regiões, um grande déficit habitacional e a inflação de 30 por cento".[28] A representante dos Círculos Bolivarianos, base do regime de Chávez, descreveu Machado como la candidata contrarrevolucionaria.[29]

Queixou-se que os candidatos MUD enfrentaram "uma máquina de propaganda orquestrada pelo governo que agita e ridiculariza os críticos de Chávez, promove talk shows dominados por candidatos do partido do governando e divulga todos os discursos do presidente",[28] e que teve que campanha com menos fundos como e "se esforçou para convencer apoiadores e líderes empresariais para contribuir para sua campanha porque temem represálias por parte do governo e dos aliados de Chavez no ministério público".[28] De acordo com o The Economist, Constituição da Venezuela "proíbe funcionários do governo, incluindo o presidente, de utilizar o sua posição a favor de uma tendência política. Mas a autoridade eleitoral, cujo conselho é composto por quatro chavistas e um oposicionista solitário, diz que eles podem fazê-lo de qualquer maneira."[30] Chávez foi acusado de violar as leis de campanha usando TV estatal para "repreender rivais e louvar amigos" durante a campanha eleitoral; ele negou a violar a lei, e sugeriu que o único diretor de cinco diretores do Conselho Nacional Eleitoral que não é pró-Chávez e que levantou a questão poderia ser processado por fazer as acusações.[31] De acordo com um repórter da Associated Press, Conselho Eleitoral da Venezuela "durante anos ignorou as leis que barram o presidente e outras autoridades eleitas de fazer campanha ativamente para ocandidatos. Chavez... ameaçou uma ação legal contra Vicente Diaz, o único membro do Conselho Eleitoral que criticou seu uso pesado de estado mídia antes da votação".[28] Machado disse: "Enquanto nós estamos visitando os eleitores, indo de casa em casa, a campanha do partido no poder é imposta através de discursos televisionados."[31] Enquanto o canal de televisão estatal entrevistava Machado, eram exibidas imagens de sua reunião no Salão Oval em 2005 com George W. Bush, descrito por um repórter da Associated Press como "inimigo de longa data de Chávez".[28] Ela disse: "Nós temos uma campanha liderada pelo PSUV com um monte de recursos que sabemos que são recursos públicos, mesmo quando a Constituição proíbe isso."[28] O PSUV foi beneficiado pelos frequentes "cadenas" (discursos de Chávez obrigatoriamente exibidos em todos os canais da TV venezuelana), enquanto que "o principal canal governo exibe um fluxo constante de comícios e anúncios com candidatos vestidos de vermelho de Chávez".[28] Quando entrevistada pelo canal estatal, a entrevista foi "abruptamente cortada" e "mudou para um comício de campanha em que Chávez falava para um teatro cheio com seus simpatizantes".[28]

EleiçãoEditar

Machado venceu as eleições para a Assembleia Nacional nas urnas 26 de setembro, 2010, como a mais alta votação da nação;[20] ela e seu companheira do Primeira Justiça Enrique Mendoza foram os "dois mais votados em todo o país".[18] Machado disse que o presidente "cometeu um grande erro, transformando a eleição em um plebiscito sobre si mesmo... Este é um sinal claro de que os venezuelanos não querem um governo autoritário, um governo militarizado, um governo centralizado e um governo que quer transformar a Venezuela numa Cuba... A nova fase começa hoje, e demos um grande passo para o dia em que os valores democráticos, da liberdade, da justiça e da boa governança prevalecerão."[19] "Agora temos a legitimidade do voto cidadão. Nós somos representantes do povo."[32] "É muito claro. A Venezuela disse não ao modelo cubano".[33]

