Marginocephalia

Marginocephalia ("cabeças com protuberâncias") é um grupo de dinossauros ornitísquios que tinham o crânio grosso, incluindo os paquicefalossaurídeos, e os ceratopsianos. Foram todos herbívoros, andavam em duas ou quatro pernas, e são caracterizados por um espinhaço ou gola óssea nas parte de trás do crânio.[1] O grupo surgiu no período Jurássico, e tornou-se comum no Cretáceo Superior.[2] Restos de marginocéfalos primitivos foram encontrados na Ásia indicando uma possível origem no continente, mas rapidamente migraram para as regiões meridionais da América do Norte.[3]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaMarginocephalia
Crânio de Tricerátopo
Crânio de Tricerátopo
Crânio de Paquicefalossauro
Crânio de Paquicefalossauro
Estado de conservação
Pré-histórica
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Clado: Dinosauria
Ordem: Ornithischia
Subordem: Cerapoda
Infraordem: Marginocephalia
Sereno, 1986
Famílias

PaleobiologiaEditar

AlimentaçãoEditar

Os marginocéfalos tinham dentes simples, semelhantes a pinos, cercados por rhamphotheca, uma bainha córnea de queratina. Os dentes são dispostos em baterias para fácil substituição e possuem serrilhas que podem ter sido úteis para cortar vegetação.[1] Animais do grupo Marginocephalia desenvolveram vários métodos para quebrar a vegetação. Os paquicefalossauros tinham abdomens especialmente grandes com circunferências largas e costelas sacrais alongadas, sugerindo a presença de um estômago grande. Presume-se que isso tenha sido útil para quebrar a vegetação resistente por meio da fermentação bacteriana.[4] Outra adaptação para a digestão avançada da vegetação é vista nos Ceratopsianos, que desenvolveram recursos para melhorar seu aparelho de mastigação. Ceratopsianos derivados têm superfícies de trituração verticais em seus dentes para maximizar a decomposição da vegetação resistente.[5] Também há evidências de musculatura adutora avançada que se estende desde um grande processo coronoide na mandíbula até o folho ceratopsiano, o que aumentaria a força de mastigação.[6] Os paquicefalossauros tinham gastrólitos para ajudar na digestão dos alimentos, mas apenas ceratopsianos primitivos, como Psittacosaurus, tiveram a presença de gastrólitos confirmada.[7]

Dimorfismo sexualEditar

O estudo do dimorfismo sexual em dinossauros é incrivelmente difícil. O tamanho variável e a complexidade das margens na Marginocephalia mostraram muitos sinais de dimorfismo sexual.[8] Embora os detalhes intrincados dos marginocefalianos às vezes pareçam apresentar características dimórficas, muitos duvidam da validade dessas alegações.[8] Stegoceras validum, um paquicefalossauro, pode ser segregado em dois grupos com base no tamanho e na forma de seus crânios. Essas duas classificações de grupo separaram a população de espécies pela metade, o que é altamente indicativo de dimorfismo sexual.[9] No entanto, alguns relatam que os dois grupos podem realmente representar duas espécies separadas.[10] Protoceratops, um tipo de ceratopsiano, também mostra sinais de dimorfismo sexual. No entanto, seus babados não parecem se desenvolver até mais tarde na vida e podem ser coordenados com a maturidade sexual.[11]

FilogeniaEditar

O cladograma abaixo segue uma análise de 2009 de Zheng e colegas.[12]


Marginocephalia
Pachycephalosauria

Stenopelix



Wannanosaurus




Goyocephale




Homalocephale



Pachycephalosauridae





Ceratopsia

Micropachycephalosaurus



Chaoyangsaurus




Psittacosauridae


Neoceratopsia

Liaoceratops




Archaeoceratops




Leptoceratopsidae



Coronosauria








Em 2011, o estudo conduzido por Richard J. Buttler e colegas propuseram uma filogenia distinta para o grupo.[13]


