Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o cônsul sufecto em 57. Para o cônsul sufecto em 97 e provavelmente seu neto, veja Marco Ostório Escápula (cônsul em 97).
Marco Ostório Escápula
Cônsul do Império Romano
Consulado 59 d.C.
Morte 66 d.C.

Marco Ostório Escápula (em latim: Marcus Ostorius Scapula; m. 66) foi um senador romano nomeado cônsul sufecto para o nundínio de julho a dezembro de 59 com Tito Sêxtio Africano. Seu bisavô, Quinto Ostório Escápula, foi, com Sálvio Aper, o primeiro prefeito pretoriano de Augusto em 2 a.C.[1] e seu pai, Públio Ostório Escápula, foi governador da Britânia[2].

CarreiraEditar

Ainda jovem na Britânia, Escápula participou da campanha de seu pai contra a revolta dos siluros liderada por Carataco. Depois da vitória sobre os icenos, ele recebeu a coroa cívica por ter salvo cidadãos romanos[3]. Quando seu pai voltou a Roma, Escápula começou sua carreira, mas nada se sabe sobre ela sua chegada ao consulado em 59[4]. Em 62, salvou o pretor Antíscio Sosiano, acusado de crime de maiestas por ter composto versos zombando de Nero, da morte ao testemunhar em seu favor. Apesar disto, o próprio Antíscio o acusou depois de ser um dos membros da Conspiração Pisoniana em 66, uma acusação da qual ele só pôde escapar através do suicídio[5].

FamíliaEditar

É provável que Marco Ostório Escápula, cônsul sufecto em 97, tenha sido seu neto[6].

Ver tambémEditar

Referências

  1. Dião Cássio, História Romana 55, 10, 10.
  2. Tácito, Anais XII, 31-39.
  3. Tácito, Anais XII 31, 3-4.
  4. CIL VI, 2042.
  5. Tácito, Anais XVI 14.
  6. Der Neue Pauly, Stuttgardiae 1999, T. 19, c. 98

BibliografiaEditar