CassaçãoEditar

Em 21 de março de 2014, Machado compareceu, a pedido do Panamá, na reunião Organização dos Estados Americanos (OEA), em meio a protestos na Venezuela, para falar sobre a situação do país.[34] Depois de sua aparição na OEA, de acordo com o The Wall Street Journal, "parlamentares pró-Maduro, que dominam a Assembleia Nacional", disseram sua aparição na OEA é proibida pela Constituição da Venezuela, e cassou seu mandato.[35] Foi acusada pelo presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Diosdado Cabello, de ter atuado como representante suplente do Panamá na reunião da OEA. Respondeu a Cabello afirmando existir uma "ditadura na Assembleia Nacional"[36] e disse que a sua cassação da Assembleia Nacional foi ilegal.[37]

Protestos na Venezuela em 2014Editar

 Ver artigo principal: Protestos na Venezuela em 2014
 
Com Lilian Tintori numa manifestação da oposição em 26 de Março de 2014.

Machado estava entre os líderes das manifestações da oposição contra o presidente Nicolas Maduro nas manifestações de 2014. O congresso da Venezuela em 18 de Março solicitou uma investigação criminal de Machado por crimes, incluindo traição por seu envolvimento nos protestos anti-governo.[38]

Machado respondeu às acusações legais feitas contra ela dizendo: "Em uma ditadura, quanto mais fraco o regime é, maior a repressão".[39] Depois de sua retirada, em 21 de março, juntamente com seus smpatizantes, iniciaram uma marcha em 1 de Abril em direção centro de Caracas em protesto contra a expulsão de Machado, onde ela tentou retornar a seu assento na Assembleia Nacional. Os manifestantes foram impedidos de sair pela Guarda Nacional, que os dispersou com gás lacrimogêneo.[40]

Acusações de tentativa de assassinatoEditar

Em Maio de 2014, um alto funcionário do governo venezuelano, Jorge Rodriguez, apresentou alegações de um complô de políticos e funcionários da oposição, incluindo Machado, para derrubar o governo do presidente venezuelano Maduro. As provas apresentadas pelo governo venezuelano foram alegados e-mails através do Google que foram dirigidas a outros, tanto Machado qanto Pedro Burelli.[41] Burelli respondeu que os e-mails foram falsificados pelo Servicio Bolivariano de Inteligencia Nacional, mostrando o que realmente escreveu nos e-mails verdadeiros.[42][43] Em junho, a procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz intimou Machado juntamente com Burelli, Diego Arria, e Ricardo Koesling;[44] uma semana depois, em 11 de junho, mandados de prisão foram emitidos.[45] Burelli contratou a Kivu, uma empresa de segurança digital sediada nos Estados Unidos, para analisar os supostos e-mails dizendo que "não há provas da existência de qualquer e-mails] entre contas de e-mail do Google de Pedro Burelli e os supostos destinatários", que os supostos e-mails apresentados pelo governo venezuelano tinham "muitos indícios de manipulação" e que "os funcionários venezuelanos usaram e-mails para acusar adversários do governo de conspirar para matar o presidente Nicolas Maduro" form forjados.[46][47][48][49]

Em novembro de 2014, funcionários do governo anunciaram que Machado seria formalmente acusada em 3 de dezembro.[35][50] Machado e outros afirmaram que as acusações eram falsas e foram criadas pelo governo venezuelano para desviar a atenção dos problemas e pesquisas econômicas da Venezuela mostrando Classificação da Maduro aprovação em uma baixa recorde de 30%.[35]

Alvo de violênciaEditar

Presente na a celebração do Bicentenário da Venezuela, em 5 de julho de 2011, na sequência de comentários controversos feitos anteriormente sobre a dependência da Venezuela por Cuba, Machado foi atacada por um grupo enfurecido de partidários do governo venezuelano.[51][52][53] O grupo de cerca de 50 pessoas, atirou pedras e garrafas contra ela;[51][52] foi protegida por autoridades, um policial ficou ferido, e foi retirada da área por uma moto da polícia.[51][52] Mais tarde agradeceu às autoridades para defendê-la e pediu desculpas por qualquer um dos seus ferimentos.[52]

