Marginal Botafogo

Marginal Botafogo
Identificador  GO-XXX 
Tipo Via expressa
Trecho da GO-XXX
Concessionária DERMU/SMT
< GO-XXX >

Marginal Botafogo[1] é uma via expressa da cidade de Goiânia-GO. Ela tem cerca de 14 km de extensão e foi construída com o intuito de desafogar o trânsito, retirando parte do fluxo de carros do centro da cidade. Para a construção houve a desapropriação de alguns moradores. A Marginal Botafogo é um dos símbolos de urbanização de Goiânia. Construída em 1991, a via representa o contraponto que a maioria das metrópoles passa durante sua ascensão: a natureza cede lugar ao crescimento e esse passa por cima do que estiver na frente. No local, em meio à blocos de concreto, pontes, asfalto e cor cinza predominante, jaz a mata ciliar do Córrego Botafogo, que batizou a marginal.

Obra MarginalEditar

A Biblioteca Central (BC) da UFG, no Campus 2, mais uma vez é espaço para exposição. Agora recebe a mostra Obra Marginal, exposição fotográfica de Ana Rita Vidica. São 13 painéis que integram o projeto de mesmo nome - Obra Marginal, idealizado pela autora durante disciplina que cursou no mestrado em Cultura Visual, na Faculdade de Artes Visuais da UFG, em 2005, e realizado com bolsa do Programa de Apoio à Produção Artística no Brasil da Funarte.

Com a proposta de criar uma intervenção artística na Marginal Botafogo, Ana Rita fotografou fragmentos da via expressa e os colocou no próprio espaço de tráfego, ao longo dos 14 quilômetros, formando uma galeria a céu aberto. Nos 45 dias de exposição quem passou pela via pôde ver 18 painéis fotográficos impressos em lona e fixados nas grades dos muros e também sete outdoors. As fotos pertencentes ao primeiro grupo foram coloridas no computador. Já as imagens que foram expostas nos outdoors não sofreram interferências. “A intenção foi criar um contraste do belo e o feio, tanto nos muros, com o cinza versus o colorido das fotos, quanto nos outdoors, com a marginal tal qual ela é versus as campanhas publicitárias”, explica Ana Rita.

A ideia da exposição desta forma, segundo a autora, foi levar a arte para a cidade, tirá-la dos lugares fechados – como galerias, para mais pessoas terem contato. Ainda como parte do projeto, Ana Rita montou um site (www.obramarginal.com.br) com todas as fotos, onde cada visitante pôde comentar suas impressões. Após a exposição a céu aberto, a Obra Marginal saiu das ruas e partiu para sua segunda etapa.

Deslocadas para um espaço convencional de exposições, as fotografias de Ana Rita Vidica ficaram abertas à visitação na Galeria Potrich. Nesta etapa, além de mostrar as fotos, a artista selecionou alguns dos comentários postados no site para acompanhar as fotografias. Ainda dentro deste novo processo, a fotógrafa participou de um bate-papo com o público, convidados e a imprensa visando esclarecer e discutir os impactos do projeto. [2]

[3]

Referências

  1. «Marginal Botafogo é liberada após 9 meses». Goiânia - No Coração do Brasil. Consultado em 2 de junho de 2012. Arquivado do original em 16 de junho de 2012 
  2. «Sistema de Bibliotecas/UFG» 
  3. «Denúncia diz que Cahoeira pagou despesa de campanha de Perillo». G1. Consultado em 2 de junho de 2012