Abrir menu principal

Marcos Breda

Marcos Breda
Nascimento 14 de outubro de 1960 (58 anos)
Porto Alegre
Cidadania Brasil
Alma mater Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Ocupação ator

Marco Antônio Dornelles Breda (Porto Alegre, 14 de outubro de 1960) é um ator brasileiro.[1] Filho de Siro Breda e Maria Catarina Dornelles Breda, é casado desde 2014 com a atriz Lumi Kin, e tem dois filhos de uma relação anterior: Jonas Breda e Daniel Breda. [2]

Índice

BiografiaEditar

É graduado em Letras pela UFRGS (1990) e mestre em Teatro pela UNIRIO (1999).

Quando ainda era estudante, no início da década de 1980, Breda começou a trabalhar com teatro e fazer pequenas atuações em filmes realizados em Porto Alegre. Em 1983 passou a fazer parte do grupo teatral Vende-se Sonhos, com o qual participou das criações coletivas Trenaflor e Das duas, uma. Em 1985 integrou-se ao elenco do grande sucesso do teatro gaúcho Bailei na curva.

Em 1986, chamado para protagonizar, ao lado de Malu Mader, o filme Feliz Ano Velho, e pelo qual recebeu o prêmio de Melhor Ator no Festival de Gramado, mudou-se para São Paulo e, em seguida, para o Rio de Janeiro. Tornou-se conhecido em todo o país com a telenovela Mandala, da TV Globo.

Mesmo com dezenas de trabalhos em cinema e televisão, Marcos Breda nunca parou de fazer teatro. A partir de 2002, tornou-se um dos sócios da Caravana Produções Associadas, responsável pela montagem dos espetáculos Arlequim, servidor de dois patrões, um clássico da commedia dell'arte, com texto de Carlo Goldoni; A maldição do Vale Negro, com texto de Caio Fernando Abreu, que faz uma divertida sátira ao melodrama; e Farsa, uma colagem de textos de Cervantes, Tchékhov, Molière e Martins Pena.

Marcos Breda recebeu o Kikito de Melhor Ator de Curta-metragem em Gramado, por Sargento Garcia, em 2000. No mesmo ano, recebu o Prêmio Prawer/APTC por seu trabalho nos filmes Sargento Garcia e Dois filmes em uma noite. Em 2003, recebeu ainda o Prêmio Qualidade Brasil como melhor ator de comédia pela peça Arlequim, servidor de dois patrões.

Em 2009, integra o elenco da novela do horário das 19 horas, Caras & Bocas, interpretando o atrapalhado e covarde Pelópidas.

Em Novembro de 2010, Marcos Breda assina contrato com o SBT para participar de dez capítulos da novela Amor e Revolução, de Tiago Santiago.[3]

Em Maio de 2013, Marcos Breda volta à TV Globo no seriado semanal Pé na Cova, de Miguel Falabella. Em 2017 integrou o elenco da novela O Rico e Lázaro da Rede Record, interpretando o personagem Ravina.

CarreiraEditar

Na televisãoEditar

No cinemaEditar

  • 1982 - Às margens plácidas (super-8)
  • 1984 - Verdes anos .... Teco
  • 1984 - Me beija .... César
  • 1986 - Quero ser feliz
  • 1986 - O dia em que Dorival encarou a guarda (curta-metragem) .... apache
  • 1987 - Feliz Ano Velho.... Mário [5]
  • 1994 - Jogos (curta-metragem)
  • 1996 - Nós (curta-metragem)
  • 1997 - For All - O trampolim da vitória
  • 2000 - Dois filmes em uma noite (curta-metragem)
  • 2000 - Sargento Garcia (curta-metragem) … sargento Garcia
  • 2000 - O abajur lilás (curta-metragem)
  • 2001 - Colher de chá (curta-metragem)
  • 2002 - A encomenda (curta-metragem)
  • 2002 - Viva Sapato
  • 2003 - O refém (curta-metragem)
  • 2003 - My Father, Rua Alguém 5555 .... Samuel Lifton
  • 2004 - São João do Carneirinho (curta-metragem)
  • 2004 - O sebo (curta-metragem)
  • 2005 - Sal de prata .... Rudi Veronese
  • 2013 - Somos tão Jovens .... Dr. Renato
  • 2016 - Os Senhores da guerra .... Major Soveral
  • 2017 - A menina que construía barcos .... Emídio

No teatroEditar

  • 1982 - Marat-Sade (direção Nestor Monastério)
  • 1982 - Trenaflor (Grupo Vende-se Sonhos)
  • 1984 - Mil e Uma Histórias (infantil, direção Nestor Monastério)
  • 1984 - Das Duas, Uma (Grupo Vende-se Sonhos)
  • 1985 - Bailei na Curva (direção Júlio Conte)
  • 1987 - De Repente, no Recreio (infantil, direção Karen Acioly)
  • 1988 - O Amigo da Onça (direção Paulo Betti)
  • 1990 - Retrato de Corpo Inteiro (direção Cláudio Torres Gonzaga)
  • 1991 - Os Gigantes da Montanha (direção Moacyr Góes)
  • 1992 - A Volta ao Lar (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 1992-93 - A Dama e o Vagabundo (infantil, direção Marcelo Saback)
  • 1993 - A Caravana da Ilusão (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 1994 - A Bela Adormecida (infantil, direção Chico Expedito)
  • 1994-95 - Bailei na Curva (remontagem, direção Júlio Conte)
  • 1995 - Como Diria Montaigne (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 1996 - O Mercador de Veneza (direção Amir Haddad)
  • 1996 - Roberto Zucco (direção Moacir Chaves)
  • 1997-98 - O Homem e a Mancha (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 1999 - Omelete (direção Hamilton Vaz Pereira)
  • 2000 - Luzes da Boemia (direção Aderbal Freire-Filho)
  • 2001 - Os Olhos Verdes do Ciúme (direção Caio de Andrade)
  • 2002-04 - Arlequim, Servidor de Dois Patrões (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 2004 - A Maldição do Vale Negro (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 2006 - Arte (direção Alexandre Reinecke)
  • 2006 - Lavanderia Brasil (direção Moacir Chaves)
  • 2007 - Farsa (direção Luiz Arthur Nunes)

Referências

  1. SILVA NETO, Antônio Leão da: "Dicionário de astros e estrelas do cinema brasileiro", Imprensa Oficial, São Paulo, 2010, p. 75
  2. «Entrevista com Marcos Breda para o saite Alôbebê em 2002». Consultado em 14 de fevereiro de 2018 
  3. «Notícia sobre a contratação de Marcos Breda pelo SBT». Consultado em 19 de dezembro de 2010 
  4. Keila Jimenez (22 de agosto de 2014). «Nova série de Miguel Falabella, 'Sexo e As Negas' terá Marcos Breda como bicheiro; veja». Folha Online. Outro Canal. Consultado em 2 de setembro de 2014 
  5. Cinemateca Brasileira, Feliz Ano Velho [em linha]

Ligações externasEditar