Durante a campanha presidencial de 2011, ela e seus companheiros foram atacados em 16 de outubro por um pequeno grupo da Frente Motorizada do PSUV, em Turmero.[54][55] O grupo a agrediu e a seus companheiros com chutes, socos e objetos dizendo que "este é um território chavista e aqui não cabe qualquer oposição política".[54][55] Machado e dois de seus companheiros foram feridos.[56]

Em 30 de abril de 2013, as câmeras que cobrem a Assembleia Nacional foram viradas para o teto e a oposição afirmaou que foi "agredida fisicamente muma emboscada planejada por partidários do governo do presidente Nicolas Maduro". Machado foi ferida, junto com outros parlamentares na Assembleia Nacional, dizendo que foi atacada por trás, atingido no rosto e chutado enquanto no chão que a deixou com um nariz quebrado. Machado disse que o ato "foi uma premeditada, covarde e vil, agressão". O presidente Maduro reagiu à situação, dizendo: "Não estamos de acordo com a violência que aconteceu hoje na Assembleia Nacional. Dizem qe nós sabíamos que a oposição estava vindo para provocar violência". Nenhuma ação disciplinar foi tomada contra qualquer um dos atacantes após o incidente.[57][58][59]

Num comício em 16 de novembro de 2013 mostrando o apoio para o partido de oposição durante as eleições municipais, Machado e outros políticos foram atacadas, supostamente por partidários do governo,[60][61] com pedras e fogos de artifício.[61]

Depois de liderar protestos no estado de Bolívar em 14 de março de 2014, Machado e outros foram atacados no aeroporto de Puerto Ordaz.[62][63][64] Logo depois, a Guarda Nacional interveio para dispersar o ataque.

Foi atacada por membros de colectivos ao dirigir uma reunião em Caricuao em 30 de Julho de 2014.[65][66] O veículo em que viajava foi danificado, com a carroceria e janelas atingidas com paus e pedras.[65] Machado escapou e foi, em seguida, refugiu-se no local da reunião, enquanto os colectivos seguiram-na arrombando a porta, de onde, em seguida, retiraram-se depois de confrontos com os moradores que protegeram Machado.[65]

ReconhecimentoEditar

O presidente dos EUA George W. Bush saudou Machado ao Salão Oval Maio 2005.[67] Após o encontro com Machado e discutir "os esforços (da Súmate) para salvaguardar a integridade e transparência dos processos eleitorais da Venezuela", um porta-voz da Casa Branca, disse: "o presidente expressou suas preocupações sobre os esforços para intimidar e provocar a Súmate e sua liderança".[68] ministro do Exterior da Venezuela chamou o encontro de Machado com Bush "uma provocação", enquanto ministro do Interior da Venezuela disse que ela é um fantoche da CIA.[16]

Foi saudada pela National Review em 2006 como "o melhor do sexo feminino nos tempos difíceis que muitas mulheres enfrentam ao redor do globo" na lista Women the World Should Know para o Dia Internacional da Mulher.[69]

Em 2009, foi escolhida entre 900 candidatos, como um dos 15 aceitos no programa Yale World Fellows. O programa da Universidade de Yale, que "objetiva construir uma rede global de líderes emergentes, além de ampliar a compreensão internacional em todo o mundo... 'Cada um dos Yale World Fellows de 2009 demonstraram um excelente histórico de realizações e potencial ilimitado para o sucesso futuro,' disse o diretor de Programas Michael Cappello ". O comunicado de imprensa do Yale World Fellows afirma que, "Machado dedica-se a defesa das instituições democráticas e cívicas através Súmate, cão de guarda principal da nação para a transparência eleitoral".[70]

Em 2 de Abril de 2014, María Corina Machado esteve diante da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional do Senado Federal do Brasil para denunciar a violência política e as violações de direitos humanos na Venezuela. A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) tentou impedir sua presença naquela comissão.[71] Porém, a deputada venezuelana cassada pôde comparecer.[72]