Marginocephalia
Pachycephalosauria

Wannanosaurus




Goyocephale




Homalocephale



Pachycephalosauridae





Ceratopsia

Micropachycephalosaurus



Chaoyangsaurus




Stenopelix



Yinlong





Psittacosauridae


Neoceratopsia

Liaoceratops




Archaeoceratops




Leptoceratopsidae



Coronosauria









Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Maidment, Susannah C. R.; Linton, Deborah H.; Upchurch, Paul; Barrett, Paul M. (22 de maio de 2012). «Limb-Bone Scaling Indicates Diverse Stance and Gait in Quadrupedal Ornithischian Dinosaurs». PLOS ONE (em inglês). 7 (5): e36904. Bibcode:2012PLoSO...736904M. ISSN 1932-6203. PMC 3358279 . PMID 22666333. doi:10.1371/journal.pone.0036904  
  2. Fastovsky, David E., Weishampel, David B. (2009). Dinosaurs: A Concise Natural History (em inglês). Nova Iorque: Cambridge University Press. pp. 110–132. ISBN 978-0-521-88996-4 
  3. Godefroid, Pascal; Lambert, Olivier (2007). «A re-appraisal of Craspedodon llonzeensis DOLLO, 1883 from the Upper Cretaceous of Belgium: the primeiro record of a neoceratopsian dinosaur in Europe?». Sciences de la Terre (em inglês). 77: 83–93. Consultado em 29 de maio de 2016 
  4. Farlow, James O. (1 de janeiro de 1987). «Speculations About the Diet and Digestive Physiology of Herbivorous Dinosaurs». Paleobiology (em inglês). 13 (1): 60–72. JSTOR 2400838. doi:10.1017/S0094837300008587 
  5. Varriale, Frank Joseph (1 de janeiro de 2011). «Dental microwear and the evolution of mastication in ceratopsian dinosaurs». THE JOHNS HOPKINS UNIVERSITY (em inglês) 
  6. Lull, R. S. (1 de maio de 1908). «The cranial musculature and the origin of the frill in the ceratopsian dinosaurs». American Journal of Science (em inglês). s4-25 (149): 387–399. Bibcode:1908AmJS...25..387L. ISSN 0002-9599. doi:10.2475/ajs.s4-25.149.387 
  7. Weishampel, David B.; Jianu, Coralia-Maria (2011). Transylvanian Dinosaurs (em inglês). Baltimore: The Johns Hopkins University Press. pp. 123–140. ISBN 9781421400273 
  8. a b Padian, K.; Horner, J. R. (1 de janeiro de 2011). «The evolution of 'bizarre structures' in dinosaurs: biomechanics, sexual selection, social selection or species recognition?». Journal of Zoology (em inglês). 283 (1): 3–17. ISSN 1469-7998. doi:10.1111/j.1469-7998.2010.00719.x  
  9. Chapman, Ralph E.; Galton, Peter M.; Sepkoski, J. John; Wall, William P. (1 de janeiro de 1981). «A Morphometric Study of the Cranium of the Pachycephalosaurid Dinosaur Stegoceras». Journal of Paleontology. 55 (3): 608–618. JSTOR 1304275 
  10. Schott, Ryan K.; Evans, David C.; Goodwin, Mark B.; Horner, John R.; Brown, Caleb Marshall; Longrich, Nicholas R. (29 de junho de 2011). «Cranial Ontogeny in Stegoceras validum (Dinosauria: Pachycephalosauria): A Quantitative Model of Pachycephalosaur Dome Growth and Variation». PLOS ONE. 6 (6): e21092. Bibcode:2011PLoSO...621092S. ISSN 1932-6203. PMC 3126802 . PMID 21738608. doi:10.1371/journal.pone.0021092  
  11. Dodson, Peter (1 de janeiro de 1976). «Quantitative Aspects of Relative Growth and Sexual Dimorphism in Protoceratops». Journal of Paleontology. 50 (5): 929–940. JSTOR 1303590 
  12. Zheng, Xiao-Ting; You, Hai-Lu; Xu, Xing; Dong, Zhi-Ming (19 de março de 2009). «An Early Cretaceous heterodontosaurid dinosaur with filamentous integumentary structures». Nature. 458 (7236): 333–336. Bibcode:2009Natur.458..333Z. PMID 19295609. doi:10.1038/nature07856 
  13. Richard J. Butler; Jin Liyong; Chen Jun; Pascal Godefroit (2011). «The postcranial osteology and phylogenetic position of the small ornithischian dinosaur Changchunsaurus parvus from the Quantou Formation (Cretaceous: Aptian–Cenomanian) of Jilin Province, north-eastern China». Palaeontology. 54 (3): 667–683. doi:10.1111/j.1475-4983.2011.01046.x  

Ligações externasEditar