Abrir menu principal
Maria Archer
Nome completo Maria Emília Archer Eyrolles Baltasar Moreira
Nascimento 4 de janeiro de 1899
Lisboa, Portugal
Morte 23 de janeiro de 1982 (83 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade Portugal Português
Cônjuge Alberto Teixeira Passos (1921-1931)
Ocupação Escritora
Prémios Prémio Maria Amália Vaz de Carvalho (1938)
Magnum opus Sertanejos

Maria Emília Archer Eyrolles Baltasar Moreira, conhecida como Maria Archer (Lisboa, 4 de Janeiro de 1899 - Lisboa, 23 de Janeiro de 1982), foi uma escritora portuguesa[1][2][3]

Índice

BiografiaEditar

Nascida em Lisboa, mudou-se para Moçambique com os pais e seus cinco irmãos em 1910. Só terminou a escola primária aos 16 anos, tendo para isso que insistir com seus pais, que achavam desnecessária a sua formação. A família voltou para Portugal em 1914, mas dois anos depois estava novamente em África, desta vez na Guiné-Bissau.

Em 1921, enquanto seu pai regressava a Portugal, Maria Archer casou-se com o também português Alberto Teixeira Passos. O jovem casal fixou residência em Ibo. Cinco anos mais tarde, após a queda do regime democràtico e a crise subsequente, o marido perdeu o emprego num banco e os dois mudaram-se para Faro. Em 1931, divorciaram-se.

Separada, foi morar com os pais em Luanda, onde iniciou sua carreira literária. Publicou a novela Três Mulheres, num volume que continha também a aventura policial A Lenda e o Processo do Estranho Caso de Pauling, de António Pinto Quartin.

Voltou para Lisboa, onde iniciou um período de intensa atividade, produzindo obras sobre a sua vivência em África. Em 1945, aderiu ao Movimento de Unidade Democrática (MUD), grupo de oposição ao regime salazarista. As suas obras passaram a ser censuradas. O romance Casa Sem Pão (1947) foi apreendido. Sem condições de viver da sua produção intelectual, refugiou-se no Brasil, onde chegou a 15 de julho de 1955.

No seu exílio, colaborou com os jornais O Estado de S. Paulo, Semana Portuguesa e Portugal Democrático e na Revista Municipal [4] de Lisboa (1939-1973). Alternou entre a literatura de temática africana e as obras de oposição à ditadura portuguesa[5]. Também se encontra colaboração da sua autoria na revista Portugal Colonial [6] (1931-1937).

Voltou para Portugal a 26 de Abril de 1979, internada na Mansão de Santa Maria de Marvila, em Lisboa, um asilo onde passou seus últimos três anos de vida[7].

ObrasEditar

  • Três Mulheres (com Pinto Quartim Graça) - Luanda, 1935
  • África Selvagem - Lisboa, Guimarães & lda, 1935
  • Sertanejos - Lisboa, Editorial Cosmos, 1936
  • Singularidades de Um País Distante - Lisboa, Editorial Cosmos, 1936
  • Ninho de Bárbaros - Lisboa,Editorial Cosmos, 1936
  • Angola Filme - Lisboa, Editorial Cosmos,1937
  • Ida e Volta duma Caixa de Cigarros - Lisboa, Editorial O Século, 1938
  • Viagem à Roda de África - romance de aventuras infantis, Lisboa, Editorial O Século, 1938
  • Colónias Piscatórias em Angola - Lisboa, Cosmos, 1938
  • Caleidoscópio Africano - Lisboa, Edições Cosmos, 1938
  • Há dois Ladrões sem Cadastro - Lisboa, Editora Argo, 1940
  • Roteiro do Mundo Português - Lisboa, Edições Cosmos, Lisboa, 1940
  • Fauno Sovina - Lisboa, Livraria Portugália, 1941
  • Memórias da Linha de Cascais - com Branca de Gonta Colaço, Lisboa, parceria António Maria Pereira, 1943
  • Os Parques Infantis, Lisboa - Associação Nacional dos Parques Infantis, 1943
  • Ela É Apenas Mulher - com António Maria Pereira, Lisboa, 1944
  • Aristocratas - Lisboa, Editorial Aviz, 1945
  • Eu e Elas, Apontamentos de Romancista - Lisboa, Editorial Aviz, 1945
  • A Morte Veio de Madrugada - Coimbra, Coimbra Editora Lda, 1946
  • Casa Sem Pão - Lisboa, Empresa Contemporânea de Edições, 1947
  • Há-de Haver uma Lei - Lisboa, Edição da Autora, 1949
  • O Mal Não Está em Nós - Porto, Livraria Simões Lopes, 1950
  • Filosofia duma Mulher Moderna , Porto, Livraria Simões Lopes, 1950
  • Bato às Portas da Vida - Lisboa, Edições SIT, 1951
  • Nada lhe Será Perdoado - Lisboa, Edições SIT, 1953
  • A Primeira Vítima do Diabo - Lisboa, Edições SIT, 1954
  • Terras onde se fala Português - Rio de Janeiro, Ed. Casa do Estudante do Brasil, 1957
  • Os Últimos Dias do Fascismo Português - S. Paulo, Editora Liberdade e Cultura, 1959
  • África Sem Luz - São Paulo, Clube do Livro, 1962
  • Brasil, Fronteira da África - São Paulo, Felman-Rêgo, 1963
  • Herança Lusíada - Lisboa, Edições Sousa e Costa, s.d.

TeatroEditar

  • Alfacinha - comédia em 1 ato, 1949
  • Isto que Chamam Amor - drama em um ato
  • Numa Casa Abandonada - drama em um ato
  • O Poder do Dinheiro - comédia em 3 atos
  • O Leilão - drama em 3 atos[8]

Referências

Ligações externasEditar