Senadores da base aliada do governo brasileiro, Eduardo Suplicy (PT-SP) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) contestaram e criticaram as declarações de Machado, que apresentou um vídeo de três minutos mostrando a violência policial na repressão a manifestações da oposição e depoimentos de jovens contra o governo de Nicolás Maduro. A senadora Vanessa Grazziotin afirmou que o vídeo exibido era uma farsa e, fez o seguinte protesto: " Esse vídeo é uma montagem. Considero a sua exibição um desrespeito ao Senado Federal do Brasil. Não queira nos enganar com aquilo."[73]

Já os senadores integrantes da oposição, Ricardo Ferraço (PMDB-ES), Aloysio Nunes (PSDB-SP), Pedro Taques (PDT-MT), José Agripino (DEM-RN), Álvaro Dias (PSDB-PR), Ana Amélia (PP-RS) e Roberto Requião (PMDB-PR) demonstraram preocupação com os problemas sócio-econômicos e políticos enfrentados pela Venezuela e, manifestaram apoio pela ex-deputada venezuelana.[73]

Em entrevista concedida ao jornal Folha de S. Paulo, María Corina Machado afirmou:[74]

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre María Corina Machado

Referências

  1. a b Mariacorina2010 Arquivado em 22 de março de 2010, no Wayback Machine. - Mi experiencia. (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  2. a b c El niversal - Comunicado de Súmate sobre renuncia de María Corina Machado. (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  3. a b c d e The Washington Post - Signing On To Challenge Hugo Chavez. Nora Boustany, 9 de Julho de 2004. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  4. Bloomberg - Venezuela Protests Drive Poor to Maduro as Death Toll Mounts. Anatoly Kurmanaev & Corina Rodriguez Pons, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  5. a b c d e f The New York Times THE SATURDAY PROFILE; Venezuela's Best-Loved, or Maybe Most-Hated, Citizen. JUAN FORERO, 19 de novembro de 2005. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  6. a b c d Wall Street Journal: A Young Defender of Democracy Faces Chávez's Wrath. Mary Anastasia O'Grady, 10 de Junho de 2005. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  7. a b El Universal - María Corina Machado. (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  8. Highbeam Arquivado em 2 de abril de 2015, no Wayback Machine. - Chavez Calls Watchdog Group a Top Enemy. IAN JAMES, 3 de Dezembro de 2005. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  9. Human Rights Watch - Venezuela: Court Orders Trial of Civil Society Leaders. 8 de Julho de 2005. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  10. El Universal - Chávez intends to frighten opposition with NGO Súmate trial, says US spokesman. 8 de Julho de 2005. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  11. Human Rights Watch - Venezuela: Court Orders Trial of Civil Society Leaders. 8 de Julho de 2005. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  12. World Movement for Democracy Arquivado em 17 de março de 2013, no Wayback Machine. - Democracy Activists in Venezuela Threatened . 16 de Julho de 2004. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  13. Embaixada dos Estados nidos na Venezuela Arquivado em 10 de março de 2007, no Wayback Machine. - Súmate Trial Decision. 8 de Julho de 2005. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  14. Web Archive, National Endowment for Democracy (NED) - International Coalition Expresses Concern for Democracy in Venezuela Havel, Albright, McCain among signatories of letter to Chavez. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  15. El Universal - Lawmakers fail to interrogate Súmate directors. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  16. a b c The Christian Science Monitor Anti-Chávez leader under fire Maria Corina Machado is due in court Wednesday on treason charges.. Mike Ceaser, 5 de Julho de 2005. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  17. Human Rights Watch - A Decade Under Chávez: Political Intolerance and Lost Opportunities for Advancing Human Rights in Venezuela. Setembro de 2008, pág. 218, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  18. a b Los Angeles Times - Venezuela elections weaken Chavez's hold. Mery Mogollon e Chris Kraul, 28 de Setembro de 2010. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  19. a b The Washington Times - Chavez opponents make gains. Bloc breaks supermajority in Venezuelan legislature. Ben Birnbaum, 27 de Setembro de 2010. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  20. a b Financial Times - [www.ft.com/cms/s/0/064cc06a-cb30-11df-95c0-00144feab49a.html Venezuela’s opposition claims majority.] 