Marco Licínio Crasso Frúgio (cônsul em 27)

político
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Marco Licínio Crasso (desambiguação).

Marco Licínio Crasso Frúgio (em latim: Marcus Licinius Crassus Frugi; m. 47) foi um político romano da gente Licínia eleito cônsul em 27 com Lúcio Calpúrnio Pisão. Era filho de Marco Licínio Crasso, cônsul em 14 a.C., com uma esposa de nome desconhecido.

Marco Licínio Crasso Frúgio
Cônsul do Império Romano
Consulado 27 d.C.
Morte 47 d.C.

Ancestrais e famíliaEditar

Frúgio era neto de Marco Licínio Crasso, cônsul em 30 a.C., que, por sua vez, era neto do triúnviro Marco Licínio Crasso, do qual Frúgio é o último descendente direto. Licínia, sua irmã, casou-se com seu colega de consulado, Lúcio Calpúrnio Pisão.

CarreiraEditar

Frúgio serviu como pretor e, depois, em 27[a], foi eleito cônsul. Em algum momento depois de 44, serviu como governador da Mauritânia e, durante seu mandato, realizou alguma campanha que lhe valeu a ornamenta triumphalia. Durante o triunfo de Cláudio em Roma pela conquista romana da Britânia, Frúgio estava com o imperador usando a ornamenta[1].

FamíliaEditar

Frúgio se casou com Escribônia[2], uma nobre de uma das mais antigas e influentes famílias de Roma, filha de Lúcio Escribônio Libão, cônsul em 16, e descendente direta de Pompeia, a filha do triúnviro Pompeu com sua terceira esposa Múcia Tércia. O casal teve quatro filhos:

Na primavera de 47, Frúgio, Escribônia e o primogênito Cneu Pompeu Magno foram executados por ordem da imperatriz Messalina, esposa de Cláudio. Os três foram sepultados no chamado "Túmulo dos Licínios Calpúrnios" na Via Salária onde hoje está a Villa Bonaparte, perto da Porta Salária. Mais tarde, o segundo filho deles, Crasso Frúgio, e Licínia Magna também foram sepultados lá. É possível que a região toda fosse propriedade da família. O altar de Licínia Magna está hoje nos Museus Vaticanos[8].

Ver tambémEditar

Cônsul do Império Romano
 
Precedido por:
'Cneu Cornélio Lêntulo Getúlico

com Caio Calvísio Sabino
com Quinto Júnio Bleso (suf.)
com Lúcio Antíscio Veto (suf.)

Lúcio Calpúrnio Pisão
27

com Marco Licínio Crasso Frúgio
com Públio Cornélio Lêntulo (suf.)
com Caio Salústio Crispo Passieno (suf.)

Sucedido por:
'Ápio Júnio Silano

com Públio Sílio Nerva
com Lúcio Júnio Silano (suf.)
com Caio Veleu Tutor (suf.)


NotasEditar

  1. Fontes históricas mais antigas listam seu consulado em 29 e não em 27.

Referências

  1. Suetônio, Vidas dos Doze Césares, Vida de Cláudio 17
  2. a b c d e f g Syme, The Roman Revolution, p. 578
  3. Shelton, The Women of Pliny's Letters, p. 153
  4. Rudich, Political Dissidence Under Nero: The Price of Dissimulation
  5. «Marcus Licinius Crassus Frugi» (em holandês). Romeins Imperium 
  6. Elsner, Life, Death and Representation: Some New Work on Roman Sarcophagi, p. 57
  7. The Cambridge Ancient History. Vol. 5, VII ed. London: Cambridge University Press, 1970–2007.
  8. Elsner, Life, Death and Representation: Some New Work on Roman Sarcophagi, pp. 31, 46

BibliografiaEditar

  • Elsner, J.; Huskinson, J. (2010). Life, Death and Representation: Some New Work on Roman Sarcophagi (em inglês). [S.l.]: Walter de Gruyter 
  • Lanciani, Rodolfo (1892). Pagan and Christian Rome (em inglês). Boston & New York: Houghton, Mifflin and Company 
  • Rudich, V. (2013). Political Dissidence Under Nero: The Price of Dissimulation (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  • Rutledge, S.H. (2002). Imperial Inquisitions: Prosecutors and Informants from Tiberius to Domitian (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  • Shelton, J. (2013). The Women of Pliny's Letters (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  • Syme, R. (2002). The Roman Revolution (em inglês). Oxford: University Press 

Ligações externasEditar