28 de setembro de 2010. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  21. Reuters - . Daniel Wallis e Andrew Cawthorne, 14 de Janeiro de 2012. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  22. USA Today - Venezuela's opposition picks Chavez's challenger. 12 de Fevereiro de 2012. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  23. El niversal - María Corina Machado presenta su precandidatura a la Asamblea Nacional. Alicia De La Rosa, 18 de Fevereiro de 2010, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  24. Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela - Divulgación Elecciones Parlamentarias. (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  25. El niversal - María Corina Machado presenta su precandidatura a la Asamblea Nacional. Alicia De La Rosa, 18 de Fevereiro de 2010, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  26. El Universal - "Hay que transformar las instituciones públicas. Aspiro a llegar a la Asamblea Nacional para promover la protección de la familia." EUGENIO G. MARTÍNEZ. 22 de Fevereiro de 2010, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  27. El Universal - Comisión Técnica anuncia resultados de primarias con 98% de votos escrutados. Carolina Contreras, 25 de Abril de 2010, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  28. a b c d e f g h Daily Journal Arquivado em 2 de abril de 2015, no Wayback Machine. - Chavez foes face obstacles ahead of crucial vote. 20 de Setembro de 2010, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  29. Agencia Bolivariana de Noticias (ABN)[ligação inativa] - Contrarrevolución carece de moral para solicitar servicios al CNE. 24 de fevereiro de 2010. (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  30. The Economist - Chávez grapples with a 50/50 nation. 23 de Setembro de 2010. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  31. a b Boston.com - Chavez breaking campaign rules. Christopher Toothaker, 2 de setembro de 2010, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  32. The Washington Post - Chavez fails to solidify control. Juan Forero, 28 de Setembro de 2010, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  33. El Universal - Candidate María Corina Machado: Venezuela said no to communism. 27 de setembro de 2010. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  34. El Nacional Arquivado em 24 de março de 2014, no Wayback Machine. - Martinelli pide a la OEA que se ponga los "pantalones largos" y a Venezuela que libere a los presos. 24 de Março de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  35. a b c Wall Street Journal Venezuela to Charge Opposition Leader in Alleged Plot to Kill President. Kejal Vyas, 26 de Novembro de 2014, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  36. BBC News - Venezuela opposition congresswoman's mandate revoked. 25 de Março de 2014. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  37. BBC News - Venezuela: Opposition legislator Machado returns to Caracas. 27 de Março de 2014. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  38. The Star - Venezuelan Congress seeks probe of protest leader . Brian Ellsworth e Esteban Israel. 19 de Março de 2014. (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  39. Lapatilla - María Corina: En dictadura, mientras más débil esté el régimen, mayor será la represión. 20 de Março de 2014, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  40. Reuters - Venezuela troops block opposition leader from parliament. Deisy Buitrago, 1 de Abril de 2014, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  41. Noticias24 - En fotos y video: presentan "escandalosos correos" que muestran el plan de magnicidio contra Maduro. 28 de Maio de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  42. El niversal - Burelli difundió correo que "utilizó el Sebin para falsificar prueba". 6 de Junho de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  43. Reportero24 - JUDICIAL: dictan orden de captura a Burelli, Arria y Koesling. 11 de Junho de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  44. El Universal - Fiscalía libró órdenes de comparecencia para Burelli, Machado y Arria. ALICIA DE LA ROSA, 4 de Junho de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  45. Elnuevoherald - Fiscal ordena investigar incomunicación de líder opositor Leopoldo. 17 de Julho de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  46. Scribd - Evidence in English | Evidencia en Castellano. (em castelhano) (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  47. Wall Street Journal - Expert Says Emails Used to Accuse Maduro Opponents of Assassination Plot Are Fake. José de Córdoba, 30 de Junho de 2014, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  48. CNN - Pedro Burelli presenta pruebas forenses de la presunta falsificación de correos. 1 de julho de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  49. Reuters - Venezuela accused of forging Maduro assassination plot evidence. 2 Julho de 2014. Eyanir Chinea e Brian Ellsworth, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  50. Reuters - Venezuela to charge opposition leader over alleged plot to kill Maduro. Brian Ellsworth, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  51. a b c El Universal - Agreden a diputada María Corina Machado al salir del desfile. ERNESTO ECARRI e ALICIA DE LA ROSA, 5 de Julho de 2011, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  52. a b c d Noticias24[ligação inativa] - MCM tras ser agredida: “la violencia es la faz tenebrosa de quienes se sienten derrotados”. 5 de Julho de 2011, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  53. Web Archive (El-carabobeno) - Chavistas agredieron a diputada María Corina Machado. 5 de Julho de 2011, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  54. a b El Universal - Violentos atacan a Maria Corina Machado en Aragua. 16 de Outubro de 2011, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  55. a b Noticias24[ligação inativa] - MCM denuncia que fue agredida en Turmero por simpatizantes del gobierno (+ fotos). (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  56. Noticias24[ligação inativa] - María Corina relató los detalles de la agresión que ayer sufrió en Turmero. (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  57. El Nacional Arquivado em 13 de abril de 2014, no Wayback Machine. - Los rostros golpeados de los parlamentarios opositores. 1 de Maio de 2013, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  58. CNN - Lawmakers report brawl in Venezuelan National Assembly. Catherine E. Shoichet, 1 de Maio de 2013, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  59. Los Angeles Times - Venezuelan officials say opposition leader faces criminal charges. 19 de Março de 2014, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  60. Noticierodigital - María Corina Machado denuncia agresión a marcha en Sabaneta. 17 de Novembro de 2013, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  61. a b Notitarde Arquivado em 23 de dezembro de 2014, no Wayback Machine. - Oficialistas atacaron caravana de la Unidad. 17 de Novembro de 2013, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  62. El Universal - Diputada Machado agredida por oficialistas en aeropuerto de Puerto Ordaz. 14 de Março de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  63. Ultimas Noticias[ligação inativa] - María Corina Machado denunció que fue agredida en Puerto Ordaz. 14 de Março de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  64. Venezuela al Dia - Cómo agredieron a María Corina Machado en aeropuerto de Puerto Ordaz (+ Video). 14 de Março de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  65. a b c Lapatilla - María Corina Machado fue atacada durante una asamblea en Caricuao. 31 de Julho de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  66. El Propio[ligação inativa] - Así quedó carro de María Corina Machado tras agresión en Caricuao. 31 de Julho de 2014, (em castelhano) Acessado em 01/03/2015.
  67. The White House. Georgewbush - President George W. Bush welcomes Maria Corina Machado. Maio de 2005, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  68. El niversal - Bush expressed concern about Venezuelan government's harassment against Súmate. 1 de Junho de 2005, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  69. National Review[ligação inativa] - Women the World Should Know. 8 de Março de 2006, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  70. Universidade Yale - Yale University President Announces 2009 Yale World Fellows. 24 de Abril de 2009, (em inglês) Acessado em 01/03/2015.
  71. Agência Congresso[ligação inativa] - Senadora tenta impedir que deputada cassada fale no Congresso. 27 de Março de 2014. Acessado em 01/03/2015.
  72. Agência Congresso[ligação inativa] - Deputada venezuelana fala no Senado nesta quarta. 1 de Abril de 2014. Acessado em 01/03/2015.
  73. a b Senado Federal - COMISSõES. 02/04/2014 19h05. Debate sobre crise na Venezuela divide senadores de oposição e da base de governo no Brasil. Acessado em 01/03/2015.
  74. Folha de S. Paulo - Silencio do brasil é igual a cumplicidade afirma venezuelana. Samy Adghirni, 3 de Dezembro de 2014. Acessado em 01/03/2015.

Ligações externasEditar